Home / Animais / Animais Que Começam Com a Letra B: Nome e Características

Animais Que Começam Com a Letra B: Nome e Características

Existem muitos tipos de animais em todo o planeta. Isso pode ser visto de forma fácil, apenas ao sair pela rua e contar quantos animais existem ao seu redor. Considerando que a maior parte das pessoas vive em centros urbanos, o número de animais presentes em todo o mundo é muito maior.

Assim, é necessário que se faça algum tipo de distinção entre os animais, pois apenas dessa forma se torna possível analisar cada um deles para entender mais sobre os diferentes grupos. Esses grupos podem ser criados a partir de muitas métricas, que podem envolver tamanho, peso ou questões mais técnicas – como espécie ou gênero, que levam detalhes biológicos mais aprofundados em consideração.

Em todo caso, vala ressaltar que uma forma de dividir os animais funciona através das letras do alfabeto. Separando os mais diferentes animais através da sua letra inicial, de forma a criar uma sequência clara e simples, pode ser essencial para organizá-los antes de levar outros itens em consideração. Portanto, é possível, por exemplo, ver quais animais possuem a letra B em sua inicial e, dessa maneira, criar um grupo apenas com eles. Veja abaixo alguns desses representantes.

Boto

O boto é um tipo especial de golfinho, que vive em água doce na maior parte dos casos e pode ser encontrado também no Brasil. O animal pode ser de diferentes gêneros e espécies, mas sempre apresenta graciosidade em seus movimentos e muita inteligência. O boto não é um peixe, ainda que muitas pessoas chamem o animal assim. Na realidade, o boto é um tipo de mamífero aquático.

O mais comum é ver o boto em água doce, mas em algumas partes do mundo esse ser vivo pode também ser encontrado em água salgada, nunca muito distante da costa. No Brasil, existe o boto-cor-de-rosa. O animal é comum na região Norte, na Floresta Amazônica, e corre risco de extinção. Isso porque o boto-cor-de-rosa é um animal exótico que chama muito a atenção de estrangeiros.

Por consequência, há uma longa lista de animais desse tipo mantidos em cativeiros insalubres ao redor de todo o mundo. O problema todo é que esse tipo de boto possui muita dificuldade em se adaptar ao cativeiro, sobretudo quando o local é negativo para o seu modo de vida. Assim, a taxa de mortalidade do boto-cor-de-rosa em cativeiros é altíssima, o que leva a discussões por todo o mundo a respeito do assunto: afinal, o boto deve ou não ser mantido em cativeiro?

Bicho-Preguiça

O bicho-preguiça é um animal bastante conhecido no Brasil. Com movimentos lentos, esse tipo de mamífero consegue atrair a atenção de muitas pessoas. O animal costuma ser comum em parte da região Norte e também em uma parte menor do Centro-Oeste. O bicho-preguiça pode se movimentar pelas árvores com frequência, já que essa é uma maneira de o animal se manter protegido.

Bicho-Preguiça

Devido ao fato de não ser tão ágil, o bicho-preguiça consegue, ao se manter nas árvores, ficar mais seguro. O animal, porém, pode ser letal quando atacado e levado a contra-atacar. Com unhas grandes, o bicho-preguiça pode ser agressivo e até mortal nessas situações.

Para se ter uma ideia de como o bicho-preguiça gosta das árvores, o animal chega até mesmo a se reproduzir na copa das árvores, em um movimento que facilita o seu modo de vida e, novamente, oferece mais segurança. A preguiça pode ser encontrada ao longo de toda a América Latina, até mesmo em países mais ao Sul, como é o caso da Argentina. Isso porque o animal se adapta bem às mudanças de temperatura, além de se dar bem em locais com árvores.

Búfalo

O búfalo é um mamífero forte e muito comum entre a Ásia e a Europa, tomando também parte da África. O animal demorou muito a ser domesticado pelas pessoas, o que aconteceu apenas há cerca de 5 mil anos.

Considerando o tempo de vida da humanidade, outros animais foram domesticados muito antes disso. O movimento demorou tanto por uma série de razões, mas, dentre outras, o búfalo vira um ser vivo bastante agitado quando pressionado ou atacado. Como o animal também é forte, domesticá-lo foi tarefa dura. Ao todo, cerca de 96% dos búfalos estão na Ásia, com cerca de 2% na África e o restante pelo resto do mundo. Para se ter uma ideia, apenas a Índia possui mais de 50% de todos os búfalos do planeta.

Com o tempo, os búfalos foram se tornando mais dóceis no trato com as pessoas, o que facilitou muito o contato entre humanos e esse tipo de animal. Atualmente já é possível dizer que ter uma criação de búfalos não é perigoso, pois os animais costumam ter um modo de vida bastante pacato e já se relacionam muito bem com as pessoas.

Bode

O bode é o macho da cabra. Dessa forma, bode e cabra possuem modos de vida semelhantes em muitos quesitos. Em todo caso, o bode é um dos animais mais comuns do mundo. Popular em diversos países, de todos os continentes, o bode pode servir para a alimentação e também para a procriação. Esse animal é muito tradicional, por exemplo, em algumas partes mais rurais da Ásia.

No Brasil, a região Nordeste possui uma ligação fortíssima com os bodes, além das cabras. Calcula-se que o bode tenha sido domesticado cerca de 7 mil anos antes de Cristo, quando o ser humano ainda estava longe de ser tão dependente da criação de animais como acontece hoje. Há raças de bode, com o animal podendo variar de acordo com a raça. Porém, a grande maioria possui os chifres e também a barba.

Bode

Essas duas partes do corpo são marca registrada do bode, que serve para a produção de lã, para a produção de estrume, de leite e ainda para o consumo da carne. Uma criação de bodes tende a ser bastante rentável para o dono, principalmente quando mais perto de regiões de serra ou montanha. Quanto ao período de reprodução, os cabritos costumam nascer após cerca de 150 dias, com o bode não dando tanta atenção aos filhotes, sendo esse um papel da fêmea.

Veja também

Marreco Pompom: Características, Hábitat e Nome Científico

O marreco pompom (crested duck) é uma ave ornamental considerada uma variação genética do marreco …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *