Home / Animais / Como Dorme o Pato? Quanto Tempo Precisam Descansar?

Como Dorme o Pato? Quanto Tempo Precisam Descansar?

O homem passa cerca de um terço da sua vida dormindo; o gato mais da metade; mas muitos animais dormem apenas alguns minutos em 24 horas. Criamos a expressão “durma apenas com um olho”, que é usada figurativamente para designar quem permanece em guarda durante o sono; em patos, essa fórmula deve ser tomada literalmente e o estudo recente de seu sono revela muitas surpresas.

Como Dorme O Pato?

Os patos dormem com a cabeça virada para trás, o bico deslizado sob as grandes penas escapulares que adornam as costas (e não a cabeça sob a asa, como uma expressão difícil de se livrar). Esse comportamento de descanso ocorre com mais freqüência na superfície de águas abertas, especialmente em clima calmo.

Deixe um vento leve subir, e aqui eles são forçados a jogar barbatanas enquanto dormem, para evitar a deriva sob o efeito das ondas. Uma pequena dica quando o vento está forçando e é impossível se abrigar: os patos dobram-se em direção a galpões aquáticos cobertos com ervas marinhas submersas atingindo a superfície; elementos florísticos que mantêm os patos no sentido literal da palavra e os isentam da água de infusão.

Em ventos fortes, especialmente em cercetas de inverno, há uma variante de descanso: em pé na margem ou em uma ilhota mais ou menos exposta, bico descansando contra o peito. Esses patos de superfície também têm a capacidade de pousar em uma estaca ou tamarisco.

Observação surpreendente: os patos que dormem de pé se posicionam de frente para o sol e giram no local, acompanhando sua trajetória no céu, do amanhecer ao anoitecer. Orientado para o leste no início da manhã, esse repositório inclinará imperceptivelmente para o sul ao meio-dia e terminará sua rotação a 180° no final da tarde.

Esse movimento de um pião de frente para o sol é observado tanto no frio extremo quanto nas temperaturas escaldantes. Isso não acontece no céu nublado; a orientação dos patos se torna anárquica.

Não sabemos o seu significado, ou seja, o benefício derivado das aves afetadas por esse hábito. Mas uma interpretação científica sugere que as pernas são posicionadas de frente para o vento, para limitar o retorno de seu revestimento de penas isolantes e, assim, conservar calorias preciosas.

Apenas Com Um Olho?

Não é preciso ser um biólogo ou especialista em destaque na etologia das anátidas: todo mundo já percebeu que o sono dos patos é frequentemente intercalado por piscar: o olho está fechado, a pálpebra abaixa para tornar o órgão da visão operacional (é realmente na parte inferior do globo ocular que a pálpebra está localizada, ao contrário do nosso olho humano).

Simplificando, o sono dos patos é de dois tipos: um corresponde a um estado de simples sonolência, o outro a um sono mais profundo. Esse segundo tipo representa menos de 15% do tempo gasto em repouso. Durante esse sono “intensivo”, cada pássaro abre seus olhos entre 5 e 40 vezes por minuto, dependendo da espécie e do mês do ano!

Quanto Tempo Patos Precisam Descansar?

Em uma observação nos patos de Camargue (França), o fechamento do olho entre setembro e março não excedeu 1,9 segundos em média. Em todos os patos, os dois olhos têm um mecanismo independente; a abertura ou fechamento do olho direito e do olho esquerdo não é sincronizado.

Um artigo recente em um jornal inglês trouxe luz sobre essa questão fascinante: um experimento realizado na Universidade de Terre Haute (Indiana) em um grupo de patos selvagens na água, demonstrou que os indivíduos no meio da tropa costumam dormir com os olhos fechados; enquanto aqueles na periferia do grupo passam mais tempo com um olho aberto.

Após cerca de uma hora, esses patos revezam e fecham o outro olho. Explicação: o mecanismo de fechamento do olho esquerdo é controlado por apenas um dos dois hemisférios do cérebro; em relação ao outro olho, é o hemisfério oposto que funciona. Assim, metade do cérebro dos patos “adormecidos” vai descansar e, além disso, alterna.

Só podemos concordar com a conclusão dos cientistas americanos: esse alto grau de vigilância de sujeitos periféricos (o mais expostos ao perigo) não é apenas vital para si, mas para todo o bando. O sono dos patos é, em última análise, um equilíbrio sutil entre um nível de vigilância próxima dos que estão ao redor (inimigos em potencial, mas também congêneres) e economia de energia, tanto quanto possível ou ideal.

Um Fenômeno Mais Complexo Do Que Parece

O orçamento das atividades dos patos é dividido entre comida, banheiro, sono, lazer e viagens aéreas. Mas seria simplista acreditar que estamos lidando com uma compartimentalização imutável. Para cada espécie, a duração do sono varia de acordo com a época do ano (e, é claro, é a mesma, de acordo com o princípio dos vasos comunicantes, para todas as outras atividades que não são objeto de nosso assunto).

Nas observações feitas em Camargue mencionado anteriormente, o sono é mais forte em setembro (10,4 horas por dia), o mais curto em janeiro (6,2 horas); Em outra situação, o tempo dedicado ao descanso é extremamente curto no início do período de inverno (3 a 4 horas) e depois estabiliza às 8/9 horas a partir de janeiro. No mesmo contexto geográfico, o pato também dorme muito em janeiro (quase 9 horas), mas infinitamente menos em outubro (5 horas em média).

Essas variações interespecíficas levam em consideração o ciclo anual dos diferentes patos envolvidos (muda, alimentação, etc), cujos detalhes são impossíveis de resumir aqui. A variabilidade entre diferentes espécies de palmípedes é tornada ainda mais complexa pela maior ou menor intensidade de seu nível de alerta durante o sono: assim, um pato não apenas dorme mais e mais ao longo dos meses, mas também cada vez mais profundamente à medida que o período de inverno avança.

Em geral, em cinco espécies dos patos de superfície estudados em Vaccarès (França) ou nas proximidades, o sono no meio do inverno (novembro-dezembro) é frequentemente intercalado com aberturas em um olho: até 40 vezes por minuto! Essa situação difere do que é observado no início e no final da temporada, períodos caracterizados por um tipo mais profundo de sono.

Acredita-se que o “sono leve” do meio do inverno esteja intimamente ligado ao início da atividade nupcial: mantendo o contato visual com mais frequência, é mais provável que os parceiros em potencial se encontrem; e, uma vez formados, os casais provavelmente ganham em coesão. Em relação aos machos, um estado de vigilância contundente correria o risco de deixar o campo aberto para machos rivais que procuravam cortejar a mesma fêmea na migração de primavera.

Veja também

Lhasa Apso

Tudo Sobre a Raça Lhasa Apso: Características e Fotos

Hoje vamos falar da raça de cachorro Lhasa Apso, conhecer um pouco mais sobre as …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.