Home / Animais / Tudo Sobre a Anêmona-do-Mar: Características e Nome Científico

Tudo Sobre a Anêmona-do-Mar: Características e Nome Científico

Você já teve a oportunidade de observar o oceano? O mundo marinho é um dos mais ricos e fascinantes, e um dos “Universos” dos quais temos menos informações. Isso mesmo: apesar de conhecermos muito sobre o mar, estima-se que nem 5% de seus mistérios tenham sido desvendados.

Apesar de ainda haver muito para descobrir, o que sabemos a respeito do fundo do mar é, com certeza, muito valioso. Por exemplo, as anêmonas. São criaturas que despertam curiosidade, pois se parecem com plantas, mas são animais.

Quem vê uma dessas balançando vagarosamente no ritmo das águas nem desconfia que estamos falando de um animal predatório que cumpre papel importantíssimo em seu habitat.

Sem sombra de dúvidas elas encantam pelo seu aspecto físico. São muito coloridas, e ajudam a compor a beleza do fundo do mar: um ambiente misterioso e encantador.

Mas, naturalmente alimentamos uma série de perguntas a respeito delas: Será que se movimentam? O que as anêmonas comem? Como acontece a reprodução dessas criaturas?

Vamos tirar todas essas dúvidas e mergulhar de cabeça nas profundezas da curiosidade, entendendo melhor sobre uma das criaturas mais encantadoras e fascinantes que podemos conhecer.

Parece Planta, Mas é Bicho!

Adiantamos a resposta para essa dúvida comum logo no começo, mas é importante ressaltar: a anêmona-do-mar é um animal, e não uma planta. Sim, é difícil mesmo de acreditar.

Absolutamente tudo no seu aspecto visual faz com que acreditemos que ela é uma planta. Mas não! Se trata de um animal com a seguinte classificação científica:

• Nome Científico: Sea anemones

• Nome em Inglês: Sea Anemone

• Reino: Animalia

• Filo: Cnidaria

• Classe: Anthozoa

• Ordem: Stolonifera:

• Família: Actiniidae

Sea Anemones

São animais que não possuem nenhum esqueleto. Por isso as anêmonas se movimentam com o vai e vem da maré sem conseguirem lutar contra isso. Portanto, é um animal invertebrado!

A sua classe de animais antozoários inclui algumas outras espécies. Uma característica comum é que são animais sedentários, ou seja, que se movimentam o mínimo ou quase nada durante todo o ciclo de vida.

Espécies de Anêmonas-do-Mar

Outra curiosidade que já vamos esclarecer logo no começo desse conteúdo é que a anêmona-do-mar não é uma espécie, mas sim uma ordem de animais. Existem algumas espécies que diferem entre si principalmente no que diz respeito aos seus formatos físicos.

• Macrodactyla doreensis:

Também conhecida como anêmona-saca-rolhas, esse é um animal muito bonito e imponente. Ela atinge cerca de 50 centímetros em sua fase adulta. É um animal carnívoro, que possui tentáculos de cores claras.

Os tentáculos são muito parecidos, quase idênticos. No entanto, comparada as outras espécies de anêmonas essa é considerada uma das que tem a menor quantidade de tentáculos.

• Heteractis magnifica:

Outra espécie de coloração clara, podendo ser branca, verde ou violeta. Alguns exemplares apresentam tentáculos bicolores, com pontas azuis, roxas e malvas.

Essa é a espécie preferida dos peixes palhaços, que adoram se esconder entre as anêmonas.

Também é a espécie mais comprada para apaixonados por aquarismo, justamente porque ela contribuir com o bem-estar de alguns peixes.

Heteractis Magnifica

Mas, é um animal muito difícil de ser cuidado em cativeiro. Por isso é indicada apenas para criadores muito experientes e que praticam o aquarismo há muitos anos.

• Anemonia Sulcata:

O seu nome popular é anêmona de serpentes. Ela possui tentáculos finos e em grande volume, que podem trazer cores variadas. É um animal de aparência pacífica, mas que emite veneno pelos tentáculos durante a caça. Se alimenta de pequenos peixes, gastrópodes e até crustáceos.

O veneno é liberado por um ferrão existente na ponta de seus tentáculos. Esse ferrão pode causar muita dor, sendo considerado mais potente e doloroso que o ataque de uma água-viva.

Conheça a Anêmona Chilena Anemonia Alicemartinae

Talvez você não saiba disso, mas estima-se que conhecemos apenas 5% de toda a riqueza do fundo do mar. Na verdade, alguns cientistas alegam que provavelmente temos mais informações sobre o espaço sideral do que sobre as profundezas oceânicas.

Sendo assim, não é de se espantar que de vez em quando surja uma espécie de animal nunca vista pelos mergulhadores e pesquisadores. Esse é justamente o caso da Anemonia alicemartinae.

Essa anêmona de origem chilena foi catalogada há pouco tempo. É considerada uma espécie recente e traz algumas curiosidades bem particulares.

Anemonia Alicemartinae

A primeira delas é a sua cor. A Anemonia alicemartinae é de um vermelho vibrante que com certeza chama a atenção de qualquer pessoa que encontre com ela.

Os pesquisadores que encontraram a primeira amostra acreditam que a população desse animal cresceu consideravelmente bem nos últimos 50 anos.

Isso justificaria porque ela não foi catalogada até então – havia poucos exemplares. Desde que foi encontrada a Anemonia alicemartinae foi considerada uma das anêmonas mais bonitas graças a sua tonalidade.

• Urticina Crassicornis:

Essa anêmona é uma das mais curiosas de que se tem notícias. Ela é conhecida popularmente por diversos nomes, como anêmona malhada, anêmona pintada ou anêmona de Natal.

É um animal de grandes proporções, muito colorido e que encanta qualquer um que encontre com ela. É um predador oportunista, como as demais, e aguarda a oportunidade perfeita para fazer a sua captura.

Ela se move minimamente caso se sinta ameaçada. Vive cerca de 80 anos de vida completamente solitária, sem companheiros e sem dividir experiências com outros exemplares da espécie, como é natural das anêmonas.

• Urticina Felina:

A anêmona-dália é outra espécie que precisa ser citada. Comumente encontrada no Atlântico Norte e no Mar Báltico. A cor varia bastante do vermelho para o roxo sendo que os tentáculos possuem coloração mais escura.

Essa é uma espécie em especial que não é vista em regiões próximas à superfície. A Anêmona-dália vive em profundidade de 100 metros, e geralmente se prende no solo, no fundo do mar.

Urticina Felina

Outras espécies de anêmonas catalogadas, mas sobre as quais não existem grandes informações na internet são as seguintes:

• Anemonia alicemartinae

Anemonia Alicemartinae

• Anemonia antilliensis

Anemonia Antilliensis

• Anemonia cereus

Anemonia Cereus

• Anemonia chubutensis

Anemonia Chubutensis

• Anemonia clavata

Anemonia Clavata

• Anemonia crystallina

Anemonia Crystallina

• Anemonia depressa

Anemonia Depressa

• Anemonia elegans

Anemonia Elegans

• Anemonia erythraea

Anemonia Erythraea

• Anemonia gracilis

Anemonia Gracilis

• Anemonia hemprichi

Anemonia Hemprichi

• Anemonia indica

Anemonia Indica

• Anemonia insessa

Anemonia Insessa

• Anemonia manjano

Anemonia Manjano

• Anemonia melanaster

Anemonia Melanaster

• Anemonia milneedwardsii

Anemonia Milneedwardsii

• Anemonia mutabilis

Anemonia Mutabilis

• Anemonia natalensis

Anemonia Natalensis

• Anemonia sargassensis

Anemonia Sargassensis

A variedade de cores e formatos pode surpreender. Muita gente acha que elas são absolutamente iguais, mas na verdade representam uma variedade incrível, e são algumas das responsáveis pelo colorido e vivacidade do fundo do mar.

No total existem mais de 1200 espécies. Dessas, 41 encontram-se e são originárias de águas brasileiras. Elas se distribuem tanto em recifes e corais no espaço considerado “entre mar”, quanto em manguezais.

Maiores Anêmonas Que Existem

A variedade de características entre as espécies de anêmona é uma das razoes pelas quais esses animais são tão fascinantes. Mas, nenhuma delas ganha no tamanho quando a Stichodactyla gigantea está no páreo.

Essa é uma espécie de anêmona de tamanho muito grande. É popularmente conhecida como “Anêmona tapete Gigante”. É muito bonita, e por essa razão é comumente escolhida para aquarismo.

Porém, essa espécie não se dá bem em cativeiro. Isso faz com que viva muito pouco, alcançando o máximo de 5 anos de vida – para um animal com expectativas além dos 60.

Uma das maiores dificuldades é que essa anêmona precisa de um aquário espaçoso. Ela também pode desenvolver estresse e infecções bacterianas durante o seu transporte.

Por isso muitos criadores aconselham que esse animal seja tratado com antibióticos num período de quarentena quando transportado para um aquário.

Principais Características da Anêmona-do-Mar

Então, como vimos a anêmona-do-mar é um animal, e não uma planta. Bom, não seria errado dizer que ela acaba se misturando entre os dois reinos.

Embora a sua classificação seja inteiramente “animália”, o seu aspecto físico pode, sim, se passar por planta.

Mas, elas são animais e são consideradas grandes predadores do mundo marinho. As anêmonas possuem um formato cilíndrico e os tentáculos estão para cima, diferentemente do que ocorre com as águas vivas.

Anêmonas Características

No meio dos tentáculos é possível ver um pequeno orifício. Aquilo é a boca da anêmona, e o local por onde ela se alimenta. O processo de alimentação será detalhado a seguir, mas ela basicamente captura com os tentáculos e engole com a boca.

• Tamanho da Anêmona-do-Mar:

O tamanho desse curioso animal pode variar bastante. Existem espécies que ficam em torno dos 10 centímetros. Outras podem atingir um metro de comprimento.

As anêmonas possuem terminações nervosas e músculos. Porém, eles não se desenvolveram com o passar dos anos, e são considerados primitivos e muito simples.

Ela possui um aspecto mole. Se for retirada do mar as anêmonas não terão um aspecto tão imponente. Como ela não possui vértebras também não tem sustentação física.

Elas se fixam a superfície a partir de um disco chamado de discos de pedais. Algumas, por sua vez, não possuem isso, e se afundam na areia, deixando apenas os tentáculos aparentes.

Como Vivem as Anêmonas-do-Mar?

Esses animais são sedentários. As anêmonas-do-mar não se movimentam para praticamente nada!

Elas acabam se fixando em rochas ou conchas, onde passam grande parte de suas vidas.

Em alguns casos as anêmonas escolhem o casco de um caranguejo para se fixar. Algumas espécies são mais “agitadas”, se é que podemos chamar assim, e acabam flutuando pelas águas. Elas podem ser vistas dando pequenas cambalhotas para sair do lugar.

Esses animais também são solitários. Embora você possa ver um grupo de anêmonas muito próximas, elas não estão interagindo, e sequer se reuniram por “afinidades”. Se juntaram porque se fixaram em locais próximos apenas.

Esses animais vivem em diferentes regiões. Podem ser encontradas tanto a beira-mar quanto em profundidades de mais de 10 mil metros de distância.

Porém, são mais frequentes e muito mais coloridas e vívidas em regiões de água quente. Existem algumas poucas espécies que preferem águas frias, e vivem em regiões de temperaturas mais baixas.

Reprodução: Anêmonas Podem se Reproduzir de Forma Sexual e Assexuada

Como pudemos ver até aqui as anêmonas do mar são realmente animais muito curiosos. Outro ponto de atenção para quem quer saber tudo a respeito delas é com relação à reprodução. Você sabe como nascem as anêmonas?

• De onde vêm?

As anêmonas possuem tanto a reprodução sexual quanto assexuada. Existem espécies onde os gêneros são separados, existindo exemplares machos e fêmeas.

A fecundação acontece de forma externa. Os exemplares liberam espermatozoides e óvulos no mar, ocorrendo então a junção. Os óvulos fertilizados se transformam em pequenas larvas.

Essas larvas são chamadas de plânulas. Existem situações em que a fecundação acontece dentro da cavidade gastrovascular da fêmea.

Anêmonas Reprodução

Nesse caso o espermatozoide é liberado na água e nada até o local. A fecundação ocorre dentro da cavidade, mas os óvulos fecundados são liberados em mar aberto.

A plânula é uma larva livre-natante. Isso significa que ela, logo que se forma, nada sozinha pelo oceano. Como não possui tamanho nem estrutura suficiente para se fixar, ela acaba dependendo da movimentação da maré.

Elas acabam se dispersando para outras áreas, e nunca têm contato com os pais. As anêmonas se desenvolvem completamente sozinhas e vivem uma vida solitária até a morte.

Já a reprodução assexuada acontece de forma muito curiosa. Alguns exemplares são considerados hermafroditas, ou seja, apresentam características de ambos os sexos.

Eles então se dividem e se transformam em mais de um indivíduo. A esse processo damos o nome de laceração podal. Enquanto uma parte produz o óvulo, outra produz o espermatozoide. Juntos eles geram o embrião.

Esse é o caso da anêmona Anêmonas Plumosas (Metridium Senile). Ela se parte e se transforma em muitos indivíduos que conseguem se reproduzir entre si.

A Anêmona e o Caranguejo Eremita

Ao pesquisar sobre anêmonas-do-mar pode ser que você acidentalmente caia em conteúdos sobre o caranguejo eremita.

Acontece que esses dois animais completamente diferentes podem estar intimamente relacionados em uma condição conhecida como protocooperação.

• O que é protocooperação?

Essa condição ocorre quando duas espécies completamente distintas se unem em busca de benefícios. Embora um precise do outro, a sobrevivência não necessariamente depende do outro animal – por isso não é uma relação parasitária.

O caranguejo eremita é um crustáceo que não possui uma casca dura para proteger o seu corpo. Então, ele sai em busca de proteção entrando em conchas desabitadas.

Anêmona e o Caranguejo Eremita

Muitas vezes as anêmonas do mar fixam-se nessas conchas, e passam a viver nas costas do caranguejo. Existem benefícios para ambos os lados.

O caranguejo eremita ganha um “super poder”, já que a anêmona possui venenos em seus tentáculos que acabam mantendo alguns predadores longe do bichinho.

Já para a anêmona-do-mar, o maior benefício é o fato de que ela vai se locomover, coisa que naturalmente não faz. Com isso esse animal consegue encontrar mais comida.

Ainda assim, caso a anêmona morra ou o caranguejo morra, o outro animal perde a vantagem, mas não tem a sua vida ameaçada por essa questão. Então, é uma relação de cooperação pacífica e sem características parasitárias.

Hora do Lanche – Anêmonas-do-Mar São Grandes Predadoras!

Ao olhar para esses animais muitas pessoas nem imaginam como é que as anêmonas se alimentam. Afinal de contas, estão ali, tão paradas que até parecem uma planta.

É realmente difícil imaginar uma anêmona-do-mar entrando em um embate por alimentos. Bom, elas realmente não fazem isso! São predadoras oportunistas, que aguardam suas presas chegarem perto para então darem o bote.

A alimentação delas pode ser bastante variada. Alguns dos pratos preferidos das anêmonas são:

• Moluscos;

Moluscos

• Larvas;

Larvas

• Medusas;

Medusas

• Crustáceos;

Crustáceos

• Peixes;

Peixes

• Estrelas-do-mar.

Estrelas-do-Mar

Ou seja, elas capturam praticamente qualquer ciosa que passe por perto. Para isso utilizam seus tentáculos, que possuem uma finalidade de órgão preênsil. Isso significa que eles possuem uma viscosidade na ponta que ajuda a grudar a presa e levar para a boca.

Mas, existe também a possibilidade de que a anêmona-do-mar libere um veneno através de seu tentáculo capaz de imobilizar e matar a sua presa.

São estruturas microscópicas localizadas bem na ponta dos tentáculos. Essas estruturas são chamadas de nematocistos urticantes.

Se trata de pequenos pontos onde existem uma vesícula de veneno. Quando ocorre um toque nessa região, a anêmona lança através do tentáculo uma espécie de ferrão.

Esse ferrão espeta o organismo que encostou ali, e libera uma dose de veneno. O veneno então causa uma imediata paralisia, permitindo que a anêmona utilize outros tentáculos para levar a presa até a boca.

Então, para finalizar o processo de alimentação, as anêmonas liberam enzimas que acabam processando a comida. O que não puder ser devidamente digerido por ela – como espinhos – é cuspido para fora.

Criando Anêmonas no Aquário

As anêmonas do mar podem ser belíssimos animais para criação em aquários. Elas são lindas, coloridas, e trazem um ar marinho muito agradável, fazendo com que o aquário se torne exótico e atraente para os olhares.

Mas, para começar é importante entender que esse animal depende de um aquário com padrão marinho.

Anêmonas no Aquário

Esse tipo de aquário, por sua vez, precisa ser mantido sob condições muito específicas com o que diz respeito a temperatura da água, salinidade etc. Por isso mesmo o aquário marinho não é considerado uma indicação para iniciantes.

Costuma ser uma escolha para aquaristas mais experientes, pois requer alguma experiência e conhecimentos específicos.

• Cuidados essenciais:

A primeira dica fundamental que podemos dar é que você escolha animais saudáveis para colocar em seu aquário. Observe se a anêmona não está ferida, e se realmente está em perfeito estado.

Também tenha o cuidado de optar por fornecedores que realmente cuidam bem dos animais. Uma anêmona saudável durará muito mais tempo, enquanto uma adoentada pode já chegar morta no seu aquário.

• Alimentação:

A alimentação é um dos pontos que requer maior cuidado. O metabolismo da anêmona-do-mar trabalha de forma muito, muito lenta. Sendo assim, elas comem muito pouco, pois os alimentos demoram para serem processados.

É fundamental que você converse com o criador para entender mais sobre a espécie que está adquirindo. Mas, em geral indica-se que as anêmonas não sejam alimentadas nas primeiras semanas no aquário.

Quando for alimentar isso deve ser feito de forma bem espaçada. Os alimentos podem ser fornecidos uma vez por semana, por exemplo.

Alimentação em Excesso – O Que Pode Acontecer?

Animais marinhos possuem um ciclo de alimentação muito delicado. Você mesmo já deve ter ouvido falar de pessoas que alimentaram os peixes de um aquário em excesso, e eles acabaram morrendo.

Por isso as doses alimentares devem ser bem pequenas. Se a anêmona-do-mar comer demais, o seu corpo não dará conta de digerir tudo rapidamente. Com isso os restos de alimentos que permanecem no organismo por muito tempo acabam apodrecendo.

Isso causará doenças e levará a anêmona à morte. Por isso, repetimos, é importantíssimo que você dê pouca comida para ela. E essa comida precisa de primeiríssima qualidade.

Alimentação em Excesso

• O que elas comem?

No aquário ela terá um acesso mais restrito a alimentos. Você deve optar por pequenos camarões ou alguns frutos do mar. Um camarão por semana pode dar conta de alimentar bem uma anêmona-do-mar de tamanho pequeno ou médio.

Para garantir que o camarão não está infectado com alguma doença você pode ferver em água e congelar. Descongele pouco antes de entregar a anêmona.

• Reprodução em Aquário:

Sim! Você pode ser um sortudo e lidar com uma anêmona que venha a se reproduzir em seu aquário. O mais comum é que se reproduzam de forma assexuada.

Quando isso estiver prestes a acontecer você perceberá que a sua anêmona pode se movimentar minimamente. Durante esse lento caminhar ela abandonará partes da sua base, que se transformarão em outros indivíduos.

A reprodução sexual em aquário é bem mais rara, mas também pode acontecer. Nesse caso os exemplares machos liberam espermatozoides que estimulam a ovulação de fêmeas, e ocorre a fecundação.

Então, como já explicamos, nascerão pequenas larvas que vagarão livremente pelo aquário até se fixarem em uma superfície e, dentro de um tempo, se tornarão novas anêmonas.

O mais importante de dizer aqui é que você jamais deve cortar um indivíduo para que ele se reproduza de forma assexuada. Alguns criadores fazem isso, mas é uma prática muito arriscada e cruel, que pode ferir ou até matar a anêmona.

A reprodução deve acontecer de maneira natural. Uma anêmona bem cuidada e saudável pode, sim, reproduzir em aquário. Esforce-se para dar a ela tudo o que precisa para se sentir em casa.

Melhores Espécies para Aquarismo

Agora vamos conhecer algumas das espécies que são mais comuns para o aquarismo. Como já falamos anteriormente, existem muitas espécies de anêmonas-do-mar. Algumas realmente são mais indicadas para cativeiro do que outras.

• Entacmaea quadricolor (Anêmona Bubble Tip):

Essa é uma das anêmonas mais procuradas para aquarismo. É uma espécie que apresenta grande variedade de cores, o que acaba atraindo a tenção dos criadores. Além disso, a Bubble Tip também tem um preço razoavelmente acessível se comparada às demais anêmonas.

Não podemos deixar de citar ainda o fato de que essa é uma espécie ideal para quem quer criar peixe-palhaço, pois, a simbiose entre eles é quase certa.

Anêmona Bubble Tip

Também pode ser conhecida pelo nome de “Anêmona-bolha”. Isso faz referência aos seus tentáculos que trazem pequenas bolhas na ponta. Você poderá encontrar essa espécie em cores como:

• Verdes com pontas rosas;

• Verdes com pontas laranjas;

• Inteira vermelha;

• Rosa com base verde

• Inteira laranja, entre outras.

São bastante resistentes e são fáceis de reproduzir inclusive em cativeiro. Elas caminham pelo aquário até encontrar uma rocha adequada para se fixar.

• Macrodactyla Doreensis (Anmôna de Tentáculos Longos):

Os tentáculos são muito longos, lisos e afinados, o que atribui a essa anêmona um belíssimo movimento.

Anmôna de Tentáculos Longos

Apesar de ser uma espécie muito resistente não costuma se reproduzir em cativeiro.
faz fácil simbiose com algumas espécies de palhaço, e não possui grande variedade de cores. Ainda assim, é uma das anêmonas preferidas de quem cultiva aquário marinho, principalmente pela sua beleza.

• Heteractis crispa (Anêmona de ponta roxa):

Como o próprio nome sugere, a principal característica dessa espécie é que ela traz uma marca roxa na ponta de seus tentáculos, cuja extensão é sempre clara. São animais muito bonitos, mas que geralmente apresentam comportamento agressivo.

Anêmona de Ponta Roxa

Essa também é uma das espécies mais difíceis de serem mantidas em aquário. No entanto, a presença de peixes palhaços que façam simbiose podem ajudar na sobrevivência. É uma espécie indicada apenas para aquaristas experientes.

• Stichodactyla gigantea (Anêmona-carpete):

Anteriormente falamos sobre essa espécie. É uma anêmona muito bonita, mas que pode apresentar um comportamento bastante agressivo, além de comer outros peixes do aquário. Outra questão é que demanda muito espaço, pois ela cresce bastante.

Anêmona-Carpete

Descubra Outras Três Espécies de Anêmonas Perfeitas Para Aquarismo

Felizmente, caso você decida criar anêmonas em seu aquário encontrará muitas opções de espécies.

Elas variam tanto em tamanho quanto em modelos e cores. Veja outras espécies:

• Anêmona-Carpet-Mini:

Essa é uma versão pequena (muito pequena) da anêmona carpete. Porém, não se engane com o tamanho: essa espécie é extremamente agressiva.

Espécies de peixes não fazem simbiose com ela, e muitas, inclusive, são seus pratos preferidos. A carpete-mini, porém, é encantadora pelo seu visual multicolorido.

• Anemona Rock:

Talvez essa seja a espécie mais bonita, e a mais desejada pelos aquaristas de qualquer nível. As anêmonas rock trazem ao aquário todo aquele aspecto de fundo de mar graças as suas cores vibrantes e fosforescentes.

São animais agressivos, raríssimos no Brasil, mas são relativamente fáceis de criar já que são resistentes em cativeiro e não são exigentes quanto a luz e circulação de água.

Anemona Rock

Suas cores são acesas, e atribuem um aspecto belíssimo ao aquário. São pequenas e se movimentam bastante até encontrar um local perfeito para fixação no tanque.

• Heteractis Magnifica (Anêmona Ritteri):

Junto com a anêmona rock essa aqui é a espécie que divide a preferência entre os aquaristas, mergulhadores e amantes do oceano. Além de belíssima é a anêmona preferida do peixe-palhaço-comum.

A manutenção dela é bem complexa, demanda muito espaço, precisa de circulação forte e iluminação intensa. Se não encontrar o ambiente adequado ela não sobrevive, tampouco se reproduz.

Mais uma espécie indicada especificamente aos aquaristas mais experientes, e que entende muito dos cuidados fundamentais para esses animais.

Simbiose Entre Peixes e Anêmonas – O Que É? Como Acontece?

Como você pode ver, uma das informações fundamentais na hora de escolher anêmonas para criar em aquário diz respeito a possibilidade de simbiose desses animais com espécies de peixes.

• Mas o que é simbiose?

A simbiose é, literalmente, a interação que ocorre entre duas espécies completamente distintas que dividem o mesmo ambiente. Essa relação também é seguida de um mutualismo.

Significa que ambas as partes acabam se beneficiando da relação. No caso das anêmonas existem dois grupos de peixes, em especial, que fazem simbiose: Peixe-Palhaço e peixe Donzela.

Existem outras espécies que também compartilham momentos importantes com as anêmonas, mas com certeza esses dois são os mais fundamentais, e vamos focar nessa relação.

As anêmonas são o lar dos peixes-palhações. Todo o ciclo de vida desses animais acontece entre os tentáculos de uma anêmona, que eles utilizam não apenas como refúgio contra seus predadores, mas também como habitação e local de reprodução.

• Reconhecimento:

Não pense você que o peixe-palhaço escolhe qualquer anêmona e passa a viver lá. Existe todo um processo de apresentação, onde o peixe precisa realizar uma espécie de dança de conquista. Na verdade, basta ele se esfregar na anêmona para que ela reconheça sua textura e seu cheiro.

Uma vez que esse processo seja concluído, então a anêmona realmente passa a ser a casa do peixe-palhaço.

Benefícios Para Um e Para o Outro

Como dissemos antes, a relação de simbiose é pautada em benefícios para ambas as partes. E no caso da anêmona e os peixes também. Sendo assim vamos falar dos benefícios que cada uma das partes tira dessa relação.

• Para o peixe:

Para o peixe-palhaço, como falamos, a principal vantagem é que ele encontra um local seguro para viver. Entre os tentáculos de uma anêmona ele se protege contra seus predadores, e consegue viver em paz.

Peixe

É importante destacar aqui que a anêmona se alimenta de peixes, e possui tentáculos venenosos.

No entanto, o peixe-palhaço em especial produz uma espécie de mucosa em seu corpo que faz com que seja imune aos ataques dos tentáculos.

• Para a anêmona:

A anêmona-do-mar acaba tendo ainda mais vantagens nessa relação. O pequeno peixe libera fezes que servem de alimentos e nutrientes para a anêmona.

Além disso, as anêmonas são o prato preferido dos peixes borboletas, que se alimentam de seus tentáculos. Porém, quando ocorre a existência de peixe-palhaço os peixe-borboletas se confundem e não conseguem comer os tentáculos.

Anêmona e Peixe

A existência do palhaço também acaba atraindo outras espécies de peixes que acabam se tornando presas para a anêmona.

Lembrando que a anêmona-do-mar é um predador oportunista, que não sai para caçar, e só aguarda sua presa se aproximar.

• Oxigenação:

Peixes-palhaços são extremamente agitados. Se você já teve a oportunidade de observar um desses, pode notar que eles não param de nadar para um lado e para o outro.

Essa movimentação em meio a anêmona fornece uma oxigenação fundamental para seus tentáculos.

Os recifes e corais são ambientes repletos de oxigenação durante o dia. Porém, com o cair da noite isso diminui consideravelmente pois a fotossíntese é interrompida.

A ventilação causada pelo vai e vem e o movimentar das barbatanas do “Nemo” faz com que a anêmona receba a devida oxigenação em seus tentáculos. Mais um benefício que ela deve considerar antes de devorar seu pequeno habitante.

Risco Iminente – A Anêmona Pode Comer o Peixe-Palhaço Que Vive Entre Seus Tentáculos?

Talvez você esteja se perguntando se essa relação é realmente tão segura quanto parece. Bom, da perspectiva do peixe-palhaço, não.

Isso porque, caso a anêmona-do-mar se sinta faminta ela pode, sim, se alimentar do peixe que vive em seus tentáculos. No entanto, isso só ocorre em último caso, pois, ambos compreendem instintivamente os benefícios da relação.

Uma das coisas que a anêmona faz é, quando o peixe-palhaço está se alimentando, se eventualmente ela não consegue comer tudo o que pegou, a anêmona acaba comendo parte daquilo.

• Peixe-donzela:

Outra espécie que acaba desenvolvendo uma relação saudável e amigável com a anêmona é o peixe-donzela. Ele também vive entre os tentáculos sem ser atingido pelo veneno.

A relação de troca é a mesma: se a anêmona não se sentir devidamente alimentada, ela pode se virar contra o peixe-donzela que vive entre seus tentáculos.

Essas duas espécies de peixes acabam sendo as preferidas de quem pratica aquarismo marinho. Um dos motivos é justamente pela relação com as anêmonas, já que esses animais são muito desejados para esses aquários.

É importante destacar que, assim como acontece com o caranguejo-eremita, a convivência da anêmona-do-mar com os peixes é cooperativa, e não parasita. Ou seja, existem benefícios nessa convivência, mas um consegue existir sem o outro.

Anêmonas Mudam de Forma – Verdade Ou Mito?

Você sabia que se tocar em uma anêmona-do-mar ela pode se transformar em algo completamente diferente? Isso ocorre com quase todas elas, e é um importante mecanismo de defesa desse animal.

Dependendo de sua coloração a anêmona, ao encolher os tentáculos, se camufla completamente ao ambiente em que está.

Para fazer essa contração ao sentir o mínimo toque a anêmona-do-mar libera toda a água que está na parte interna de seu corpo, e “murcha” os tentáculos e o corpo.

A Importância das Anêmonas Para o Mundo Marinho

Descobrimos tantas coisas a respeito das anêmonas no decorrer desse conteúdo. Mas uma pergunta ainda paira no ar: qual a importância desses animais para o mundo que habitam?

Embora sejam belíssimas e fundamentais para o aspecto colorido e impressionante do fundo do mar, as anêmonas têm finalidades e importância que vão muito além das questões estéticas e visuais.

A principal função é que elas servem de alimento para uma variedade imensa de espécies. Com isso, a existência das anêmonas do mar é responsável pela manutenção de milhares de espécies.

Podemos dizer que sem as anêmonas boa parte das espécies de peixes e crustáceos e demais criaturas marinhas que conhecemos – e também aquelas que não conhecemos! – desapareciam por completo.

As anêmonas formam colônias que, agrupadas, criam o que chamamos de recifes de corais. São comunidades fundamentais para o equilíbrio ambiental.

Tal qual ocorre nos manguezais, os recifes servem de alimento e abrigo para praticamente todas as espécies de peixes, crustáceos e invertebrados marinhos.

Também precisamos dizer que as fezes de muitos desses animais mantém a água e o solo marinho nutrido.

Para que essas fezes se formem é preciso uma alimentação rica, e novamente as anêmonas, enquanto alimento principal de muitos animais, se mostram essenciais.

A fauna e a flora marinha dependem de um equilíbrio muito minucioso, e as anêmonas são parte crucial desse ciclo. Por isso é importante estudar, conhecer e preservar esses animais.

Quem São os Predadores das Anêmonas-do-Mar?

Como você já sabe, as anêmonas são importantes predadoras do fundo do mar. Mesmo sem movimentação elas conseguem comer diversos organismos e microrganismos que simplesmente passam por perto de seus habilidosos tentáculos.

Mas nem tudo é tão simples. As anêmonas são igualmente ameaçadas pela presença de diversos predadores que se alimentam delas.

Por não se movimentar ela acaba se tornando uma presa fácil para animais como as lesmas marinhas, estrelas-do-mar, enguias, linguados e bacalhaus.

A melhor forma de se proteger contra esses animais é mesmo permitindo que peixes palhaços e donzelas habitem entre seus tentáculos, despistando seus predadores. Além disso, como explicamos antes, as anêmonas podem se retrair para tentar se esconder.

O Que Aprendemos Sobre Anêmonas-do-Mar?

Então, pudemos descobrir muitas coisas a respeito desses animais! Como você viu, anêmonas são animais, e não plantas.

Elas se movimentam pouquíssimo durante a vida inteira, e podem passar todo o seu ciclo de amadurecimento grudadas na mesma rocha, tão logo deixam de ser plântulas flutuantes.

As mais conhecidas são as anêmonas do gênero Heteractis. Mas, no total existem mais de 1.200 espécies desses animais distribuídas por todos os mares do mundo.

• Criaturas Imortais:

Algumas pesquisas mostram que anêmonas do mar podem viver muitos anos, talvez mais de 100.

Anêmona do Mar Laranja

No entanto, em cativeiro isso pode cair para bem menos.

Alguns cientistas acreditam que elas vivem para sempre, já que podem se dividir e formar novos indivíduos. Então, eles focam suas pesquisas acerca da imortalidade e a tão sonhada “fonte da juventude” nas anêmonas. Aguardamos ansiosos por novas informações
sobre essas pesquisas.

Veja também

Cores do Basset Hound: Preto, Branco e Marrom com Fotos

Raça originária na França, o Basset Hound é conhecido pelas suas orelhas grandes e caídas; …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *