Home / Animais / Estrelas do Mar Morrem? Como é seu Ciclo de Vida?

Estrelas do Mar Morrem? Como é seu Ciclo de Vida?

As estrelas do mar são animais marinhos pertencentes ao filo dos equinodermes e classe Asteroidea. São encontradas praticamente no mundo inteiro, no fundo dos mares e oceanos, mesmo em zonas polares. Uma peculiaridade é que esses animais também podem ser encontrados em zonas abissais, ou seja, com profundidade compreendida em 6.000 metros.

As estrelas do mar existem no conjunto de aproximadamente 1.600 espécies. Elas são consideradas parentes próximos de outros animais marinhos, tais como o ouriço do mar, bolacha da praia e pepino do mar. Possuem registro fóssil, embora relativamente escasso, cuja origem remonta a aproximadamente 450 milhões de anos atrás.

O nome científico da classe taxonômica Asteroidea foi atribuído no ano de 1830, pelo zoólogo francês de Blainville, e deriva do grego, no qual significa “em formato de estrela”.

A simetria e a forma relativamente intrigantes destes animais têm contribuído para que frequentemente sejam citados dentro da literatura e da cultura popular.

Neste artigo, você conhecerá importantes informações sobre as estrelas do mar, inclusive referentes aos seus padrões comportamentais e ciclo de vida. Afinal, estrelas do mar morrem?

Venha conosco e descubra.

Boa leitura.

Estrelas do Mar Classificação Taxonômica

A classificação científica para as estrelas do mar obedece à seguinte sequência:

Domínio: Eukaryota;

Reino: Animalia;

Filo: Echinodermata;

Estrelas do Mar no Fundo do Oceano

Subfilo: Eleutherozoa;

Superclasse: Asterozoa;

Classe: Asteroidea.

Estrelas do Mar Classe Asteroidea

A classe taxonômica á qual pertencem as estrelas do mar (Asteroidea) é composta por oito ordens taxonômicas, são elas:

A ordem Brisingida, formada por 100 espécies; a ordem Forcipuladia, formada por 300 espécies; a ordem Velatida, formada por 203 espécies; a ordem Valvatida, formada pelo incrível número de 695 espécies; a ordem Palloxida, composta por 255 espécies; a ordem Notomyotida, formada por 75 espécies; a ordem Spilunosida, formada por 120 espécies; e a ordem Calliasterellidae já extinta.

Estrela do Mar Características Anatômicas e Fisiológicas

A maioria das espécies de estrelas marinhas são formadas por 5 braços, os quais se irradiam a partir de um disco central. No entanto, esse fator não é uma regra para a totalidade, visto que é possível encontrar estrelas com 7 braços, com 10 a 15 braços, e até mesmo com 50 braços (como é o caso da espécie Labidiaster annulatus).

O revestimento corporal é formado pela epiderme (a qual é composta por uma única camada de células), por uma derme de espessura grossa (na qual se dispõe tecido conjuntivo), além de uma camada fina de celoma mioepitelial (na qual se dispõem a musculatura circular e longitudinal).

Nas estrelas do mar, há um sistema vascular de água, também chamado de sistema hidráulico, cuja função é realizar a troca de gazes, manipulação de alimentos, locomoção e adesão. Esse sistema se dispõe através de um rede com canais cheios de fluidos. Os movimentos de contração e relaxamento das válvulas desses canais são favorecidos pela ação dos músculos longitudinais, bem como dos pés ambulacrais.

O sexo masculino e o feminino estão dispostos nas estrelas do mar separadamente, no entanto, é possível que ocorram as duas modalidades de reprodução, ou seja, reprodução sexuada e reprodução assexuada.

A reprodução sexuada das estrelas do mar é realizada a partir da liberação de ovos, já a reprodução assexuada ocorre da seguinte maneira: uma estrela perde um braço (o qual é ‘reposto’ naturalmente pelo organismo do animal) e desse braço, origina-se uma nova estrela.

O sistema vascular pode auxiliar na locomoção, porém ao nível mecânico propriamente dito, esta é realizada através dos pés ambulacrários. Em relação á respiração, esta é realizada por meio de brânquias.

Esses animais possuem sistema digestivo completo. Uma peculiaridade é que o orifício retal está localizado na parte superior, e próximo a ele é possível encontrar uma estrutura denominada placa madreporita, a qual possui como função filtrar a água para o animal.

As estrelas do mar não conseguem mastigar os alimentos, uma vez que não possuem uma estrutura denominada lanterna de Aristóteles (a qual pode ser encontrada em ouriços do mar, por exemplo). Logo, no momento da alimentação, lançam o estômago para fora da boca.

O sistema nervoso é formado por um anel nervoso peribucal, juntamente com nervos radiados.

Estrela do Mar Padrões Alimentares

Em relação aos padrões alimentares, algumas espécies são consideradas carnívoras e se alimentam de animais classificados como moluscos, crustáceos, vermes e outros invertebrados, ou seja, sua dieta é composta por esponjas, caranguejos, corais, poliquetas, bivalves, entre outros.

Algumas espécies de estrelas do mar também podem ser classificadas como necrófagas, e nesse caso se alimentam de peixes e invertebrados mortos. Outra classificação corresponde às espécies dentríticas, as quais se alimentam de matéria orgânica, bem como organismos microscópicos presentes no sedimento. No caso, de alimentarem-se de partículas em suspensão, elas ainda podem receber outro nome: suspensívoras.

Estrelas do mar carnívoras desenvolvem o mecanismo da eversão ou desenvaginação do estômago.

A atuação predatória desses animais, embora de considerável importância ecológica, pode provocar sérios danos aos recifes de corais. Em alguns países, o excesso de estrelas do mar é removido, de modo a evitar prejuízos, e aproveitado para confecção de ração animal, principalmente de aves.

Estrelas do Mar Morrem? Como é seu Ciclo de Vida?

As estrelas do mar possuem uma tendência natural em se desintegrar após a morte, no entanto, algumas estruturas como os ossículos e as espinhas conseguem ser preservadas.

Durante o seu ciclo de vida, apresentam uma fase de desenvolvimento larval inicial. Suas larvas típicas recebem o nome de bipinária e braquiolária, no entanto, esta nomenclatura só é atribuída para o momento do período embrionário no qual aparecem bandas ciliares na superfície corporal.

Assim como todas as larvas de equinoderme, as larvas da estrela do mar apresentam simetria bilateral, outras particularidades envolvem a presença de um tubo digestivo e 3 pares de vesículas celômicas.

Resumidamente, o ciclo de vida desses animais é estruturado em: fecundação, fase de desenvolvimento, estágio larval (a partir do aparecimento das bandas ciliares), metamorfose, crescimento e fase adulta.

*

Agora que você já conhece importantes características sobre as estrelas do mar, o convite é para que continue conosco e visite também outros artigos do site.

Até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

Biorede. Desenvolvimento larvar. Disponível em: < http://www.biorede.pt/text.asp?id=3387>;

Portal São Francisco. Estrela do Mar. Disponível em: < https://www.portalsaofrancisco.com.br/biologia/estrela-do-mar>;

Wikipédia. Estrela-do-mar. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Estrela-do-mar>.

Veja também

Ciclo do Muar Manejo dos Muares e Cruzamentos

Os burros, muares fruto de cruzamento, foram supostamente domesticados há cerca de 5000 anos, no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *