Home / Plantas / Tipos de Orquídeas no Mato

Tipos de Orquídeas no Mato

As orquídeas são vegetais de flores muitíssimo apreciadas pertencentes à família botânica Orchidaceae, a qual é considerada uma das famílias mais abundantes do reino vegetal, e uma das que apresenta melhor distribuição geográfica (visto que podem ser encontradas em todos os continentes, com exceção da Antártica).

As orquídeas possuem uma origem antiga no planeta Terra. As espécies antecessoras foram encontradas no extremo oriente a 3 ou 4 mil anos atrás.

Em relação à quantidade de espécies de orquídeas existentes no mundo, os números chocam qualquer um: São, ao todo, 50 mil espécies; sendo que 20 mil são encontradas diretamente na natureza, ao passo que 30 mil foram criadas em laboratório, a partir do cruzamento entre espécies diferentes.

No Brasil, há 2.500 espécies de orquídeas (dados que, conforme a literatura, podem variar para até 3.500 espécies). A maioria destas orquídeas é encontrada na Mata Atlântica (caracterizando as famosas orquídeas do mato).

Neste artigo, você conhecerá importantes características sobre estes vegetais, incluindo a listagem dos tipos de orquídeas encontradas no mato.

Então venha conosco e boa leitura.

Orquídeas Classificação Científica

Nada melhor para entrar no assunto do que contextualizar a orquídea no nível da classificação botânica.

Pois bem, a classificação botânica para a orquídea obedece à respectiva sequência:

Domínio: Eukaryota;

Reino: Plantae;

Divisão: Magnoliophyta;

Classe: Liliopsida;

Ordem: Asparagales;

Família: Orchidaceae.

Orquídeas Características em Comum

Caso todas as espécies da família Orchidaceae sejam colocadas em análise, serão observadas algumas características em comum, tais como a presença de coluna (estrutura resultante da fusão entre os órgãos sexuais femininos e masculinos), os grãos de pólen agrupados nas polínias (consideradas estruturas cartilaginosas), e as sementes pequeninas (cuja germinação ocorre apenas na presença de determinados fungos).

As flores das orquídeas, de modo geral, possuem uma simetria caracterizada como lateral e não radial, a qual é composta por 6 segmentos, destes os 3 externos são chamados de sépalas, ao passo que os 3 internos são chamados pétalas. Uma destas pétalas é bastante diferenciada e recebe o nome de labelo, o qual se encarrega da atração de agentes polinizadores até a coluna de flor.

A torção dos ovários em 180° durante o crescimento dos botões (movimentação chamada de ressupinação) permite que as flores das orquídeas estejam invertidas em relação à sua posição natural.

Orquídeas não apresentam raízes primárias centralizadas, apenas raízes tidas como secundárias, que brotam diretamente do caule.

Classificação Geral das Orquídeas

À parte das características generalistas descritas acima, peculiaridades referentes à raiz das orquídeas e ao seu modo de fixação permitem que essas plantas estejam distribuídas em 3 grupos, são eles: o grupo das orquídeas terrestres; o grupo das orquídeas rupícolas e o grupo das orquídeas epífitas.

Orquídeas epífitas também são chamadas de orquídeas aéreas e se fixam no tronco das árvores. Geralmente essas espécies possuem raízes cilíndricas e robustas, que adquirem um formato achatado após se aderirem ao substrato. Essas raízes são revestidas por uma camada esponjosa e porosa chamada velame, responsável por absorver a água e a umidade presente no ar.

A maioria das orquídeas cultivadas é do tipo epífita. Essas orquídeas não são consideradas parasitas, uma vez que utilizam da árvore-base apenas como apoio.

As espécies terrestres crescem tanto em campinas e savanas, quanto em florestas sombrias ou bastante incidência solar.

As orquídeas rupícolas, por sua vez, aderem as suas raízes à superfícies rochosas.

Tipos de Orquídeas no Mato

Algumas espécies de orquídeas brasileiras são características de áreas de mato e floresta, tais como:

A Cattleya labiata, a qual floresce entre o final do verão e início do outono, com perfume característico exalado principalmente no início da manhã. Esta espécie é conhecida como “Rainha do Nordeste Brasileiro”.

Cattleya Labiata
Cattleya Labiata

Outro exemplo é a Cattleya Granulosa, a qual está concentrada principalmente no estado do Rio Grande do Norte, mas que também é encontrada em outros estados nordestinos e, em menor proporção, até mesmo no sudeste. Dependendo da localização geográfica na qual esteja inserida, o período anual de floração varia.

A orquídea Rodriguezia Bahiensis é nativa do Brasil, mais particularmente da Mata Atlântica. É uma espécie epífita de meia luz. Fisicamente, apresenta pequenas hastes que finalizam com flores brancas e pequenas, em tons de lilás e amarelo na porção do labelo, fazendo com que a estrutura seja conhecida popularmente como “buquê de noiva”.

Rodriguezia Bahiensis
Rodriguezia Bahiensis

A espécie Cattleya Júlio Conceição é conhecida como a primeira orquídea híbrida do país. Mesmo não sendo nativa da natureza, sua propagação ocorreu com sucesso, logo a mesma pode ser encontrada na Floresta Amazônica. As flores surgem no verão, e duram aproximadamente 15 dias.

Cattleya Júlio Conceição
Cattleya Júlio Conceição

A flor da orquídea negra, cujo nome científico é Maxillaria Schunkeana, mede apenas 1,5 centímetros e fica a maior parte do tempo parcialmente escondida entre as folhagens. É encontrada com facilidade nas florestas do Espírito Santo, crescendo e formando touceiras com rapidez, no entanto, suas flores duram apenas 5 dias.

Maxillaria Schunkeana
Maxillaria Schunkeana

Nos estados amazônicos, tais como Acre, Amazonas e Pará (além de áreas como Costa Rica, Trinidad Tobago e Honduras), é possível encontrar a espécie Acianthera saurocephala. Ela possui crescimento em touceiras, caule cilíndrico, folhas ovaladas e alongadas, e inflorescências longas e de cor  amarela.

A orquídea Lipares Nervosa é comum em matas secundárias, visto que a espécie tem predileção por locais nos quais se acumula detrito vegetal. Possui flore pequenas, com labelo inteiramente vermelho ou com manchas desta cor. A inflorescência é ereta e possui de 5 a 20 flores. Esta espécie gosta de florestas úmidas, baixas e encharcadas.

Lipares Nervosa
Lipares Nervosa

Gêneros de Orquídeas do Mato

O gênero Brassia abrange cerca de 30 espécies, as quais estão distribuídas entre a America Central, América do Sul e também o Sul da Flórida. A maioria das espécies são epífitas, e pela característica das hastes florais que brotam do pseudobulbo, elas são conhecidas popularmente como “Orquídeas aranha”.

O gênero Gomesa é característico de florestas tropicais costeiras com altitude compreendida entre 450 a 1.300 metros, localizadas nos estados do Espírito Santo e Rio Grande do Sul. Possui inflorescências de atingem até 30 centímetros de comprimento, com 2 a 3 centímetros de comprimento para cada flor.

O gênero Encyclia conta com 180 espécies catalogadas, as quais tem predileção por matas abertas, quentes e com bastante luminosidade. Espécies deste gênero são conhecidas pelo nome “orquídea mariposa”.

*

Agora que você já conhece importantes características sobre as orquídeas, incluindo sobre as espécies que podem ser encontradas em regiões de mata, continue conosco e visite também outros artigos do site.

Até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

Aprenda Como Cuidar De Suas Orquídeas. Orquídeas do Mato. Disponível em: < http://comocuidardeorquideas.info/tipos/orquideas-do-mato/>;

FERREIRA, T. Orquídeas Epífitas- O Que São, Principais Espécies e Suas Características. Disponível em: < https://orquideasblog.com/orquideas-epifitas/>;

Veja também

Árvore Chorão Verdadeiro: Como Plantar E Cultivar

No post de hoje iremos falar um pouco mais sobre uma das espécies de salgueiros, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *