Home / Animais / Reprodução da Fuinha: Filhotes e Período de Gestação

Reprodução da Fuinha: Filhotes e Período de Gestação

A fuinha tem se tornado um dos mustelídeos que melhor tem se adaptado aos habitats urbanos da Europa.Elas estão espalhadas por toda a Europa continental, sua área geográfica estendendo-se de Portugal no oeste para o sudoeste da Rússia e da Turquia no leste.

Morfologia da Fuinha

O pêlo da fuinha consiste em longos cabelos castanhos acinzentados e cinza esbranquiçado, com fios soltos. A aparência do animal é caracterizada por uma mancha branca na garganta/peito, isso geralmente é bilobado, com cada lóbulo estendendo-se para uma perna da frente.

No entanto, existem ou pode haver variação considerável na forma desse adesivo. O animal é sexualmente dimórfico no peso corporal. A massa corporal média dos adultos varia de 1,6 a 1,7 kg para machos e de 1,2 a 1,3 kg para fêmeas.

A fuinha tem uma expectativa de vida de 3 a 12 anos, sendo a idade máxima em estado selvagem registrada de 10 anos. Em cativeiro ou em reprodução, no entanto, ela pode atingir a idade de 18 anos. Mesmo que não sejam interfecundas, a fuinha (martes foina) e a marta (martes martes) são muito próximos, tanto que durante uma observação a confusão é possível.

O critério mais direto para determinar as diferenças é observar a cor da pelagem sob a garganta, tórax e parte superior das pernas. Na marta, uma mancha brilhante de cor amarelada é observada no peito, enquanto na fuinha essa mancha é francamente branca, cobrindo a garganta, a parte superior das pernas dianteiras e o peito, como já dissemos.

Outro método geralmente aceito para diferenciar uma fuinha e uma marta é que a parte de baixo dos pés das martas é cabeluda, diferente da das fuinhas. Essa especificidade também pode ser detectada ao ler pegadas em solos soltos.

Reprodução da Fuinha: Filhotes e Período de Gestação

O ciclo reprodutivo das fuinhas é caracterizado pelo atraso na implantação, pois está em cerca de um terço de todas as espécies de mustelídeos. As primeiras observações sobre animais em cativeiro estabeleceram que os acasalamentos ocorreram no verão (Julho e agosto), 8,5 a 9 meses antes do nascimento das ninhadas.

No entanto, o mecanismo de atraso no implante foi confirmado apenas muito mais tarde. O desenvolvimento dos testículos nos picos masculinos em junho, imediatamente antes do início da estação de acasalamento, que se estende desde julho a meados de agosto. As camas nascem do início de março a meados de abril, com camas médias de cerca de 3 jovens.

As fuinhas jovens começam a consumir alimentos sólidos por volta das sete semanas de idade, mas não deixam o covil até que elas tenham cerca de 11 semanas (ou seja, do final de maio ao início de junho). A dispersão pode ocorrer a partir de agosto. No entanto, não se sabe se existe um período de dispersão típico.

Esse período de oito meses é devido à dormência, mas o tempo real em que a fêmea carrega seus filhotes é de um mês. O alcance da fuinha é de dois a cinco filhotes nascidos cegos e nus. Eles abrem os olhos depois de um mês, são desmamados após dois meses e são independentes no outono. A maturidade sexual é atingida entre quinze e vinte e sete meses.

Comportamento Demográfico da Fuinha

A fuinha é muito adaptável e pode ser encontrada em uma variedade de habitats. Na Europa Central, é geralmente considerado como uma espécie cinantrópica. E isto foi bem documentado por estudos sobre vários aspectos da ecologia do animal nas áreas rurais de aldeias da França, Alemanha e Hungria.

Contudo, as fuinhas também podem se estabelecer em áreas domésticas e áreas agrícolas fora das aldeias rurais. Tais indivíduos foram estudados na Suíça, Países Baixos e Alemanha. Com a maioria dos trabalhos realizados nesses ambientes, às vezes é esquecido que a fuinha também pode ocorrer em habitats predominantemente florestados.

No entanto, a maioria dos trabalhos sobre fuinhas em ambientes predominantemente florestais vem da região do Mediterrâneo. Na Espanha, fuinhas parecem ocorrer principalmente nas florestas, mostrando preferência por altitudes mais altas, longe dos assentamentos.

Habitat da Fuinha
Habitat da Fuinha

Onde as paisagens são altamente fragmentadas devido práticas agrícolas, a presença de fuinhas está associada a grandes fragmentos próximos de tratos florestais contínuos. Em paisagens igualmente fragmentadas na Itália, as áreas domésticas eram principalmente centradas na madeira e na vegetação associados aos cursos de água.

As fuinhas também podem ser encontrados em terrenos montanhosos, como os Alpes, embora esses estudos freqüentemente se concentrassem em sua presença em aldeias de grande altitude. As fuinhas foram assim adaptadas para lidar com uma variedade de habitats diferentes.

No entanto, é sua capacidade de se estabelecer em centros urbanos, com populações humanas muito mais densas do que em aldeias rurais, o que lhes permitiu tornar-se abundante no centro europeu. Surpreendentemente, poucos estudos analisaram profundamente a organização sócio-espacial da fuinha.

Comportamento Social das Fuinhas

Dados fornecidos sobre o arranjo espacial de uma série de áreas domésticas diretamente adjacentes ou sobrepostas de um habitat florestal sugerem fortemente que áreas domésticas de fuinhas adultas do mesmo sexo dificilmente se sobrepõe, enquanto os dos machos se sobrepõem extensivamente aos das fêmeas.

Embora baseado em conjuntos de dados menos extensos, estudos fornecem evidências para o mesmo tipo de organização espacial em habitats rurais e de vilarejos. Embora não haja evidência direta de que os intervalos domésticos sejam defendido, o fato de haver pouca ou nenhuma sobreposição entre as faixas do mesmo sexo sugere um padrão de territorialidade intra-sexual.

Além disso, as fuinhas envolvem-se em comportamentos de marcação de cheiros de vários tipos e parece provável que isso funcione pelo menos em parte para fins de defesa do território. Para os propósitos atuais, portanto, assume-se, como outras estudos fizeram, que as fuinhas são territoriais mesmo em áreas domésticas.

Nos casos em que foram documentadas sobreposições entre famílias do mesmo sexo, estas ocorreram entre um adulto e um sub-adulto (por exemplo, dois machos sendo um ainda jovem) ou entre mãe e jovem. A existência de grupos sociais ou de sobreposição de áreas domésticas, como pode ser visto em raposas e texugos ou guaxinins, respectivamente, até o momento não foi documentado em fuinhas.

No entanto, a possibilidade disso acontecer sob certas circunstâncias ambientais não pode ser excluído. O tamanho do território das fuinhas pode ser bastante variável, variando em torno de 15 ha para mais de 800 ha. Geralmente, o tamanho do território depende do sexo da fuinha e habitat em que predomina.

Fuinha Macho
Fuinha Macho

Como os machos geralmente se sobrepõem a uma ou mais fêmeas, seus territórios tendem a ser maiores do que o delas, embora dois estudos italianos não encontraram diferenças significativas entre os sexos. Outra tendência é que os territórios sejam geralmente maior em florestas, intermediário em áreas rurais e os menores em habitat urbano.

Veja também

Meu Cachorro Está Estranhando Todo Mundo. E Agora?

Os cachorros ganharam enorme importância na vida das famílias brasileiras. Esses animais se tornaram tão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *