Home / Animais / Lontra: Comprimento, Peso, Altura e Ficha Técnica

Lontra: Comprimento, Peso, Altura e Ficha Técnica

A lontra (lutra latino)é um mustelídeo aquático carnívoro com pés palmados, comedor de peixe. Nadadores muito bons, as 12 espécies de lontras têm um estilo de vida semi-aquático, também caçando em terra (com exceção da lontra do mar que nunca sai da água).

Lontra: Comprimento, Peso, Altura e Ficha Técnica

Um corpo longo e flexível, pernas curtas e um ritmo ondulante: a aparência geral da lontra lembra a dos outros membros da família mustelidae, à qual pertence. Mas ao contrário da doninha que penetra no menor buraco, ou da marta pulando de galho em galho, é durante a natação que a lontra faz o melhor uso de suas capacidades físicas. São mesmo os carnívoros selvagens mais aquáticos.

Tudo nela mostra sua perfeita adaptação à água: seu focinho fino, sua cabeça achatada e suas pequenas orelhas escondidas no pêlo garantem uma excelente penetração no elemento líquido. O pescoço grosso, bem na continuidade dos ombros, o corpo afilado e a cauda larga, pontiaguda e poderosa, especialmente na base, os cinco dedos de suas pernas largas conectadas por uma teia grossa permitem que ele se mova na água tão facilmente quanto um peixe.

A pele, sedosa e firme, é revestida com uma graxa protetora de alta densidade, essencial para um animal que deve caçar na água no verão e no inverno. É composto por dois tipos de cabelo: o maço, finas e curtas, o que garante uma excelente proteção térmica, tanto pela espessura e as bolhas de ar que retém, e frascos, e mais cabelo castanho em que desliza a água.

O pêlo é marrom na cabeça e nas costas, cinza claro sob o pescoço, peito e barriga. Machos e fêmeas têm a mesma aparência e as mesmas cores, mas os machos são muito maiores, uma vez que, em média, chegam a 1,20 m de comprimento, incluindo a cauda, e pesa entre 7 e 12 kg, enquanto as fêmeas medem de 1 a 1,10 m e pesam entre 5 a 8 kg.

No chão, apesar de ser móvel e muito resistente a andar e correr, a lontra tem as costas arqueadas e uma cauda levemente elevada. Quando ela escorrega na água, ela é menos barulhenta do que um sapo, apesar de seu tamanho, e dificilmente se ouve seu mergulho e o turbilhão que causa. Uma vez na água, o animal é transformado em um acrobata admirável, cuja destreza aquática é inigualável em mamíferos terrestres.

Lontra ou Lutra Latino

Quando ela está nadando na superfície, com suas patas poderosas, a cabeça e as costas se projetam ligeiramente. De seus pés palmados, ela bate a água debaixo dela. No mergulho, a lontra imprime em seu corpo e sua cauda uma série de movimentos ondulantes rápidos, de baixo para cima à medida que avança em linha reta, ou da esquerda para a direita, como e quando deseja se virar.

Subaquático, as orelhas e narinas se fecham bem, e a lente do olho é deformada para dar ao animal uma visão muito mais clara. É fácil seguir seu curso subaquático observando as bolhas escapando de sua pele. A lontra pode ficar submersa por um minuto sem chegar à superfície para recuperar o fôlego, mas a duração média de seus mergulhos varia de 20 a 30 segundos.

Os sentidos desse animal são extraordinariamente poderosos. O mais desenvolvido é certamente o sentido do olfato. Mas a visão e a audição também são excelentes. Assim, a lontra percebe, mesmo em um rio com águas correntes, o som de um corpo estranho.

A Lontra e o Homem

Desde os tempos pré-históricos, a lontra teve uma coabitação fácil com o homem, sendo mesmo o ajudante do pescador, como na Ásia, em vez de se tornar o inimigo. Mais recentemente, a caça, a armadilha e a destruição do ambiente natural levaram ao declínio da espécie. Hoje, é assunto de muitos estudos, porque a lontra é um bom indicador da qualidade da água.

Até a década de 1960, a captura de lontras ainda era praticada regularmente em muitos rios e corpos de água. Um devorador de peixes, lutra lutra apareceu como o inimigo número um do piscicultor, e as companhias de pesca estavam lutando uma feroz batalha contra ela.

Algumas empresas inescrupulosas e gananciosas pelo mundo chegaram a propor a eliminação das espécies, num princípio semelhantes aos aplicados aos lobos. Recompensas foram concedidas pelas belas capturas e pelo máximo de capturas realizadas. Um bônus substancial era pago além da pele: uma pele de lontra poderia valer de duas a quatro vezes o salário mensal de um trabalhador.

Como resultado dessas campanhas de destruição, muitos milhares de lontras foram mortas. Até a Segunda Guerra Mundial, todos os países europeus, Alemanha e Itália, em particular, praticavam armadilhas e, ocasionalmente, caça. Hoje, as lontras estão em toda parte protegidas na Europa.

Fácil de Domar

Animais muito jovens, especialmente mamíferos, sempre têm um sentimento de simpatia. Espécies estritamente protegidas, a lontra não pode mais ser mantida em cativeiro na Europa hoje, exceto por organizações aprovadas, mas muitos testemunhos antigos relatam histórias de amizades entre a lontra e o homem. Na maioria das vezes, eram lontras muito jovens abandonadas pela fêmea ou tornaram-se órfãs, tendo a mãe sido capturada durante uma caçada.

Quando as lontras recolhidas ainda não são nem desmamadas, elas se ligam para a vida ao homem que cuida delas e as cria e assim substitui a mãe, em virtude do fenômeno da impregnação. Todos aqueles que domaram jovens ariranhas asseguram que são animais muito brincalhões, capazes de apego e fidelidade, seguindo seu mestre em suas caminhadas sem tentar fugir e às vezes pegando peixe para ele. Na Ásia, homens capturam pequenas lontras, criam e treinam para pescar.

Poluição dos Rios

A poluição da água, a recalibração de rios, a concretagem da linha de costa, a construção de barragens, a drenagem de pântanos, o desenvolvimento turístico de lagos e marinhas alteraram significativamente a natureza e o funcionamento das zonas úmidas, privando a lontra da liberdade de movimento que é necessária para ele.

As várias formas de poluição têm conseqüências diretas e indiretas na vida das lontras, seja envenenando-as ou reduzindo a fauna de peixes que as alimentam em sua maior parte. Os detergentes lançados nos rios destroem a graxa protetora contida na pele das lontras, que não resistem mais ao frio. Metais pesados ou bifenilos policlorados acumulam-se em plantas aquáticas, depois em tecidos de peixes e, finalmente, em lontras.

Estes, após tê-los consumido, tornam-se estéreis ou morrem. Pesquisas científicas na Escandinávia mostraram que os bifenilos policlorados à base de cloro, liberados da combustão de aterros sanitários, se elevam na atmosfera. As chuvas, em seguida, os devolve para outras áreas onde o escoamento faz com que eles fluam para os rios e lagos, causando uma maior concentração. Em alguns países, como a Suíça, essa poluição da água do rio era tal que a idéia de uma possível reintrodução da espécie, que desapareceu na década de 1970, foi abandonada.

Veja também

Pelicano

Quais São os Predadores do Pelicano e Seus Inimigos Naturais?

Pelicanos Nome científico: Pelecanus onocrotalus Classe: Aves Ordem: Pelacaniforme Família: Pelecanidae Países: América do Norte, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *