Home / Plantas / Árvore Sequoia é Gimnosperma?

Árvore Sequoia é Gimnosperma?

Sob o nome popular de sequoia, existem duas espécies de grandes coníferas norte-americanas, ambas da costa do Pacífico, certamente próximas, mas muito fáceis de distinguir. No entanto, muito cedo dúvidas foram expressas sobre a verdadeira natureza: espécies verdadeiras em seu próprio direito ou espécies resultantes de uma hibridação muito antiga?

Angiosperma ou Gimnosperma?

Ao identificar árvores, você precisará determinar se elas são coníferas ou árvores decíduas. Gimnospermas são uma classe taxonômica que inclui plantas cujas sementes não estão contidas em um óvulo (como uma pinha). Gimnospermas geralmente têm agulhas que ficam verdes durante todo o ano. Exemplos são pinheiros, cedros e abetos. Algumas gimnospermas deixam cair suas folhas.

Os angiospermas são uma classe taxonômica de plantas em que a semente madura é circundada pelo óvulo (pense em uma maçã). Este grupo é muitas vezes referido como madeiras nobres. As angiospermas são árvores com folhas largas que geralmente mudam de cor e morrem a cada outono. Algumas angiospermas que mantêm suas folhas incluem rododendros, carvalhos e magnólias.

Árvore Sequoia é Gimnosperma?

Gimnospermas significa literalmente sementes nuas, plantas cujos ovos livres são fertilizados por pólen. As coníferas são os principais representantes das gimnospermas no nosso presente flora. Coníferas incluem um número considerável de famílias de árvores e isso envolve também os taxodiaceae que incluem sequoias (sequoia, metasequoia e sequoiadendron).

No entanto, as sequoias sempervirens apresenta uma originalidade: células hexaploides; cada um deles tem 11 cromossomos diferentes, cada um em seis cópias; Para entender, lembre-se que, por exemplo, em nossos humanos, cada uma de nossas células contém 23 cromossomos, cada um em duplicado (somos diploides).

No entanto, se a poliploidia (portanto, a presença de mais de 2 cópias de cada cromossomo) for generalizada em plantas com flores (estima-se que 50 a 70% das espécies estejam envolvidas nesse processo) e ainda mais em fetos e parentes (até em 95% das espécies poliploides), é muito raro em coníferas e todos os parentes próximos da sequóia sempervirens são diploides.

A sequoia sempervirens é classificada em cupressaceae, a família que inclui ciprestes, cedros, zimbros, ciprestes carecas, etc. Seus dois parentes mais próximos são a sequoia gigante e a metasequoia, essa última conífera descoberta apenas em 1941 na China e anteriormente conhecida apenas como fóssil.

A Causa da Dúvida

Tão cedo quanto a descoberta da metasequoia, um botânico observou uma série de semelhanças com a sequoia, particularmente na forma de folhagem (agulhas achatadas em duas fileiras) e pequenos cones redondos; ele lista 27 caracteres vegetativos e reprodutivos e observa que a sequoia sempervirens e a metasequoia compartilham 18 caracteres em comum entre os 27, enquanto que com a outra apenas 16.

Ele então sugeriu a hipótese de uma origem híbrida da sequoia sempervirens de duas espécies: uma espécie da linhagem de metasequoia e outra perto de cipreste genus taxodium que, na época, também era classificado entre sequoias. A hipótese do parente próximo do cipreste genus taxodium, porém, é abandonada porque na verdade eles não são parentes próximos das sequoias.

Várias séries de comparações genéticas com diferentes marcadores genéticos confirmou este parentesco próximo e apontam para uma origem híbrido entre espécies relacionadas de metasequoia e outro muito perto a sequoia gigante, com o último como parentes paternos (Dador pólen). A dificuldade é que essa recombinação teria ocorrido durante o Cretáceo e, portanto, é uma história muito antiga da qual alguns dos traços foram provavelmente apagados.

O que os Fósseis Dizem

Existem fósseis de folhagem muito semelhantes aos da sequoia sempervirens que datam do jurássico; agora eles tendem a estar mais perto do metasequoia, que teve uma área muito grande no passado, assim como as duas sequoias: até o meio da era Terciária, foi na América do Norte, Ásia e até mesmo na Corrente ártica. A reunião metasequoia/sequoia gigante (ou suas espécies ancestrais próximas) pode muito bem ter acontecido na América do Norte e dar origem à linha híbrida de sequoias sempervirens.

A posteriori, notamos que no passado classificamos inicialmente as duas sequoias no mesmo gênero e que o nome de metasequoia toma todo o seu significado neste novo contexto. A hibridização, sem dúvida, permitiu que a sequoia sempre ocupasse um novo nicho ecológico, em comparação com a sequoia gigante, o que explica sua ecologia diferente.

Ainda Sobre Coníferas (Gminospermas)

As coníferas são um magnífico grupo de plantas de gimnospermas que produzem sementes sem frutos ou flores. Eles incluem algumas árvores incríveis, como as sequoias gigantes da América do Norte, que podem crescer mais de 110 m de altura.

As coníferas são de longe o maior grupo de gimnospermas com cerca de 630 espécies em todo o mundo, numa aproximação total de cerca de 860 espécies. A palavra “conífera” é latina para “ter cone” porque as coníferas produzem cones dentro dos quais produzem pólen (cone masculino) e cultivam sementes (cone fêmea).

As coníferas são todas plantas lenhosas, a maioria árvores e algumas espécies arbustivas, têm folhas semelhantes a agulhas ou escamas e a maioria das espécies é perenifólia. Eles incluem os pinheiros economicamente importantes e muitas outras espécies de madeira que são exploradas para uso em construção e papel.

Coníferas Britânicas

Espécies de coníferas são encontradas em todo o mundo e a única grande massa de terra da qual elas estão ausentes é a Antártida. As mais extensas áreas de coníferas são encontradas nas latitudes mais altas do Hemisfério Norte, através das florestas boreais da América do Norte, Ásia e Europa.

Coníferas também são comuns em áreas tropicais. Uma maior diversidade de coníferas é encontrada nos trópicos do que em latitudes mais altas, mas essas áreas tendem a ser dominadas por plantas de angiospermas de folhas largas. As coníferas têm pontos de diversidade na China, Bornéu e Nova Guiné e estão ausentes de grande parte da África, América do Sul e Austrália.

Embora não sejam árvores naturais em território brasileiro, existem espécies introduzidas aqui para nosso deleite. Há, por exemplo, um parque no Rio Grande do Sul, onde você pode visitar e apreciar pessoalmente lindas espécimes de coníferas, de muitas variedades, inclusive das mais raras.  Este parque fica na região de Canelas, no Rio Grande do Sul e, se desejar, nosso blog já preparou um artigo exclusivo sobre esse parque. Clique nesse link e saiba mais!

Veja também

Crisântemo: Cuidados e Como Fazer Muda Planta

Entre as flores existentes, talvez apenas a rosa seja capaz de superar o crisântemo em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *