Home / Animais / Doninha-Anã: Características, Nome Científico e Fotos

Doninha-Anã: Características, Nome Científico e Fotos

A doninha-anã vive nas profundezas da floresta decídua do nordeste asiático. Caça dia e noite, auxiliado por unhas afiadas e corpo esbelto e comprido. É o menor carnívoro do mundo. Segundo a lenda do Blackfoot (pé preto), esta espécie é o mais corajoso de todos os animais, um caçador que é ousado desproporcionalmente ao seu tamanho.

Os cientistas modernos concordam com essa visão, pois todas as características desses pequenos graciosos e rápidos relâmpagos parecem ter sido projetadas para serem o predador perfeito.

Características e Nome Científico da Doninha Anã

É chamada cientificamente de Mustela nivalis e a palavra alemã para o seu nome doninha-anã, mauswiesel, foi dado por seu tamanho minúsculo.

É considerado o menor predador carnívoro do mundo e têm uma forma típica de corpo de um mustelídeo: um corpo longo e tubular, com membros curtos e cauda curta que é menos de um quarto do comprimento da cabeça e do corpo. O crânio é longo e plano, com orelhas curtas e redondas, vibrissas longas e grandes olhos escuros. As patas brancas são pentadáctilas (cinco dedos) com garras não retráteis no final de cada um dos cinco dígitos.

Doninha Anã Características

Os machos não têm mais do que 13 a 25 cm, incluindo a cauda, e as fêmeas raramente excedem dos 20 centímetros. Ambos os sexos são castanhos acima com partes inferiores brancas, coloração semelhante à das outras três doninhas, as das montanhas, a de cauda curta e a de cauda longa (a última com partes de creme). Ao contrário de seus primos, não possui uma ponta de cauda preta.

No inverno, a pelagem da doninha-anã fica totalmente branca. Embora macio, o pelo carece da elegância sedosa da doninha de cauda curta, ou arminho, cuja pelagem era cobiçada pelos nativos americanos e pela realeza européia.

Habitat da Doninha Anã

Doninhas-anãs são comuns e abundantes em todo o Hemisfério Norte. São espécies nativas da América do Norte, do Alasca, do sul do Canadá e do norte dos Estados Unidos e da Europa (excluindo Irlanda, Groenlândia e Islândia). Eles também foram introduzidos em ilhas como a Nova Zelândia, os Açores, Creta e Malta.

Doninhas anãs são adaptáveis e capazes de prosperar em uma infinidade de habitats. Eles são encontrados em pradarias, florestas de coníferas e caducifólios, tundra aberta, taiga espessa e florestas tropicais que passam por uma estação seca nos meses de verão.

As doninhas-anãs são confortáveis acima e abaixo do solo, manobrando facilmente através dos túneis de serapilheira, subterrâneo e suberínico. As doninhas têm covas de diferentes substratos em diferentes habitats, mas não escavam ou cavam covas; elas usam os antros abandonados de presas ou outras espécies fossoriais.

Essas criaturas residem apenas temporariamente em suas tocas, e muitas tocas podem ser encontradas no território de uma única doninha. As doninhas costumam escolher tocas na base das árvores em habitats com árvores, como florestas de coníferas, caducifólios ou mistas.

Quando as árvores não estão disponíveis, as doninhas-anãs residem em estacas de mato ou troncos e em pedaços altos de grama, como os encontrados em habitats da pradaria ou em terras agrícolas. A vegetação presente no habitat não é tão importante quanto a quantidade de vegetação disponível para uso como cobertura para a caça às emboscadas, pois ter cobertura suficiente é vital para uma caça bem-sucedida.

Comportamento da Doninha Anã

Exceto na época de reprodução, as doninhas-anãs são solitárias. Eles são animais territoriais e formam hierarquias de dominância baseadas em gênero, com os machos mais velhos dominando os machos e as fêmeas juvenis. Doninhas anãs precisam comer muito regularmente para não morrerem de fome e, muitas vezes, são encontradas forrageando a qualquer hora, dia ou noite.

Doninha Anã em seu Habitat

Eles costumam usar cache de alimentos, pois costumam matar presas maiores que eles, mas consomem apenas alguns gramas de carne para cada refeição. Os caches estão escondidos em torno da entrada do esconderijo, e os locais das latrinas também. Um perfume individual marca em torno de um local com secreções de suas glândulas anais. Quando assustadas ou encurraladas, essas glândulas liberam um fluido com mau cheiro que impede um antagonista.

Às vezes, as doninhas-anãs também realizam uma “dança de guerra da doninha”, consistindo em uma série de voltas e mais pulos, muitas vezes acompanhados de barulhos como latidos, costas arqueadas, membros rígidos e ereção dos pêlos caudais e dorsais. Doninhas de qualquer idade realizam a dança, embora seja mais comum nos mais jovens, especialmente os kits quando brincam com seus irmãos.

Reprodução da Doninha Anã

Doninhas-anãs são poligínicas, o que significa que machos e fêmeas acasalam várias vezes com múltiplos parceiros. Embora menos doninhas tenham um sistema de acasalamento altamente promíscuo, os machos não competem pelas fêmeas. A estação reprodutiva é confinada principalmente aos meses de primavera e verão (já que o nascimento no início do ano aumenta muito a taxa de sobrevivência dos filhotes), mas sabe-se que a reprodução ocorre intermitentemente ao longo do ano.

As fêmeas estão em cio durante uma média de quatro dias e acasalam com vários machos durante o período.

As doninhas-anãs machos defendem territórios, normalmente contra outros machos, mas durante a estação reprodutiva, abandonam seus territórios em busca de fêmeas em estro. Devido ao dimorfismo sexual e às hierarquias rígidas de dominância entre machos e fêmeas, os machos são capazes de invadir o território de uma fêmea a qualquer momento do ano.

As fêmeas defendem um território em grande parte contra outras fêmeas, mas defenderão ferozmente um ambiente doméstico, independentemente do sexo dos invasores, durante a fase final da gravidez e lactação.

O namoro é um processo difícil, que inclui brigas e mordidas até o macho poder agarrar a fêmea na nuca. Uma vez cumprida a posição, o macho monta a fêmea e segue-se o acasalamento, que pode durar mais de uma hora. O acasalamento prolongado é necessário para estimular a ovulação feminina.

Em média, existem apenas um ou dois eventos reprodutivos por ano. A gestação dura aproximadamente um mês, e uma média de quatro ou cinco jovens, chamados “kits” quando nascem. Os kits nascem sem pelos e desamparados e pesam entre 1,0 e 1,7 gramas ao nascer.

Logo após a cópula, os machos partem e as fêmeas assumem o papel de cuidar da prole, sem a ajuda do macho. Os jovens nascem sem pelos, cegos, surdos e desamparados e dependem completamente dos cuidados maternos para sua sobrevivência.

Os kits dependem do leite da mãe por cerca de 32 dias, após os quais o desmame começa, embora a mãe possa levar carne para os kits assim que duas semanas após o parto são completadas. Em cerca de 47 dias, os kits são capazes de matar presas por si mesmos e em cerca de nove a dez semanas, os kits se dispersam e são independentes.

Longevidade da Doninha Anã

Como o número de doninhas-anãs é tão pequeno, possui habilidades limitadas em armazenar gordura e tem demandas metabólicas tão altas, é provável que elas não vivam muito tempo na natureza. A maioria dos jovens não chega à idade de desmame, principalmente na segunda e terceira ninhada do ano, provavelmente devido ao aumento do risco de predação com os kits nos ninhos.

A expectativa de vida média para indivíduos selvagens é curta; apenas 1 ou 2 anos, enquanto a maior vida útil em cativeiro registrada é de 10 anos.

Veja também

Pelecanus Conspicillatus

Para que Serve o Papo do Pelicano? Qual Sua Função?

O pelicano (família taxonômica Pelecanidae) é uma ave aquática descrita pela primeira vez no ano …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *