Home / Natureza / Preservação do Solo no Brasil: Descongelamento e Degradação do Ecossistema

Preservação do Solo no Brasil: Descongelamento e Degradação do Ecossistema

A reforma do Código Florestal, ferramenta legal que regula a exploração de diferentes biomas brasileiros em nível nacional, está em discussão há anos. As características dessa reforma e sua realização estão na origem de conflitos políticos entre ruralistas e ambientalistas.

As populações rurais exigem que a lei seja alterada, com redução da proporção de áreas de conservação compulsória (reserva legal) e a introdução de formas de pagamento pelo serviço ambiental que representa a reabilitação da floresta. Os ambientalistas, por sua vez, mantêm uma posição intransigente em relação à destruição ambiental e sua possível legalização, mas permanecem mais abertos à idéia de incentivos para encorajar a conservação.

Mistura de Gêneros

As políticas nacionais se encaixam de maneira diferente no modo de gestão do território segundo os Estados. Mato Grosso é um bom exemplo de como um determinado modelo de desenvolvimento e exploração da terra pode ser competitivo: como líder nacional na produção de soja, tem a pecuária mais importante, embora a criação de gado continue extensa. Essas atividades, cujos ganhos beneficiam apenas parcialmente as populações locais, estruturaram profundamente o setor agroindustrial, que se tornou fundamental para a economia desse estado.

O progresso da agricultura e da pecuária em termos de capital produzido e rendimento foi alcançado ao custo da colonização maciça de grandes áreas de floresta e cerrado . Apesar da grande disponibilidade de terras, a maioria da população beneficia apenas marginalmente dos imensos lucros que daí advêm, sendo as situações de exclusão econômica e social muito frequentes.

O pequeno produtor, esmagado pela industrialização de grandes propriedades e pelo poder das monoculturas no mercado, até o sem terra,camponeses sem terra, que há anos esperam a implementação da reforma agrária e a alocação de uma pequena parcela arável, através da força de trabalho rural,freqüentemente reduzida à escravidão.

A posição do Mato Grosso como potência agrícola mundial só foi possível à custa do desmatamento sem paralelo na história do país. Processos que transformam uma área de floresta virgem em uma área de monocultura de cereais ou leguminosas podem ser variados, mas geralmente incluem um primeiro desmatamento seletivo para comercializar madeira de alta qualidade, queima de pastos e, em seguida, cortar no chão e limpar a terra para o plantio.

Infraestruturas e Interesses Privados

O desmatamento no Brasil pode certamente ser considerado uma prática tradicional, assim como a agricultura de subsistência, que por séculos tem permitido que os povos indígenas atendam às necessidades das famílias ou de outros pequenos grupos sociais.

Hoje, é diferente: a mecanização da técnica de “ terra arrasada”, o desenvolvimento de um gigantesco mercado de exportação de produtos agrícolas, o empobrecimento e o abandono de muitas terras superexploradas, o poder As monoculturas adquiridas no mercado lideraram o processo de desmatamento em sua extensão e seus estragos atuais.

As disparidades econômicas entre os diferentes grupos que extraem seus recursos do território são extremas. Isso varia de grandes fábricas que processam milhares de toneladas de soja e algumas outras culturas,cultivadas em propriedades que às vezes se estendem por centenas de milhares de hectares, até o comércio de subsistência que explora a extraordinária diversidade de espécies de plantas da floresta e do cerrado.

O paradoxo é que enormes lucros são obtidos pelo enfraquecimento da riqueza desses ecossistemas sujeitos a um sistema de monocultura, enquanto ainda não há um modelo econômico que permita usar, sem esgotá-los, os recursos extremamente diversificados que eles oferecem (água,biodiversidade, princípios ativos das plantas, condições climáticas favoráveis,etc).

O grande problema da organização espacial brasileira é o desenvolvimento de infraestruturas, sempre no centro dos conflitos econômicos e políticos: estradas asfaltadas, hidrovias e redes ferrovias (e outras soluções para limitar os custos de transporte), usinas hidrelétricas, edifícios para armazenamento e processamento de produtos agrícolas e, se este for um mercado suficientemente lucrativo, plantas para a produção de agrocombustíveis.

O trabalho extremamente caro está fortemente relacionada com investimentos de empresas locais ou magnatas do agronegócio privadas multinacionais, que defendem os seus interesses em primeiro lugar e acima de tudo, e muitas vezes são exploradas na arena política (a promessa renovada para pavimentar uma estrada é um trunfo durante as campanhas eleitorais).

Descongelamento e Degradação do Ecossistema

A limpeza da vegetação nas margens dos rios, a floresta ciliar, tradicionalmente associada à pecuária, uma vez que permitia que o gado fosse beber, é uma das maiores ameaças ao ecossistema, porque tem uma influência profunda no ciclo da água. Entre os efeitos mais prejudiciais agora reconhecidos por muitos agricultores estão: a intensificação da erosão do leito do rio, que leva ao acúmulo de sedimentos e à obstrução dos cursos de água;contaminação da água por produtos químicos utilizados nas culturas, que se espalham para os rios sem obstáculos, alteração de microclimas locais, ruptura de importantes corredores ecológicos para muitas espécies animais e legumes.

A extração de látex de seringueira (hevea brasiliensis) é uma prática que existe pelo menos desde o século XIX. Tradicionalmente ligada a uma classe de trabalhadores chamada seringueiros (da qual o sindicalista Chico Mendes fazia parte), que explorava as árvores diretamente na floresta, esta atividade está agora organizada em grandes plantações. Embora contribuam, com a restauração parcial da cobertura florestal, para a conservação do solo e a absorção de maiores quantidades de CO², há muitos dos graves problemas associados à monocultura.

Iniciativas e Esperança

O desmatamento envolve degradação ambiental que é difícil de reverter apenas com técnicas agronômicas. Mas ainda existem várias experiências de reflorestamento, que permitem aos agricultores que concordaram em tentar melhorar significativamente a qualidade ambiental de suas terras e regularizar sua situação legal. Ainda há exemplos bons disso.

Campanha Ikatu Xingu Y, que enfoca a recuperação de rios e matas ciliares no Complexo de Bacia Hidrográfica do Rio Xingu, é provavelmente a iniciativa mais conhecida do gênero. Beneficiando-se da participação de vários grupos locais (movimentos indígenas, ONGs, institutos de pesquisa,etc.), saudados por algumas administrações e rejeitados por outros, está principalmente preocupado em fornecer assistência técnica para o trabalho de reflorestamento, promover a capacitação da população em questões ambientais e disseminar um novo modelo de desenvolvimento na região, respeitando as diferenças culturais e a sustentabilidade social e ambiental.

Veja também

Camelo Australiano: Características, Nome Cientifico, Extinção e fotos

Você sabia que a Austrália possui um grupo de imigrantes que estão no país desde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *