Home / Animais / Lagosta É Imortal? Por Que?

Lagosta É Imortal? Por Que?

Como na maioria dos invertebrados, o conhecimento sobre as lagostas ainda é imperfeito. É por isso que a sistemática dos crustáceos sofreu muitas mudanças e ainda está evoluindo hoje. E também por isso responder a questão de nosso artigo parece ser possível somente numa entrevista com o criador de todas as espécies. Será que as lagostas são imortais, meu Deus?

Origem e Evolução da Lagosta

Lagostas pertencem à classe dos crustáceos, animais aquáticos na sua grande maioria fazendo uso da respiração com brânquias, como copépodes, que constituem 60% de plâncton marinho, algas, lagostas, cavacas, falsas lagostas, caranguejos aranhas, caranguejos, etc.

Os crustáceos fazem parte da linha de artrópodes (literalmente “pés articulados”), que é o maior grupo do reino animal. Os crustáceos distinguem-se de outras classes de artrópodes porque possuem um segundo par de antenas.

Os artrópodes mais antigos são os trilobitas, que habitaram os mares mais baixos do Cambriano há 600 milhões de anos, para o Carbonífero, 350 milhões de anos atrás. Esses animais rastejaram nas partes inferiores enlameadas. Seu corpo, coberto com uma carapaça, mede de 1 a 67 cm e foi dividido em 3 lobos por um par de sulcos longitudinais.

A origem dos crustáceos (cerca de 26.000 espécies) remonta ao amanhecer cambriano, há mais de 700 milhões de anos. Eles são abundantes entre os fósseis da época e seus representantes são muito pequenos. Os primeiros representantes da ordem decápode, que inclui crustáceos com mais de 10 patas, incluindo lagosta, apareceram no Devoniano há cerca de 400 milhões de anos.

A sub-ordem astacídea, o atual grupo ao qual pertencem as lagostas, lagostins e lagostins, aparece para o Permiano há 280 milhões de anos. Os palinuros ( Palinura ), infra-ordem reunindo as lagostas e as cigarras atuais do mar, não apareceram até 225 milhões de anos atrás. Os verdadeiros caranguejos, pertencentes ao (Brachyura), nasceram mais tarde, há 140 milhões de anos.

As rochas cretáceas encontraram fósseis (135 milhões de anos) de uma pequena espécie de lagosta, Hoploparia , com morfologia comparável à das nossas espécies atuais. Na mesma época surgiram os gêneros Nephrops e Metanephrops . O lagostim astacus é mais recente, remontando à era terciária, há cerca de 65 milhões de anos.

Lagosta é Imortal? Por Que a Dúvida?

A ideia de imortalidade em animais é o tipo de assunto que intriga absurdamente o mundo científico. Existe uma água viva com um potencial de rejuvenescimento que a torna uma “criatura imortal” e os cientistas lutam para descobrir o que desencadeia esse processo e como. E o que dizer dos tardígrados do espaço? Testados nas condições inóspitas inimagináveis, eles não só sobreviveram como praticamente se auto modelaram novamente! Parece que nada pode matá-los!

Será assim com as lagostas também? Bom, a verdade é que nós simplesmente não sabemos quanto tempo ela pode viver, porque nunca encontramos nenhuma que tenha sobrevivido além de um século sem ir à panela ou sofrer algum outro tipo de intervenção “inóspita” que não a matasse. Não há ainda uma lagosta sequer que pôde permanecer viva tempo o suficiente pra nos revelar essa questão.

O que sabemos até então é que, devido à sua técnica de “rejuvenescimento”, é muito difícil estimar a idade correta de uma lagosta. Porquê? Porque ela não envelhece, simplesmente. Ele apenas cresce, encadeando moults para renovar seu tecido até o infinito, e quanto mais ele cresce, mais ele vai se mantendo renovada e retornando ainda mais fértil, com suas funções orgânicas pegando fogo.

As lagostas tem uma capacidade de renovação de células, além do mulching, muito semelhante as tais águas vivas que mencionamos. podendo rejuvenescer seu condicionamento orgânico por tantos anos quanto for possível imaginar. Porém, não tem a mesma capacidade de sobreviver a condições extremamente difíceis como os tardígrados. Portanto, lagostas submetidas ao cozimento, por exemplo, morrem!

Além disso, como sabemos que as lagostas não tem uma vida fácil na aquisição de alimentos, na sobrevivência em segurança contra predadores e a ameaçadora pescaria humana, é provável que, mesmo com o constante processo de ‘multchin’, pode ser que, depois de um tempo, seu exoesqueleto se deteriore. Nem tudo é afinal perfeito e livre de dificuldades para a sobrevivência da lagosta.

A Vida Sofrida da Lagosta

Por falar em exoesqueleto se deteriorando e condições inóspitas, já se perguntou como as lagostas se sentem sendo cozidas vivas num caldeirão da sua cozinha? Houve quem insistisse em afirmar que elas, as lagostas, não sentem dor, tudo pra não pesar na consciência ao cozi-las e despedaçá-las. Será mesmo que isso é verdade?

Os cientistas e nós sabemos que a travessa de salada com maionese não é o habitat natural da lagosta. O animal vive em águas frias, onde ele corre dias felizes por quarenta anos se tiver sorte. No entanto, no final de sua vida, a lagosta acaba inesperadamente em uma panela de água fervente, onde fica toda vermelha.

Lagosta Marinha
Lagosta Marinha

Então ela finda ali, ao lado de vegetação, condimentos e vinho branco seco. Este salto para a água fervente é um momento de grande interesse para a pesquisa de artrópodes. Está estabelecido que a lagosta não mergulha sozinha, mas é lançada pela mesma mão que acabou de preparar a maionese. É claro, portanto, que um fator antropogênico influencia esse comportamento surpreendente.

Há também evidências de que o crustáceo não chora no momento do mergulho, ao contrário do cão e do gato que anunciam em voz alta sua falta de gosto pelo contato imersivo com água fervente. Esta é provavelmente uma das razões pelas quais escalamos poucos cães e gatos vivos (troque o exemplo para ‘hamsters’ ou cavalos, se preferir).

Bom, a lagosta não diz nada porque não tem cordas vocais, obviamente. Mas se ela tivesse, será mesmo que ela não gritaria também neste momento crucial de sua vida? Em outras palavras, a lagosta sofre quando é espremida no caldo? Nossas papilas gustativas gostam de pensar que não, embora provavelmente quem tem consciência não está tão certo disso. Sabemos que a própria ciência tentou se convencer disso até 2005, dizendo que a lagosta não sentia dor.

Será Que as Lagostas Sofrem?

Em 2005, o governo norueguês pediu à Universidade de Oslo para investigar o sofrimento dos invertebrados. O professor Wenche Farstad, da faculdade de ciências veterinárias, fez a seguinte constatação: o verme que é cuspido num anzol aparenta sentir por um tempo, mas em tese a sensação é apenas como um reflexo. Este animal tem de fato um sistema nervoso muito rudimentar para sofrer. Além disso, corte-o em dois e continuará suas ocupações (em duplicado) como se nada tivesse acontecido. E isso vale para as lagostas.

Se a lagosta tem 100.000 neurônios, o ser humano tem 100 bilhões. Isso nos dá benefícios (ou desvantagens) preciosos quanto a sensações. Graças a nossa complexidade, experimentamos mágoas, gritamos quando martelamos os próprios dedos, nos desesperamos para calcular o imposto de renda, etc. Para as lagostas não tem nada disso! A vida dos crustáceos é mais simples: banhar uma lagosta em água fervente não a assusta. Não quer dizer que ela não sinta, mas a morte não a aflige como a nós, meros mortais.

Veja também

Curiosidades da Chinchila e Fatos Interessantes

A chinchila é um animal bonitinho que pertence à família dos roedores. Em geral, existem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *