Home / Animais / Espécies de Elefantes em Risco de Extinção

Espécies de Elefantes em Risco de Extinção

Os elefantes são animais majestosos e fascinantes. Atualmente são conhecidas três espécies, sendo duas delas de elefante africano (Loxodonta sp.) e uma de elefante asiático (Elephas sp.). Em razão das grandes dimensões, os elefantes são considerados s maiores animais terrestres existentes na atualidade, com um peso corporal compreendido entre 4 e 6 toneladas e um comprimento de até 4 metros de altura.

As presas de marfim do elefante são estruturas que frequentemente são alvos de contrabandistas, fator esse que coloca esses animais em uma situação de vulnerabilidade ou risco de extinção, segundo afirma a IUCN (União Nacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais). Além da caça ilegal e danos diretos ao elefante, a atuação do homem no ecossistema também tem contribuído para a perda do hábitat deste animal. No entanto, além do homem, o elefante possui poucos predadores naturais.

Neste artigo, você conhecerá um pouco mais sobre as espécies de elefantes em risco de extinção.

Então venha conosco e boa leitura.

Curiosidades Sobre os Elefantes

Os elefantes africanos do tipo de savana e de floresta possuem uma alta expectativa de vida, sendo considerado um dos animais mais longevos do mundo. Esses animais, em condições naturais, alcançam de 60 a 70 anos de vida, e só morrem com essa idade por queda natural, sem reposição, da arcada dentária, visto que o seu metabolismo o permitira viver durante períodos bem mais longos. Outras espécies animais com alta longevidade são os crocodilos (média de 80 anos de vida), a tartaruga de galápagos (média de 152 anos de vida), a baleia da Groelândia (média de 150 a 200 anos de vida) e o ouriço vermelho do mar (média de 200 anos de idade).

Os elefantes possuem a gestação mais longa entre os mamíferos, a qual é de 22 meses, ou seja, quase dois anos. As presas de marfim do elefante pesam mais de 100 quilos.

Muitos se perguntam como o elefante pode sustentar seu grande porte, sendo um animal herbívoro, a verdade é que ele ingere um grande volume de vegetação. Ao todo, são aproximadamente 125 quilos de plantas, capim e folhagem e 200 litros de água todos os dias. Nesse quesito, a sua tromba é sua principal aliada, visto que consegue até 10 litros e água de uma única vez.

Em relação ao elefante asiático, apenas o macho possui presa.

Espécies Atuais de Elefantes

Segundo estudos realizados por meio de análise de DNA, existem dois tipos de elefantes africanos, aquele encontrado nas florestas (nome científico Loxodonta cyclotis) e o encontrado nas savanas (nome científico Loxodonta africana). Na Ásia, a espécie presente é o elefante asiático (nome científico Elephas maximus).

Algumas subespécies do elefante asiático incluem o elefante-indiano (nome científico Elephas maximus indicus), o elefante-do-Ceilão (nome científico Elephas maximus maximus), e o elefante-de-sumatra (nome científico Elephas maximus sumatranus).

Elephas Maximus Sumatranus
Elephas Maximus Sumatranus

Em relação à diferenciação entre elefantes africanos e asiáticos, as principais incluem a altura, a qual é superior para espécies africanas. Enquanto que o elefante africano possui uma altura compreendida entre 3 e 4 metros e um peso de até 6 toneladas, a espécie asiática possui de 2,5 a 3 metros e altura e pesa de 2,7 a 5 toneladas. As orelhas do elefante asiático também são menores, suas trombas (ou probóscide) possui um único lóbulo como terminação, fator que influencia a sua forma de segurar objetos. Os elefantes asiáticos também possuem 4 unhas nas patas traseiras, ao passo que o africano possui 3; além disso, há 19 pares de costelas ao invés de 21.

Espécies de Elefantes Já Extintas

Algumas espécies de elefantes já extintas, incluem os elefantes anões, tais como as espécies Palaeloxodon Chaniensis, Elephantidae elephas falconeri, o elefante anão de chipre (nome científico Palaeloxodon cypriotes), o elefante anão-do-mediterrâneo (nome científico Palaeloxodon falconeri), o elefante anão de Malta (nome científico Palaeloxodon Mnaidriensis), o elefante de Naumann (nome científico Palaeloxodon Naumanni), entre outros.

Elefante de Naumann
Elefante de Naumann

Parentes evolutivamente próximos ao elefante incluem o mamute peludo (nome científico Mammuthus primigenius).

Espécies de Elefantes em Risco de Extinção

No ano de 2012, na África, a população de elefantes declinou 63 % em relação à população do ano de 2002. No Quênia, um grupo de pesquisas instalado na Reserva Natural Samburu desenvolveu um método para cálculo do índice de mortalidade desses animais. Segundo este método, esta população está declinando em torno de 2 % ao ano, em outras palavras, a taxa de mortalidade está superior à taxa de reprodução, principalmente pelo fato de que o tempo de gestação desses animais é muito longo. O maior risco de extinção da espécie está concentrado na África.

Apenas entre os anos de 2009 e 2012, estimativas apontam para um quantitativo de 33.000 elefantes caçados. Em linhas gerais, considerando-se que existem cerca de 500.000 elefantes africanos (da espécie de savana e floresta), este valor corresponderia a mais de 6 % do total.

Esforços conjuntos realizados por ONG’s, com o intuito de gerar conscientização acerca do problema, contribuíram para que esses dados tivessem uma redução no ano de 2013. No entanto, ainda persistem em valor de 2 a 3 %.

Outros dados comparativos afirmam que, na África do início do século XX haviam cerca de 20 milhões de elefantes, no entanto, já no ano de 1980, esse valor era de apenas 1,2 milhões. Hoje, está um pouco inferir a 500.000.

Mesmo as espécies de elefantes de africano (especialmente os de savana) serem os de maior risco de extinção, o cenário para o elefante asiático não é muito diferente. Isto porquê, na China, o marfim custa cerca 2.100 dólares, incentivando ainda mais a caça, a qual, muitas vezes é realizada de forma estruturada, por meio de organizações criminosas.

Na África, a caça de elefantes tornou-se algo tão lucrativo quanto o cultivo e tráfico de drogas ilícitas. Por isso, algumas entidades governamentais estão criando estratégias para contornar esse problema com a propaganda de que um elefante vivo pode ser até 100 vezes mais rentável do que um elefante morto.

*

Agora que você já conhece um pouco mais sobre as espécies de elefantes em risco de extinção, continue conosco e visite também outros artigos do site.

Até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

FIGUEIREDO, A. C. Infoescola. Elefante. Disponível em : <https://www.infoescola.com/mamiferos/elefante/>;

O guia dos curiosos. 10 curiosidades sobre elefantes. Disponível em: <http://guiadoscuriosos.uol.com.br/categorias/2004/1/elefante.html>;

Meus animais. Animais, como os elefantes, correm risco real de extinção. Disponível em: <https://meusanimais.com.br/animais-como-os-elefantes-correm-real-perigo-de-extincao/>.

Veja também

Características da Arraia

O Ambiente Aquático e a Vida na Terra O nosso planeta se chama Terra, em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *