Home / Animais / Alimentação da Lagosta: O que a Lagosta Come?

Alimentação da Lagosta: O que a Lagosta Come?

A lagosta é um animal solitário que defende ferozmente seu território. Fora da época de reprodução, os casos de coabitação entre congêneres em um espaço pequeno são raros. O animal é mais freqüentemente agressivo, ou mesmo canibal, para o desespero dos aquicultores que tentam criá-lo. E tudo isso tem uma razão muito peculiar: lagostas não gostam de dividir a comida!

O que as Lagostas Comem?

Ao anoitecer, a lagosta sai de sua toca em busca de comida. É um predador carnívoro cujo principal alimento é composto por invertebrados que vivem no fundo do mar. Sua dieta consiste de crustáceos (principalmente caranguejos), conchas (mexilhões, pervincas), vermes, ouriços do mar, estrelas do mar e peixes. Consome ocasionalmente algas marinhas.

Do ponto de vista qualitativo, a dieta dos jovens é comparável à dos adultos. A presença de presas diferentes no meio influencia, é claro, nos menus. No entanto, a lagosta escolhe sua comida, preferindo presas móveis, como peixe, àquelas que são menos presas. No entanto, em caso de escassez, ele está contente com cadáveres.

Os animais que mudam de cor (que perderam a carapaça, que se tornou muito estreita) parecem ingerir mais material calcário (restos de conchas), provavelmente para ativar o endurecimento de sua nova carapaça. A presa é detectada por diferentes órgãos sensoriais. Os olhos, embora não percebam distintamente as imagens, localizam com facilidade os movimentos. Não se sabe se a lagosta pode distinguir cores; por outro lado, sabemos que a visão de cores é muito difundida entre os crustáceos.

Numerosos cabelos tátil nas antenas, garras e patas locomotoras informam a lagosta sobre seu ambiente físico imediato; também é sensível às correntes de água. Sua quimiorrecepção é particularmente bem desenvolvida: a lagosta pode, graças aos receptores sensoriais localizados em seu aparelho bucal, suas antenas e suas pernas, detectar os aminoácidos que constituem as proteínas de uma presa que passa nas proximidades.

As Armas de Alimentação

A lagosta captura sua presa com suas garras, muito habilidosa e poderosa. Cada grampo é especializado em um tipo de função. Um, comumente chamado de “alicate de corte” ou “cinzel”, é cônico e afiado. Ele corta as pernas dos caranguejos atacados e também pode pegar um peixe imprudente.

Quando as presas são privadas de movimento, a lagosta as agarra com sua segunda pinça, chamada “martelo” ou “britador”, mais curta e mais grossa, e as mói antes de se alimentar de sua carne. As vítimas são então cortadas, dilatadas, mas não mastigadas, por múltiplas partes da boca, antes de serem ingeridas.

A ausência de mastigação na boca é compensada por um estômago infalível, composto de duas partes. O primeiro anterior (coração), 3 tem grande dentes (uma parte traseira e duas laterais, que convergem para o centro), accionado pelos potentes músculos da parede do estômago. Esses dentes formam um verdadeiro moinho gástrico que mói os alimentos.

A parte posterior (pilórica) desempenha o papel de uma câmara de triagem. Possui sulcos de cerdas que orientam as partículas de alimentos de acordo com seu tamanho. Os menores são direcionados para o intestino, enquanto os maiores são retidos no estômago cardíaco para posterior tratamento.

A Importância do Habitat para Alimentação

Um dos fatores que determinam a escolha do habitat é a presença de um substrato adequado. As lagostas são preferencialmente estabelecidas em ambientes rochosos. O habitat típico da lagosta consiste em rochas em um leito de areia; a presença de algas presas às rochas é um elemento atrativo adicional. Neste ambiente, as lagostas podem usar fendas existentes ou criar buracos reais no sedimento subjacente das rochas.

As rochas, por um lado, fornecem um ponto de apoio para iniciar a construção da toca e, por outro lado, servem como telhados de abrigo. A presença de fauna associada a sedimentos e algas pode contribuir para a dieta da lagosta.

A ecologia de lagostas jovens é muito menos conhecida que a dos adultos. No entanto, estudos de laboratório para confrontar pós larvas e juvenis de 1 e 2 anos em diferentes substratos naturais mostraram preferências vizinhos dos adultos. Jovem resolvido de acordo com as rochas mais pequenas do que os adultos e larvas de pós (com idade entre um mês) apreciar a presença de cascalho no meio, a sua dimensão pequena permite que eles colonizam as lacunas.

Estes estudos têm mostrado que a natureza da substância afeta o comprimento das larvas fase pelágica (ou natação) de lagostas europeus. A transição da vida na coluna de água do que sobre o fundo do mar (estabelecimento) é anterior em ambientes rochosos apresentam uma cobertura de algas.

Dois fenômenos estão envolvidos no processo de estabelecimento: uma mudança na resposta dos animais à luz (as larvas jovens são atraídas pela luz, enquanto os pós-larvas tardios a evitam) e a busca por contato com uma estrutura sólida.

Comportamental, parece que os pós-larvas escolhem rapidamente o seu local de assentamento. O abrigo permite que os animais escapem da luz, evitem a ação das correntes marinhas e ofereçam proteção contra predadores.

Um Animal Higiênico

Você sabia que as lagostas “escovam os dentes” após as refeições? Bom, é claro que isso é só força de expressão! O que queremos dizer é que as lagostas tem um ritual de higienização de suas ferramentas muito impressionante e meticuloso. A lagosta limpa alguns de seus anexos de tempos em tempos.

As antenas são apreendidas uma após a outra em sua base por um apêndice bucal dobrado (maxilípede) e o animal então desliza a antena para dentro deste soquete, até a reimplantação inteiramente acima dos maxilípedes. Ele usa a mesma técnica para sua grande pinça, usando o mesmo apêndice da boca. Ele limpa regularmente seu abdômen e, mais particularmente, os pleópodes, com seu último par de pernas.

Lagostas Azul
Lagostas Azul

 

Outra particularidade interessante é sua principal atividade diurna que consiste em um incessante retrabalho interno de sua toca. De fato, depois de ter quebrado o sedimento usando suas garras como uma tesoura, ela limpará a lama com a ajuda de seus anexos torácicos, assim como um cachorro com as patas dianteiras para enterrar um osso.

Ela estende seu abdômen sobre o sedimento e sacode vigorosamente seus apêndices abdominais. Essas duas ações são destinadas a causar uma varredura real das partículas montadas. Os materiais são então jogados em uma pequena nuvem bem atrás da lagosta.

Ou então a lagosta se vira, voltando-se para a depressão, dobra o abdômen e volta para o fundo do buraco. Então, usando seu primeiro par de patas locomotoras, bem como alguns apêndices bucais, como uma lâmina de escavadeira, ele avança empurrando os materiais à sua frente. Finalmente, ele também pode usar seu ventilador caudal como uma pá mecânica.

Veja também

Galinha Modern Game: Características, Ovos, Como Criar e Fotos

Não, não estamos falando de um joguinho de vídeo game, e nem de algum novo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *