Home / Animais / Espécies de Iguana: Lista Com Tipos – Nomes e Fotos

Espécies de Iguana: Lista Com Tipos – Nomes e Fotos

Os répteis sempre impressionam as pessoas, seja por conta do seu modo de vida diferenciado ou pelo fato de que a estrutura física desses animais é realmente curiosa. Em todo caso, é muito natural ver seres humanos com bastante interesse em aprender mais sobre uma das classes de animais mais antigas de todo o planeta Terra. Dessa maneira, entre os répteis estão as iguanas, que são espécies de lagartos.

Assim, por mais que muitas pessoas não saibam, as iguanas são lagartos tanto quanto os camaleões, por exemplo. Todavia, dentro do universo das iguanas há uma longa lista de animais, alguns muito interessantes e que realmente merecem bastante atenção. Ao todo, na realidade, há cerca de 35 espécies de iguanas em todo o mundo, que podem apresentar modos de vida muito particulares, a depender de onde estejam inseridas.

Há ainda uma grande variedade de cores, algo fácil de notar quando se vê que alguns tipos de iguana podem até mesmo mudar a sua coloração. Portanto, se você deseja aprender mais sobre o mundo das iguanas, entendendo como funciona o modo de vida desses animais e quais são as principais espécies, veja todas informações necessárias logo abaixo.

Iguana-Verde

  • Comprimento: até 1,8 metro;

  • Peso: de 5 a 7 quilos.

A iguana-verde é também chamada de Iguana iguana, já que é esse o seu nome científico. Assim, como era de se esperar pela nomenclatura, essa é a chamada iguana clássica, aquela que sempre está na memória das pessoas quando se fala no animal. A sua coloração é verde, como o nome indica, mas pode ter variações de tonalidade, sobretudo a depender do momento do dia. O rabo do animal possui listras pretas, que dão um charme a mais e fazem com que o corpo da iguana-verde se transforme em uma verdadeira obra de arte.

A iguana-verde é muito comum na América do Sul e na América Central, já que gosta de climas um pouco mais quentes para se desenvolver. Dessa maneira, México, Paraguai e Brasil são alguns dos países que mais possuem exemplares da iguana-verde. No Brasil, por exemplo, é possível ver o animal por quase todos os cantos do país. Regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste possuem comunidades da iguana-verde em solo brasileiro, além de parte da região Nordeste também abrigar alguns grupos menores.

Animal herbívoro que é, a iguana-verde gosta de se alimentar de vegetais, os quais podem ter variações de sabor, já que o ser vivo em questão não se incomoda tanto com isso. Portanto, não faz grande diferença para esse tipo de réptil qual será o prato do dia, desde que seja vegetal. Todavia, em algumas situações mais isoladas, até é possível que a iguana-verde consuma carne de origem animal – no caso, apenas alguns insetos, tão presentes na América do Sul.

Quando adulta, uma iguana-verde pode chegar aos 1,8 metro de comprimento, isso já considerando a enorme cauda do animal. Todo esse corpo pode sustentar até 9 quilos, embora seja mais comum ver a iguana pesar entre 5 e 7 quilos. Um dos principais destaques da iguana-verde é a sua crista alongada, capaz de ir da nuca até a cauda. A crista, que se assemelha a um corte de cabelo “moicano”, costuma ser um dos maiores diferenciais no momento de distinguir o réptil de outras iguanas.

Em sua garganta há uma espécie de saco, que pode se dilatar com a respiração do animal. É esse saco que dá a papada da iguana-verde, tão comum em iguanas de muitos tipos e que também aparece nesse animal. Após a reprodução, a espécie leva de 10 a 15 semanas para ver seu ovo chocar, o tempo necessário para o crescimento do filhote. A iguana-verde costuma se mostrar muito agressiva nos primeiros momentos de vida do filhote, algo que vai mudando com o transcorrer das semanas.

Iguana-do-Caribe

  • Comprimento: 43 centímetros;

  • Peso: 3,5 quilos.

A iguana-do-caribe atende pelo nome científico de Iguana delicatissima e, como a sua nomenclatura popular indica, se faz presente na parte central do continente americano. Logo, é possível encontrar a iguana-do-caribe em uma série de ilhas por toda a América Central, o que faz desse animal um dos mais comuns nessa parte do planeta. O clima quente e úmido ajuda muito no desenvolvimento da espécie, que não consegue se adaptar tão bem a regiões mais secas. Quanto ao seu tamanho, a iguana-do-caribe possui cerca de 43 centímetros de comprimento, longe de ser tão grande quanto outras espécies.

O animal ainda pode chegar aos 3,5 quilos, peso também não muito elevado. Em todo caso, a iguana-do-caribe consegue aproveitar o seu tamanho reduzido para entrar em espaços que iguanas maiores, como a iguana-verde, jamais poderiam sequer sonhar em estar. Essa ferramenta é muito útil para os momentos em que o réptil precisa se esconder de predadores ou até mesmo das pessoas. Mais adiante, o macho possui uma longa camada de escamas que atravessa todo o seu corpo, enquanto a fêmea possui o corpo mais liso.

Quando mais dominantes nos grupos, os machos costumam apresentar um verde mais chamativo pelo corpo, diferenciando-se dos demais animais da região. Logo, essa é uma forma rápida e fácil de descobrir quais são os principais líderes do ambiente, além de servir para fazer a distinção entre machos e fêmeas. Isso porque as fêmeas possuem cores mais tradicionais no corpo, com um verde em tom único. O animal se encontra em péssimo estado de conservação atualmente, o que é péssimo sob todos os pontos de vista. Para tornar tudo ainda pior, a iguana-do-caribe não é capaz de viver muito bem em outras partes do mundo.

Há ainda cerca de 15 mil exemplares desse tipo de iguana nas ilhas da América Central, mas o número se mostra cada vez menor, sobretudo nas áreas usadas de forma mais intensa para o turismo. Além disso, gatos e cães selvagens contribuem muito para a diminuição da presença da iguana-do-caribe. Até há um programa de conservação bastante forte na região, que recebe ajuda de alguns centros científicos dos Estados Unidos e também de outros países. Contudo, nem isso tem sido o suficiente para evitar que a iguana-do-caribe se aproxime com velocidade da extinção.

Iguana-Marinha

  • Local de preferência: Galápagos (endêmica);

  • Principal característica: único lagarto marinho do mundo.

A iguana-marinha é o único lagarto de todo o planeta Terra a possuir hábitos marinhos, se destacando muito por esse aspecto. Assim, é bastante natural que muitas pessoas conheçam esse tipo de iguana, já que seu nome é muito popular no meio científico. Natural de Galápagos, no Equador, esse réptil faz parte da longa lista de animais exóticos a viver na região.

Por conta do clima diferenciado, no qual as temperaturas são altas e as correntes marinhas são frias, por exemplo, Galápagos possui muitos animais considerados esquisitos ou, no mínimo, curiosos. Esse é o caso da iguana-marinha, que possui todo o corpo na cor preta e gosta muito de descansar em rochas. Esse hábito do réptil serve para que ele seja capaz de controlar a sua temperatura interna, algo de extrema necessidade para todos os répteis, que não conseguem regular o termômetro do próprio corpo sem o auxílio do ambiente ao redor.

A alimentação da iguana-marinha, como esperado, se baseia em algas que o animal busca por toda a região de arrebentação. Dessa forma, estar perto de tal zona, onde as rochas são muitas e a oferta de algas é alta, acaba por ser um verdadeiro paraíso para as iguanas do tipo.

Vale ressaltar que, caso a maré suba e seja necessário, a iguana-marinha consegue passar mais de uma hora abaixo da superfície, em um movimento bastante interessante. Todavia, o mais normal é que, pela sua sensibilidade natural, a iguana-marinha seja capaz de prever quando a maré terá suas fases de alta. Um detalhe também bastante curioso é que a iguana-marinha pode cruzar com iguanas terrestres, sejam elas de qualquer tipo ou espécie.

Assim, o filhote desse cruzamento anormal passa a ter características de ambos os pais. Logo, o fruto do cruzamento ganha detalhes relacionados à capacidade marinha, podendo ficar algum tempo abaixo da superfície, mas também passa a ter muitos dos aspectos ligados ao ambiente terrestre. Todavia, é muito normal que esse tipo de animal híbrido não seja capaz de transmitir o seu código genético adiante, o que impede uma longa curva de crescimento de iguanas híbridas.

Iguana-Marinha no Fundo da Água
Iguana-Marinha no Fundo da Água

A iguana-marinha costuma viver em colônia, já que isso protege a todas e impede que sejam surpreendidas por algum tipo de invasor. Portanto, é comum que os grupos tenham de 4 a 6 iguanas, embora seja raro ver colônias muito maiores. Quando em terra, a iguana-marinha apresenta certa dificuldade de locomoção e passa grande parte do tempo parada, sem conseguir se mover muito bem.

Porém, na água o tom é totalmente diferente e a iguana-marinha se mostra capaz de nadar muito bem, de maneira rápida e direcionada. A alimentação desse tipo de animal, como uma espécie de lagarto, se volta para os vegetais. Assim, é mais esperado que a iguana-marinha consuma algas, plantas que nascem perto das praias e qualquer outro tipo de vegetal que possa alcançar. Também não é raro ver o animal comer insetos, embora a capacidade de caça da iguana que vive no mar seja muito reduzida e limitada.

Iguana-de-Crista-de-Fiji

  • Reprodução: 2 a 4 filhotes;

  • Tempo de incubação dos ovos: até 9 meses.

A iguana-de-crista-de-fiji é uma espécie de iguana que vive apenas nas Ilhas Fiji, não sendo capaz de sobreviver por muito tempo ou tão bem a outras partes do mundo. Dessa maneira, o animal é bastante procurado por pesquisadores, que desejam descobrir sempre mais a respeito de um réptil tão misterioso. A iguana em questão possui tal nome pelo fato de ter uma crista de muito destaque sobre a cabeça, algo comum a muitas outras espécies de iguanas. Todavia, a iguana-de-crista-de-fiji possui ainda mais destaque nesse sentido.

O animal gosta de ambientes de florestas secas, sem muita lama ou umidade. Dessa forma, apesar de ser endêmica de uma região muito úmida, a iguana-de-crista-de-fiji gosta mesmo é de habitar as partes mas secas do território das Ilhas Fiji. O grande problema é que esse tipo de vegetação é a mais ameaçada do local, também muito ameaçada em todo o restante da região. O cenário negativo faz com que o número de exemplares da iguana-de-crista-de-fiji decresça cada vez mais a cada nova bateria de pesquisas.

O animal possui característica herbívora e, dessa forma, gosta de se alimentar a partir de vegetais. Logo, folhas, brotos, flores, frutas e até mesmo algumas ervas podem servir de comida para a iguana, a depender da época do ano e da oferta geral de alimentos. Isso porque, nas fases mais secas do ano, a iguana-de-crista-de-fiji pode sofrer um pouco mais para encontrar os alimentos dos quais necessita para sobreviver.

Em todo caso, é possível também encontrar o animal consumindo insetos, algo que se mostra menos comum. Entre os insetos, as moscas estão em primeiro lugar na tabela de preferência da iguana-de-crista-de-fiji. A época de reprodução do animal, por outro lado, se dá entre os meses de fevereiro e abril, quando é possível ver mais facilmente muitos exemplares desse tipo de iguana pelo local. Pois, em busca de parceiras sexuais, os machos podem se movimentar até mesmo por quilômetros.

A fase de cortejo começa em janeiro, quando esses machos já saem em busca das fêmeas. Após o ato sexual, o período de incubação do ovo é muito grande, com a iguana-de-crista-de-fiji precisando de cerca de 9 meses para ver o filhote nascer. O tempo é tão grande que seria suficiente para que outras espécies de lagartos e iguanas tivessem de 2 a 3 ninhadas. Em geral, as fêmeas colocam de 2 a 4 ovos, embora o mais habitual seja que nem todos gerem filhotes.

Iguana-de-Crista-de-Fiji no Meio da Mata
Iguana-de-Crista-de-Fiji no Meio da Mata

Isso porque o número de mortes é muito elevado para a iguana-de-crista-de-fiji quando nos primeiros momentos de vida, quando é essencial se manter protegida contra as ameaças externas. Porém, com a perda do seu habitat, cada vez mais é complicado ter acesso a alimentos de qualidade, além de ser também difícil evitar os predadores da região. Com a alta de incêndios em Fiji, sobretudo nas épocas mias secas, é natural que a iguana-de-crista perca cerca de 50% dos filhotes antes mesmo da terceira semana, o que é péssimo do ponto de vista biológico.

Iguana-de-Cauda-Espinhosa

  • Comprimento: 13 a 90 centímetros;

  • Espécies do gênero: 15 reconhecidas e 3 não reconhecidas.

A iguana-de-cauda-espinhosa é também chamada de Ctenossaura, correspondendo a um gênero de iguanas. Esse gênero compõe a família dos lagartos, assim como todas as outras iguanas, sendo mais comum entre o México e a América Central. Dessa maneira, fica bastante claro que a iguana-de-cauda-espinhosa gosta de temperaturas elevadas para sobreviver e ser capaz de reproduzir bem, algo que essa faixa do planeta oferece.

As espécies desse gênero de iguanas variam um pouco em tamanho, mas sempre ficam entre os 13 centímetros e os 95 centímetros de comprimento, o que muda muito de indivíduo para indivíduo. Como o seu nome já indica, as espécies desse gênero de iguanas costuma ter uma cauda cheia de espinhos, algo marcante já à primeira vista. Logo, essa acaba por ser até mesmo uma tática de defesa do gênero contra os ataques de inimigos.

A alimentação se compõe de frutas, folhas e flores, não sendo complicado cuidar de uma iguana-de-cauda-espinhosa. Ao todo, atualmente o gênero possui cerca de 15 espécies já reconhecidas, além de duas a três espécies que ainda não foram plenamente reconhecidas como independentes pelos especialistas no tema. Todo esse cenário faz da iguana-de-cauda-espinhosa um gênero dos mais famosos quando se trata de lagartos.

Iguana-Preta

Iguana-Preta
Iguana-Preta
  • Comprimento: cerca de 15 centímetros;

  • País de preferência: México.

A iguana-preta é uma das espécies que representa o gênero das iguanas-de-cauda-espinhosa, tendo como uma de suas principais características a cauda cheia de pontas, como espinhos. O animal é muito comum no México e também em algumas faixas menores da América Central, preferindo sempre estar na selva fechada. Isso porque, pela sua cor escura, a iguana-preta faz uso das selvas mais fechadas para se proteger contra os predadores, um movimento bastante inteligente.

Portanto, quanto mais o animal se coloca à luz do sol, em locais mais abertos, mais fácil se torna localizá-lo e, posteriormente, matá-lo. A espécie está entre as mais ameaçadas de todo o México, já que o número de exemplares cai a cada ano. Os motivos para isso são variados, mas a destruição do habitat aparece novamente como o principal problema pelo risco de extinção.

Com o avanço da construção civil e da lavoura de larga escala sobre florestas outrora densas, o que se tem como resultado é a fuga de animais como a iguana-preta. Todavia, sem ter para onde ir, muitas vezes o réptil termina por morrer em atropelamentos em estradas movimentadas ou até mesmo vítima da caça ilegal praticada pelas pessoas. A alimentação da iguana-preta possui as folhas e as frutas em primeiro plano, embora o animal goste bastante de consumir insetos e o faça toda vez que possível.

Segundo algumas pesquisas de campo, já foi possível encontrar restos de peixes no estômago da iguana-preta, o que indica esse animal como um possível carnívoro. Contudo, não se sabe ao certo qual o contexto em que isso aconteceu e nem se o caso é regular para os répteis da região, algo que dificulta a análise mais elaborada. Em todo caso, a iguana-preta costuma ter hábitos diurnos, já que as suas principais tarefas são realizadas ao longo do dia. Porém, é possível que, em momentos de fome ou de fuga, o animal deixe o ninho à noite.

As partes mais rochosas das florestas e as áreas secas são as que mais abrigam esse tipo de iguana, sobretudo se for possível encontrar pequenos espaços para adentrar e se esconder. Como vive perto de muitas áreas turísticas, a iguana-preta viu rodovias e construções enormes serem construídas ao seu redor ao longo dos anos. Com o tempo, esse tipo de lagarto foi se fragmentando pelo território, em muitos casos morrendo e em outros apenas perdendo o habitat.

Iguana-Listrada

  • Velocidade máxima: 35km/h;

  • Comprimento: cerca de 30 centímetros;

  • Reprodução: cerca de 30 filhotes.

A iguana-listrada é mais um tipo de iguana famoso no México, além de algumas áreas da América Central e até da América do Sul. No caso, México, Panamá e Colômbia são os grandes centros de desenvolvimento da iguana-listrada em todo o planeta. Com nome científico de Ctenossaura similis, a iguana-listrada se coloca como a espécie de lagarto mais veloz do globo.

Assim, esse tipo de réptil pode atingir os 35km/h, mostrando o quanto pode ser capaz de fugir de predadores ou de atacar insetos. O macho da espécie pode ter cerca de 1,3 metro de comprimento, enquanto a fêmea se mantém próxima a 1 metro. De qualquer forma, não há grande variação quando se trata de velocidade, já que ambos os gêneros da iguana-listrada são rápidos.

Os mais jovens dessa espécie de lagarto tendem a comer insetos com frequência, um hábito que diminui com o passar do tempo. Portanto, ao atingir a maturidade sexual e se colocar apta a realizar uma série de outras questões, a iguana-listrada também vai comendo cada vez mais vegetais – folhas e frutas são os principais alvos do animal quando mais velho. A fase de reprodução do animal é muito rápida, além de ser também muito frutífera. Assim, uma fêmea da iguana-listrada pode colocar cerca de 30 ovos a cada nova fase reprodutiva, levando cerca de 3 meses para gerar os filhotes.

Considerando que cerca de 30% dos filhotes morrem nas primeiras semanas de vida, ainda assim o número é alto e indica bem como a multiplicação da iguana-listrada acontece velozmente. Até pode acontecer de a iguana-listrada se alimentar de animais um pouco maiores, como os peixes e alguns roedores. Contudo, esse não é o mais natural e atos do tipo são considerados isolados. Sobre o seu corpo, o nome se dá pelo fato de a espécie ter algumas listras pelo corpo.

Ademais, a iguana-listrada possui ainda um formato de cabeça muito claro, que se distingue um pouco do restante do corpo e ajuda no trabalho de identificação. O animal costuma ter cerca de 30 centímetros de comprimento, com um saco inflável na região da papada. Os espinhos pelo corpo desse réptil são claros, sendo alguns na região da cauda – o que transforma a iguana-listrada em uma espécie do gênero das iguanas-de-cauda-espinhosa. Em relação ao estado de conservação do animal, não há grandes preocupações de extinção para essa iguana.

Iguana-Bulabula

  • Ano em que foi descoberta: 2008;

  • País de preferência: Ilhas Fiji (endêmica).

A iguana-bulabula, de nome científico Brachylophus bulabula, é mais uma espécie de lagarto típica das Ilhas Fiji, onde encontra umidade e alimentos o suficiente para crescer de maneira saudável. Essa espécie de iguana apenas foi descoberta pelos pesquisadores em 2008, quando estadunidenses e australianos foram capazes de encontrar esse novo tipo de lagarto. O réptil, assim, é endêmico de Fiji e, portanto, enfrenta muitas dificuldades quando retirado do local em questão.

A presença do animal se dá ao longo de diversas ilhas da região, até mesmo pelo fato de a iguana-bulabula encontrar o clima ideal para o seu desenvolvimento em cada uma delas. Ademais, a alimentação do local é muito boa para o animal, que consome apenas vegetais e, em alguns momentos, insetos pequenos.

A iguana-bulabula se encontra relativamente ameaçada, já que o número de gatos selvagens tem sido cada vez maior em Fiji. Dessa maneira, como esse é um dos principais predadores das iguanas, o réptil se vê agredido e pouco pode fazer em sua defesa. Até porque o habitat da iguana-bulabula na região também tem sido cada vez mais ameaçado, com o animal perdendo território a todo momento, em geral para a construção que visa o turismo nas ilhas.

Em relação aos seus hábitos alimentares, como explicado, a iguana-bulabula prefere não matar outros animais para buscar a sua comida. Dessa maneira, o mais comum é que ela consuma bananas, mamão e algumas outras frutas ofertadas pelo ambiente ao seu redor. Ademais, folhas e caules de plantas podem ser também consumidos pela iguana. Alguns filhotes até podem comer insetos, o que chega a acontecer, mas esse hábito vai diminuindo conforme a iguana se torna mais velha.

Isso porque, como o animal vai envelhecendo, seu corpo passa a digerir pior os alimentos mias pesados, enfrentando problemas para fazer a digestão dos insetos corretamente. Outra questão interessante sobre a iguana-bulabula é que algumas análises no DNA da planta mostraram que o animal se mostra muito diferente de outras iguanas em diversos aspectos, o que apenas mostra como a bulabula é distinta em relação a outras iguanas e deve receber destaque.

Em relação ao seu corpo, a iguana-bulabula costuma ser toda verde, em um tom bastante forte e chamativo. O animal possui claro destaque quando em ambientes escuros ou claros, mas o verde ajuda muito quando a iguana-bulabula está presente na natureza. Até porque a capacidade de defesa da iguana contra os agressores é pequena, o que mantém esse réptil ameaçado.

Iguana-Terrestre-de-Galápagos

  • Comprimento: 1 a 2 metros;

  • Peso: 8 a 15 quilos.

Galápagos, no Equador, possui uma lista enorme de animais curiosos, como já se sabe. Dentro dessa lista, portanto, está também a iguana-terrestre-de-galápagos, um tipo de iguana bastante especial e que apenas pode ser encontrado no local. Com tons de amarelo por todo o corpo, a iguana-terrestre-de-galápagos possui um modo de vida não muito diferenciado em relação a outros lagartos de todo o mundo. O animal possui hábitos diurnos, o que diminui muito as saídas à noite. Assim, o mais comum é ver a iguana em questão buscar o seu alimento enquanto o sol ainda está presente e forte. Esse alimento costuma ser partes vegetais, como folhas e frutas.

Na verdade, como a oferta de vegetais é muito grande em Galápagos, é bastante comum que a iguana-terrestre passe ao menos metade do seu dia comendo. O comprimento do animal varia entre 1 e 2 metros, já considerando a cauda do réptil. Esse tamanho varia pelo fato de Galápagos possui espécies diferentes de vegetação em cada parte do arquipélago, tornando a alimentação relativamente distinta para animais que vivem em partes mais distantes.

Em todo caso, o peso da iguana-terrestre-de-galápagos fica entre os 8 e os 15 quilos, algo que também pode depender do modo de vida enfrentado pelo indivíduo da espécie ou até mesmo por questões relacionadas ao organismo de cada animal. O que se sabe, sendo consenso para todos, é que a iguana-terrestre-de-galápagos possui porte de grande lagarto. Assim, extensa e gordinha, você provavelmente levaria um grande susto caso encontrasse esse tipo de iguana pela rua.

A iguana está em risco em extinção, já que é considerada uma espécie vulnerável e que pode ter a sua população diminuída em larga escala ao longo dos próximos anos. Na verdade, a iguana-terrestre-de-galápagos já foi extinta em algumas partes de Galápagos, como aconteceu em mais de uma ilha nos últimos 10 anos. Todavia, grupos especializados na área conseguiram fazer a reintrodução da iguana ao ambiente natural dessas ilhas.

O grande problema é que não se sabe mais por quanto tempo a iguana-terrestre-de-galápagos poderá se manter em tais condições. Como a oferta de água doce é limitada em Galápagos, o mais comum é que a iguana-terrestre consiga grande parte da água que necessita em cactos e outras plantas. Portanto, o cenário faz com que a espécie seja uma grande especialista quando se trata de localizar os cactos que podem ter mais água à disposição.

Tudo isso faz com que os cactos e as plantas que mais retém água sejam quase 80% da dieta da iguana-terrestre-de-galápagos, já que apenas dessa forma é possível acessar todos os nutrientes necessários para a manutenção da sua vida. Além disso, é importante destacar que a iguana-terrestre pode viver de 60 a 70 anos na natureza, já que o número de predadores do animal não é muito elevado em seu habitat. A média de vida costuma ficar entre 35 e 40 anos na maior parte dos casos, já que também há aqueles exemplares que morrem mais precocemente, geralmente vítimas de predadores regionais.

Iguana-Rosa

  • Peso: cerca de 14 quilos;

  • Comprimento: cerca de 1 metro.

Galápagos mantém um grande grupo de espécies de lagartos, algo possível de ver ao analisar onde estão presentes alguns dos mais importantes tipos de iguanas do mundo. Dessa maneira, a iguana-rosa é mais uma das espécies de iguanas endêmicas de Galápagos, sendo um dos animais mais buscados e pesquisados de todo o local atualmente. Isso porque a iguana-rosa é realmente grande e característica, capaz de roubar todos os olhares para si. Com cerca de 1 metro de comprimento e próxima aos 14 quilos, a iguana-rosa possui esse nome por ter todo o corpo manchado por partes rosadas.

Musculosa, com aparência de forte e resistente, o animal vê o rosa se destacar em meio ao preto que também compõe o seu corpo. A iguana-rosa apenas pode ser encontrada nas encostas no vulcão Wolf, em Galápagos, o que torna ainda mais complicado ter acesso a ela e gera ainda mais interesse por partes dos biólogos de grande parte do mundo. A espécie, como um dos animais mais raros do mundo que é, possui menos de 50 exemplares por toda a área ao redor do vulcão, gostando de se alimentar de vegetais secos.

Na realidade, a iguana-rosa é tão nova para o mundo que só foi catalogada em 2009, quando um grupo de pesquisadores conseguiu encontrar esse tipo de lagarto perto do vulcão Wolf. A iguana vive entre os 600 e os 1700 metros acima do nível do mar, sempre nas encostas no vulcão em questão. O mais curioso é que o animal não consegue se adaptar a zonas mais próximas ao nível do mar, enfrentando uma série de problemas relacionados ao trato respiratório.

Logo, é muito raro ver uma iguana-rosa longe do Wolf. Como a vegetação ao redor do vulcão é seca, sem muita oferta de água, o mais comum é que a iguana-rosa consuma apenas esse tipo de vegetal. Como o acesso ao local em que vive é difícil e perigoso, o mais comum é que a iguana se mantenha distante do contato com as pessoas. Ademais, a iguana-rosa não gosta nada de estar perto de outros animais ou de seres-humanos. É possível entender bem isso quando se analisa quanto tempo a espécie levou para ser catalogada oficialmente, algo que apenas aconteceu após inúmeras tentativas de contato.

Ainda assim, mesmo que fique longe das pessoas, a iguana-rosa passa por um momento de ameaça à sua vida. Esse tipo de iguana está em perigo crítico de extinção, já que há menos de 50 exemplares por todo o seu habitat e, ainda assim, acontecem mortes com alguma frequência. Vale lembrar também que a média de reprodução da iguana-rosa é pequena, o que torna ainda mais complicado o trabalho de manutenção da espécie. Todo o cenário difícil cria uma grande nuvem de incerteza relativa ao futuro e aos próximos passos da iguana. Por fim, além de iguana-rosa, esse animal também é chamado de iguana-rosada e iguana-terrestre-rosa-de-galápagos por algumas pessoas.

Iguana-Terrestre-de-Santa Fé

  • Comprimento: até 1 metro;

  • Peso: cerca de 10 quilos.

A iguana-terrestre-de-santa fé também faz parte do grupo de iguanas endêmicas de Galápagos. Mas, se é assim, por que não iguana-de-galápagos? Na verdade, Santa Fé é uma das ilhas que fazem parte do arquipélago de Galápagos, no Equador, e esse tipo de iguana não está presente em todo o arquipélago. Assim, a iguana-terrestre-de-santa fé apenas pode ser vista na Ilha de Santa Fé, que tem cerca de 24 quilômetros quadrados de superfície, não sendo muito grande. A iguana-terrestre-de-santa fé é muito semelhante à iguana-terrestre-de-galápagos, com a exceção de que possui uma cor distinta.

Portanto, o amarelo da primeira é muito mais pálido, quase sem vida. Ademais, a espinha dorsal da iguana-terrestre-de-santa fé é muito mais destacada, já que é possível ver a espinha dessa espécie sob qualquer ângulo. O animal pode atingir 1 metro de comprimento, passando um pouco dos 10 quilos. Porém, diferentemente de outras espécies de lagartos, a iguana-terrestre-de-santa fé não se mostra muito veloz. Como precisam controlar a sua temperatura interna a partir da temperatura externa, os exemplares da espécie podem ser vistos com frequência entre as partes mais quentes da ilha e os raríssimos ambientes de água doce.

Para dormir, quando a temperatura interna diminuir muito, a iguana-terrestre-de-santa fé se coloca em sua toca, em geral abaixo de rochas ou montanhas – em alguns casos, quando não encontra locais rochosos para se proteger como mais gosta, a iguana se coloca abaixo de árvores. A alimentação da espécie é voltada para os vegetais, mas também é muito comum que insetos sejam consumidos.

Diferentemente de algumas outras espécies de iguanas, que apenas comem insetos quando mais jovens, a iguana-terrestre-de-santa fé consome esses animais por toda a vida. Durante o período de chuvas, como pode ser complicado ter acesso à água de qualidade para o consumo, a iguana costuma beber a água que fica empoçada em algumas partes da ilha.

Iguana-Cubana

  • Comprimento: até 1,5 metro;

  • Exemplares totais: de 40 mil a 60 mil.

A iguana-cubana é uma espécie de lagarto que vive, como o seu nome já indica, na Ilha de Cuba. Esse é um dos maiores lagartos de toda a região do Caribe, com cerca de 50 centímetros de comprimento, em média. Porém, há exemplares da iguana-cubana que podem passar de 1,5 metro de comprimento.

Com o corpo cheio de espinhas na parte traseira, a iguana-cubana possui ainda uma papada característica e cores mais do que adaptadas para a vida perto de rochas. Assim, o mais comum é que a espécie esteja sempre perto de zonas mais rochosas, sejam elas no litoral ou mais para ao interior de Cuba. A visão desse animal é muito boa, o que ajuda no momento de fugir dos predadores ou de caçar.

Um detalhe bastante curioso sobre a iguana-cubana é que esse tipo de réptil consegue identificar onde há uma oferta maior de luz solar, já que possui o corpo sensível às vitaminas proporcionadas pelo sol. Por fim, quanto ao seu modo de alimentação, cerca de 95% do consumo da iguana-cubana se dá a partir dos vegetais. O restante é composto por insetos, que podem ser variados. A espécie ainda é capaz de comer restos de aves ou peixes, mas esse não costuma ser o padrão mais normal, já que a vegetação é bastante preservada nas partes de Cuba mais habitadas pela iguana. Logo, entre consumir os vegetais disponíveis e carne de origem animal, o réptil foca na primeira opção.

Veja também

Tudo Sobre o Pica-Pau: Características, Nome Científico e Fotos

As aves são essenciais para a vida no planeta, já que o seu trabalho não …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *