Home / Animais / Quais São os Bivalves Comestíveis Existentes?

Quais São os Bivalves Comestíveis Existentes?

Os animais marinhos possuem um mistério que intriga a muitos. Assim, há uma série de animais do mar que trazem consigo todo um espírito especial, sem demonstrar muito a respeito do seu modo de vida. Um dos casos mais marcantes se dá com o molusco, aquele animal que vive envolto pelas conchas e sequer aparece para se mostrar. Os moluscos podem passar a vida inteira sem ter contato direto com as pessoas ou com outros animais do oceano, ficando apenas nas conchas.

Vale lembrar que as conchas fazem o trabalho de proteger esse animal dos perigos do mar, que são muitos e estão por toda a parte. De qualquer forma, pelo interesse das pessoas em saber mais sobre os moluscos, foi possível descobrir que o animal é comestível e, na realidade, pode ser bastante saboroso.

Porém, você sabe ao certo quais são os bivalves comestíveis? A classe bivalvia é aquela a qual pertencem os moluscos, dos quais apenas alguns pode ser comidos. Entender mais sobre alguns dos animais comestíveis é o primeiro passo para aumentar o seu conhecimento sobre esse fruto do mar. Se você deseja saber mais sobre o assunto, veja abaixo todas as informações.

Mexilhões

O mexilhão é um bivalve verdadeiro e típico que pode ser consumido pelas pessoas. O animal desse tipo pode ter algumas variações, mas isso não impede que o mexilhão seja colocado em um grande grupo.

O mexilhão azul, por exemplo, possui um molusco saboroso em seu interior e, pelo fato de ser bastante tradicional, é conhecido também como mexilhão comum. Já o mexilhão do Mediterrâneo é mais comum na Europa e pode ser, em alguns casos, uma espécie invasora capaz de gerar diversos problemas para espécies que já habitam certas áreas. O animal também pode ser ingerido pelas pessoas, desde que se faça a correta higienização.

Mexilhões

O mexilhão castanho, por outro lado, se faz presente em grande parte do mundo. Comum na América do Norte e na América do Sul, esse bivalve ainda pode estar em locais da Ásia e da Europa. Chile, Peru e Venezuela são países que possuem o mexilhão marrom em larga escala. Esse animal pode também ser considerado como um invasor em alguns locais do mundo, mas é valorizado em outros.

Ostras

As ostras são bivalves muito comuns nas cozinhas de centenas de países. No Chile, existe até mesmo uma espécie chamada ostra chilena, que integra a base alimentar do país. A ostra em questão costuma ser servida em restaurantes de alto nível, seja na América do Sul ou não. Já a ostra do mangue é um tipo que cresce, como o seu nome já indica, nas faixas de transição entre o mar e a água doce.

A ostra do mangue costuma ficar na base de árvores e plantas, como uma maneira de se proteger dos eventuais perigos que o local pode ter. No mangue, o número de pessoas em circulação é muito maior que no mar, por exemplo. É importante, também, citar a ostra portuguesa, muito comum entre a Espanha e Portugal. A ostra portuguesa já não é mais vendida, algo que acontecia no passado de forma intensa e frequente.

Porém, com o tempo, o valor comercial desse animal foi diminuindo. O mesmo se dá com as chamadas ostras de pedra, aquelas que se pode ver quando há alguma visitação à praia. As ostras de pedra grudam nas rochas presentes no mar e podem viver assim por muito tempo, até a sua morte. Essas ostras também não possuem grande valor comercial.

Vieiras

A vieira é uma espécie de bivalve que pode ser comida pelas pessoas. Esse ser vivo é, em muitos momentos, consumido por tubarões ou outros animais grandes que vivem por perto. A vieira possui uma concha ao seu redor, como forma de se proteger dos ataques.

Todavia, isso não é tão simples assim, pois o animal costuma atrair diversos predadores. Há variações de espécies de vieiras, que podem mudar de nome de acordo com o local no qual se desenvolvem. Há relatos de que as vieiras podem causar doenças, mas isso ainda carece de informações científicas mais precisas, apesar de casos isolados.

Abalone

Os abalones não são bivalves, mas são moluscos e muito saborosos. Eles podem ser de muitas cores, variando entre preto, vermelho, branco e verde. Dessa forma, esse é um tipo de bivalve que pode ser consumido pelas pessoas e também por outros animais marinhos. Todavia, romper a sua cama de proteção pode ser um passo bastante complicado, sobretudo para aqueles animais mais frágeis.

Assim, os abalones podem ter um tempo de vida alto, mesmo vivendo em áreas perigosas do oceano. As conchas do animal podem ser usadas para a produção de itens, algo que os nativos dos Estados Unidos faziam com frequência. Ademais, o molusco que vive ali dentro possui um sabor amargo, mas bom, ao menos na opinião de muitos. Esses animais, em alguns casos, são conhecidos como os caracóis do mar.

Há restaurantes por todo o mundo que focam apenas em produzir gostosos pratos com base em abalones, já que esse grupo de animais podem ser diferente entre si, com sabores também distintos. Os abalones, em sua maioria, são pequenos e possuem apenas alguns milímetros ou centímetros. Portanto, o mais comum é que esse ser vivo seja consumido como uma entrada ou, então, em grandes porções de uma só vez.

Moluscos e Seu Sabor

Os moluscos vivem no interior das conchas por toda a vida e, por conseguinte, apenas sugam os nutrientes da água. De maneira mais precisa, os moluscos filtram a água para ter acesso aos nutrientes, elevando o seu nível de força e bem-estar. Portanto, quando você consome um molusco, está comendo também tudo aquilo que o animal filtrou de nutritivo.

Prato de Moluscos

Por isso o molusco pode ser um dos frutos do mar mais benéficos para a saúde, desde que o trabalho de higienização do animal seja feito corretamente. Quando servidos, os moluscos costumam ter um sabor salgado, mas não muito forte. O animal pode ser ingerido antes das refeições principais, como uma entrada, ou também como acompanhamento a outros pratos.

Veja também

Marreco de Topete: Características, Classificação Científica e Fotos

Conhecido como Marreco Pom Pom, também podemos ouvir falar no nome Marreco de Topete. É uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *