Home / Plantas / Ameixa Irati: Benefícios, Calorias, Árvore, Características e Fotos

Ameixa Irati: Benefícios, Calorias, Árvore, Características e Fotos

A hibridação interespecífica tem sido reconhecida há muito tempo como um processo crucial na evolução e especiação de plantas. A compreensão do processo de hibridização natural poderia não apenas ajudar a esclarecer a incerteza taxonômica, mas também contribuir para esclarecer a origem de muitas adaptações, a manutenção da diversidade de plantas e o processo de especiação.

Ameixa Irati: Arvore, Características e Fotos

A variedade de ameixas irati provem de um cultivo precoce, com boa resistência a condições climáticas frias, cujo plantio geralmente é associado a variedades reubennel e xv de novembro. Esta é uma variedade obtida através de hibridização natural, feita na década de 80.

Foi feita para se desenvolver e amadurecer antes da variedade ‘santa rosa’ e é apreciada por seus frutos de um intenso rubro, bem redondas com uma polpa amarelada sangrada a medida que amadurece, cerosa, com lenticelas quase imperceptíveis, e de excelente qualidade.

Apresenta maior rendimento de produtividade após seis ou oito anos de maturidade, mas é uma planta que já começa a produzir nos primeiros dois anos. Como é resistente ao frio, mudas enxertadas são melhores aproveitadas no inverno brasileiro, entre junho e julho.

Ameixa Irati: Benefícios e Calorias

Não há dados que especifiquem qualquer informação pertinente a ameixa irati disponível nos principais canais de pesquisa disponíveis ao público. Pode-se afirmar, no entanto, que suas qualidades nutritivas são muito semelhantes as de outras cultivares de ameixa comercializadas no Brasil.

As variedades de ameixa em geral primam por melhorar rendimento de produção e combate a pragas, e em alguns casos aprimorar uma ou outra propriedade nutritiva na fruta. Mas no geral objetiva-se manter o valor nutricional equivalente a toda espécie, em especial sua planta de origem.

Para detalhes sobre benefícios ou valores calóricos na fruta ameixa, recomendamos que o leitor aprecie outros temas de igual importância em nosso blog. Segue abaixo algumas sugestões pertinentes para sua apreciação:

Hibridização do Gênero

O gênero eriobotrya lindl., Um pequeno gênero de pyrinae composto por aproximadamente 26 espécies, é originado no Himalaia, leste da Ásia e oeste da Malásia. Eriobotrya japonica (Thunb.) lindl, a planta mãe da ameixa irati, é uma importante árvore frutífera cultivada em todo o sudeste da Ásia.

Das 21 espécies de eriobotrya encontradas na China, há três espécies de eriobotrya que florescem no outono, com exceção da eriobotrya prinoides, eriobotrya prinoides var. daduheensis e eriobotrya malipoensis.

Eriobotrya prinoides Rehd. et Wils. ocorre naturalmente em Sichuan e Yunnan, eriobotrya prinoides var. daduheensis H. Z. Zhang é distribuído em dois municípios de Sichuan, Hanyuan e Shimian, enquanto eriobotrya malipoensis ocorre apenas em Malipo, Yunnan.

Eriobotrya prinoides var. daduheensis tem muitas características morfológicas intermediárias de eriobotrya japonica e eriobotrya prinoides, bem como um formato único de pólen e padrão isoenzimático de peroxidase. Posteriormente, foi considerado um híbrido interespecífico entre eriobotrya japonica e eriobotrya prinoides baseado em dados de cariótipo e peroxidase isoenzima.

Nesse estudo, todos os três taxa foram relatados como diploides com cromossomos idênticos (2n = 2x = 34). Adicionalmente, o cariótipo de eriobotrya prinoides var. daduheensis era do tipo 3A (idêntico a eriobotrya japonica) ou do tipo 2A (idêntico a eriobotrya prinoides), e eriobotrya prinoides var. daduheensis apresentou alguma aditividade na aloenzima peroxidase entre eriobotrya japonica e eriobotrya prinoides.

Mais análise cariotípica por Liang et al. obtiveram resultados diferentes nos quais todos as três taxa foram do tipo 2A. Assim, eles reconsideraram eriobotrya prinoides var. daduheensis como uma variedade distinta de eriobotrya japonica, a planta mãe da ameixa irati.

Resultados de Análises Controversos

Esses resultados controversos foram baseados principalmente em abordagens convencionais, como análise morfológica, cariótipo e ensaio de alozyme, que são suficientes para fornecer conclusões convincentes para muitas espécies que mostram um alto grau de plasticidade morfológica ou caracteres morfológicos intermediários decorrentes de outras forças além da hibridização.

Para a maioria das espécies na subtribo pyrinae, a ocorrência freqüente de poliploidização, apomixia e hibridização dificultam ainda mais a identificação de eventos de hibridação com base nessas abordagens convencionais. Recentemente, genes nucleares de cópia simples ou baixa têm sido usados com sucesso para identificar a hibridação em plantas.

Eriobotrya Prinoides

Mais de 20 indivíduos de cada um dos três táxons (eriobotrya prinoides var. Daduheensis, eriobotrya japonica e eriobotrya prinoides) foram amostrados em dois locais (Hanyuan e Shimian), e quatro genes nucleares de baixa fragmentos de ADN de cloroplasto foram sequenciados para abordar as duas perguntas seguintes:

1) Eriobotrya prinoides var. daduheensis é um híbrido interespecífico? 2) Se sim, qual é a extensão da hibridização? Esses híbridos são naturais ou híbridos de geração posterior, ou ambos? Através desses esforços, discutiu-se ainda fatores que podem contribuir para a ocorrência de hibridização, o efeito da hibridação em suas espécies-mãe e o possível mecanismo de integridade das espécies diante do fluxo gênico.

O Futuro da Hibridização do Gênero

A planta mãe da ameixa irati é originária da China, e há diversos germoplasma do gênero, incluindo espécies que precisam ser investigadas. A maioria das mudas triplóides naturais ou artificiais selecionadas eram variedades líderes, que cobrem apenas uma fração muito pequena da diversidade do gênero.

Populações adicionais ou grupos de germoplasma devem ser usados para a reprodução de variedade triploide, e a hibridação entre poliploidia e diploidia deve ser explorada. Além disso, a caracterização detalhada de todas as plântulas triplóides deve ser realizada utilizando nova geração de ferramentas moleculares.

Como o sequenciamento do genoma da espécie será concluído, técnicas baseadas em transcriptoma e genômica comparativa enriquecerão a genética pesquisa. Esperemos mais a frente à que sucesso levará os novos processos de hibridização de ameixas.

Veja também

Gabiroba Murici: Características, Nome Cientifico e Fotos

A gabiroba é nativa dos cerrados do Brasil. Mas, também pode ser encontrada por todo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *