Home / Animais / Crocodilo Filipino: Características, Nome Cientifico, Habitat e Fotos

Crocodilo Filipino: Características, Nome Cientifico, Habitat e Fotos

O território das Filipinas é o lar de 334 espécies de répteis, incluindo 182 espécies de lagartos, 137 espécies de cobras, 13 espécies de tartarugas e 2 espécies de crocodilos.

A maior contribuição para a biodiversidade é fornecida, entre os saurianos, pelas famílias scincidae (100 espécies das quais 83 são endêmicas do arquipélago) e gekkonidae (51 espécies endêmicas) e entre as cobras pelas famílias colubridae (65 espécies das quais 42 endêmicas) e elapidae (27 espécies das quais 5 são endêmicas).

Cinco espécies são classificadas como criticamente ameaçadas; entre eles o crocodilo filipino (crocodylus mindorensis), do qual apenas algumas centenas de espécimes sobrevivem, ameaçados pelas sérias alterações às quais os habitats por eles ocupados estão sujeitos.

Crocodilo Filipino: Características, Nome Cientifico, Habitat e Fotos

O crocodilo das Filipinas, cujo nome científico é crocodylus mindorensis, é uma espécie do crocodilo genuíno da família crocodylidae. O crocodilo das Filipinas ou como é conhecido localmente, o bukarot, é um crocodilo endêmico das ilhas homônimas, considerado criticamente ameaçado. O epíteto específico “mindorensis” do nome científico da espécie deriva do nome da ilha filipina de Mindoro.

A espécie foi descrita em 1935 pelo herpetologista americano Karl Schmidt com base em um espécime típico e em três papéis de parede encontrados na ilha de Mindoro. O próprio Schmidt já havia descrito em 1928 espécimes de crocodilo da Nova Guiné (crocodylus novaeguineae) e fez estudos comparativos entre o mindorensis, o novaeguineae e também a espécie crocodylus porosus, definindo em 1956 o crocodilo filpino como uma espécie em si.

Crocodylus Novaeguineae Mindorensis
Crocodylus Novaeguineae Mindorensis

Entretanto, durante muito tempo, a espécie foi classificada como crocodylus novaeguineae mindorensis, subespécie do crocodilo da Nova Guiné. Em 1989, o herpetologista do PM Hall trouxe novas evidências da distinção entre as duas espécies e hoje o crocodylus mindorensis é considerado uma espécie em si e endêmica nas Filipinas.

O crocodilo filipino mostra uma certa semelhança com crocodylus novaeguineae da qual foi considerada uma subespécie até tempos relativamente recentes; dotado de focinho bastante largo e uma concha dorsal pesada composta por ossos dérmicos, não atinge grandes dimensões: os machos, maiores que as fêmeas, não excedem 3 metros.

Possui 66 ou 68 dentes e, com exceção de variações, 4 escalas pós-occipitais e uma série de 4 escalas nucais maiores. A fêmea constrói pequenos ninhos de tumulo nos quais deposita de 7 a 25 ovos, que são incubados por 12 semanas. A espécie crocodylus mindorensis tem um comportamento tímido e, se não é provocada, geralmente é inofensiva para os seres humanos.

Crocodilo do Pacífico
Crocodilo do Pacífico

Comparado a todos os outros crocodilos do Pacífico, o crocodilo das Filipinas é caracterizado por um focinho muito amplo e grandes escalas de armadura no pescoço e nas costas. É uma das espécies menores de crocodilo. As fêmeas desta espécie são menores, até 1,5 metros e até 15 kg de peso corporal.

Distribuição e Habitat do Crocodilo Filipino

O crocodilo filipino é encontrado exclusivamente em algumas áreas do arquipélago das Filipinas: em particular na grande ilha de Mindanao, nas margens de Agusan e Ligusan e na zona fluvial do rio Pulangi, na província de Bukidnon; na parte nordeste da ilha de Luzon, nos rios, lagos e prados da Sierra Madre, ao norte; na parte centro-norte e noroeste ocupa os rios da cordilheira da Cordilheira Central e da província de Abra.

O crocodilo das Filipinas vive em águas doces, como rios, lagos menores e áreas de pântanos. Sua distribuição é limitada a ilhas individuais das Filipinas. Nos tempos históricos, os animais apareciam nas ilhas de Luzon, Mindoro, Masbate, Samar, Negros, Busuanga e Mindanao. Seu alcance atual é limitado aos pântanos de Agusan, aos pântanos de Ligawasan e à parte superior do Pulangi, na província de Bukidnon, na ilha de Mindanao.

Na ilha de Luzon, o Parque Natural Sierra Madre do Norte e áreas na província de Abra, ao longo do rio Binungan, seu habitat atual. Em Dalupiri Islândia foi encontrada uma população mais ao norte do crocodilo encontrada até agora. Todos os outros avistamentos não puderam ser confirmados.

Comportamento do Crocodilo Filipino

Como a maioria dos outros crocodilos, o crocodilo das Filipinas se alimenta de organismos muito diferentes da água. Seu espectro provavelmente inclui cobras, sapos, tartarugas, insetos e pequenos mamíferos, mas os detalhes exatos são desconhecidos. A proporção de machos para fêmeas nas populações é geralmente de um para um.

O período de acasalamento varia de acordo com a área de distribuição, mas geralmente ocorre nos meses de janeiro a maio. Especialmente ao amanhecer entre 4 e 7 horas, pode-se observar o procedimento de até 30 minutos, que ocorre na água.

Comportamento do Crocodilo Filipino
Comportamento do Crocodilo Filipino

Uma semana antes dos ovos serem postos, as fêmeas constroem um ninho de areia e materiais vegetais em decomposição, nos quais deixam 7 a 25 ovos. O período de reprodução é de cerca de 12 semanas. Observou-se a guarda do ninho e cuidados com a ninhada.

Houve um relato de um crocodilo filipino ter atacado um barco aclamado por um membro da tribo Manobo da ilha de Mindanao, que mora em casas flutuantes em Agusan Marsh e matou um estudante. As testemunhas falaram de um animal de sete metros de comprimento o que, para um crocodilo filipino, é improvável.

O ataque é plausível, mas provavelmente pode ter sido de um crocodilo marinho (crocodylus porosus). Os ataques de crocodilos são raros nas Filipinas, mas podem ser explicados pela rarefação das presas habituais de crocodilos que são peixes, devido à dinâmica que apresenta uma progressão de invasão urbana e consequente perda de habitat para a fauna local.

Status de Conservação do Crocodilo Filipino

Na época da primeira descrição de Schmidt, o réptil, mais tarde também encontrado nas ilhas de Luzon, Busuanga, Masbate, Negros, Samar, Mindanao e Jolo, tinha que ser muito comum e generalizado, tanto que, no final dos anos 30, um caçador americano residente em Mindanao, conseguiu capturar, em apenas seis meses, até 12.000 espécimes de crocodilos das Filipinas.

Ataques semelhantes, alimentados pelas recompensas generosas que as indústrias de couro pagavam aos caçadores de crocodilos, continuavam de maneira indiscriminada, determinando a rarefação progressiva e inexorável desse réptil em todas as ilhas do arquipélago. Hoje, depois de apenas 70 anos da descrição da espécie, de acordo com os dados mais confiáveis, não haveria mais de 500 a, no máximo, 1000 exemplares de crocodilos das Filipinas.

Além disso, as colônias residuais das espécies estão seriamente ameaçadas pelas sérias alterações às quais os habitats por eles ocupados estão sujeitos. Para tentar evitar o desaparecimento deste réptil, foi recentemente criada uma estação de criação de crocodilos na Universidade de Silliman em Dumaguete (Ilha Negros), graças ao Smithsonian Institution (Projeto de Conservação de Crocodilos das Filipinas do Smithsonian Institution/WWF).

Veja também

Marreco de Pequim: Características, Hábitat e Nome Científico

O marreco de Pequim é considerado uma das principais raças atuais de marrecos, ao lado …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *