Home / Animais / Morsa Animal Habitat: Onde Elas Vivem? no Polo Norte?

Morsa Animal Habitat: Onde Elas Vivem? no Polo Norte?

A morsa tem uma distribuição circumpolar descontínua no Oceano Ártico e em sua periferia, como o Atlântico Norte ou o Mar de Bering, ao norte do Pacífico. É um animal social, a expectativa de vida de cerca de 40 anos, e considerado uma espécie-chave do ecossistema na água do mar Ártico.

Morsa Animal Habitat: Onde elas Vivem? No Polo Norte?

A maior parte da população do Pacífico passa o verão ao norte do Estreito de Bering, o Mar de Chukchi e o Mar de Beaufort, entre a Sibéria Oriental, perto da Ilha de Wrangel e o norte do Alasca. Alguns machos, menos numerosos, passam o verão no Golfo de Anadyr, na costa sul da península de Chukchi e na baía de Bristol, na parte ocidental da península do Alasca.

Na primavera e no outono, eles se reúnem no Estreito de Bering, juntando-se ao Golfo de Anadyr, na costa oeste do Alasca. Eles passam o inverno no Mar de Bering, ao longo da costa oriental da Sibéria para o sul para a parte norte da Península de Kamchatka, e ao longo da costa sul do Alasca. Um espécime fóssil mais velhos do que 28.000 anos, foi dragado na Baía de São Francisco, indicando que a morsa do Pacífico viveu até o sul durante a última idade do gelo.

 

A população do tipo subespécie, com menos membros, ocupa o Ártico canadense, Groenlândia, Svalbard e a parte ocidental do Ártico russo. Estima-se que existam oito subpopulações, principalmente diferenciadas por sua distribuição geográfica e movimento. Cinco no oeste vivo da Groenlândia e três para o leste. No passado, a morsa atlântica viveu ao sul de Cape Cod e foi encontrada em grande número no Golfo de St. Lawrence.

Em abril de 2006, a Lei Canadense sobre Espécies em Risco lista a população de morsas no nordeste do Atlântico (Quebec, New Brunswick, Nova Escócia, Terra Nova e Labrador) como tendo desaparecido do Canadá. A população isolada de Laptev é confinada durante todo o ano nas partes central e ocidental do mar de mesmo nome, nas áreas mais orientais do Mar de Kara e nas regiões mais a oeste. do Mar da Sibéria Oriental.

Historicamente, as populações também foram observadas muito mais ao sul, desde a América do Norte até as Ilhas Acadia e Magdalen e na Europa até as costas dos Países Baixos, as Ilhas Britânicas e a Bélgica.

Origem e Evolução da Morsa

Pinípedes (ou animais “com pés em forma de barbatana”) são mamíferos que, durante a evolução, de terrestres tornaram-se aquáticos; seus membros se transformaram em barbatanas. Como leões-marinhos e focas, as morsas dependem da terra para se reproduzir; mas é no mar que eles se alimentam. Morsas, focas (família phocidae) e leões marinhos (otariidae) pertencem à ordem dos carnívoros, nos quais foram agrupados anteriormente sob os subordinados pinípedes.

Esta subdivisão é agora geralmente considerada obsoleta (embora o termo pinípedes continue a ser usado para se referir a estes mamíferos marinhos); atualmente estas três famílias são colocadas, incluindo mustelídeos (doninhas, lontras), ursídeos (ursos) e canídeos (cães, lobos, raposas), na subordem dos caniformes. De fato, as relações entre famílias de carnívoros permanecem controversas, e a história evolutiva dos pinípedes continua a ser debatida.

De fato, antes de tudo ser considerado como um grupo monofilético, isto é, descendente de um antepassado comum, os ursos (último a serem considerados parente próximos), foram então vistos como sendo composto por duas linhas diferentes: uma, leões do mar, ursos derivado de um tipo de antepassado, o outro de focas e morsas, tendo um ancestral mustelídeo.

Grupo de Morsas em seu Habitat

Respectivamente em 2005 e 2006, dois estudos moleculares, no entanto, concluíram que a origem de pinípedes é monofilética, mas no segundo estudo, pinípedes compartilham um ancestral comum sem ursos, mas com a superfamília musteloides (que inclui doninhas e procyonidae – guaxinins). Os primeiros fósseis conhecidos de pinípedes datam de 22 a 24 milhões de anos atrás (final do Oligoceno e início do Mioceno).

Estes são enaliarctos (família enaliarctidae). Eles viviam no Pacífico Norte e tinham que se assemelhar a focas contemporâneas com suas pequenas orelhas. Há 10 milhões de anos, as morsas eram as mais abundantes e mais diversas dos pinípedes do Pacífico. Naquela época, alguns eram comedores de peixe, outros já haviam adotado uma dieta composta de moluscos e invertebrados das profundezas.

Uma morsa fóssil do final do Mioceno ou do início do Plioceno, descoberta na Califórnia, serviu para descobrir que o animal caçava principalmente invertebrados macios das profundezas, e que já estava sugando os bivalves de suas conchas. A ausência de dentes laterais provaria sua pertença a um dos ramos que teria morrido, enquanto o das morsas atuais continuava a evoluir. Gradualmente, a dieta destes sendo modificados, seus caninos se tornaram defesas com crescimento contínuo.

Emprestando as entradas “América Central” (agora Costa Rica e Panamá), a morsa, agora equipados com defesas e capaz de encontrar suas presas na lama revolvida no Atlântico Norte existem entre 5 e 8 milhões de anos. Quando as populações no Pacífico desapareceram, essas morsas do Atlântico prosperaram. Cerca de um milhão de anos atrás, elas chegaram ao Ártico, antes de recolonizar o Pacífico Norte, cerca de 300.000 anos antes de nossa era.

Desde que se tornou um dos símbolos do Ártico, a morsa tem sido vítima da superexploração comercial, pelo marfim de suas defesas, que a levou à beira da extinção. Embora as populações do Pacífico tenham se recuperado bem desde então, as do Atlântico ainda são frágeis.

Ambiente Natural e Ecologia

Nomeado “walrus” no Alasca, “morzh” na Rússia, “hvalros” Groenlândia e “aivuk” ou “Aivik” pelos Inuit no Extremo Norte, a morsa é um habitante do gelo do mar, blocos de gelo, costões rochosos e águas costeiras do Ártico. Este grande mamífero marinho no hemisfério norte, às vezes deixando o oceano para o benefício da terra ou o gelo, ainda refugia-se a mais de 30 km da costa, quando as condições meteorológicas o exigirem, e os dias de ventos fortes.

A gama de morsas agora se estende apenas às regiões polares, enquanto no passado esses animais habitavam o Atlântico Norte, até as Ilhas Magdalen e o Golfo de São Lourenço, ao sul. Muitas histórias do século 18 mencionaram a presença destes mamíferos perto da costa do Maine, o porto de Nova York e da costa da Grã-Bretanha. Hoje, as morsas no Atlântico e no Pacífico são divididas em várias populações geográficas identificadas.

Os maiores números são morsas do Pacífico. De acordo com a Seal Conservation Society, existem cerca de 200.000 indivíduos (incluindo morsas do mar de Laptev). O limite sul da distribuição de morsas no lado do Pacífico coincide com as latitudes sob as quais a temperatura do ar permanece abaixo de 20° C. As morsas atlânticas são muito mais raras. Existem apenas 22.500 (cerca de 12.000 no Canadá, 4.500 na Groenlândia e 6.000 na Noruega).

Veja também

Lista de Raças de Galinhas Gigantes Com Nome e Fotos

Se referir a galinhas gigantes relativiza muito a interpretação. Há raças que são tão fofas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *