Home / Animais / Papagaio Charão Extinto

Papagaio Charão Extinto

Urupema, Santa Catarina. Lá nessa cidade faz-se um festival em homenagem a esse papagaio, o charão. Esse ano foi o sétimo festival para essa ave, que migra pra essa região todo ano em busca de alimento. Sabe porque se faz esse festival para apreciar o pássaro? Não só por sua beleza que certamente é digna de apreciação. Mas também porque é uma espécie ameaçada de extinção.

Amazona Pretrei

Amazona pretrei ou papagaio charão é uma espécie de papagaio da família psittacidae encontrado na Argentina, no Brasil e no Paraguai. Habita principalmente florestas tropicais ou subtropicais secas, florestas de planície úmidas tropicais ou subtropicais,etc.

Papagaio de coloração brilhante, verde e vermelho, mede cerca de 30 a 35 centímetros. É completamente verde com tons mais escuros, que dão um efeito escamoso. Quantidade variável de vermelho na testa, lorum e ao redor dos olhos. Algumas manchas vermelhas escassas na cabeça. Branco Periocular. Extensa área do carpo vermelho, às vezes parcialmente obscurecida por outras penas. Coloração azul em linhas secundárias e primárias. Conta amarela pálida. Os filhotes têm menos vermelho na cabeça.  e as fêmeas têm menos vermelho na curva da asa.

O papagaio charão pode ser confundido com o papagaio de peito roxo (amazona vinacea)mas estetem menos vermelho na cabeça e nenhum na articulação do carpo. Também pode ser confundido com o cuiú cuiú (pionopsitta pileata), mas este é muito menor, sem vermelho nas asas.

Distribuição Geográfica e População

O papagaio charão é reproduzido no Rio Grande do Sul, sul do Brasil, com as principais populações no Campo de Cima da Serra, Planalto Médio, Serra do Sudeste e Alto Uruguai. Aves de reprodução do sul (e talvez nortistas) se movem para o norte no inverno do sul. A maioria das populações invernadas costumava descansar da migração em Aracuri mas, ultimamente, houve uma mudança em direção ao sudoeste de Santa Catarina. Há alguns anos, havia quinze estações sazonais em uso, mas grandes áreas de descanso em Aracuri e Rincão dos Pereira desapareceram.

O papagaio charão começou um declínio alarmante da população desde 1950. Na década de 70, a imigração para Aracuri superava a marca de 30.000 pássaros, mas as estimativas mais recentes da população sinalizou regressão alarmante no início dos anos 90 , de aproximadamente 10.000 em 1994. Dados mais recentes porém sugerem uma perceptível melhora na estatística.

As aves migratórias ainda estão presentes na Argentina e no Paraguai , mas com pouquíssimos registros recentes.

Informação de Reprodução e Alimentação

Reproduz-se em florestas abertas de savana e em florestas ribeirinhas, nidificando em cavidades de troncos. Ninhos foram registrados em mais de 30 espécies de árvores. A reprodução ocorre a partir do final de setembro a janeiro, com eclosão de filhotes para final de dezembro.

Há forte associação na estação não reprodutiva com araucaria angustifolia, mas há paradas de descanso nas plantações de acácias e eucaliptos. Até porque a dieta inclui sementes de araucaria angustifolia (especialmente importantes de maio a agosto) e podocarpus lamberti (importante em algumas áreas de janeiro a fevereiro), mas também inclui frutas, sementes ou flores de 25 espécies de árvores diferentes.

Perda de Habitat

Filhote de Papagaio Charão
Filhote de Papagaio Charão

Na década de 20, 25% do Rio Grande do Sul estava coberto de florestas. Na década de 80 essa extensão de florestas já havia decaído para menos de 3%. E quem causou isso? O bicho homem, é claro… E porque? Como resultado do corte de madeira, material de construção e lenha como combustível, superexploração de outros produtos florestais, principalmente sementes de araucária, o que possivelmente explica as mudanças de migração do papagaio charão para Santa Catarina. Além disso, o pastoreio intensivo e pisoteio pelo gado contribuíram para essa situação.

Existe um comércio interno organizado, com as aves geralmente vitimadas enquanto cortam a árvore onde nidificam, resultando em abandono permanente. Medidas de conservação foram propostas para proteger áreas reprodutivas em Caçapava do Sul e Santana da Boa Vista, além de melhorar a gestão de áreas protegidas mas a realidade atual apenas levou o papagaio charão à iminente extinção.

O Problema Com a sua Comida

Entre todos os problemas que contribuem para o risco de extinção do papagaio charão, vale destacar a escassez de uma das suas comidas prediletas, as sementes de araucária. O destaque se dá porque a araucária também é uma espécie ameaçada de extinção pelo homem.

A araucária, ou araucaria angustifolia, também conhecida como pinheiro do Paraná ou pinheiro brasileiro, é uma espécie criticamente ameaçada de coníferas do gênero araucaria. Há um tempo atrás, árvores da araucária se estendiam por mais de 200.000 quilômetros de extensão nas terras brasileiras, mais especificamente no sul do país. Araucárias talvez ainda sejam encontradas em áreas de grande altitude no sul de Minas Gerais e no leste e sul de São Paulo, mas são tipicamente nativas dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O problema é que atualmente a araucária já perdeu mais de 95% de sua cobertura territorial, principalmente pelo uso indiscriminado do homem. Pra começar pelo paisagismo, porque ela é uma árvore de jardim popular em áreas subtropicais, plantada pelo seu efeito incomum dos grossos ramos ‘reptilianos’ com uma aparência muito simétrica. Também é usado como madeira de coníferas em degraus e marcenaria.

Sementes de Araucária
Sementes de Araucária

Mas o grande problema está nas suas sementes. As sementes, semelhantes à grandes pinhões, são comestíveis e são extensivamente colhidas no sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), um hábito particularmente importante para a pequena população de baixa renda da região. As sementes, chamadas pinhão são populares como um lanche de inverno. A cidade de Lages , no estado de Santa Catarina, realiza uma popular feira de pinhão, na qual são consumidos vinho quente e sementes de araucária fervida. No Brasil, quase 4.000 toneladas de sementes são coletadas anualmente, o que, combinado com a exploração madeireira extensiva , ameaça seriamente a regeneração da espécie.

E com a política incongruente desse país, tão pouco ecologicamente correto, a araucária encontra-se em estado de extinção, criticamente ameaçada, apesar de sua importância, não só para o usufruto humano mas também pelas muitas outras espécies que da araucária dependem de alguma forma como a imbuia, a gralha azul, a canela preta, o macuco, a jacutinga e muitos outros animais.

Veja também

Toucanet-Amarela: Características, Nome Cientifico e Fotos

As aves são animais que se destacam de maneira bastante evidente em todo o planeta …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *