Home / Plantas / Qual a Importância dos Fungos na Agricultura?

Qual a Importância dos Fungos na Agricultura?

Fertilização e processamento do solo são os fatores que mais influenciam a ecologia das comunidades fúngicas. Os organismos do solo são importantes para o ciclo de nutrientes e, provavelmente, sua diminuição pode aumentar a necessidade de fertilizantes artificiais.

Qual a Importância dos Fungos na Agricultura?

O ciclo de nutrientes, assim como a produção de alimentos, é favorecido em relações mutualísticas entre micro-organismos e plantas. Micorrizas são excelentes exemplos (fungos das raízes), fungos miceliais que vivem em associação mutualística com as raízes vivas das plantas (não confundir com fungos parasitas que matam as raízes). Para mutualismo entendemos uma relação estreita entre dois organismos, em que o crescimento e a sobrevivência de ambas as populações é beneficiada e nenhuma delas pode sobreviver em condições naturais sem a outra.

Como no caso das bactérias e leguminosas fixadoras de nitrogênio, os fungos interagem com os tecidos radicais para formar “órgãos” compostos que aumentam a capacidade da planta de extrair os minerais do solo. Em troca, parte da produção fotossintética é fornecida aos cogumelos.

Existem dois tipos de micorrizas, a ectomicorriza com o fungo que forma uma bainha ou um tecido em torno das raízes em crescimento ativo, do qual as hifas saem para o chão, muitas vezes para longas distâncias. O outro tipo é o endomicorizado, que penetra nos tecidos radicais onde eles formam estruturas vesiculares características.

Os micorrizos não são geralmente específicos do hospedeiro, isto é, eles podem colonizar muitas raízes de plantas com as quais seus esporos entram em contato. Alguns ectomicorizza produzem grandes esporocarpos acima do solo ou macrofungos que facilitam sua dispersão. Enquanto a endomicorização produz grandes esporos no subsolo, onde eles podem ser dispersos por animais forrageiros.

Benefícios dos Fungos na Agricultura

Cerca de 90% das espécies de plantas formam algum tipo de associação benéfica com esses fungos. Os benefícios assim obtidos são:

-Aumentar a ingestão de nutrientes, especialmente nitrogênio e fósforo, devido à alta razão entre superfície e volume.
– Eles ajudam a suprimir certos tipos de ervas daninhas, e as raízes colonizadas são mais eficientes em resistir aos patógenos do solo, incluindo nematoides e fungos patogênicos.
– melhorar a textura ou o tamanho de grão do solo e são considerados o agente biológico mais importante para agregar a maioria dos solos.

As práticas da agricultura convencional tendem a perturbar essa relação benéfica entre micorizzas e plantas. Isso leva ao resultado de que propriedades do solo e processos ecossistêmicos, como o ciclo de nutrientes, são prejudicados. Além disso, a aração promove dependência de fertilizantes devido à destruição do mecanismo de recirculação de nutrientes pelos fungos.

Fertilizantes sintéticos, ao contrário dos orgânicos, reduzem a abundância de fungos de formação miccional e selecionam fungos que não são eficientes na ingestão de nutrientes. O solo com uma comunidade de micorrizas empobrecidas cria um ambiente ideal para as ervas daninhas que não são visitantes. Portanto, mecanismos biológicos para o controle de ervas daninhas e até mesmo a lavoura são necessários.

Práticas Agrícolas e Desenvolvimento de Fungos Micorrízicos Arbusculares

Os organismos do solo são importantes para o ciclo de nutrientes e, provavelmente, sua diminuição pode aumentar a necessidade de fertilizantes artificiais. Fungos micorrízicos arbusculares (FMA) vivem em simbiose com as raízes da maioria das plantas terrestres, incluindo culturas agrícolas, e ajudam as plantas a absorver nutrientes.

No entanto, algumas práticas agrícolas, como a aragem, podem perturbar o desenvolvimento de comunidades fúngicas. Pesquisadores suíços compararam comunidades de fungos micorrízicos arbusculares em solos argilosos de sete locais muito próximos.

Quatro locais foram fertilizados com matéria orgânica, um dedicado ao pastoreio e dois cultivados com práticas agrícolas convencionais. Cada um dos locais foi dividido para comparar dois sistemas de processamento do solo (reduzido e normal) e dois regimes de fertilização (composto + esgoto ou apenas esgoto).

Fungos Micorrízicos Arbusculares

Para todos os sete complexos, os pesquisadores coletaram amostras de solo de quatro camadas, duas superficiais (0-10 cm e 10-20 cm de profundidade) e duas indeformadas (20-30 e 30-40 cm de profundidade). Os fungos micorrízicos foram então cultivados em vasos contendo solo de parcelas experimentais. Os vasos foram semeados com quatro espécies vegetais diferentes e mantidos em casa de vegetação por 20 meses.

Os resultados mostraram que os regimes de fertilização influenciam o desenvolvimento de fungos, mas o principal determinante é representado pelo trabalho agrícola. No pasto, 38 espécies de fungos micorrízicos arbusculares foram identificadas. Esse número caiu para 33 espécies nos dois locais de fertilização orgânica e processamento reduzido, para 28 em um dos locais com fertilização orgânica convencionalmente lavrada e sempre para 28 no local com processamento e fertilização clássicos.

Além disso, o número e a diversidade de esporos das espécies de fungos micorrízicos arbusculares são maiores nos solos superficiais do pasto, imediatamente maiores que os dados das amostras superficiais de solos com processamento reduzido. O menor valor é alcançado pelas amostras de solo coletadas em locais normais de processamento, o que prejudica a ampla disseminação das hifas, diminuindo a produção de esporos.

Em todos os locais, o número de esporos e a diversidade de espécies de fungos micorrízicos arbusculares foram menores na camada inferior (30-40 cm) do que na camada superior. Algumas espécies de fungos micorrízicos arbusculares são mais adequadas aos efeitos da lavoura de outros e podem agir como dominantes em terras normalmente cultivadas, reduzindo sua diversidade.

Em conjunto, estes resultados mostram que solos biologicamente gerenciados são capazes de produzir várias comunidades de fungos micorrízicos arbusculares que ajudam a nutrir a planta, sua produtividade e sua saúde. Observações muito importantes do ponto de vista da melhoria agrícola para práticas sustentáveis.

Micorriza Arbuscular

As micorrizas arbusculares são caracterizadas pela formação de estruturas únicas, “arbuscos” e vesículas de fungos do filo glomeromycota. Nesta associação simbiótica, o fungo ajuda a planta a capturar nutrientes como fósforo, enxofre, nitrogênio e micronutrientes do solo. Acredita-se que o desenvolvimento da simbiose com micorrizas arbusculares tenha desempenhado um papel crucial na colonização inicial da terra pelas plantas e na evolução das plantas vasculares.

Tem sido dito que é mais rápido listar plantas que não formam micorrizas do que aquelas que não formam micorrizas. Essa simbiose é uma relação mutualística profundamente evolutiva entre fungos e plantas. Micorrizas arbusculares estão em mais de três quartos das plantas vasculares conhecidas.

Os enormes avanços nas pesquisas sobre fisiologia e ecologia de micorrizas nos últimos 40 anos levaram a um maior entendimento das múltiplas funções das micorrizas arbusculares no ecossistema. Tudo o que se sabe até então já pode ser aplicado no gerenciamento e renovação de ecossistemas e na agricultura, se houver empenho consciente.

Veja também

Chá de Barbatimão Para Corrimento Vaginal Funciona? Como Fazer?

Muito comum na região do Cerrado do Brasil, o barbatimão (nome científico Stryphnodendron adstringens Mart …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *