Home / Natureza / O que é o Marfim? Por que é um Material tão Valorizado?

O que é o Marfim? Por que é um Material tão Valorizado?

O marfim é um dos materiais que não podem ser encontrados em nenhum outro local, além do fornecimento animal. Por este motivo, esta obra prima é tão procurada pelas pessoas — e, infelizmente, por caçadores ilegais.

Mas, será que este é o único motivo pelo qual o marfim é tão valorizado? Veja as respostas para esta pergunta no decorrer deste artigo!

Porque o Marfim é Caro?

O marfim é caro principalmente porque seu suprimento é muito limitado, proveniente apenas de presas de elefante e, em segundo lugar, porque seu valor como material devido às suas qualidades de entalhe e ao status de bens de luxo raros.

Muitos outros animais produzem marfim, mas nenhum é tão macio ou em grandes quantidades por amostra. A tagua produz nozes que podem ser esculpidas em itens que se parecem muito com marfim. A jarina, conhecida como marfim vegetal, também disfarça bem pela semelhança.

Outro fator importante é que os elefantes amadurecem e se reproduzem muito lentamente: um elefante atinge a maturidade sexual por volta dos 10 anos, mas não amadurece até os 20 anos. A gravidez dura 22 meses e os bezerros dependem totalmente do leite da mãe por muitos anos, durante os quais é improvável que a mãe engravide novamente.

Historicamente, o elefante tinha que ser morto para conseguir suas presas, porque não havia outra maneira, e hoje os preços extremos dos caçadores de marfim levam os caçadores a remover as presas o máximo possível, incluindo a parte que ainda não emergiu para fora.

As Presas do Elefante (Marfim)
As Presas do Elefante (Marfim)

Mesmo que o elefante estivesse tranquilizado, ele sofreria inimaginavelmente e morreria de hemorragia ou infecção logo depois.

Com a tecnologia de hoje, é realmente possível tranquilizar um elefante e remover a maioria de suas presas sem prejudicar o animal, e isso foi feito em alguns países na tentativa de proteger elefantes específicos.
No entanto, isso é caro e não totalmente seguro devido aos riscos de tranquilização.

O marfim desses elefantes é sempre destruído por funcionários do governo, porque qualquer novo marfim no mercado global significaria novos lucros potenciais para os revendedores e, por sua vez, apoiaria o comércio ilegal.

Más Notícias por Causa da Caça Ilegal

No Parque Nacional Garamba, no nordeste do Congo, milhares de elefantes são mortos todos os anos por suas presas, suas carcaças descartadas como aparas de cabelo no chão de uma barbearia.

Em um relatório bonito e brutal, o repórter do New York Times Jeffrey Gettleman descreve a carnificina, tanto animal quanto humana, em detalhes angustiantes. Em um ano, ele escreve o seguinte:

“Quebrou o recorde de 38,8 toneladas de marfim ilegal apreendido em todo o mundo, o que equivale a mais de 4.000 elefantes mortos. As autoridades dizem que o aumento acentuado de grandes apreensões é um sinal claro de que o crime entrou no submundo do marfim, porque apenas uma máquina criminosa bem oleada — com a ajuda de funcionários corruptos — poderia mover centenas de quilos de presas a milhares de quilômetros em todo o mundo, geralmente usando contêineres feitos especialmente com compartimentos secretos”. (Embora existam muitas fontes de marfim, como morsas, rinocerontes e narvais, o marfim de elefante sempre foi o mais procurado devido à sua textura específica, maciez e falta de uma camada externa de esmalte resistente).

O que no mundo poderia alimentar essa demanda por dentes de animais? Uma classe média chinesa ascendente, cujos milhões agora podem pagar o material premiado. Segundo Gettlemen, cerca de 70% do marfim ilegal vai para a China, onde uma libra pode chegar a US $ 1.000 (Cerca de 4.000 reais).

Porque a Demanda Pelo Marfim é tão Alta?

“A demanda por marfim aumentou a tal ponto que as presas de um único elefante adulto podem valer mais de 10 vezes a renda média anual em muitos países africanos”, escreve Gettlemen.

Isso explica a mecânica. A demanda aumenta, o preço sobe e os custos que caçadores e contrabandistas estão dispostos a suportar um aumento na sincronização. Mas o que está por trás da demanda? Por que tantos chineses querem esses cones alongados de dentina?

Demanda Pelo Marfim
Demanda Pelo Marfim

A comparação com os diamantes é comumente feita: os diamantes, como o marfim, são uma substância natural com pouco valor inerente, mas com grande valor social. O desejo em terras mais ricas leva as sociedades mais pobres a guerras por recursos e abuso de trabalho. E certamente a dinâmica moderna é a mesma.

Mas a demanda por marfim é algo que a demanda por diamantes não é antiga. E sua história como tecnologia, um material com poucos pares por séculos, impulsiona essa demanda ainda hoje.

Os diamantes, como símbolo cultural, são uma invenção do século XX, resultado de uma colaboração entre Mad Men e De Beers. O marfim, por outro lado, tem sido usado e valorizado há milênios.

Na China, de acordo com os fantasmas de Marfim, de John Frederick Walker, existem esculturas artísticas de marfim já no sexto milênio a.C, escavadas na província de Zhejiang. “Na dinastia Shang (1600 a 1046 aC), uma tradição de escultura altamente desenvolvida havia se firmado”, escreve ele. Os espécimes desse período estão hoje em museus ao redor do mundo.

Não é Apenas Pelo Valor Estético

Mas o marfim não era apreciado apenas por seu valor estético. As propriedades do marfim — durabilidade, facilidade com que pode ser esculpida e ausência de lascas — são ideais para uma variedade de usos.

Arqueólogos e historiadores recuperaram muitas ferramentas práticas feitas de marfim: botões, grampos de cabelo, pauzinhos, pontas de lança, pontas de arco, agulhas, pentes, fivelas, alças, bolas de bilhar e assim por diante.

Nos tempos mais modernos, todos conheceram o uso contínuo do marfim como teclas de piano até muito recentemente a Steinway (famosa fabricante de pianos) só descontinuou o uso do marfim nos instrumentos em 1982.

Marfim em Plástico
Marfim em Plástico

O que muitas dessas coisas têm em comum? Hoje os fabricamos em plástico, mas por milhares de anos o marfim foi uma das melhores, se não a melhor, opção — o plástico do mundo anterior ao século XX.
Para alguns desses itens (as teclas de piano são o exemplo mais importante), não tínhamos uma alternativa comparável até muito recentemente. Walker escreve:

Polímeros sintéticos eram amplamente utilizados em teclados desde os anos 50, mas encontraram poucos fãs entre os pianistas sérios. Na década de 1980, a Yamaha desenvolveu o Ivorite, feito de caseína (proteína do leite) e um composto de endurecimento inorgânico, que foi anunciado como tendo tanto a qualidade do marfim que absorve a umidade quanto maior durabilidade.

Infelizmente, alguns dos primeiros teclados racharam e amarelaram, exigindo a reposição com um verniz reformulado. Claramente, havia espaço para melhorias. Steinway ajudou a financiar um estudo de US $ 232.000 no “Rensselaer Polytechnic Institute” em Troy, Nova York, no final dos anos 80, para desenvolver um sintético superior para capas de teclado.

Objetos Fabricados com Marfim
Objetos Fabricados com Marfim

Em 1993, a equipe do projeto criou (e patenteou) um polímero incomum — RPlvory — que duplicava mais de perto os picos e vales microscopicamente aleatórios na superfície do marfim, permitindo que os dedos dos pianistas grudassem ou escorregassem à vontade.

Referências

“O comércio de marfim no Congo e Loango, nos séculos XV — XVII”, de Scielo;

“O que é marfim?”, de Brainly;

“Porque o marfim é tão procurado?”, de Quora;

“Destruição de objetos de marfim em Nova York”, do G1.

Veja também

Qual a Importância dos Corais para o Meio Ambiente?

Famosos nos documentos de vida marinha, os corais são animais cnidários, pertencentes à classe taxonômica …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *