Home / Natureza / Quais São as Rochas Plutônicas? Como São Formadas?

Quais São as Rochas Plutônicas? Como São Formadas?

Rochas ígneas plutônicas são formadas pelo resfriamento do magma a centenas ou milhares de metros abaixo da superfície da Terra. Nessas profundidades, o resfriamento ocorre muito lentamente e dá origem a rochas completamente cristalinas sem a formação de vidro.

O magma é formado dentro da terra a temperaturas muito altas. na área onde se origina, se o calor diminui, o magma sobe para áreas mais profundas que a crosta terrestre e esfria.

No entanto, a diferença de temperatura entre o magma e a rocha circundante não é considerável; portanto, o resfriamento ocorre muito lentamente. Isto promove a cristalização total e, portanto, a formação de rochas plutônicas (ou intrusivas) com a textura holocristalina característica, isto é, sem vidro. Além disso, a lenta cristalização do magma dá aos cristais tempo suficiente para desenvolver e atingir dimensões bastante grandes e uniformes, sempre visíveis a olho nu, que adquirem a textura granular chamada fanery.

A maioria das rochas plutônicas é de importância econômica. O granito, por exemplo, é amplamente utilizado na indústria da construção, principalmente na forma de ladrilhos polidos, utilizados no revestimento de fachadas externas e também em paredes internas, como cozinhas e banheiros, por serem rochas muito decorativas além que resistente, no topo. Também os dioritos, os sienitos e o gabro, principalmente pelo cromatismo, são usados ​​como rochas ornamentais.

Rochas plutônicas (ou intrusivas) são rochas magmáticas que se formam no subsolo e são cercadas por grupos de rochas. Já sabemos que esses tipos de rochas são formados pela solidificação do magma causada pelo aumento do ponto de fusão, apesar da diminuição da pressão durante a subida. Nesta fase, o magma não passa por vazios ou canais, mas tende a abrir espaço entre as pequenas rachaduras da crosta terrestre.

Batólitos

Batólitos
Batólitos

Os batólitos são corpos plutônicos que se estendem por milhares de quilômetros quadrados. Esses imensos corpos se desenvolvem ao longo das margens de subducção ou (na maioria dos casos) ou ao longo das margens convergentes de duas placas continentais que dão origem a cadeias de montanhas das quais as rochas emergirão.
Além de possuir uma grande extensão, os batólitos podem ter grandes profundidades (entre 10 e 30 km). As camadas de fios são corpos plutônicos formados em profundidades modestas e formados após uma intrusão de magma paralela ao arranjo das camadas. Este método de intrusão levou à separação dos estados da crosta devido à presença do magma que dará origem a esses corpos plutônicos.

As camadas separadas de rochas são chamadas de “Tabulari” e os fios da camada podem ter uma camada espessa que varia de 10 cm a 8-9 m. Lacólitos são corpos plutônicos formados em baixas profundidades por intrusão de magma paralelo nas camadas de rochas sedimentares circundantes, causando um inchaço da camada superior visível na superfície.

Outros Tipos de Rochas

As rochas magmáticas As rochas magmáticas erivano de arrefecimento e assim a solidificação do material fundido da composição praticamente sempre silicato, o referido magma. Os magmas podem esfriar profundamente, dentro da crosta ou em profundidade limitada ou até mesmo escapar para a superfície (lava).

Essas três possibilidades correspondem a três condições de pressão e, portanto, a três modos de resfriamento com diferentes resultados distintos em relação à aparência das rochas, que chamaremos de: as rochas plutônicas (ou rochas intrusivas) resfriavam profundamente, lentamente, sob condições de alta pressão, com a possibilidade da formação de cristais bem desenvolvidos. Outra condição para o desenvolvimento é a presença de gás e a fluidez do magma, ou seja, a possibilidade de os íons se moverem e, portanto, a formação de rochas com um grão granulado ou médio holocristalino, médio ou grosso e estrutura hipidiomórfica ou autotriomórfica (dependendo da composição) rochas vulcânicas (ou efusivas), resfriadas rapidamente em condições de baixa pressão, com, portanto, cristais pouco desenvolvidos, especialmente em rochas ácidas (ou seja, mais ricas em SiO 2, mais viscosa), com estruturas micro e criptocristalinas, geralmente porfiríticas (ou seja, com alguns cristais bem formado imerso em uma pasta de base microcristalina) e às vezes estruturas vítreas.

A estrutura das rochas magmáticas é a expressão de como a rocha cristalizou a partir de um material fundido, com que velocidade e, em geral, sob que condições de resfriamento. Devemos lembrar também que a cristalização do magma normalmente ocorre em uma faixa de temperatura de pelo menos cem graus, um intervalo durante o qual os minerais cristalizam não todos juntos, mas fracionariamente. De fato, à medida que o magma esfria, os minerais cristalizam de acordo com uma sequência que depende da temperatura de cristalização de cada um deles.

Vamos ver algumas definições sobre a estrutura das rochas magmáticas:

  • estrutura granular: (fina, média, grossa), composta de cristais todos aproximadamente do mesmo tamanho.
  • estrutura heterogranular: composta por conjuntos de cristais com diferentes grãos.
  • estrutura porfirítica : estrutura heterogranular onde temos cristais bem formados (fenocristais) imersos em uma pasta micro ou criptocristalina ou mesmo vítrea; indica um estágio de resfriamento lento que permitiu a formação de grandes cristais das espécies mineralógicas cristalizando em temperaturas mais altas, seguida por um resfriamento rápido do restante da fusão com o consequente congelamento em uma estrutura de grão fino.
  • estrutura hipidiomórfica: indica que há uma ordem clara de cristalização e é reconhecida porque os minerais que solidificam a temperaturas mais altas (olivinas, piroxênios, fêmures em geral ou, em qualquer caso, também outros tipos, dependendo da composição do magma) têm desenvolvimento regular das faces cristalino, enquanto os últimos são forçados a ocupar o espaço restante e, portanto, têm um hábito anédrico (os cristais com faces bem desenvolvidas são considerados eudrais).
  • estrutura autotriomórfica: indica que não há ordem de cristalização. Isso significa que os minerais se solidificaram mais ou menos ao mesmo tempo e, portanto, ninguém teve a oportunidade de desenvolver um hábito cristalino realizado em comparação com os outros; isso acontece quando temos uma massa fundida com uma composição que fornece minerais que solidificam na mesma faixa de temperatura.
  • estrutura vítre : quando o resfriamento era tão rápido que congela os elementos (átomos ou íons) e não permite sua organização em cristais.
  • estrutura microcristalina: com muito poucos cristais desenvolvidos, independentemente da ordem de cristalização. Indica que a rocha quando foi colocada no lugar estava completamente derretida.

Com base no seu teor de sílica, as rochas ígneas podem ser divididas em ácidos, intermediários e básicos.

  • As rochas ácidas são as que apresentam um teor de SiO 2 superior a 65% em peso;
  • As rochas intermediárias têm um teor de sílica entre 52% e 65% em peso;
  • As rochas básicas apresentam um conteúdo inferior a 52% em peso de SiO 2.
  • As rochas ácidas, tipicamente compostas por feldspato e de sílica, também são chamados félsica (ou siálico) e são claros; as rochas básicas, onde há predominância de minerais silicatos ricos em ferro e magnésio, são chamadas máficas (ou fêmicas) e são escuras.

Veja também

Quando Posso Usar Compressa Quente ou Fria?

Em algumas situações podemos não saber se o ideal é utilizar a compressa fria ou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *