Home / Animais / Diferenças e Semelhanças do Urso Pardo e Urso Polar

Diferenças e Semelhanças do Urso Pardo e Urso Polar

Os ursos polares evoluíram diversificando-se dos ursos pardos surpreendentemente mais recentemente do que em estudos anteriores, ou seja, nos últimos 500 mil anos. Estudos anteriores, no entanto, sugeriram que a separação ocorreu entre 600.000 e 5 milhões de anos atrás.

Diferenças e Semelhanças do Urso Pardo e Urso Polar

Para começar, os ursos polares são um pouco maiores, mesmo em comparação com o Kodiak, o urso marrom oriental. O urso polar normal pesa uma média de meia tonelada, eles são os maiores predadores terrestres do planeta Terra. O grande urso pardo, o Kodiak, pesa cerca de 350 kg.

Os ursos polares têm olhos grandes e redondos que permitem uma visão fantástica, muito melhor do que os ursos pardos. Qual é a outra diferença entre ursos polares e pardos? Os ursos polares têm nariz e corpo mais longos e são mais alongados que os pardos; também têm um melhor olfato, essencial para suas vastas áreas de caça, nos maiores espaços abertos do Ártico.

As orelhas e a cauda do urso polar são menores para evitar o frio extremo, têm dentes mais afiados, usados ​​para cortar a gordura de suas presas árticas. Os ursos polares têm quartos traseiros maiores e mais poderosos (as pernas são mais fortes do que no urso comum), com garras mais curtas e pés com membranas para ajudá-los a nadar e manter uma boa aderência ao gelo.

Estes são importantes para os ursos polares, porque costumam nadar durante a caça às focas e outros animais marinhos. Eles também vivem no mar gelado do Círculo Polar Ártico, tão facilmente pegam no gelo que suas patas são a chave para sua sobrevivência. Os ursos polares também são capazes de absorver mais nutrientes de seus alimentos devido ao ambiente em que vivem.

Outra diferença entre os ursos polares e os pardos é que o urso polar tem uma pele negra por baixo do pêlo, pois isso visa absorver o calor dos raios do sol e manter o urso polar mais quente. A última diferença entre ursos polares e pardos é o pelo deles. Os ursos polares têm pêlo branco mais espesso que fica em cima de sua pele negra, aquecendo-os melhor do que os ursos pardos.

Urso Pardo Características

É interessante notar que, com todas essas diferenças, Os ursos polares são descendentes diretos de ursos pardos e são geneticamente similares. Tão parecidos que eles podem se reproduzir, produzindo híbridos chamados grisalhos ou grolar. Podemos ver como ele assume as características de ambas as espécies. Tem dimensões extremas, mas a face normal de um urso marrom.

Os cientistas pensam que, com o derretimento das calotas polares, haverá cada vez mais ursos híbridos no futuro, à medida que o urso polar se move para o sul, para o habitat do urso pardo, e vice-versa, o urso pardo também se movendo para o norte e confrontando o urso polar.

Análises Genéticas Entre Ursos Pardos e Polares

A análise mais recente compara genomas nucleares completos de 79 ursos polares da Groenlândia com os de 10 ursos pardos, de uma notável variedade de localizações geográficas: Suécia, Finlândia, Montana e três ilhas ao largo da costa do Alasca: Admiralty, Baranof e Chichagof.

Essa análise constata que as duas espécies “divergiram”, ou seja, elas evoluíram diversificando entre 479.000 e 343.000 anos atrás, o que tornaria o urso polar “consideravelmente mais jovem” como uma espécie do que muitos cientistas pensavam anteriormente.

Para determinar quando a era da clivagem ocorreu entre as duas espécies, os pesquisadores compararam o comprimento dos segmentos de DNA compartilhados pelos ursos polares e seus parentes ursos pardos.

Essas sequências quebram e são reduzidas, encurtando mais as espécies da raça que evoluíram por mais tempo; portanto, os segmentos mais longos indicam uma divisão mais recente (menos antiga) entre os dois grupos.

O momento da divisão entre as espécies “urso polar” e “urso marrom” coincide com um período interglacial quente, quando os ursos pardos podem ter mudado seu alcance para o norte e colonizado as latitudes mais altas.

Quando o clima mais frio voltou, esses ursos poderiam ter sido cortados, permanecendo isolados e finalmente forçados a se adaptar às novas condições: adaptação = evolução das espécies.

Construído para se Alimentar de Gordura

Os ursos polares são adaptados de forma exclusiva para a vida no Ártico e sofreram mudanças fisiológicas drásticas em resposta aos climas árticos e uma dieta hiperlipídica baseada principalmente em presas, como mamíferos marinhos.

Os ursos polares comem uma dieta rica em gordura devido à sua dieta carnívora baseada principalmente em mamíferos, como focas e outros semelhantes. Os cientistas acreditam que os ursos polares podem ter se adaptado a essa dieta em menos de 20.500 gerações.

Uma varredura do genoma do urso polar detectou alterações nos genes relacionados à função cardiovascular, metabolismo lipídico e desenvolvimento cardíaco. Foi demonstrado que um dos genes mais fortemente selecionados, o APOB, é capaz de codificar uma proteína, tornando-a inativa, que normalmente interfere no LDL, ou colesterol ‘ruim’, permitindo que esse colesterol seja absorvido pela corrente sanguínea nas células humanas.

Se qualquer outro ser vivo tivesse uma dieta semelhante, inclusive nós mesmos, teríamos morrido em um curto período de tempo, mas esses ursos permanecem em um estado saudável de saúde. A evolução desta espécie para digerir gordura tem um significado ecológico.

O Caso dos Híbridos Dentre as Espécies

A forma do corpo desse urso é anormal, tem pescoço curto e uma cara estranha em comparação com outros ursos polares, podemos acreditar que poderia ser mais facilmente um urso cinza híbrido. Sem a varredura de DNA, esses cruzamentos não podem ser confirmado. Mas sabe-se que os ursos polares evoluíram dos ursos pardos e hoje são capazes de acasalar-se produzindo novas mutações.

Uma divisão de espécies relativamente recente pode ajudar a explicar a capacidade dos ursos polares e pardos de cruzar de maneira diferente e produzir indivíduos híbridos férteis apelidados de “pizzlies”. Charlotte Lindqvist, uma bióloga evolucionária da Universidade de Buffalo em Nova York, havia estimado anteriormente que os ursos polares surgiram como uma raça de cerca de 4 a 5 milhões de anos atrás.

Já há no meio científico alguns céticos quanto a essa diversificação das espécies ter ocorrido recentemente, como sugerido pelo trabalho de Nielsen. – “Essa estimativa pode ser baseada em modelos melhores, mas ainda é fortemente influenciada por hipóteses” – acrescenta a bióloga – “não acredito que ainda estamos sem dados concretos, esse não é o resultado final de tudo que ainda pode ser descoberto”.

Veja também

Lagarto Chicote- de- Garganta- Alaranjada: Características e Fotos

O lagarto chicote de garganta alaranjada (nome científico Aspidoscelis hyperythrus) é uma espécie nativa do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *