Home / Animais / Tempo de Vida do Elefante e Ficha Técnica

Tempo de Vida do Elefante e Ficha Técnica

O elefante é um animal amado por todos; de porte grande, intimidador e muito antigo no mundo, ele recebe milhões de visitas em zoológicos e safaris ao longo de todos os anos por se tratar de um animal exótico e muito diferente da fauna que estamos acostumados.

Por isso, muitas pessoas têm interesse em saber mais sobre o elefante e suas características; além disso, a maioria das pessoas não faz ideia de qual é o tempo de vida de um elefante e quais são as suas classificações taxonômicas (ou ficha técnica).

Portanto, neste artigo iremos falar sobre algumas características do elefante, listaremos suas classificações taxonômicas e também mataremos sua curiosidade: afinal, qual é o tempo de vida do elefante?

Elefante – Ficha Técnica

Saber a ficha técnica de um animal é essencial para saber a qual reino, filo, classe, ordem e família ele pertence. Essas classificações nos ajudam a dividir os animais em grupos, o que facilita muito na hora de analisá-los, por exemplo. Abaixo, você encontra a classificação taxonômica do elefante.

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Proboscidea
Família: Elephantidae

Como podemos perceber, o elefante faz parte da família Elephantidae. Além disso, essa família pode ser dividida também em diversas outras espécies que variam de acordo com o local de desenvolvimento do animal e muito mais.

Alguns exemplos de espécies de elefantes que podemos citar são: elefante da savana, elefante asiático, elefante da floresta e elefante de naumann.

Elefante da Floresta

Infelizmente, nos dias atuais a maioria das espécies de elefante está extinta, e isso ocorre principalmente por conta da caça ilegal que acontece principalmente em países da África e em todos os locais por todo o globo.

Hábitos do Elefante

Por se tratar de um animal tão exótico, geralmente não sabemos muito quais são os hábitos do elefante. Por esse motivo, vamos ver agora quais são alguns dos hábitos que ele leva durante a vida quando está em seu habitat natural.

O elefante é um animal herbívoro (o que é sinal da evolução natural, já que seria impossível o animal ser caçador por conta de seu por física) e se alimenta principalmente de frutas, folhas presentes em árvores e outras ervas. Logo, os hábitos alimentares do elefante é resumido apenas em plantas.

Uma característica interessante é que a gestação dos elefantes dura duas vezes mais do que a humana, sendo que a fêmea pode ficar grávida por até 22 meses, quase dois anos. Porém, os filhotes nascem com cerca de 90 kg e tendem a andar em bandos até o fim da adolescência, quando vivem isolados e se encontram com as fêmeas para reproduzir.

Elefante – Características Físicas

Como já dissemos, o elefante é um animal com hábitos alimentares herbívoros. Porém, o fato mais chocante é que ele pode chegar a consumir 100kg de comida em um único dia, o que na verdade não é considerado nada, já que o animal chega a pesar 6000kg.

Outro fato interessante é que a pele do elefante pode chegar a ter 3 centímetros de espessura, mas nas orelhas e na boca ela é muito mais fina, e isso é uma adaptação que facilita a degustação e a audição, ambas essenciais para se proteger de presas – que não são muitas para esse animal por conta de seu porte físico.

Tempo de Vida do Elefante

Quem pensa que os elefantes são eternos está muito enganado, já que eles possuem uma expectativa de vida próxima à do ser humano. Os elefantes vivem de 60 a 70 anos, e essa variação irá depender do habitat do animal e dos seus hábitos ao longo da sua vida.

O elefante da savana é o que possui maior expectativa de vida, sendo que sua média alcança os 70 anos. Enquanto isso, o elefante asiático possui uma expectativa de vida abaixo da média, não chegando nem mesmo aos 50 anos. Ao mesmo tempo, o elefante da floresta possui expectativa de vida próxima a do elefante da savana, de 60 a 70 anos.

Naturalmente, a morte do elefante é causada pela queda dos seus dentes molares, o que acaba impedindo com que ele se alimente; logo, ele morre de inanição e falta de nutrientes. Porém, nos dias atuais os elefantes morrem muito mais por causas humanas do que por causas naturais, o que faz com que eles não cheguem nem à metade de suas expectativas de vida.

A Extinção do Elefante

A exploração do marfim presente na presa dos elefantes é uma prática antiga e milenar; porém, ela está proibida desde o ano de 1989 pela Convenção do Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas, já que em um único ano 1/5 da população de elefantes africanos foi morta para a venda ilegal de marfim.

Ao mesmo tempo, a proibição só fez com que o marfim se tornasse ainda mais caro e mais pessoas ficassem interessadas nesse comércio, que tem como principal ator a China, responsável pela maior parte dos entalhes e negociações envolvendo a presa do elefante, que pode chegar a pesar 110 kilos dependendo da espécie.

Por ser a principal responsável por essa iminente extinção de muitas espécies, a China está sendo pressionada por outros países e também pela Convenção do Comércio Internacional; porém, diz-se que grande parte da população chinesa acredita que as presas do elefante caem naturalmente, assim como seus dentes caem na hora de morrer.

Isso apenas mostra que uma maior informação sobre o assunto é extremamente necessária, já que cada vez mais espécies estão entrando em estado de extinção por culpa da ação humana, e não por causas naturais como ocorria há décadas atrás. Nessa situação, um elefante pode chegar a morrer enquanto filhote por conta da caça ilegal e irresponsabilidade das leis destinadas à preservação da fauna.

Já que falamos também sobre a extinção do elefante, que tal saber um pouco mais informações sobre as espécies que estão ameaçadas atualmente ao redor do mundo? Se conscientizar é o primeiro passo para fazer do mundo um lugar melhor para todos e ajudar o planeta em que você vive! Por isso, leia também em nosso site: Espécies de elefantes em risco de extinção.

Veja também

História da Ariranha e Origem do Animal

Os cientistas descobriram lontras gigantes do tamanho de lobos que viviam em águas pré-históricas há …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *