Home / Plantas / Para Que Serve a Casca de Manacá?

Para Que Serve a Casca de Manacá?

Franciscea uniflora é o nome brasileiro de Manacá, cujo nome cientifico é Brunfelsia uniflora, amplamente utilizado para queixas sifilíticas, onde raiz e folhas são usadas. É um emético purgativo amargo e venenosa, em grandes doses.

Características do Manacá

Manacás são pequenas árvores, do gênero das Solanaceaes , reconhecidas por um cálice de cinco fendas com lóbulos arredondados, bilabiado em estivação, quatro férteis e anteras confluentes no topo, onde é dividido em dois lóbulos estigmáticos, cápsulas carnudas ou coriáceas, mais raramente indeiscentes e semelhantes a drupas, várias sementes grandes embebidas em polpa.

Manacá apresenta flores grandes e algumas muito perfumadas, azuis ou brancas. No comércio, os pedaços de raiz variam de algumas polegadas a 30 cm. de comprimento,  muito resistente e amadeirado, amarelo-centro, com uma casca externa muito fina; o caule tem uma pequena medula amarela.

Partes da planta contém o alcaloide Mancinela, uma substância peculiar fluorescente e supostamente idêntica ao ácido gelsemínico.  A partir de experimentos realizados em animais, teoriza-se que manacá atue na medula espinhal, estimulando e abolindo as atividades dos centros motores; estimulando especialmente os rins e todas as outras glândulas. Em grandes doses, causa lassidão, transpiração e descargas esverdeadas. É altamente recomendado no tratamento da sífilis e reumatismo crônico de natureza artrítica.

Descrição da Planta

Esse arbusto é muito ramificado e extremamente variável no que diz respeito ao formato das folhas apresentando folhas obovadas, oblongas, obtusas ou agudas no mesmo ramo. As folhas são alternadas, de 1 a 3 polegadas de comprimento, estreitando-se na base, macias e, na textura, intermediárias entre coriáceo e membranáceo. As flores são geralmente solitárias, brancas, azuis ou violetas e terminais nos galhos menores.  O estigma é revestido com uma substância glutinosa, verde e fungoide, que serve para reter o pólen.

Esta planta é ocasionalmente cultivada em estufas. É um nativo das seções equatoriais americanas. Dois tipos de manacá são encontrados no comércio (branco e vermelho), sendo, sem dúvida, de origem botânica diferente. A madeira é dura, resistente e de cor vermelho-amarelada, e envolve uma espinha estreita; a casca, que adere de perto à madeira, é de cor marrom-escura e suave quando jovem, mas nas espécies mais antigas a casca é marrom-ferrugem, áspera e escamosa. Tem um sabor amargo, mas sem odor.

Composição Química

Análises descobriram que a casca e a madeira da raiz e do caule continham dois princípios próximos: um alcalóide amorfo fraco e amargo chamado malacino ; o outro corpo fluorescente, idêntico ao ácido gelsêmico . O malacino é tóxico em grandes doses, solúvel em água e álcool, mas insolúvel em éter e clorofórmio. Suas soluções são propensas à decomposição, sendo formada uma resina acastanhada.

Manacá da Serra no Vaso
Manacá da Serra no Vaso

Esse agente foi introduzido como remédio para reumatismo , sendo a decoção empregada pelas pessoas que vivem na região da Amazônia. Manacá tem influência sobre as estruturas nervosas e as glândulas, sendo particularmente diurético. Dizem que sensações dolorosas nas costas e na cabeça são os primeiros efeitos da decoção, cujas sensações são seguidas por diaforese profusa. Doses moderadas induzem êmese e purgação, gerando fezes esverdeadas. Efeitos gastrointestinais de grandes doses podem produzir morte, enquanto seu emprego desmedido durante a gravidez ocasiona aborto.

A raiz de Manacá contém cumarinas – substâncias químicas vegetais que afinam o sangue. Aqueles que tomam medicamentos para afinar o sangue, como Warfarin e heparina, devem usar manacá somente sob a direção e supervisão de um profissional de saúde qualificado para monitorar esses efeitos.

Atualmente, nos sistemas de medicina sul-americanos, o manacá é considerado um abortivo, um limpador de linfa e sangue, um anestésico tópico, diurético, promotor menstrual, laxante, promotor de suor e narcótico.

Para Que Serve a Casca de Manacá?

Casca de Manacá
Casca de Manacá

Tradicionalmente é usado para combater artrite e reumatismo (interno e externo) e condições gerais dolorosas e inflamatórias; para limpar e estimular o sistema linfático (e para glândulas linfáticas inchadas); aliviar dores e cólicas menstruais; para resfriados, gripes e febres; para doenças venéreas

Esta planta é melhor preparada como uma decoção. Use uma colher de chá de pó para cada copo de água. Deixe ferver  delicadamente em uma panela coberta por 20 minutos. Deixe esfriar e repouse por 10 minutos e coe o líquido quente em um copo (deixando o pó depositado no fundo da panela). Tradicionalmente, é tomado em quantidades de 1/2 xícara duas vezes ao dia.

Contra-indicações:  Não deve ser tomado durante a gravidez ou amamentação;  Evite dosagens superiores às indicadas pelo uso sugerido;  Aqueles alérgicos à aspirina (ácido acetilsalicílico) devem evitar o uso de manacá. Manacá contém salicilato e vários de seus derivados.

Histórias e Origens do Manacá

Os povos indígenas da Amazônia usaram Manacá para cerimônias de cura ritual e em observâncias mágicas e religiosas. O xamã da tribo indígena Kofan bebe um chá feito das raízes e da casca da planta para ver o corpo de um paciente doente. A planta permite que eles entendam a natureza da doença e ajudem a curar o paciente. Muitas tribos da bacia do rio Amazonas acrescentam folhas, raízes e casca de raiz de manacá à sua bebida que é abençoada pelos espíritos de plantas e animais.

Brunfelsia Grandiflora
Brunfelsia Grandiflora

No Peru, diz-se que as raízes mais velhas e grossas são tóxicas, enquanto as raízes jovens com 1,5 cm ou menos são seguras para uso. Uma dose geralmente consiste em duas ou três raízes.

Existem vários métodos de preparação diferentes usados ​​pelas tribos da Amazônia, mas o método mais comum é fazer um chá a partir das raízes e da casca da planta. Os índios Shuar fazem um chá potente usando as folhas, raízes e casca e depois esticando os materiais vegetais. Outras tribos usam uma extração de água fria raspando a casca das raízes e caules e permitindo que elas mergulhem em água fria até que grande parte dos alcaloides ativos sejam drenados. Outra preparação comum usada pelos povos indígenas foi extrair os compostos ativos em uma mistura de álcool. Eles usaram cerca de 50 gramas de raiz, maceraram e deixaram absorver 1 litro de álcool de suco de cana.

Segundo relatos iniciais, os efeitos do consumo do Manacá não são muito atraentes. Os efeitos incluem tonturas, exaustão, náusea, salivação excessiva, fraqueza muscular, letargia, paralisia facial, dores na boca, língua inchada, dormência nas extremidades, sensações de formigamento, tremores, sensação de frio insuportável e visão turva. No nível mais alto, há relatos de delírio, confusão mental prolongada e possível cegueira.

Veja também

Jasmim Real

Tudo Sobre A Flor De Jasmim: Características, Nome Científico E Fotos

Seja você um admirador de jardinagem com traços profissionais, ou um simples apaixonado pelas belas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *