Home / Animais / Anatomia do Siri Animal e Ficha Técnica

Anatomia do Siri Animal e Ficha Técnica

Siri é uma terminologia generalista atribuída aos crustáceos membros da família taxonômica Portunidae.

Em relação aos crustáceos (envolvendo todas as espécies do subfilo), estes são caracterizados como os artrópodes que melhor se adaptaram ao meio terrestre, contabilizando cerca de 40 mil espécies. A maioria os crustáceos é encontrada no mar, no entanto, também existem algumas espécies de água-doce e até mesmo terrestres.

Alguns exemplos de crustáceos incluem o camarão, lagosta, lagostim e caranguejo, sendo que estes são os animais relativamente mais próximos dos siris.

O siri é o crustáceo conhecido pela sua carapaça achatada, fator extremamente favorável à sua movimentação em ambiente aquático.

Neste artigo, você conhecerá importantes características do siri, principalmente referentes à sua anatomia e outras informações técnicas.

Então venha conosco e boa leitura.

Siri Animal Classificação Taxonômica

A classificação científica para o siri obedece à seguinte ordem:

Reino: Animalia;

Filo: Arthropoda;

Subfilo: Crustacea;

Classe: Malacostraca;

Ordem: Decapoda;

Subordem: Pleocyemata;

Infraordem: Brachyura;

Superfamília: Portunoidea;

Família: Portunidae.

Siri Animal Listagem de Gêneros e Espécies (Nome Científico)

Há 3 gêneros na família Portunidae, são eles o gênero Callinectes, o gênero Cronius e o gênero Portunus.

No gênero Callinectes, há 10 espécies, são elas o Callinectes arcuatus, Callinectes bocourti, Callinectes bellicosus, Callinectes sapidus, Callinectes danae, Callinectes exasperatus, Callinectes larvatus, Callinectes marginatus, Callinectes ornatus e Callinectes rathbunae.

Em relação ao gênero Cronius, há apenas duas espécies: o Cronius ruber e o Cronius tumidulos. O gênero Portunus é composto por quatro espécies, são elas o Portunus spinimanus, o Portunus anceps, o Portunus ordway e o Portunus spicarpus.

Anatomia do Siri Animal e Ficha Técnica

Ficha Técnica

Nome: Siri

Terminologia científica: Família Portunidae

Hábitat: Os siris são endêmicos em ambientes marinhos (ou até mesmo oceânicos com profundidade de 75 metros) e regiões de estuário, ou seja, zonas de transição entre mar e rio. Apresentam uma grande tolerância à salinidade.

Na areia das praias, os siris podem se refugiar em tocas, as quais são visíveis como pequenos buracos. Sendo um animal arisco, qualquer aproximação humana é motivo para a entrada nas tocas.

Alimentação: Estes animais ingerem peixes mortos e carne estragada (razão pela qual também são conhecidos como urubus do mar).

Anatomia

Assim como todos os membros da classe Malacostraca, os siris apresentam 5 pares de patas, sendo que o primeiro delas é modificado estruturalmente para formar um pinça (ou quelípodo). Logo, apenas 4 pares auxiliam na locomoção, porém uma particularidade dos siris permite que os mesmo sejam nadadores agéis: o último par de patas apresenta uma estrutura larga e achatada semelhante a um remo de barco.

A adaptação do último par de patas, permite aos siris vantagens sobre os caranguejos, por exemplo, os quais detém locomoção limitada aos substratos como areia e rocha. Nos Estados Unidos, os siris também são conhecidos como swimming crabs ou “caranguejos nadadores”.

A carapaça dos siris, além de ser achatada, é mais larga que a dos caranguejo. Ao final da carapaça, existe um prolongamento longitudinal, o qual pode assumir o formato de espinho dependendo do espinho. Esta carapaça apresenta carbonato de cálcio (CaCO3) em sua composição.

Em razão da rigidez da carapaça, o crescimento dos siris é periódico. Quando há troca de carapaça, fenômeno conhecido como ecdise, o crescimento costuma ser abrupto (com aumento de até 2 centímetros). A ecdise ocorre de uma a duas vezes ao ano para os siris mais novos. Ao completar determinada idade, a ecdise não ocorre mais.

Entre as características consideradas generalistas aos crustáceos estão a presença de antenas, olhos compostos e laterais, boca na região ventral e sistema nervoso centralizado.

Siris Encontrados no Brasil

No Brasil, são conhecidas aproximadamente 14 espécies de siri, dentre as quais estão aquelas classificadas como princiapis, tais como o siri-azul, o siri-da-areia, o siri-açu, o siri-candeia, o siri-goiá, o siri-mirim e o siri-bidu. O siri-açu (nome científico Callinects exasoeratus) é considerado o maior siri encontrado por aqui e também recebe o nome de siri-do-mangue; ao passo que, o siri-mirim (nome científico Callinectes danai) é o menor de todos, sendo caracterizado pela cor castanho escura, salpicado de manchas vermelhas.

Em relação à caracterização das demais espécies, o siri-da-areia (nome científico Arenus cribarius) possui uma carapaça de cor vermelha, com presença de manchas brancas em formato de pingos redondos, esta espécie também pode ser conhecida como siri-chinga ou siri-chita. O siri-candeia (nome científico Acheolus spinimanus) é conhecido por possuir as pinças maiores do que as demais espécies; ele apresenta coloração avermelhada. O siri-goiá (nome científico Cronius Ruber) possui grande semelhança ao caranguejo Guiá.

Acredita-se que o siri-azul (nome científico Callinectes sapidus), anteriormente conhecido como caranguejo-azul, seja a espécie com maior acervo de informações bibliográficas. Ele pode ser encontrado na região costeira do Oceano Atlântico e do Golfo do México. Foi descrito pela primeira vez em 1896 com o nome de caranguejo-azul. Esta espécie é muito famosa nos Estados Unidos, mais precisamente na Baía de Chesapeake (a qual banha os estados de Maryland e Virgínia), sendo considerado um artigo econômico de grande importância. Uma curiosidade é que esta espécie já chegou a arrecadar cerca de 100 milhões de dólares para os EUA no ano de 1993.

Siri Animal Padrão Reprodutivo

Cada siri fêmea pode liberar, de uma única vez, uma massa de ovos contendo de 0,8 a 1,5 milhões de ovos, os quais são incubados por um período que pode variar dos 10 a 17 dias. A média de temperatura para incubação é de 25 a 28 °C.

Em relação às larvas de siri, após 18 dias, estas mudam o seu estágio de desenvolvimento, passando de zoea para megalopa. Após essa mudança, contabilizando um período de 7 a 8 dias, é atingido o primeiro estágio de siri propriamente dito (estágio que é favorecido pelas condições de salinidade da água entre 21 a 27%. Ao todo, o estágio larval dura de 20 a 24 dias.

*

Agora que você já conhece muitas informações referentes ao siri, o convite é para que continue conosco e visite também outros artigos do site.

Aqui há muito material sobre zoologia, botânica e ecologia de modo geral.

Até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

Animais Marinhos-Marine Animals. Siri. Disponível em: < https://especiesmarinhas.blogspot.com/2008/10/siri.html>;

Pesquisa Escolar- Biologia. Crustáceos- Os senhores do mar. Disponível em: < https://educacao.uol.com.br/disciplinas/biologia/crustaceos-os-senhores-do-mar.htm>;

Wikipédia. Siri. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Siri>.

 

 

 

Veja também

Quantos Ovos Posso Comer Por Dia Para Emagrecer?

O resultado de uma recente pesquisa revelou que pessoas que afirmavam  tomar um  café da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *