Home / Plantas / Alpinia Amarela: Caracteristicas, Nome Cientifico, Cuidados e Fotos

Alpinia Amarela: Caracteristicas, Nome Cientifico, Cuidados e Fotos

A. zerumbet é uma sempre-viva exuberante e aglomerada que forma matas densas em ambientes tipicamente úmidos, como bancos de riachos e encostas sombrias, e ocorre em florestas naturais, zonas ribeirinhas e pântanos, preferindo baixas altitudes (ISSG, 2013).

Na África do Sul, é encontrado invadindo “cursos de água, margens de florestas, margens de estradas, espaços abertos urbanos em regiões úmidas, quentes, costeiras e interiores” (Henderson, 2001). Em Fiji, A. zerumbet é cultivado ou possivelmente escassamente naturalizado ao longo de estradas próximas ao nível do mar (PIER, 2013). A espécie é naturalizada nas Ilhas Cook, ocorrendo em planícies e vales interiores (McCormack, 2013) Da mesma forma em Taiwan, a espécie é amplamente distribuída em baixas altitudes por toda a ilha e nas ilhotas adjacentes (Comitê Editorial da Flora de Taiwan, 2014).

Alpinia Amarela
Alpinia Amarela

A espécie ocorre naturalmente e em áreas cultivadas, e tem sido cultivada para temperos e medicamentos, além de ornamentais em jardins, vasos e estufas (Salisbury, 1812 ; Ibrahim, 2001 ; UNIDO, 2005). Em Porto Rico, a espécie é comumente cultivada para uso ornamental e ocorre em margens úmidas de estradas e margens de rios, persistindo em algumas áreas (Acevedo-Rodríguez e Strong, 2005). Na Bolívia, é cultivado em florestas tropicais de planície (Missouri Botanical Garden, 2014). Na Colômbia, ele pode ser encontrado em uma variedade de habitats, incluindo floresta de pré -ontano úmido a muito úmido, floresta tropical úmida a muito úmida e floresta tropical seca, em uma maior variedade de altitudes de 0-2000 m (Jardim Botânico de Missouri, 2014).

Na Flórida, EUA, A. zerumbet é comumente cultivado, mas raramente escapa, e se for encontrado em redes e matagais perturbados, em altitudes muito baixas de 0 a 30 m (Comitê Editorial da Flora da América do Norte, 2014). A espécie não ocorre em áreas úmidas da Flórida, mas no Havaí e em Porto Rico, pode ser encontrada em áreas úmidas e não-úmidas (USDA-NRCS, 2013).Alpinia amarela, com o nome cientifico de A. zerumbet, é listada como uma “erva daninha ambiental” e “fuga de cultivo” no Compêndio Global de Ervas Daninhas (Randall, 2012).

A. Zerumbet
A. Zerumbet

A espécie forma arvoredos densos e pode se reproduzir por fragmentação de rizoma ou por semente, produzindo até 1000 sementes por pé quadrado (PIER, 2013).

A. zerumbet é listado como um ‘potencial transformador’ na África do Sul, invadindo cursos de água, margens de florestas, margens de estradas e espaços abertos urbanos (Henderson, 2001). No Havaí, geralmente é uma fuga ocasional do cultivo (Wagner et al., 1999), mas invasiva nas Ilhas Moloka’i e Maui (Oppenheimer, 2008).

A. zerumbet é listado como nativo do nordeste da Índia, Birmânia (Mianmar), Indochina, China e Japão, e tem sido cultivado ativamente como ornamental no Sudeste Asiático e em muitos países tropicais e subtropicais (Ibrahim, 2001). É considerada uma erva daninha nociva em Cuba (Oviedo Prieto et al., 2012) e invasora em muitos países do Pacífico, incluindo Fiji, Polinésia Francesa, Palau e Nova Caledônia (PIER, 2013). O Programa Global de Espécies Invasivas lista A. zerumbet como uma erva invasora na África do Sul (Macdonald et al., 2003).

A seguir, algumas informações sobre a alpinia amarela.

Um Pouco Sobre

Como a maior família do Zingiberales, a Zingiberaceae, a família do gengibre, inclui aproximadamente 53 gêneros e mais de 1200 espécies distribuídas em todas as regiões tropicais do mundo, com maior concentração no sudeste da Ásia (Kress et al., 2014). Os membros da família do gengibre são ervas perenes, principalmente com rizomas horizontais ou tuberosos rastejantes, geralmente aromáticos e ricos em amido (Acevedo-Rodríguez e Strong, 2005).

As características distintivas de todos os gengibres são a fusão de dois estames estéreis em um labelo e células contendo óleos essenciais ou etéreos (Kress et al., 2014). Muitos gengibres são cultivados como plantas de especiarias ornamentais e economicamente importantes, principalmente o gengibre “verdadeiro” (Zingiber), açafrão (Curcuma) e cardamomo (Amomum ; Wagner et al., 1999). O gênero Alpinia é nomeado em homenagem ao botânico Perospero Alpino dos séculos XVI e XVII.

Alpinia Amarela no Jardim
Alpinia Amarela no Jardim

Alpinia zerumbet foi originalmente nomeado Zerumbet speciosum por JC Wendland em 1798. Em 1805, essa espécie foi colocada no gênero Costus por Persoon, mas porque o epíteto speciosus já estava ocupado por C. speciosus (J. König) Sm (1791), ele cunhou o novo nome Costus zerumbet, que é o basiônimo de A. zerumbet.

A espécie foi transferida em 1889 por JHK Schumann para Alpinia speciosa; no entanto, como esse epíteto já estava ocupado em Alpinia (A. speciosa (Blume) D. Dietrich 1839), a nova combinação de Schumann não pode ser usada. A espécie foi transferida para outros gêneros, comoLanguas (L. speciose) por Small (1913) e Catimbium (C. speciosum) por Holttum em 1950 (Missouri Botanical Garden, 2014). Dado que a espécie é atualmente reconhecida em Alpinia, o nome a ser usado é A. zerumbet.

Descrição

Alpinia ocorre em todo o sul e sudeste da Ásia, da Índia ao Japão, ao sul da Nova Guiné, Ilhas Salomão, Fiji, Samoa e Austrália. Como muitas outras espécies de Alpinia, o A. zerumbet é cultivado como ornamental em todo o sudeste da Ásia e em muitos outros países tropicais e subtropicais, e é produzido comercialmente nos Estados Unidos e na Europa. A espécie é nativa do leste da Ásia (nordeste da Índia, Birmânia (Mianmar), Indochina, China e Japão) (Ibrahim, 2001).

Erva robusta. Pseudo-itens com 2-3 m de altura. Lóbulo da língua, coriáceo, 5-10 mm de comprimento, obtuso, pubescente abaxialmente; pecíolos de 1 a 1,5 cm de comprimento; lâminas oblongas a oblongas-lanceoladas, 30-70 × 5-14 cm, glabras, margens acastanhadas, geralmente densamente tão distalmente, cunhadas na base, acuminadas ou sub-abruptamente estreitas no ápice até uma ponta caudada e espiralada. Inflorescência, panícula tipo raceme, inclinada, 10-30 × 7-12 cm (em flor); rachis vermelho-púrpura, aveludado; galhos de panículas curtos e fortes, geralmente densamente pubescentes, com 1 a 2 (-3) flores; bracteoles elípticos, com 1,8 a 3,5 cm de comprimento, envolvendo os gomos, glabrosos, brancos com ápice rosa, decíduos.

Pedicelos de flores com 1-2 cm de comprimento; subcampanulado cálice, dentado no ápice, 1,8-2,5 cm de comprimento, branco; tubo de corola mais curto que o cálice, os lobos oblongos, 2,5-3 cm de comprimento, branco leitoso com ponta de rosa, o lobo central maior que o lateral; estaminódios laterais subulados, ca. 2 mm de comprimento; labelo (lábio) ovalado ou espatulado de forma ampla, de 3,5 a 6 cm de comprimento, as margens quebradas e encurvadas, amarelas com listras vermelho-púrpura; estame com 2,5-3 cm de comprimento; ovário hirsuto, amarelo dourado. Cápsula subglobosa, ca. 2 cm de diâmetro, nervurado, vermelhão; sementes anguladas (Acevedo-Rodríguez e Strong, 2005).

Foi encontrado um desacordo entre as fontes no Japão. O USDA-ARS (2013) lista A. zerumbet como nativo do Japão, enquanto Kato et al. (2006) relatam as espécies introduzidas nas ilhas offshore de Ogasawara (Bonin) (PIER, 2013).

Nativa

A. zerumbet é nativa do leste da Ásia, onde é usado há centenas de anos, e foi introduzido em regiões tropicais e subtropicais de todo o mundo como planta medicinal e alimentícia, além de ornamental (Ibrahim, 2001 ; Acevedo-Rodríguez e Strong, 2005). Agora é naturalizado em grande parte dos neotrópicos e amplamente utilizado para fins medicinais e alimentares.

As espécies foram introduzidas na Inglaterra antes de 1793, sendo referidas como Alpinia nutans (Smith, 1804). Foi estabelecido como uma planta cultivada na Inglaterra em 1812, supostamente (como sin. Renealmia nutans) “um ornamental comum” (Salisbury, 1812).

A introdução no Caribe parece relativamente recente, pois não é citada por Grisebach em sua Flora das Índias Ocidentais Britânicas (Grisebach, 1864). A espécie foi coletada em Porto Rico em 1885 (Herbário Nacional dos EUA) e relatada por I. Urban como quase espontânea (Urban, 1905). Em 1917, a espécie era “bastante naturalizada nas Índias Ocidentais”, de acordo com uma publicação sobre a história natural da Ilha de Pines, Cuba, com espécimes do Museu Carnegie coletados ao longo do rio Majagua, ao norte de Los Indios, em 1910 e perto de Nueva Gerona em 1912 (Holanda, 1917). A planta estava presente na Bolívia antes de 1918, sendo referida como Languas speciosa (Britton, 1918) O primeiro espécime indonésio de A. zerumbet alojado no Smithsonian foi coletado na ilha de Amboina em 1913 (Herbário Nacional dos EUA).

Gostou do nosso artigo? Tem alguma contribuição ou dica? Então deixe um comentário e obrigado pela leitura!

Veja também

Como se Faz Saião com Leite? Para que Serve?

O saião (nome científico Kalanchoe brasiliensis) é uma planta medicinal que também pode ser conhecida …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *