Home / Plantas / Orquídea Borboleta: Classificações Inferiores e Nome Científico

Orquídea Borboleta: Classificações Inferiores e Nome Científico

O nome orquídea borboleta ou Phalaenopsis deriva do grego ‘phalaina” (mariposa) e “ópsis” (visão) , faz parte de um gênero botânico criado em 1825 por Karl Ludwing, segundo o qual identificava flores parecidas a asas de mariposa. São em geral orquídeas híbridas, geradas por sementes de espécies asiáticas, de onde são originárias, pertencentes a colecionadores, reproduzidas do caule. Vamos conhecer algumas de suas mais de 50 classificações inferiores:

Orquídea Borboleta Classificações Inferiores e Nome Cientifico

Phalaenopsis Aphrodite

Ocorrendo de Taiwan para as Filipinas em florestas primárias e secundárias. Assemelha-se muito ao Phalaenopsis amabilis mas difere no lábio vermelho, no lóbulo médio triangular e nas flores menores. O período de floração é de outubro a abril em inflorescências laterais infláveis, racemosas ou em pânico, com pequenas brácteas e gosto de condições sombrias e úmidas.

Phalaenopsis Aphrodite
Phalaenopsis Aphrodite

Phalaenopsis Amabilis

Esta variedade de orquídea borboleta apresenta flores brancas e inodoras. Sua floração ocorre no  verão e permanecem abertas por até dois meses. São de cor verde oliva e sua largura é maior do que o comprimento, elíptico na base e aguda no  ápice. As flores da phalaenopsis amabilis não são perfumadas, mas sua cor branca é pujante, espessa e indiscreta,  o labelo possui três lobos, e os calos apresentam variedade de amarelo e vermelho.

Phalaenopsis Amabilis
Phalaenopsis Amabilis

Phalaenopsis Schilleriana

Dentro das espécies de orquídeas, a Phalaenopsis schilleriana é uma das que apresenta flores maiores e mais vistosas. Planta epífita, encontrada no topo das árvores, nas florestas das Filipinas, tem sido utilizada, ao longo dos anos, em cruzamentos dando origem a vários híbridos, sobretudo pelo aspecto e cores das suas flores. A beleza das suas folhas, de cor verde escuro, malhadas de cor cinza prata, tornam a phalaenopsis schilleriana uma das mais preferidas para cultivo.

Phalaenopsis Schilleriana
Phalaenopsis Schilleriana

 Phalaenopsis Gigantea

É a maior espécie da família Phalaenopsis podendo ultrapassar os 2 metros de altura, originária das florestas montanhosas da Indonésia. Sua floração pendente e ramificada, ocorre aos quatro anos, com pequenas brácteas triangulares e flambadas que se abrem simultaneamente. Possui um caule curto com 5 ou 6 folhas pendentes grandes, prateadas e verdes. As flores com aroma cítrico e doce, apresentam fundo de cor creme, com manchas em escarlate e diferentes nuances de verde, ao redor da coluna, permanecem aberta durante meses, principalmente no final do verão.

Phalaenopsis Gigantea
Phalaenopsis Gigantea

Doritaenopsis

Esta espécie de orquídea híbrida e fruto do cruzamento dos gêneros Doritis e Phalaenopsis. É uma linda e pequena planta  com pouco mais de 20 centímetros de altura e beleza exuberante. Suas folhas são rajada ou verde oliva de aspecto ceroso. Suas flores inodoras são rajadas de rosa claro e branco, ou rosadas alaranjado. A floração acontece no verão e as flores permanecem abertas por quase dois meses. Pode chegar a florir duas vezes por ano e seus cachos de flores são eretos e composto de até 8 flores.

Doritaenopsis
Doritaenopsis

 Phalaenopsis Equestris

Na natureza vive como uma epífita de pequeno porte perto de córregos. É uma planta pequena, suas flores emergem de uma haste com 30 cm, suas folhas são robustas com aspecto de couro e suas flores medem de 2 a 3cm de diâmetro. Possuem um tronco curto que produzem 5 folhas carnudas, que são altamente adaptáveis a vários ambientes e são fáceis de crescer.  Esta espécie emite muitos brotos . Sua inflorescência é abundante, apresentando pequenas brácteas roxas e sucessivas flores se abrindo.

 Phalaenopsis Equestris
Phalaenopsis Equestris

Phalaenopsis Bellina

É uma planta pequena originária das Ilhas Bornéu, possui folhas verde e largas, apresenta uma pequena flor individual,  perfumada,  com coloração violeta e verde nas bordas.

Phalaenopsis Bellina
Phalaenopsis Bellina

Phalaenopsis Violacea

É uma planta pequena, originária da Sumatra, com folhas verdes e largas, maiores do que as hastes e  flores perfumadas e de cor violeta no centro  e verde nas bordas, que se abrem grudadas a haste.

Phalaenopsis Violacea
Phalaenopsis Violacea

Phalaenopsis Cornu-Cervi

É uma espécie de orquídea nativa da Indochina. Na natureza vivem fixadas em galhos de árvores em florestas úmidas e iluminada. As lindas flores em forma de estrela são brilhantes e escarlate com manchas em tons entre o amarelo e o vermelho, lábios igualmente em amarelo e branco. Suas folhas são pontiagudas, originadas dos nós do curtíssimo caule, de onde brotam de sete a doze flores.

Phalaenopsis Cornu-Cervi
Phalaenopsis Cornu-Cervi

Phalaenopsis Stuartiana

É uma espécie de orquídea epífita endêmica da ilha de Mindanao nas Filipinas. É uma planta pequena de folhas verdes e largas. A flor individual desta planta é pequena  e inodora de cor brancas, amarelas ou manchadas de vermelho.

Phalaenopsis Stuartiana
Phalaenopsis Stuartiana

Phalaenopsis Lueddemanniana

É uma espécie epífita originária das florestas úmidas das Filipinas, de tamanho variado, possui um tronco curto tornado invisível pelo revestimento das folhas. Forma raízes numerosas e flexíveis. As folhas são carnudas e numerosas. A haste da flor é mais longa do que as folhas, pode ser ramificada ou não. Os brotos se formam na haste da flor.  As flores são carnudas e cerosas, de tamanho variável. No lábio, a protuberância é coberta por cabelos. Além disso, as flores são bastante variáveis em tamanho, forma e cor nesta espécie.

Phalaenopsis Lueddemanniana
Phalaenopsis Lueddemanniana

Orquídea Borboleta Classificações Inferiores e Nome Cientifico

As orquídeas borboletas ou Phalaenopsis,  invariavelmente utilizadas na decoração de interiores apresentam flores bem parecidas, em cores  que variam do branco ao escarlate, amarelo, creme esverdeado, roxo, estriadas e incontáveis tons de cores, pintalgadas ou não. São flores que apresentam três lóbulos com pequenas diferenças de forma, considerando a origem de sua origem genética nos cruzamentos. Apesar da exuberância de suas florações seu perfume, se existir, é praticamente nulo.

Apresentam rizoma curto, com folhas largas e suculentas onde são armazenadas suas reservas nutricionais;  são monopodial, de crescimento sucessivo, possuem raízes longas, grossas e flexíveis. Desenvolvem suas flores a  partir de uma haste que parte de seus caules. Seu habitat são as florestas tropicais, em troncos de árvores onde se fixam através das raízes (é epífita), protegendo-se do sol forte e da luminosidade excessiva e utilizando a umidade própria do ambiente, absolutamente necessária para o seu desenvolvimento saudável.

O espaço é curto para apresentarmos os demais membros desta grande família de exuberantes formas e cores. No espaço reservado a comentários, o leitor pode solicitar informações adicionais com relação a estes, ou contribuir com críticas e sugestões para novos temas.

by Aya[email protected]

Veja também

Crisântemo: Cuidados e Como Fazer Muda Planta

Entre as flores existentes, talvez apenas a rosa seja capaz de superar o crisântemo em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *