Home / Animais / Ficha Técnica da Girafa e Taxonomia

Ficha Técnica da Girafa e Taxonomia

Seu pescoço longo e pernas enormes dão à girafa uma aparência e elegância extraordinárias que a diferenciam. Apesar de sua silhueta esbelta, é, como o rinoceronte negro, um dos mamíferos mais pesados do mundo.

Resumo de Vida das Girafas

A girafa tem uma caminhada lenta e flexível. Ela levanta a cada passo as duas patas do mesmo lado. Especificamente, a frente direita deixa o chão imediatamente depois que a traseira direita foi levantada. Esse ritmo particular permite que ele faça passos mais largos, facilita o trabalho muscular e evita que suas patas batam.

Em uma zona livre de obstáculos, sua velocidade é de 6 a 7 km/h, mas, a um galope, pode chegar a 56 km/h. Nesse ínterim, os movimentos de seu pescoço permitem que ela equilibre o peso de seu corpo: quando suas pernas são jogadas para frente, ela também vai para frente e para trás, quando suas pernas tocam o chão, ela se estabiliza.

Nos dias quentes, a girafa descansa e cochila à sombra das árvores, muitas vezes em pé. Ela só vai para a cama quando se sente segura. Quando ela dorme mais profundamente, especialmente à noite, ela dobra o pescoço para trás e coloca o queixo no chão perto da coxa.

Mas ela nunca fica muito tempo nesta posição: seu sono dura apenas 3 ou 4 minutos. Devido ao seu tamanho, a girafa tem mais dificuldade do que outro mamífero para se levantar e ir para a cama: realiza uma série de movimentos complicados, ajudados pelo seu pescoço, que serve como um pêndulo.

A girafa suporta muito bem o calor. Se os pontos de água estiverem disponíveis, ela bebe regularmente todos os dias. Mas na estação seca, quando a água é escassa, ela ficar sem água por vários dias. Ele só tem que limitar a maioria de suas atividades às horas frias do dia. Em Waza Park, Camarões, dois terços das plantas que consome contêm pelo menos 50% de água e metade tem folhas durante a estação seca.

Algumas plantas, como a crateva religiosa, têm um teor de água de 75%. Outras, como o acacia seya acumula 150%. A girafa, portanto, encontra nas folhas, flores e frutas quase toda a água necessária para o seu metabolismo, especialmente porque suas necessidades diárias não são enormes, em comparação ao seu tamanho: pouco mais de 3 litros por 100 kg de peso vivo.

Além disso, economiza água. Seu corpo grande, muito cortado, permite que o calor interno se dissipe. Em vez de desperdiçar a água pela transpiração, ela armazena o calor do sol e do ar durante o dia: a temperatura do corpo sobe para 39° Celsius e cai durante a noite a 35° Celsius. Durante períodos muito quentes, seu corpo pode gravar até 10° Celsius de diferença entre o dia e a noite.

Este sistema economiza em média dez litros de água por dia. Além disso, o ar que ela expira durante a respiração se condensa quando passa pelas vias aéreas superiores: uma grande parte da água é assim retida pelas membranas mucosas.

A girafa tem uma excelente vista. Ela percebe especialmente a posição e movimento dos objetos: ela é capaz de ver um homem a 2 km de distância. Alguns acham que ela distingue cores: vermelho, laranja, amarelo, verde e roxo.

Quando ela vê um homem, ela fica imóvel atrás da vegetação, enquanto bate a cauda. Mas se ela vê um leão, ela sai do esconderijo, ergue-se para não perder de vista o leão que, por sua vez, não ataca porque ele sabe que ela tem uma visão privilegiada!

Evolução da Girafa e Taxonomia

A girafa pertence à subordem ruminantia. Muitas das espécies nesta subordem são descritas como originárias do período Eoceno na Ásia Central, sudoeste da Ásia e a maioria na América do Norte, período em que as condições ecológicas poderiam facilitar sua rápida dispersão. A girafa é uma das duas únicas espécies vivas da família giraffidae.

Esta família era muito mais extensa, tendo cerca de 10 fósseis descritos. Seus parentes mais próximos são os extintos climacoceratidae, que ao lado da família antilocapridae (à qual pertence o antilocapra americano) pertencem à superfamília giraffoidea. Estes animais podem evoluir da extinta família palaeomerycidae, que também é atribuída como o ancestral dos cervantes.

Enquanto algumas das espécies extintas de giraffidae tinham corpos grandes, outras tinham um corpo mais longo. Um ancestral da girafa foi canthumeryx, com várias datações que variam de 25 a 20 milhões de anos atrás, de 17 a 15 milhões de anos atrás ou de 18 a 14 milhões de anos atrás, e de onde foram encontrados depósitos fósseis na Líbia. Este animal era de tamanho médio, magro e em forma de antílope.

Outro antepassado, o giraffokeryx, apareceu há 15 milhões de anos no subcontinente indiano e parecia uma girafa pequena que tinha um pescoço mais alongado e duas protuberâncias na cabeça compostas de cartilagem. O palaeotragus, que remonta há 14 milhões de anos e viveu da África oriental à Mongólia, assemelhava-se ao ocapi e é atribuído como ancestral deste. Ele tinha um crânio maior e mais largo e tinha um dimorfismo sexual.

O samotherium substituiu o paleotragus entre 10 e 9 milhões de anos atrás, e eram animais maiores com faces mais longas, cavidades sinusais mais desenvolvidas e um perfil mais semelhante ao das girafas. Eles viviam na África e na Eurásia. A espécie bohlinia, que dura entre 9 e 7 milhões de anos atrás, viveu no sudeste da Europa e provavelmente descende de samotherium, e é considerado um ancestral direto da girafa.

As espécies de bohlinia assemelhavam-se claramente às girafas modernas, com pescoço longo e pernas longas e com saliências na cabeça e nos dentes. A espécie bohlinia foi introduzida na China e no norte da Índia devido às mudanças climáticas. A partir daí, o gênero giraffa evoluiu e cerca de 7 milhões de anos atrás entrou na África. As seguintes mudanças climáticas causaram a extinção de espécies asiáticas, enquanto os africanos sobreviveram e deram origem a novas espécies.

Ficha Técnica Moderna da Girafa

Giraffa camelopardalis apareceu há cerca de 1 milhão de anos na África Oriental durante o período plistocênico. Alguns biólogos sugerem que a girafa moderna descende da espécie giraffa jumae, enquanto outros apontam para giraffa gracilis como o candidato mais plausível. Giraffa jumae era maior e tinha uma constituição mais pesada, enquanto giraffa gracilis era menor e tinha uma constituição mais leve.

Giraffa Camelopardalis
Giraffa Camelopardalis

Acredita-se que o principal fator que orientou a evolução das girafas tenha sido a mudança de viver em florestas extensas para outros habitats mais abertos que ocorreram há cerca de 8 milhões de anos. Alguns pesquisadores sustentam a hipótese de que este novo habitat, juntamente com uma mudança na dieta que passou a incluir as espécies de acácias, poderia ter exposto os ancestrais das girafas a toxinas que causaram uma taxa de mutação mais rápida e uma taxa de evolução mais alta.

A girafa foi uma das espécies descritas pela primeira vez por Carl Linnaeus em 1758, a que deu o nome binomial de cervus camelopardalis. Posteriormente, Morten Thran Brünnich classificou no gênero giraffa em 1772. No início do século 19, Jean-Baptiste Lamarck teorizou que o longo pescoço da girafa era uma «característica adquirida», desenvolvida ao longo de gerações pelas girafas que tentavam alcançar as folhas de árvores altas.

Esta teoria foi rejeitada finalmente, e os cientistas dizem que o pescoço de girafa desenvolveu por meio da seleção natural, indicando que as girafas que tinham pescoços longos possuíam uma vantagem competitiva que ajudava a se reproduzir e passar o seu material genético para as seguintes gerações.

Espécies e Subespécies

Um estudo da genética de seis das subespécies atuais sugeriu que todos eles podiam ser de fato espécies diferentes. Os resultados do estudo das diferenças nos DNA nuclear e mitocondrial informou que as girafas destas populações reproduzem de forma isolada e só muito raramente o fazem entre si, apesar de não existir qualquer obstáculo natural que bloqueie o acesso mútuo. Isso inclui as populações adjacentes de girafas.

Girafas parecem escolher pares que compartilham o mesmo tipo de pelagem. As implicações dessas descobertas para a conservação de girafas foram resumidas pelo principal autor do estudo David Brown, que em uma entrevista à BBC News disse: “Agrupar todas as girafas em uma única espécie obscurece a realidade de que alguns tipos de girafas estão prestes a desaparecer. Algumas das populações têm apenas algumas centenas de indivíduos e precisam de proteção imediata”.

Um estudo mais recente confirmou que as girafas têm várias espécies. Esta pesquisa suporta a existência de quatro espécies diferenciadas, que não trocaram informações genéticas entre elas por um período entre um e dois milhões de anos. Estas quatro espécies são giraffa camelopardalis, giraffa giraffa, giraffa reticulata e giraffa tippelskirchi.

No total, existem quatro espécies reconhecidas e cinco subespécies de girafas. Tanto o norte como o sul incluem duas e três diferentes subespécies, respectivamente: girafa girafa angolensis e girafa girafa giraffa (ao sul) e girafa camelopardalis antiquorum, girafa camelopardalis camelopardalis e girafa camelopardalis peralta (para o norte).

Veja também

Ficha Técnica Do Pinscher: Peso, Tamanho E Nome Cientifico

As raças de cachorro espalhadas por aí possuem características bem próprias, e bem interessantes. O …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *