Home / Plantas / Orquídeas Fotos e Características

Orquídeas Fotos e Características

As orquídeas constituem um grupo de plantas de morfologia extremamente diversa. O seu tamanho varia de alguns milímetros de comprimento para agregações gigantes que podem pesar várias centenas de quilos ou comprimentos. E são encontrados na maior parte do mundo, exceto em regiões de clima desértico ou polar, embora sejam especialmente abundantes na zona intertropical, onde a maioria das espécies de flores mais vistosas cresce.

Orquídeas – Fotos e Características

Orquídeas são plantas herbáceas, perenes, raramente anuais, terrestres ou epífitas, ocasionalmente escaladas. Algumas espécies não possuem clorofila e são mico-heterotróficas. Com relação às orquídeas epífitas, diz-se que elas podem se tornar eternas. De fato, na natureza, sua sobrevivência está ligada à vida da árvore que as sustenta. Existem plantas conhecidas coletadas em meados do século XIX que ainda estão crescendo e florescendo em muitas coleções.

Existem dois tipos básicos de crescimento dentro da família: o tipo simpodial, que origina múltiplos caules, e o tipo monopodial, que origina um único caule. O tipo de crescimento simpodial é o mais comum dentro da família. A maioria dessas orquídeas possui pseudobulbos que funcionam como reservatórios de água e nutrientes.

A planta sustenta os pseudobulbos quase verticalmente e o subsequente crescimento e desenvolvimento de novas hastes ocorre horizontalmente, entre os pseudobulbos preexistentes. Cada novo pseudobulbo origina-se na base dos anteriores e, com o seu crescimento, origina novas folhas e raízes. As folhas originadas em cada pseudobulbo podem durar muitos anos, fornecendo nutrientes para toda a planta, até ficarem marrons e morrerem.

Mesmo sem folhas, cada pseudobulbo continua a sustentar o crescimento e a fornecer a energia necessária para o crescimento do resto da planta e para a floração. As orquídeas com crescimento monopodial, diferentemente das anteriores, possuem uma única haste principal que cresce ereta e indefinidamente a partir do centro da planta.

Onde e Como se Desenvolvem

A maioria das espécies é encontrada nos trópicos e sub-trópicos, desde o nível do mar até 5000 metros de altitude, em quase todos os ambientes. Em alguns ecossistemas elas são o elemento dominante, particularmente em habitats com deficiência de nutrientes. O maior número de espécies é distribuído em regiões tropicais, particularmente em áreas montanhosas, que representam barreiras naturais e isolam as diversas populações de plantas, o que causa a formação de um elevado número de endemismos.

Algumas áreas com uma predominância marcada de orquídeas são as ilhas e a área continental do sudeste da Ásia, Equador, onde existem cerca de 3500 espécies descritas. A massa atlântica brasileira tem aproximadamente 1500 espécies descritas. Outras áreas importantes são as montanhas do Sul do Himalaia, na Índia e na China, as montanhas da América Central e do Sudeste da África, principalmente a ilha de Madagascar.

A sua capacidade de adaptação é notável, pois podem crescer tanto ao nível do mar como em altos pântanos. Muitas vivem em árvores (epífitas), outras o fazem em rochas (litófitas), outras em terra e algumas espécies se desenvolvem mesmo em ambientes subterrâneos. Apesar do que muitas pessoas acreditam, elas não são parasitas, pois não se alimentam da árvore onde vivem, mas usam-na como meio de sustentação e como veículo para alcançar a luz do sol.

Algumas medem apenas alguns centímetros e outras podem ter o tamanho de uma árvore. Suas flores podem ser tão pequenas que é impossível observá-las a olho nu, enquanto outras atraem muita atenção.

O Interesse Humano por Orquídeas

As orquídeas são conhecidas e apreciadas pelos seres humanos desde a antiguidade. Há escritos chineses de 1500 anos de idade, onde é feita referência ao cultivo de orquídeas. Na Grécia antiga foi atribuída propriedades curativas e afrodisíacas. Os astecas usavam uma orquídea, baunilha, para enriquecer uma bebida espessa feita de cacau, destinada aos nobres e guerreiros.

Na Europa, o interesse em orquídeas foi despertado por volta de 1731, quando a primeira orquídea tropical floresceu no Novo Mundo, bletia purpurea (ou bletia verecunda), na coleção do almirante britânico Charles Wager. Desde aquela época, o interesse por aquisição e cultivo de orquídeas exóticas elevou-se ao nível do insuperável, particularmente por membros das classes mais abastadas, que chegavam ao extremo de construir um orquidário como uma obrigação compatível com o seu status.

De fato, quando uma orquídea floresceu em tais coleções, o evento deu origem a grandes festas e as notícias cobriram as primeiras páginas da imprensa. Para satisfazer este consumo de orquídeas raras e exóticas, durante muitos anos as colheitadeiras profissionais, principalmente da França e da Inglaterra, dedicaram-se a saquear as florestas americanas sem piedade, colocando muitas espécies em perigo de extinção.

No início do século XX, no entanto, a era da chamada “orquideomania” chegou ao fim. O custo para aquecer as estufas em que essas plantas tinham que ser cultivadas era extremamente alto e a escassez energética, agravada pela primeira guerra mundial, dificultava a manutenção dos orquidários privados. Com a depressão de 1929, o cultivo de orquídeas em grande escala passou definitivamente para os empresários comerciais.

Utilidades e Simbolismos

O aroma das orquídeas é frequentemente analisado pelos perfumistas para identificar potenciais químicos de fragrâncias. As orquídeas têm sido usadas também na medicina tradicional em um esforço para tratar muitas doenças e enfermidades. Elas têm sido usadas como fonte de remédios à base de plantas na China desde 2800 AC. Gastrodia elata é uma das três orquídeas listadas na mais antiga matéria médica chinesa conhecida.

O outro uso importante de orquídeas é o cultivo delas para o desfrute das flores. A maioria das orquídeas cultivadas é tropical ou subtropical, mas algumas que crescem em climas mais frios podem ser encontradas no mercado. Espécies temperadas disponíveis nos viveiros incluem ophrys apifera, gymnadenia conopsea, anacamptis pyramidalis e dactylorhiza fuchsii. Orquídeas de todos os tipos também têm sido procuradas por colecionadores de ambas as espécies e híbridos. Muitas centenas de sociedades e clubes em todo o mundo foram estabelecidos.

As vagens de sementes secas de um gênero de orquídeas, baunilha (especialmente vanilla planifolia), são comercialmente importantes como aromatizantes na panificação, na fabricação de perfumes e na aromaterapia. Os tubérculos de orquídeas terrestres (principalmente orchis mascula) são moídos até um pó e utilizado para cozinhar.

As folhas secas de jumellea fragrans são usadas para dar sabor a rum. Algumas espécies de orquídeas saprófitas produzem tubérculos parecidos com batatas e foram consumidas como alimento pelos povos nativos na Austrália e podem ser cultivadas com sucesso, notadamente gastrodia sesamoides.

As orquídeas têm muitas associações com valores simbólicos. Por exemplo, a orquídea é a flor da cidade de Shaoxing, na China. Cattleya mossiae é a flor venezuelana nacional, enquanto cattleya trianae é a flor nacional da Colômbia. Uma espécie vanda é a flor nacional de Cingapura, guarianthe skinneri é a flor nacional da Costa Rica e rhyncholaelia digbyana é a flor nacional de Honduras. Prosthechea cochleata é a flor nacional de Belize, e lycaste skinneri tem uma variedade branca que é a flor nacional da Guatemala. A flor nacional do Panamá é a orquídea peristeria elata.

Veja também

Lista de Árvores Frutíferas Brasileiras

O Novo Continente O século XVI é marcado por uma série de acontecimentos (hoje em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *