Home / Animais / Lagartixa Preta é Perigosa? Caracteristicas, Habitat e Fotos

Lagartixa Preta é Perigosa? Caracteristicas, Habitat e Fotos

O nome científico do gênero foi proposto em 1824 por Maximilian zu Wied-Neuwied. No proctologista do nome, ele colocou uma espécie no gênero, o Stellio torquatus, descrito por ele mesmo quatro anos antes, que automaticamente se tornou o tipo de espécie. Portanto, existem 31 espécies colocadas no gênero, incluindo a espécie Tropidurus azurduyae, que só foi descrita em 2018.

Todas as espécies são encontradas em partes do norte da América do Sul e vivem nos países da Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Guiana, Guiana, Paraguai, Suriname, Uruguai e Venezuela. O habitat consiste em ambientes rochosos, savanas e grandes espaços abertos ao longo de florestas tropicais e subtropicais mais secas.

Distribuição e Habitat

Os lagartos evitam a sombra, precisam de muito calor e gostam de tomar banho de sol. No Suriname, os animais são freqüentemente encontrados em rochas de granito. Os lagartos freqüentemente vivem em grupos de machos, algumas fêmeas e animais mais jovens.

Os jovens, no entanto, devem ter cuidado para não serem comidos pelos adultos. As iguanas geralmente escalam árvores e postes. Os machos costumam realizar brigas nas quais eles se batem com as caudas um ao outro. Isso é acompanhado por tanta força que às vezes um estrondo pode ser ouvido. As lagartixas, incluindo a preta, não atacam pessoas, não são venenosas.

Lagartixa Preta em seu Habitat

Na verdade, elas até auxiliam na manutenção do nosso ambiente, pois elas se alimentam de insetos desagradáveis, como baratas, mosquitos, moscas, grilos, etc.

Estado da Proteção

O status de conservação de espécies foi atribuído a vinte espécies pela organização internacional de conservação da natureza IUCN. Dezesseis espécies são vistas como ‘seguras’ (Menos Preocupação ou LC), uma como ‘vulnerável’ (Vulnerável ou VU) e duas como ‘incerta’ (Dados Deficientes ou DD). Finalmente, a espécie Tropidurus erythrocephalus é considerada ‘sensível’ (Near Threatened ou NT).

É nativo da América do Sul, onde pode ser encontrado na Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Guiana Francesa, Guiana e Suriname. É uma das espécies mais amplamente distribuídas do gênero Tropidurus.

Esta espécie é onívora, comendo invertebrados e material vegetal. Favorece formigas, e nas plantas prefere frutas e flores. Favorece especialmente o fruto da pouca coca durante o verão.

Territorialidade

O macho da espécie é territorial. O macho realiza comportamentos de sinalização, como sacudir a cabeça e chicotear a cauda, ​​e exibe comportamentos agressivos, como perseguir e brigar com outros machos. Os machos maiores e mais rápidos tendem a dominar territórios de alta qualidade, como aqueles com muitos esconderijos e luz solar abundante. As fêmeas preferem territórios de maior qualidade e aceitam os machos que os guardam; um macho pode ter acesso a um harém de várias fêmeas em um bom habitat. [7]

A fêmea pode botar vários ovos ao mesmo tempo, mas uma embreagem de dois é comum, principalmente nas áreas costeiras. Os tamanhos da embreagem podem ser maiores em outras faixas geográficas.

Outro comportamento notável da espécie é a locomoção bípede ocasional. Pode correr relativamente rápido nos pés traseiros por uma distância limitada. Ele carrega seu corpo em uma posição oblíqua, elevando os membros posteriores. Ele oscila os membros anteriores em fase com os membros posteriores, ou seja, balança o membro anterior direito à medida que o membro posterior direito sobe e a esquerda com a esquerda.

Biologia

Outros aspectos da biologia desta espécie foram bem estudados, desde a produção e morfologia de seus espermatozóides, até a histologia de seu fígado, rins, e sangue vermelho. células. Um inventário dos parasitas dentro dos corpos de vários lagartos encontrou três espécies de nematóides, Physaloptera lutzi, Parapharyngodon bainae e Oswaldo filaria chabaudi, além de uma tênia não identificada e uma acanthocephalan.

Nas espécies territoriais, as fêmeas são frequentemente atraídas por territórios de alta qualidade, que devem pertencer a machos que venceram com sucesso a competição com outros machos. Como os traços morfológicos e comportamentais freqüentemente influenciam o sucesso de combate dos homens, esses parâmetros podem ser usados ​​pelas mulheres para avaliar a qualidade dos homens (e do território associado).

No presente estudo, testamos a hipótese de que características orgânicas em machos dominantes do lagarto Tropidurus torquatus estão associadas à qualidade do território possuído. Após caracterizar os territórios ocupados, utilizamos uma análise discriminante para testar se características morfológicas e comportamentais do homem dominante predizem a qualidade do território possuído.

Tropidurus Torquatus

Territórios de alta qualidade foram caracterizados por um número maior de refúgios, distâncias mais curtas entre abrigos e um harém bem definido, em comparação com territórios de baixa qualidade. As características organizacionais previam com 100% de precisão o tipo de território possuído: territórios de alta qualidade eram associados a machos maiores com cabeças mais longas, enquanto os machos que ocupavam territórios de baixa qualidade exibiam mais exibições na cabeça, viajavam distâncias maiores e corriam um pouco mais lentamente do que os associados com territórios de alta qualidade.

Discutimos possíveis implicações da qualidade do território e características masculinas para o sucesso reprodutivo em Tropidurus torquatus. percorreu distâncias maiores e correu um pouco mais lentamente do que aquelas associadas a territórios de alta qualidade.

Discutimos possíveis implicações da qualidade do território e características masculinas para o sucesso reprodutivo em Tropidurus torquatus. percorreu distâncias maiores e correu um pouco mais lentamente do que aquelas associadas a territórios de alta qualidade. Discutimos possíveis implicações da qualidade do território e características masculinas para o sucesso reprodutivo em Tropidurus torquatus.

Curiosidade Sobre os Lagartos em Geral

Lagartos fazem uso de seus sentidos de visão, toque, olfato e audição como outros vertebrados. O equilíbrio destes varia com o habitat de diferentes espécies; por exemplo, os que vivem em grande parte cobertos por solo solto dependem muito da olfação e do toque, enquanto as lagartixas dependem em grande parte da visão aguda para sua capacidade de caçar e avaliar a distância de suas presas antes de atacar.

Os lagartos-monitor têm visão aguda, audição e sentidos olfativos. Alguns lagartos fazem uso incomum de seus órgãos sensoriais: os camaleões podem direcionar seus olhos em direções diferentes, às vezes fornecendo campos de visão não sobrepostos, como avançar e recuar ao mesmo tempo. Os lagartos não possuem orelhas externas, tendo uma abertura circular na qual a membrana timpânica (tímpano) pode ser vista. Muitas espécies dependem da audição para alertar antecipadamente os predadores e fogem ao menor som.

Como nas cobras e em muitos mamíferos, todos os lagartos têm um sistema olfativo especializado, o órgão vomeronasal , usado para detectar feromônios. Lagartos-monitores transferem o perfume da ponta da língua para o órgão; a língua é usada apenas para esse fim de coleta de informações e não está envolvida na manipulação de alimentos.

Alguns lagartos, particularmente as iguanas, mantêm um órgão foto sensorial no topo de suas cabeças chamado olho parietal , uma característica basal (“primitiva”) também presente no tuatara. Esse “olho” possui apenas uma retina e lente rudimentares e não pode formar imagens, mas é sensível a mudanças na luz e na escuridão e pode detectar movimentos. Isso os ajuda a detectar predadores perseguindo-o de cima.

Veja também

Papa-Léguas Correndo no Chão

Quais São os Predadores do Papa-léguas e seus Inimigos?

Com velocidades acima de 40 quilômetros por hora, os corredores de estrada definitivamente ganham seu …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *