Home / Natureza / Astenosfera, Pangeia e a Crosta Terrestre

Astenosfera, Pangeia e a Crosta Terrestre

Já aconteceu de você receber uma caixa de presentes e dar aquela balançadinha pra tentar adivinhar o que tem dentro? Sempre haverá alguém com esse tipo de reação curiosa, não é mesmo? De modo similar, o homem sempre foi igualmente curioso com relação a esse planeta que ganhou de presente.

A curiosidade sobre o que tem dentro dessa “enorme caixa” envolta nessa embalagem atmosférica sempre despertou interesse. E aos poucos, o homem tem conseguido desembalar esse mistério…

Crosta Terrestre

A crosta terrestre é a parte mais externa da estrutura concêntrica da geosfera, a parte sólida da Terra. É relativamente fino, com uma espessura que varia de 5 km, no fundo do oceano, a 70 km nas áreas montanhosas ativas dos continentes.

A casca de terra ou a crosta terrestre, a parte mais externa da Terra. Localizado sob a crosta oceânica dos oceanos, é formado por basaltos que superam os gabros com uma espessura de menos de dez quilômetros, enquanto a crosta continental, consistindo principalmente de medidas de granito entre 30 e 40 km sob os continentes e até 70 km sob as montanhas.

A crosta terrestre é uma camada de terra, num desenho esquemático, é composta de uma crosta continental de crosta oceânica incluindo o litosfera e o astenosfera, em adição ao revestimento de topo. Existem dois tipos de crosta terrestre: a crosta oceânica e a crosta continental.

A crosta continental também se estende sob os oceanos através da plataforma e do declive continental. Devido à diferença de composição química, a crosta continental tem uma densidade inferior (2,7) do que a crosta oceânica (2.0).

Em geologia, a crosta é a casca exterior de uma rocha sólida de um planeta ou satélite natural, que é quimicamente distinto do manto subjacente. A crosta terrestre é a camada externa da Terra sólida e consiste principalmente de rochas como granodiorito, gabro e basalto. A crosta forma a parte superior da litosfera, todas as rochas e sedimentos da superfície pertencem à crosta.

O limite superior da crosta é chamado de superfície da Terra e o limite entre a crosta e o manto é chamado de descontinuidade de Moho. A determinação disso, no entanto, não pode ser feita com perfuração, porque nenhuma perfuração não pode ser praticado nesta profundidade. Para tanto, foram realizadas medições sismológicas, nas quais a velocidade da onda sísmica é determinada pela rocha.

Na crosta terrestre, às vezes observamos uma descontinuidade sísmica diferente a uma profundidade variável, a descontinuidade de Conrad. A crosta é às vezes dividida em uma crosta superior acima dessa descontinuidade e uma crosta inferior abaixo. Embora essa transição, ao contrário de Moho, não implique uma clara diferença na composição química, pode-se dizer que a crosta inferior é composta de rochas menos hidratadas do que a crosta superior.

Astenosfera

A astenosfera refere-se à parte média do manto superior abaixo da litosfera e se estende de cerca de 100 a 670 km de profundidade. A astenosfera tem LVZ localizado entre 100 e 250 km de profundidade na crosta terrestre. A astenosfera se encontra entre 250 e 400 km de profundidade, e a zona de transição entre 400 e 670 km de profundidade. A astenosfera é a parte dúctil do manto terrestre superior, localizada logo abaixo da litosfera.

Astenosfera
Astenosfera

A astenosfera é a parte superior do manto terrestre sob a litosfera, entre 30 e 130 quilômetros de profundidade, até 670 km. A astenosfera é composta de silicato dúctil, no estado sólido e parcial ou totalmente semi-cessado (dependendo de sua profundidade ou proximidade com os sacos magmáticos), o que permite deriva e isóstase continentais. As placas tectônicas se movem para lá.

A litosfera, que constitui uma cápsula da crosta terrestre, tem uma espessura média de 100 km sob os oceanos e 150 a 250 km sob os continentes e crátons mais antigos. Na astenosfera, há movimentos lentos de convecção que explicam a deriva dos continentes.

Além disso, o basalto da astenosfera é expelido ao longo das cristas oceânicas, causando a constante renovação e expansão do fundo oceânico. Enquanto a expansão encontra um obstáculo representado por um continente, afunda-se por baixo, enviando de volta a matéria do fundo para a fusão no peito da astenosfera e do manto mais profundo,subdução.

Na parte inferior, a astenosfera perde suas propriedades abaixo de 350 km e gradualmente adquire a rigidez do manto inferior em direção à profundidade de 850 km. Quando Wegener definiu sua deriva continental, a força motriz do deslocamento da placa continental seria um fluxo convectivo no manto (mais tarde na astenosfera). Mas hoje, não há evidências suficientes sobre a existência desse fluxo convectivo.

Pangeia

Pangeia foi um supercontinente que existiu durante o final Paleozoicos e primeiras eras mesozoicas. Reuniu-se de unidades continentais anteriores há aproximadamente 335 milhões de anos e começou a se desfazer há cerca de 175 milhões de anos.

A formação de pangeia é agora comumente explicada em termos de placas tectônicas. O envolvimento das placas tectônicas na separação de Pangeia ajuda a mostrar como ele não separa tudo de uma vez, mas em momentos diferentes, em sequências. Além disso, após essas separações, também foi descoberto que as massas de terra separadas também podem ter continuado a se separar várias vezes.

A formação de cada ambiente e clima na Pangeia deve-se à placas tectônicas e, portanto, é como resultado dessas mudanças que diferentes pressões climáticas foram colocadas sobre a vida na Pangeia. Embora a tectônica de placas fosse primordial na formação de massas terrestres posteriores, ela também era essencial na localização, clima, ambientes, habitats e estrutura geral da Pangeia.

O que também pode ser observado em relação às placas tectônicas e à Pangeia, são as formações dessas placas. Montanhas e vales se formam devido a colisões tectônicas, bem como terremotos e abismos. Conseqüentemente, isso moldou as adaptações de Pangeia. Além disso, as placas tectônicas podem contribuir para a atividade vulcânica, que é responsável por extinções e adaptações que evidentemente afetaram a vida ao longo do tempo e, sem dúvida, sobre a Pangeia.

Placas Tectônicas

Placas tectônicas é a teoria que trata da dinâmica da camada externa da Terra – a litosfera – que revolucionou as ciências da Terra ao fornecer um contexto uniforme para a compreensão ou processos de construção de montanha,vulcões e terremotos, bem como a evolução da superfície da Terra e reconstrução de seus continentes e oceanos passados.

O conceito de placas tectônicas foi formulado na década de 1960. Segundo a teoria, a Terra tem uma camada externa rígida, conhecida como a litosfera, que tem tipicamente cerca de 100 km de espessura e cobre uma camada de plástico (moldável, parcialmente fundida) chamada astenosfera. A litosfera é dividida em sete grandes placas continentais e do tamanho do oceano, seis ou sete placas regionais de tamanho médio e várias pequenas.

Essas placas se movem em relação umas às outras, normalmente em taxas de 5 a 10 cm por ano, e interagem ao longo de seus limites, onde convergem, divergem ou passam uma pela outra. Acredita-se que tais interações sejam responsáveis pela maior parte da atividade sísmica e vulcânica da Terra, embora terremotos e vulcões possam ocorrer no interior de placas.

Os movimentos das placas fazem as montanhas se erguerem onde as placas se juntam ou convergem e os continentes fraturar e oceanos para formar onde as placas se separam ou divergem. Os continentes estão embutidos nas placas e flutuam passivamente com eles, o que ao longo de milhões de anos resulta em mudanças significativas na geografia da Terra.

Veja também

Reprodução do Macaco: Filhotes e Período de Gestação

Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre a reprodução dos macacos, entender como funciona a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *