Home / Animais / Coruja Gigante de Cuba

Coruja Gigante de Cuba

Corujas muitas vezes já são simbolizadas como criaturas do ocultismo, amedrontadoras, que ninguém deseja encontrar numa noite mal iluminada e em ambiente arbóreo fechado e sinistro. Imagine então se essa coruja for tão grande quanto uma criança de dez anos, e com pernas tão longas quanto! Acho que daria pra aterrorizar certamente. Parece que era exatamente assim a tal

Coruja Gigante de Cuba

Calcula-se a altura dessa coruja, cujo nome científico é Ornimegalonyx como sendo entre 1,10 a até 1,30 metros.e provavelmente chegava facilmente a nove quilos de peso corporal. A coruja gigante de cuba tinha pernas bem alongadas para seu tamanho, mas era volumoso em geral e provavelmente de cauda curta. A coruja moderna que mais se assemelha à coruja gigante cubana em proporções é provavelmente a delicada coruja buraqueira , a única coruja sobrevivente intimamente ligada ao solo. Isso implica adaptações semelhantes ao estilo de vida terrestre, mas não uma estreita relação filogenética.

Uma das maiores corujas vivas, a bufo real (bubo bubo), atinge 4 quilos em peso, e essa coruja tem fama de conseguir pegar presas com quatro vezes o seu peso ou mais. Isto sugere que a coruja gigante de Cuba talvez fosse capaz de encarar presas acima de 35 quilos.

Imagina-se que a coruja gigante de cuba usava suas pernas longas e poderosas para perseguir presas em vez de voar. Este comportamento sugere que essa coruja caçava mamíferos de tamanho pequeno a médio, particularmente grandes roedores que ainda são comuns às Ilhas da América Central, e a coruja gigante de cuba provavelmente usaria seus poderosos pés e garras para atacar sua presa e causar ferimentos fatais na espinha, método frequente de ataque das corujas atuais, que incapacita as suas presas para que não possam escapar se o primeiro ataque não se revelar fatal.

Essa Coruja Enorme Voava?

As pernas e os pés da coruja gigante cubana parecem ser muito grandes e poderosamente construídos. Isso apoia a teoria de que eles eram corredores fortes, daí o nome alternativo, cursorial. A quilha do esterno foi reduzida e a coruja pode ter sido capaz de uma breve explosão de voo. É provável que, como um peru selvagem moderno , a coruja só tenha fugido quando pressionada com extrema frequência, com mais frequência optando por correr.

Mas a coruja gigante de cuba pode não ter se limitado apenas a correr atrás de sua presa, mas também pode ter usado o que é denominado uma estratégia de saltos.Este comportamento de caça envolveria a coruja ocupando uma posição acima do chão da floresta e esperando que a presa se aproximasse abaixo dela. A coruja gigante de cuba poderia então simplesmente pular de sua tocaia e cair, talvez usando suas asas abertas para diminuir a velocidade e dirigir sua descida para um ataque preciso em sua presa desavisada. Mesmo tendo asas curtas para o seu tamanho, a coruja gigante de cuba pode ainda ter potenciais rompantes de voos curtos e velozes. A estrutura do esqueleto peitoral compacto ainda possibilitaria algum desenvolvimento muscular para voos. A coruja gigante de cuba pode ter usado suas longas pernas para saltar-se no ar e, em seguida, bater suas asas para desacelerar a descida e estender o alcance do salto. Desta forma ela pode ter sido capaz de assumir posições fora do chão onde poderia descansar e caçar presas.

Outras Corujas Extintas

A coruja gigante de cuba não foi a única que desapareceu da face da Terra. Existem muitas espécies conhecidas de corujas que estão agora extintas. Isso significa que elas não existem mais e que nunca mais caminharão pelo planeta. Todos elas têm uma coisa em comum: estão extintas devido ao seu ambiente natural sendo retirado deles em uma quantidade tão grande que elas não foram capazes de evoluir ou prosperar sem o ecossistema adequado.

A coruja risonha (sceloglaux albifacies) é uma nativa da Nova Zelândia. Foram identificadas em 1840, mas acredita-se que foram extintas em 1845. As chances são de que essas corujas estavam em vias de extinção antes de serem encontradas por seres humanos. Especula-se que um tipo de vírus que foi capaz de se espalhar rapidamente entre as espécies é o que causou a sua morte final. Hoje você pode ver corujas risonhas de pelúcia no Museu Britânico.

Coruja Risonha (Sceloglaux Albifacies)
Coruja Risonha (Sceloglaux Albifacies)

A coruja vermelha de Madagascar (tyto soumagnei) foi identificada em 1878 e acredita-se ter sido extinta em 1993. Acreditava-se incorretamente que o número deles era mais alto do que realmente era devido ao fato de que eles se assemelham a Coruja de Celeiro. Uma subespécie da coruja vermelha de Madagascar também está extinta, conhecida como Cormoro Scoops Owl. Era uma coruja de tamanho muito grande, das quais há vários restos fossilizados.

Não há muito o que dizer da corujinha Rodriguez (mascarenotus murivorus). No entanto, os fragmentos ósseos e restos de bicos que foram encontrados o identificam como uma espécie separada das coruja que conhecemos. Não há registros do que aconteceu com essa espécie e o nome científico que classifique o gênero de seus restos mortais.

A coruja de celeiro mauriciana (mascarenotus sauzieri) foi descoberta pelos restos de ossos em torno da área de Port Louis. Acredita-se que elas tenham sido extintos por volta de 1700. O mesmo vale para o Newton Barn Owl, que indica que pode ter sido devido à destruição do habitat ou a um vírus que ambos daquela área foram extintos.

Corujas ameaçadas atualmente

Existem várias outras espécies de corujas por aí que estão na lista de ameaçadas. Isso significa que há uma boa chance de que elas também se tornem extintos se não estivermos dispostos a fazer mudanças para elas agora. O planejamento cuidadoso e o acompanhamento dos esforços de conservação é a maneira de protegê-las. Elas precisam ter seu ambiente natural e precisam ser protegidos de caçadores e caçadores.

Principalmente as corujas que hoje vivem mais próximas aos humanos são as mais ameaçadas de extinção (nem preciso dizer porque né!). Um exemplo dessas é a coruja buraqueira. Mas há também aquelas que vivem em florestas que ficam ameaçadas principalmente pela devastação de seu habitat natural. Um exemplo nesse caso é a coruja pintada. Pra variar, o ser humano é mais uma vez o pior inimigo da preservação das espécies!

Veja também

Queimadura de Piolho de Cobra

A Lei da Selva Desde de que a vida surgiu no planeta Terra, há 3,5 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *