Home / Plantas / Ferrugem no Araçá: O Que é e Como Resolver

Ferrugem no Araçá: O Que é e Como Resolver

Espécies do gênero psidium (araçá) podem ser afetadas por cerca de 177 patógenos, dos quais a grande maioria são fúngicos, e os demais bacterianos, por algas, nematoides e epífita. A murcha é a doença mais importante das espécies. Além disso, as doenças de frutas e pós-colheita também são importantes e causam sérias perdas. As doenças dos frutos são de dois tipos, ou seja, doenças de campo e doenças pós-colheita.

As Doenças Recorrentes

Phytophthora hevea, ferrugem causada por puccini e antracnose manchada causada por sphaceloma psidii também são relatados. Entre as doenças radiculares, o amortecimento de plântulas causadas por rhizoctonia solaniKuhn. e podridão da raiz por clitocybe tabascens são relatados. Frutas apodrecem no campo (podridão pré- colheita) ou durante o trânsito e armazenamento (podridão pós- colheita) são as mais recorrentes doenças destas espécies, que causam perda máxima.

Pode-se dizer que, devido a natureza perecível do fruto e vida própria muito curta, espécies de araçá sofre muito por diferentes patologias. Phytophthora, diplodia, phomopsis, gloeosporium e guignardia podem ser classificados como apodrecimento de campo, e danificar ainda mais os frutos durante um possível transporte ou armazenamento. Entre os recorrentes problemas no armazenamento, gloeosporium psidii, pestalotia psidii, phytophthora nicotianae var. parasitica dastur, macrophoma allahabadensis, phomopsis psidii, geotrichum candidum, botryodiplodia theobromae, fusarium solani, pestalotiopsis psidii, fusarium moniliforme var. intermedium, phytophthora citricola causam danos para as frutas de várias maneiras.

Doenças devido a algumas das deficiências como o zinco, magnésio, ou outros nutricionais com deficiências são também relatados além de desordens fisiológicas na fruta. Assim, embora as várias espécies de araçá sejam plantas resistentes, mas sofrem por muitos números de doenças significativas que murcham e apodrecem as frutas, resultando na alta perda de qualidade nutricional das espécies.

Ferrugem no Araçá: o que é?

O primeiro sintoma externo da doença é o aparecimento de coloração amarela com ligeiro enrolamento das folhas dos ramos terminais. Plantas que mostrar alguma frugalidade com descoloração amarela a avermelhada de folhas mas, subsequentemente, não é pré-amadurecimento nem derramamento de folhas. Alguns dos galhos tornar-se desnudos e não conseguem trazer nova folhas ou flores e, eventualmente, secam.

Frutos de todos os ramos afetados permanecem subdesenvolvido, duro e pedregoso. Mais tarde, toda a planta se desfolha e eventualmente morre. Normalmente, quinze dias são necessários para a murcha completa, mas alguns espécimes podem levar até um ano. As raízes mais finas mostram listras pretas, que se tornam proeminentes na remoção e a casca rebenta facilmente. As raízes também mostram apodrecendo na região basal e a casca é facilmente destacável do córtex.

Regiões corticais do caule e da raiz mostram distinta descoloração e danos. Descoloração marrom claro também é notado em tecidos vasculares. Os ataques de patógenos também atingem plantas jovens, embora árvores mais velhas são mais propensas às doenças. Novas mudas e enxertos também mostram sintomas de doença. São principalmente dois sintomas identificados: murcha lenta e súbita murcha.

Ferrugem no Araçá: Como Resolver?

A causa exata da doença ainda não é totalmente compreendida, mas os patógenos, ou seja, fusarium oxysporum. fusarium sp. psidii, fusarium solani, macrophomina phaeseoli, rhizoctonia bataticola, cephlosporium sp. e gliocladium roseum e vários patógenos são relatados por diferentes trabalhadores podem ser os incitantes das doenças. Antes de 1941, a murcha foi considerada causada por cephalosporium sp. Cephalosporium também murcha invariavelmente raízes isolada de plantas.

Pesquisadores relataram a associação de fusarium sp. e ainda outros atribuíram veementemente tais sintomas devido a fusarium oxysporum. Também foi apoiado por autoridades científicas. Observou-se que fusarium oxysporum existe em uma variedade de formas, que diferem em caracteres culturais e morfológicos. Além do envolvimento com os patógenos já citados, associação com outros patógenos têm também sido suspeita na indução murcha que adoece o araçá.

Em qualquer dos casos, o fungo coloniza primeiro a superfície das raízes e depois entra em para as células epidérmicas. Há depois, intercelular micélio estabelecida pela primeira vez em células epidérmicas e, em seguida, se espalha em células corticais que ficam consideravelmente danificadas e preenchidas com o micélio. Fusarium solani entra nos vasos do xilema, cresce dentro e os bloqueia. Macrophomina phaseoli primeiro invade o floema e o destrói. O xilemaos também são atacados em alguns casos.

Ferrugem na Folha de Araçá

A murcha e a ferrugem das espécies de psidium também são relatadas como sendo causada por gloeosporium psidii. O fungo penetra no pecíolo e ataca as folhas jovens que se tornam distorcidas com áreas mortas nas margens ou pontas e em casos graves, morrem. Fusarium oxysporum penetra diretamente através da raiz pelas camadas das mudas ou através de aberturas causadas por raízes secundárias. Hifas são encontrados no xilema de raízes das plantas inoculadas.

Observações histopatológicas feitas por vários trabalhadores em plantas naturalmente murchas e artificialmente inoculadas revelou a presença de fusarium solani e fusarium oxysporum em tecidos vasculares. Gliocladium vermoesenii corda, um conhecido fungo saprófito, também é encontrado associado com plantas doentes. Fusarium oxysporum, fusarium solani, fusarium coeruleum, fusarium moniliforme e rhizoctonia solani eram também de rizoplano…

Resumindo a Espécie

O fruto do araçá em geral consome-se in natura, todo o seu interior suculento e mesmo com sua pele lisa e macia. Para os aficionados por doces, o araçá produz uma excelente geleia mas, nesses casos, desnuda-se o fruto de sua pele levemente ácida. Existe até mesmo a possibilidade de se torrar as sementes esbranquiçadas e diminutas para fazer café, no caso um substituto correspondente. Mesmo suas folhas servem a um benéfico chá para a saúde.

Pesquisas recentes das moléculas de myrtaceae indicaram que o gênero talvez esteja incluído num grupo monofilético junto a outros gêneros como acca, amomyrtus, campomanesia, legrandia, mosiera small, e myrrhinium. Psidium e esses outros gêneros pertencem a subtribo morfologicamente myrtinae (todos caracterizados por embriões com cotilédones relativamente pequenos e um grande hipocótilo), o que os transforma num grupo basílico, parafilético na tribo myrteae. Muitas pesquisas na taxonomia do gênero psidium foram feitos ultimamente com várias novas espécies sendo definidas e alguns esclarecimentos importantes sendo descritos.

Ainda assim, suspeita-se também que, pelo menos algumas espécies de psidium podem ter sido introduzidas na América Central por seres humanos, por causa de seus frutos comestíveis, e não exatamente desenvolvidas ali naturalmente. Não há qualquer evidência fóssil de psidium na América Central e México, além dos achados arqueológicos de psidium guajava, que são aproximadamente 2000 anos de idade no Vale do Tehuacán do México.

Veja também

Abacate: Sugestões e Diferentes Formas de Consumir

Posso comer abacate batido? Esse é um grande questionamento, que envolve a maneira de comer …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *