Home / Plantas / Arroz Selvagem: Pipoca, Calorias: Combina Com o Que?

Arroz Selvagem: Pipoca, Calorias: Combina Com o Que?

O arroz selvagem pertence a um gênero de plantas monocotiledôneas da família do poaceae (a família dos grãos mesmo), cuja origem é tanto na América do Norte quanto no Leste da Ásia. O interessante é que, apesar de chamarmos arroz, não são arroz, pelo menos não no sentido de pertencer ao mesmo gênero do arroz como o conhecemos. Vamos explicar isso melhor.

Arroz Selvagem

A espécie conhecida como arroz selvagem pertence a mesma família dos grãos, como o arroz mesmo. Na verdade, tanto o arroz como o conhecemos quanto o arroz selvagem pertencem até a mesma tribo pela classificação taxonômica, a tribo oryzeae. Porém, em suas classificações inferiores, são subdivididos em subtribos e gêneros diferentes. O arroz comum pertence ao gênero oryza, subtribo oryzinae. O arroz selvagem é do gênero zizania, subtribo zizaniinae.

Este arroz selvagem do qual falaremos, produto de nosso artigo, tanto é muito utilizado e aproveitado como também é ainda considerado erva daninha por algumas culturas (assim como o joio), principalmente na Ásia. Nosso arroz selvagem do artigo são plantas herbáceas aquáticas que crescem nas águas rasas e calmas de lagos, lagoas e riachos tranquilos.

Três espécies do arroz selvagem são nativas da América do Norte: zizania palustris, zizania aquatica e zizania texana. A quarta espécie de arroz selvagem, zizania latifolia, é nativo da China, embora tenha desparecido completamente de lá. Vamos falar de cada um deles e seus valores nutritivos bem como usos culinários agora.

Zizania Aquatica

No Japão, existem muitas variedades reprodutivas produzidas em vários locais de testes agrícolas desde o Projeto Super Arroz, que foi promovido pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas em 1989. O projeto incluiu os grãos do arroz selvagem zizania aquatica. Devido ao boom da saúde e à lenta epidemia de alimentos, o cultivo de arroz selvagem está progredindo em todo o país, e algumas áreas estão sendo promovidas como parte da revitalização da cidade.

Considerando o “romance aos tempos antigos” (nostalgia), o cultivo do arroz selvagem traz êxito publicitário, sendo altamente compatível com áreas considerados locais turísticos, como ruínas históricas. Além disso, há casos em que a alta viabilidade do arroz selvagem é usado para manter os arrozais difíceis de manejar, como os terraços de arroz. Na verdade todas as quatro cultivares do gênero zizania são apreciadas no Japão.

Zizania Aquatica

Os pigmentos de tanino, os pigmentos de antocianina e os pigmentos de clorofila contidos em cada uma das espécies do arroz selvagem são rotulados como bons para a saúde. Além disso, o arroz selvagem é cada vez mais apreciado como saudável porque contém muita vitamina C e minerais como cobre, zinco e manganês. É muitas vezes misturado com outros cereais e comido como arroz de cereais, mas às vezes é usado como matéria-prima para saquê ou como farinha de arroz para confeitaria, pão e macarrão.

Zizania Palustris

Os grãos dessa espécie do arroz selvagem, muito alongados, são de cor preta. Eles são mais longos dentre todos do gênero. Seu valor nutricional é interessante porque eles são ricos em proteínas, e particularmente na lisina, aminoácido limitado em outros cereais. Como todos do gênero, é uma planta de água, e se desenvolve bem nos Grandes Lagos na América do Norte (EUA e Canadá), especialmente em Minnesota, na Saskatchewan, Manitoba e Ontário.

Esse arroz selvagem era tradicionalmente colhido por nações indígenas como Cheyenne, Algonquin, Dakota, Ojibwe, dentre outras. A colheita era feita à mão, na água, inclinando panículas longas e batendo-as para soltar as sementes nas canoas. Esta semente foi o alimento básico dessas nações.

Hoje o cultivo desse arroz selvagem que cresce nos lagos são colhidos mecanicamente, o que reduziu o custo do trabalho para a colheita. Esse arroz selvagem tornou-se moda nos últimos anos e a demanda por este cereal aumentou acentuadamente. Geralmente é misturado com arroz branco com a finalidade de aromatizá-lo.

Zizania Texana

Considerada originalmente do Texas (Estados Unidos), trata-se de plantas herbáceas perenes, também aquáticas, com caules esponjosos decíduos (colmos) de até dois metros de comprimento. Ocorre apenas no rio San Marcos, no condado de Hays mas está ameaçada pela perda e degradação de seu habitat e classificada como uma espécie em extinção em nível federal de Estados Unidos.

Seu cultivo nativo hoje compreende cerca de 140 tufos de hastes. Abrange cerca de 1200 metros quadrados. Há também uma população introduzida em Spring Lake no local de San Marcos Springs e vários espécimes são mantidos em um recinto no campus da Texas State University. Esta planta já foi localmente comum na região, formando populações densas o suficiente para se tornar um incômodo na década de 30.

Ficou escasso porque o aquífero Edwards foi drenado para as necessidades da agricultura e outras indústrias, diminuindo o fluxo do rio San Marcos. Esta planta agora rara está agora ameaçada por atividades recreativas no rio, e por uma espécie de mamífero introduzida, a nutria (myocastor coypus).

Zizania Latifolia

Essa espécie produz sementes que foram anteriormente colhidas em povoamentos naturais da China, mas que agora é cultivada por seus caules cuja base é inchada sob a ação de um fungo do gênero ustilago, e que são comidos como vegetais. A espécie foi introduzida no Havaí, Nova Zelândia e Reino Unido. No Reino Unido, esse arroz selvagem é muitas vezes cultivada nas margens de lagos para fornecer cobertura para as aves aquáticas.

A gama original desse arroz selvagem, zizania latifolia, inclui os seguintes países: China (Anhui, Fujian, Guangdong, Guangxi, Guizhou, Hainan, Hebei, Henan, Hubei, Hunan, Jiangsu, Jiangxi, Jilin, Liaoning, Shaanxi, Shandong, Sichuan, Taiwan, Yunnan, Zhejiang), Índia, Japão, Coréia, Mianmar (Birmânia), Rússia (Extremo Oriente da Rússia), Taiwan e Vietnã. A importação de varas é proibido no Estados Unidos para proteger o fungo associado (ustilago esculenta) nas espécies de arroz selvagens nativas da América do Norte.

Pipoca, Calorias… Combina com o que?

É a fonte preferida de alimento para patos de superfície e outras aves aquáticas. Quase sempre vendido em grãos, o arroz selvagem é rico em fibras, em proteínas, portanto, em aminoácidos (lisina em particular), mas pobre em gordura. Não contém glúten e também é uma boa fonte de elementos minerais, potássio e fósforo e vitaminas tiamina, riboflavina e niacina.

Por causa de seu valor nutricional e sabor, arroz selvagem que cresce em popularidade desde o final do século 20, sua cultura para fins comerciais tem crescido nos Estados Unidos e Canadá para atender à demanda. Nos Estados Unidos, Califórnia e Minnesota são os principais produtores; estas plantas são cultivadas em arrozais. O arroz selvagem é o cereal oficial de Minnesota. No Canadá, o arroz selvagem é geralmente colhido em lagoas naturais; a província de Saskatchewan é o maior produtor.

Resumindo, um é especialmente apreciado como um vegetal no acompanhamento de saladas e arroz comum (muitas vezes comido cru na China). As espécimes americanas são utilizadas como cereais ou mesmo como substitutos do arroz comum. Também são utilizadas para a alimentação de aves e inclusive para fins decorativos, ou seja, para a ornamentação das características da água nos jardins.

Veja também

Chá de Barbatimão Para Corrimento Vaginal Funciona? Como Fazer?

Muito comum na região do Cerrado do Brasil, o barbatimão (nome científico Stryphnodendron adstringens Mart …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *