Home / Animais / Ficha Técnica do Morcego: Tamanho, Comprimento e Peso

Ficha Técnica do Morcego: Tamanho, Comprimento e Peso

O morcego é um mamífero voador, geralmente insetívoro e noturno, caracterizado pelo enorme desenvolvimento de quatro dedos das patas dianteiras e da membrana oscilante, funcionando como uma asa, estendidos entre esses quatro dedos, os flancos e, às vezes, a cauda.

Ficha Técnica Do Morcego: Tamanho, Comprimento E Peso

Representados por cerca de 1.000 espécies, que formam a ordem dos morcegos, e se espalham pelo mundo, os morcegos são principalmente noturnos. Eles são os únicos mamíferos para praticar um vôo batido semelhante ao dos pássaros.

A asa é formada por uma dobra de pele, ou patágio, esticada entre as patas dianteiras e tornozelos, que freqüentemente inclui a cauda. Quatro dos cinco dedos são fortemente alongados e sustentam o patágio; o polegar, livre, tem uma garra.

Os morcegos são a ordem dos quirópteros. Os quirópteros são divididos em dois grupos: megachiroptera (uma família), frugívoros (morcegos frugívoros) e nectarívoros; e microchiroptera (15 famílias), principalmente insetívoros, mas algumas espécies se alimentam de frutas ou néctar. E há os morcegos vampiros sul-americanos consomem o sangue de mamíferos e pássaros.

Falar de tamanho, comprimento e peso apenas se considerarmos a média pois são inúmeras famílias com uma enorme quantidade de espécies com morfologias diferentes. Mas pode-se usar a redundância ao afirmar que os morcegos podem pesar menos de 05 gramas em algumas espécies como podem atingir quase dois quilos para outras. Podem medir apenas alguns milímetros com uma envergadura inferior a 20 cm, como podem possuir quase 40 cm de corpo com uma envergadura de quase dois metros.

O menor morcego registrado é o craseonycteris thonglongyai, que tem entre 29 a 34 milímetros de comprimento com uma envergadura de 15 centímetros e pesa entre 2 e 3 gramas. Também é sem dúvida a menor espécie existente de mamífero. Os maiores morcegos são algumas espécies de pteropus que pode pesar mais de 1,5 kg com uma envergadura de 1,7 metros.

Estilo De Vida

Morcegos em regiões de estação fria hibernam em um lugar úmido, vivendo em reservas de gordura acumuladas no verão (a temperatura do corpo pode cair em 20° C), ou migrar para regiões mais quentes. A maioria dos morcegos vive em grupos. Nos países tropicais, os morcegos frugívoros se reúnem durante o dia em “árvores dormitórias” e voam ao entardecer.

Microchiroptera se reúnem em cavernas ou outros lugares escuros. O papel ecológico dos morcegos é crucial: as espécies insetívoros contribuem para a regulação das populações de insetos e os nectarívoros polinizam muitas plantas. Os morcegos voam e buscam sua comida no escuro graças à ecolocalização: eles emitem, pelo nariz ou pela boca, ultrassons dos quais eles captam o eco.

Morcegos maiores tendem a usar frequências mais baixas e morcegos menores usam frequências maiores para a ecolocalização; A ecolocalização de alta frequência é melhor na detecção de presas menores. Pequenas presas podem estar ausentes nas dietas de morcegos grandes, pois são incapazes de detectá-las. As adaptações de uma determinada espécie de morcego podem influenciar diretamente os tipos de presas disponíveis.

As modificações sofridas pela onda refletida permitem apreciar a distância do objeto, mas também identificá-lo (presa ou obstáculo). Os morcegos estão entre os mamíferos mais vocais e produzem ligações para atrair parceiros, encontrar parceiros e defender recursos. Essas chamadas são geralmente de baixa frequência e podem viajar longas distâncias.

A ecolocalização é usada principalmente por morcegos insetívoros, que geralmente capturam insetos voadores. Os frugívoros usam seu olfato e têm boa visão noturna. O compartilhamento de alimentos e o preparo mútuo podem ocorrer em certas espécies, como o morcego vampiro comum (desmodus rotundus), e estes reforçam os laços sociais.

Desmodus Rotundus
Desmodus Rotundus

Alguns morcegos levam vidas solitárias, enquanto outros vivem em colônias de mais de um milhão. Viver em grandes colônias diminui o risco para um indivíduo de predação. Espécies de morcegos temperados podem enxamear em locais de hibernação à medida que o outono se aproxima. Isso pode servir para introduzir os jovens aos locais de hibernação, sinalizar a reprodução em adultos e permitir que os adultos se reproduzam com os de outros grupos.

Várias espécies têm uma estrutura social de fusão e fissão, onde um grande número de morcegos se reúne em uma área de dormitório, juntamente com a quebra e mistura de subgrupos. Dentro dessas sociedades, os morcegos são capazes de manter relacionamentos de longo prazo. Algumas dessas relações consistem em fêmeas “matrilinearmente” relacionadas e seus descendentes dependentes.

Morcegos e Ecologia

Os morcegos estão presentes em todo o mundo, com exceção de regiões extremamente frias. Eles são importantes em seus ecossistemas para polinização de flores e dispersão de sementes; muitas plantas tropicais dependem inteiramente de morcegos para esses serviços. O voo permitiu que os morcegos se tornassem um dos grupos de mamíferos mais amplamente distribuídos.

Além do alto Ártico, da Antártida e de algumas ilhas oceânicas isoladas, os morcegos existem em quase todos os habitats da Terra. As áreas tropicais tendem a ter mais espécies do que as temperadas. Espécies diferentes selecionam habitats diferentes durante as diferentes estações do ano, variando de mares a montanhas e desertos, mas eles requerem poleiros adequados.

Os poleiros de morcegos podem ser encontrados em cavidades, fendas, folhagens e até estruturas feitas pelo homem, e incluem “barracas” que os morcegos constroem com folhas. Grandes morcegos geralmente empoleiram-se em árvores. A maioria dos pequenos morcegos são noturnos e grandes morcegos são tipicamente diurnos ou crepusculares.

Em áreas temperadas, alguns pequenos morcegos migram centenas de quilômetros para as tocas de hibernação no inverno; outros passam em torpor em clima frio, estimulando e alimentando quando o tempo quente permite que os insetos estejam ativos. Outros se retiram para as cavernas no inverno e hibernam por até seis meses. Pequenos morcegos raramente voam na chuva; interfere na sua ecolocalização e não conseguem caçar.

Expectativa de Vida

A vida útil máxima dos morcegos é três vezes e meia mais longa que outros mamíferos de tamanho similar. Seis espécies foram registrados para viver mais de 30 anos em estado selvagem: o morcego plecotus auritus, o lucifugus do myotis, o myotis brandti, o blythii myotis, o rhinolophus ferrumequinum e o pteropus giganteus.

Uma hipótese consistente com a teoria da taxa de vida diz-se ao fato de que eles diminuem sua taxa metabólica enquanto hibernam; morcegos que hibernam, em média, têm um tempo de vida mais longo que os morcegos que não o fazem. Outra hipótese é que o vôo reduziu sua taxa de mortalidade, o que também seria verdadeiro para os pássaros e os mamíferos planadores.

Espécies de morcegos que dão à luz vários filhotes geralmente têm um tempo de vida mais curto do que as que dão à luz apenas um filhote. Espécies que habitam em cavernas podem ter uma vida útil mais longa do que as espécies não-invasoras, devido à diminuição da predação em cavernas. Um espécime myotis brandti foi recapturado na natureza após 41 anos, tornando-se o mais antigo morcego conhecido.

Veja também

Chimpanzé Bonobo: Características, Nome Científico e Fotos

O bonobo é uma espécie de chimpanzé que possui o nome científico de Paniscus. Podem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *