Home / Animais / Guariba de Mãos Ruivas: Características, Habitat e Fotos

Guariba de Mãos Ruivas: Características, Habitat e Fotos

Parece mesmo que o guariba de mãos ruivas é uma espécie de macaco exclusivamente brasileiro. Infelizmente é mais uma espécie de primata considerado ameaçado de extinção com populações diminuindo drasticamente em algumas regiões locais de habitat pelo Brasil.

Guariba de Mãos Ruivas: Características, Habitat e Fotos

O guariba de mãos ruivas tem cabelo geralmente preto, mais esparso na cabeça e no rosto, nu, mas com barba espessa, mais abundante nos machos: somente na subespécie descolorida as mãos são de cor avermelhada, como indicado pelo nome comum: também a ponta da cauda pode ser avermelhado. Tem uma cauda preênsil um pouco mais longa que o corpo, cuja ponta tem uma parte inferior glabra e é muito sensível: é usada como quinto membro nos movimentos entre as árvores. A cor e o padrão do pêlo do macaco guariba permanece variável. A maioria dos adultos é negro com mãos marrom-avermelhadas, pés e parte distal de suas caudas, mas alguns macacos são inteiramente pretos, ou mais avermelhados e há também aqueles macacos que tem uma variação nas cores do pêlo em algum lugar intermediário.

Guariba de Mãos Ruivas No Galho de uma Árvore

Com três subespécies (alouatta belzebul belzebul, alouatta belzebul descolor e alouatta belzebul ululata), o macaco guariba de mãos ruivas vive no norte e leste do Brasil, onde coloniza as áreas da floresta amazônica e semidecídua. Podem ser vistos em áreas do bioma amazônica e na mata atlântica, circulando em estados diversos do território brasileiro como Alagoas, Amapá, Paraíba, Pará, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Pernambuco e Maranhão, para citar apenas alguns. Também outras subespécies como alouatta palliata e o aluatta nigerrima já foram considerados subespécies do macaco guariba de mãos ruivas (classificados antes como alouatta belzebul palliata e alouatta belzebul nigerrima). Mas estudos recentes de taxonomia contestaram essa relação.

A Controversa Taxonomia do Guariba de Mãos Ruivas

Uma confusão taxonômica considerável cercou esta espécie. Até 2001, a maioria das autoridades incluía o bugio preto da Amazônia como uma subespécie (ou simplesmente uma variação taxonomicamente insignificante) do alouatta belzebul, embora sua distinção já tivesse sido apontada muito antes. O alouatta belzebul, guariba de mãos ruivas, permaneceu variável em ecologia, cor e padrão do pêlo, formato do crânio e formato do osso hioide (de grande importância na voz dos macacos bugios; um provável mecanismo de isolamento entre as espécies).

Mas um padrão geográfico não era claro, resultando em ser tratado como uma espécie monotípica. Em 2006, uma grande revisão dos membros brasileiros do gênero alouatta foi capaz de combinar algumas das variações da geografia (apesar de mais estudos serem recomendados), resultando no reconhecimento de algumas subespécies como espécies separadas do guariba de mãos ruivas. Portanto, até segunda ordem de análise o macaco guariba de mãos ruivas possui três subespécies reconhecidas atualmente: alouatta belzebul belzebul, alouatta belzebul descolor e alouatta belzebul ululata.

Guariba de Mãos Ruivas: Ecologia

Os macacos guariba de mãos ruivas são grandes comedores de folhas das comunidades de primatas da América do Sul. Os dentes molares são particularmente adaptados às folhas de mastigação por cisalhamento. Sua característica mais marcante são as mandíbulas profundas que circundam a laringe aumentada e o aparelho hioide, uma câmara ressonante. É com esta caixa de voz ampliada e altamente especializada que eles produzem seus uivos (grunhidos, rugidos e latidos). As sessões de uivação, geralmente envolvendo todo o grupo, podem ser ouvidas particularmente no início da manhã e são audíveis a distâncias de 1 a 2 km². Não são macacos de grupos grandes, mas geralmente podem ser vistos numerando quatro, cinco ou até onze indivíduos. Geralmente, há apenas um homem dominante no grupo (ocasionalmente dois), outros sendo sub-adultos ou juvenis, juntamente com um harém de duas a cinco mulheres. Eles têm áreas domésticas muito pequenas e amplamente sobrepostas, de 5 ha a 45 ha, dependendo o tipo de habitat, com áreas residenciais de 13,5 ha e 18,05 ha, respectivamente.

Os macacos guariba de mão ruivas são os únicos primatas do Novo Mundo que incluem regularmente folhas maduras em sua dieta, embora as folhas jovens, mais macias e menos fibrosas, sejam preferidas quando disponíveis. Sua folivoria e capacidade de comer folhas maduras é, sem dúvida, uma das chaves para sua ampla distribuição e a grande variedade de tipos de vegetação em que habitam.

Mas não ficam exclusivamente com as folhas em sua dieta. A fruta madura é o outro item alimentar importante, especialmente os figos selvagens em muitas regiões, mas também comem pecíolos, brotos, flores (às vezes muito importantes dependendo da época), sementes, musgo, caules e galhos, e termitária.

Guariba de Mãos Ruivas: Ameaças e Status de Conservação

Extremamente comum em algumas áreas (como Marajó), mas muito raro na porção da Mata Atlântica (Rio Grande do Norte, Alagoas, Paraíba e Pernambuco). Há cerca de 200 indivíduos pesquisando em um total de 10 locais isolados: seis populações na Paraíba, duas no Rio Grande do Norte, uma em Pernambuco e uma em Alagoas. A maior população da Mata Atlântica está em Pacatuba, na Paraíba, com cerca de 80 animais. Houve cinco extirpações locais registradas de fragmentos de floresta nos últimos 50 anos. Na Amazônia, a espécie é generalizada, embora seja caçada. As populações amazônicas sofreram severamente com a perda de florestas em toda a sua extensão no sul do Pará na última década. Na população da Mata Atlântica, a principal ameaça é a fragilidade dos pequenos fragmentos florestais remanescentes a efeitos estocásticos e demográficos (a perda e fragmentação de habitat deve-se principalmente às plantações de cana-de-açúcar).

Na Mata Atlântica, as espécies ocorrem na Reserva Biológica de Guaribas, Paraíba (2,71 ha, reintroduzida), na RPPN de Pacatuba e na RPPN de Mata da Estrela. Na Amazônia, ocorre em várias áreas protegidas, incluindo Floresta Nacional Caxiuanã (200.000 ha), na Reserva Biológica de Gurupí (272.379 ha) e na Reserva Biológica de Tapirapé (99.703 ha). Está listado no Apêndice II da CITES. Listada como Vulnerável, pois há razões para acreditar que a espécie tenha diminuído em pelo menos 30% nos últimos 36 anos (três gerações) devido principalmente à caça e à perda de habitat. Como já dissemos, a subpopulação isolada na Mata Atlântica é uma das mais preocupantes pois está em uma condição muito mais crítica, com apenas 200 indivíduos sobrevivendo. Torcemos por sua recuperação!

Veja também

Sagui-de-Bigode: Características, Nome Científico, Habitat e Fotos

O Sagui-de-bigode (Saguinus myxtax), conhecido também como sagui-da-boca-branca, é uma espécie de macaco do novo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *