Home / Animais / História do Tracajá e Origem do Animal

História do Tracajá e Origem do Animal

O tracajá é uma espécie de cágado que habita o Brasil há milhões de anos. Esse animal, apenas para que seja possível ter uma ideia, já habitava a região do Nordeste brasileiro há cerca de 120 milhões de anos. O cágado pode ser muito resistente às mudanças e efeitos do tempo, além de bastante inteligente para saber se proteger dos possíveis problemas. Assim, a história do tracajá remonta há milhões de anos, quando o animal já se fazia presenta na América do Sul.

Mesmo hoje, com toda a destruição crescente do seu habitat, o tracajá se mostra capaz de resistir e se manter forte o bastante para seguir vivo. O animal vive em parte da região Norte do Brasil, onde existem populações inteiras do tracajá. Porém, esse cágado ainda pode ser encontrado, de forma menos vasta, no Pantanal e no Centro-Oeste.

Ademais, os países ao redor do Brasil, como Venezuela, Peru e Colômbia, possuem o tracajá em suas florestas. O tracajá pode chegar aos 12 quilos quando bem alimentado, o que tende a ser muito simples, sobretudo considerando a alimentação do bicho. Se você quer saber mais sobre o tracajá, veja abaixo todas as informações a respeito de um dos répteis mais importantes e antigos do planeta.

História do Tracajá

O tracajá existe no Brasil há cerca de 120 milhões de anos, quando já habitava o Nordeste do país. Na verdade, um antepassado do tracajá foi uma tartaruga que chegava aos 10 metros de comprimento. Porém, o tracajá foi capaz de se adaptar ao ponto de ultrapassar a barreira do tempo para chegar até os dias atuais. Pois, por mais que nem sempre pareça, a natureza premia os mais adaptáveis e não necessariamente os mais fortes; sobretudo quando se trata de longo prazo, como é o caso.

Calcula-se que os primeiros exemplares de tracajá são de 165 milhões de anos atrás. Porém, pode ser que esse animal seja até um pouco mais velho. Há registros de tartarugas e cágados em todo o mundo há cerca de 200 milhões de anos, então pode ser que o animal seja até mais velho. Em todo caso, é importante ressaltar que, ao longo de todo esse tempo, o tracajá foi se adaptando àquele cenário imposto.

Logo, o animal foi capaz de se manter vivo por mais tempo, já que evitou a morte de inúmeras maneiras. Para se ter uma ideia de como o tracajá é antigo em todo o mundo, esse réptil já estava presente no planeta Terra quando houve a separação dos continentes, seguindo a teoria da deriva continental.

Tracajá Pode Viver Até 90 Anos

Um tracajá pode viver muito e esse fator ajuda o animal a se manter no planeta por tanto tempo. O animal, atualmente, é capaz de viver por cerca de 90 anos, podendo morrer um pouco antes.

Logo, isso quer dizer que um tracajá vive tanto quanto uma pessoa, por exemplo. Portanto, o animal possui uma alta resistência a doenças ou outros problemas, mantendo-se vivo mesmo nos piores períodos para a natureza. Matar um tracajá, mesmo para os predadores mais eficientes, pode ser cansativo e demandar muita energia.

Tracajá

Assim, o réptil foi se tornando uma presa indesejada, o que pôde manter os animais mais perigosos distantes. Todos os detalhes mostram bem como o tracajá conseguiu prolongar o seu tempo de vida na Terra, mas também servem para indicar o quanto esse ser vivo poderá viver por mais muitos e muitos anos.

No Brasil, atualmente, o tracajá vive na Floresta Amazônica. Contudo, já está comprovado que o ser vivo consegue habitat também outras partes do país, o que leva a crer que o tracajá poderá ficar por mais alguns milhões de anos livre da extinção. O estado de conservação do bicho é tido como excelente.

Tracajás São Híbridos

Os tracajás são animais adaptáveis. Isso quer dizer que esse réptil se mostra capaz de viver tanto em água como em terra. Logo, o tracajá pôde, ao longo da história, superar variados problemas com a oferta de água. Se rios transbordam, por exemplo, o animal não morre, pois sabe nadar e lidar com esse ambiente.

Porém, se os rios secam, o tracajá também se mantém forte e saudável, pois consegue lidar com esse ambiente de maneira primorosa. Portanto, o grande ponto mesmo é que o tracajá se mostra capaz de adaptar-se aos mais diferentes tipos de ambientes. Os jabutis, para efeito de comparação, apenas vivem em terra e não se dão bem em água.

Em um momento e cheia abrupta de um rio, por exemplo, os jabutis morrem e o tracajá se mantém vivo. Esse tipo de capacidade adaptativa é essencial quando se fala em sobrevivência no longo prazo. Assim, ao analisar os pequenos detalhes é possível notar como o tracajá faz para continuar vivo ao longo dos milhões de anos.

Mais Informações Sobre o Tracajá

O tracajá é pequeno e bastante delicado ao nascer, embora com o tempo vá ganhando força e resistência. Por conseguinte, o número de mortes nas primeiras semanas de vida é considerável.

Quando pequenos, os tracajás possuem manchas amarelas por todo o corpo, mas elas vão sumindo conforme esse animal cresce. No período de reprodução, o tracajá coloca cerca de 20 ovos, que ficam em fase de incubação ao longo de 100 a 200 dias. Esse número pode mudar de acordo com cada exemplar de tracajá, já que os animais não são sempre idênticos.

Um detalhe interessante é que o tracajá, apesar de viver na água e também na terra, está muito mais seguro quando na água. Isso porque o réptil nada muitíssimo bem, sendo capaz de fugir de eventuais predadores com facilidade. Ademais, o tracajá não se movimenta tão rapidamente em terra, prejudicando sua defesa contra animais maiores.

Por sorte (ou por conta da evolução), o casco absorve muito bem os impactos e pode salvar a vida de um tracajá em diversos momentos. Por fim, o animal é muito visado em alguns locais, pois pode servir para a alimentação das populações que vivem ao redor de rios. O cenário é mais comum na região Norte do Brasil, onde a oferta de tracajás é enorme e há o costume de comê-lo.

Veja também

Marreco de Topete: Características, Classificação Científica e Fotos

Conhecido como Marreco Pom Pom, também podemos ouvir falar no nome Marreco de Topete. É uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *