Home / Animais / Furão Norueguês: Características, Filhotes, Nome Cientifico e Fotos

Furão Norueguês: Características, Filhotes, Nome Cientifico e Fotos

É importante começarmos esse artigo mencionando que não há qualquer registro de furões ou mesmo mustelídeos endêmicos ou cujo habitat predominante seja em terras norueguesas. Ou seja, não existe até segunda ordem, nenhum furão norueguês! Ao contrário, a Noruega impõe fortes restrições aos furões no país, para a importação ou criação como animais de estimação.

Sendo assim, desenvolveremos esse tema destacando dois animais diferentes. Um que faz parte da família dos mustelídeos e que já viveu em tempos passados na Noruega, mas hoje não mais: o vison europeu (marta). O outro é uma espécie que este sim é habitante de terras norueguesas, mas não é um mustelídeo, embora haja quem faça essa confusão; trata-se do lêmingue norueguês.

Vison Europeu (Mustela Lutreola)

Estes são pequenos mustelídeos com pêlo castanho escuro marcados com uma a duas manchas brancas no focinho. A marta, ou vison europeu, é subserviente aos ecossistemas aquáticos. Ele vive em pequenos rios, pântanos e riachos onde se alimenta de pequenos mamíferos, peixes e anfíbios.

Com uma diminuição de 90% da população desde o início do século 20, o vison europeu é a espécie de mamífero mais ameaçadas de extinção na Europa. As causas do declínio são múltiplas. A captura de pele é a principal causa de extinção.  As populações do vison europeu são difíceis de estimar. De fato, sua grande área de distribuição tende a superestimar.

O Lêmingue Norueguês (Lemmus Lemmus)

O lêmingue norueguês é uma espécie comum de lêmingue encontrada no norte da Fennoscandia. É a única espécie vertebrada endêmica da região. O lêmingue da Noruega reside na tundra e nas colinas e prefere viver perto da água. O lêmingue da Noruega tem um padrão ousado de preto e marrom-amarelado, que é variável entre os indivíduos. Ela cresce para um tamanho de 155 mm. A cauda é muito curta (10 a 19 mm). Pesa até 130 gramas.

O lêmingue da Noruega tem um dramático ciclo populacional de três a quatro anos, no qual a população da espécie se eleva periodicamente a níveis insustentáveis, levando a uma alta mortalidade, o que faz com que a população caia novamente. O lêmingue da Noruega passa o inverno em ninhos sob a neve. Quando a primavera começa a descongelar e a neve começa a desmoronar, eles precisam migrar para terrenos mais altos, onde a neve ainda é firme o suficiente para a segurança ou, mais comumente, para o solo mais baixo, onde passam os meses de verão.

No outono, devem cronometra seu movimento para trás à terra mais alta protegida com cuidado, saindo depois que a cobertura alpina da neve estiver disponível para suas tocas e ninhos, e antes que as terras baixas estejam feitas inabitáveis pela geada e pelo gelo.

Lemmus Lemmus

Quando as estações são particularmente boas (invernos curtos sem descongelamentos ou congelamentos inesperados e verões longos), a população de lêmingues da Noruega pode aumentar exponencialmente: atingem a maturidade sexual menos de um mês após o nascimento e reproduzem durante todo o ano se as condições forem adequadas, produzindo uma ninhada de seis a oito jovens a cada três a quatro semanas.

Sendo criaturas solitárias por natureza, os lêmingues mais fortes afastam os mais fracos e mais jovens muito antes de ocorrer uma escassez de alimentos. Os jovens lêmingues se dispersam em direções aleatórias em busca de território vago. Onde as características geográficas restringem seus movimentos e os canalizam para um corredor relativamente estreito, grandes números podem se acumular, levando a fricção social, aflição e, eventualmente, um pânico em massa pode seguir, onde eles fogem em todas as direções.

Os lêmingues migram, e em grande número às vezes, mas a marcha deliberada no mar ainda precisa ser verificada. De acordo com a pesquisa genética, o lêmingue norueguês sobreviveu a glaciação do Pleistoceno na Europa Ocidental, habitando vários refúgios que não foram cobertos pelo gelo. Alternativamente, alguns pesquisadores argumentam que as populações norueguesas de lêmingues surgiram de ancestrais do lêmingue marrom dos dias de hoje (lemmus sibiricus), movendo-se depois que as geleiras recuaram.

Quando confrontados com um predador, os lêmingues da Noruega não tentam fugir, em vez disso começam a atacar o predador/intruso. Eles também eram conhecidos por atacar seres humanos que se aproximavam. Com seu corpo colorido e comportamento corajoso, foi sugerido que eles pertencem a espécies apossemáticas. Eles fazem sons que soam como guinchos, jingles ou rosnados, com jovens com uma voz ligeiramente mais leve que os adultos.

Diferenças Entre o Furão e o Lêmingue

Claramente, as aparências enganam. Enquanto os furões e lêmingues compartilham uma herança de mamíferos, eles estão em ordens científicas completamente diferentes. Os furões são da família dos mustelídeos, uma grande ordem carnívora mais relacionada a cães, gatos e ursos. Lêmingues, por outro lado, pertencem a ordem rodentia, que inclui animais de estimação populares como camundongos, hamsters e porquinhos da índia.

Um aspecto que distingue os lêmingues é o seu único par de incisivos afiados nas mandíbulas superior e inferior. Estes dentes continuam crescendo e são usados para proteção ou defesa, escavação e, claro, roendo sua dieta principalmente herbívora (planta). Estes mamíferos também têm alguns molares na parte de trás da boca e principalmente comem sementes e outros materiais vegetais, embora alguns sejam onívoros e comam uma dieta variada. Em comparação, os furões têm quatro tipos de dentes: incisivos, caninos, pré-molares e molares. Estes comedores de carne precisam comer frequentemente devido ao seu curto trato digestivo e ao rápido metabolismo.

Forma do corpo é outra diferença importante entre furões e lêmingues. Os lêmingues tem corpos pequenos e robustos com membros curtos. Os furões compartilham um corpo robusto e membros curtos, mas sua estrutura flexível é muito maior.

Outra distinção de furão é o seu cheiro. Semelhante à maioria dos mustelídeos, furões têm glândulas de cheiro perto de seu ânus. Eles usam estes para marcação de cheiro. Além disso, quando ameaçados, os furões podem liberar suas secreções das glândulas anais de maneira muito parecida com a de um gambá. Felizmente as secreções de furão são mais suaves que as de um gambá, então o cheiro desaparece mais rapidamente e é muito mais fácil de lavar.

Além disso, nossos amigos furões têm um aroma almiscarado natural que é produzido por óleos na pele, e não nas glândulas anais. Você pode notar uma redução neste cheiro depois que seu animal de estimação é esterilizado ou castrado, de modo que apenas um leve odor almiscarado permaneça. Mas porque este esclarecimento é importante? Porque principalmente o furão doméstico pode sofrer preconceitos inclusive políticos contra sua espécie e seu status de domesticação, até em relação aos furões selvagens.

Muitas vezes existem leis locais e estaduais contra a manutenção de furões, e esse tipo de ignorância pode influenciar a política. Isso também pode afetar a atitude de algumas pessoas em considerar furões como animais de estimação. Curiosamente, enquanto algumas pessoas podem agrupar furões e roedores como os lêmingues de forma incorreta, a história nos diz que os furões frequentemente eram usados na caça de animais selvagens e no controle de roedores.

Veja também

Diferenças Entre Raças de Cães Maltês, Poodle, Shih-Tzu, Yorkshire e Bichon Frise

Porque as necessidades de todos são tão diferentes, vamos nos concentrar na comparação entre algumas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *