Home / Natureza / Ecossistema Brasileiro Amazônia: Os Diferentes Ecossistemas da Floresta Amazônica

Ecossistema Brasileiro Amazônia: Os Diferentes Ecossistemas da Floresta Amazônica

A floresta amazônica é uma floresta equatorial localizada na bacia amazônica na América do Sul. A bacia amazônica se estende por 7,3 milhões de km² e a própria floresta cobre cerca de 6 milhões de km², localizados em nove países, principalmente no Brasil (com 63% da floresta), mas também no Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana Francesa, Suriname, Bolívia e Peru.

Embora sua reputação como “pulmão da Terra” esteja errada, a floresta amazônica é um dos maiores reservatórios de biodiversidade do mundo e é responsável por metade das florestas tropicais do mundo. Em termos de ecologia, é uma floresta primária no estágio de clímax.

Biodiversidade

A floresta tropical tem a maior biodiversidade específica do mundo, e as florestas tropicais da América têm mais espécies do que as florestas úmidas da África ou da Ásia. Como a maior região de floresta tropical na América, a floresta amazônica tem uma biodiversidade incomparável.

A região abriga cerca de 2,5 milhões de espécies de insetos e, atualmente, no mínimo 40.000 tipos de plantas diferentes, 3.000 peixes, quase 1.300 aves, cerca de 450 mamíferos, cerca de 430 anfíbios e quase 400 répteis foram classificados cientificamente na região. Os cientistas descreveram entre 96.660 e 128.843 espécies de invertebrados apenas no Brasil.

A diversidade de espécies vegetais é talvez a de maior importância do planeta. Alguns botânicos especializados calculam que um quilômetro quadrado pode abrigar quase 80.000 tipos de árvores e mais de 150.000 tipos de plantas inestimáveis. Um quilômetro quadrado da floresta amazônica pode conter 90.790 toneladas de plantas vivas. Atualmente, 438.000 espécies de plantas com interesse econômico e social foram identificadas na região, com muito mais a ser descoberto ou classificado.

Solo Pobre

Solo Pobre
                                      Solo Pobre

Ao contrário do que muitos imaginam, os solos da Amazônia são relativamente pobres. A maioria das terras amazônicas não inundáveis ​​(terra firme) não é muito fértil. No entanto, eles estão espalhados com bolsões de terra boa (terra roxa): estes solos são resultantes da atividade humana e enriquecidos pelo acúmulo progressivo de resíduos e cinzas.

Estas são as terras que são cultivadas hoje em dia. De fato, é em parte por causa dessa última ação que a floresta amazônica está agora em perigo. Terras da Amazônia estão sendo usadas para aumentar a área de fazendas gigantescas dedicadas à criação extensiva de gado. Essas fazendas são defendidas por pistoleiros, tipos de guardas particulares responsáveis ​​por proteger a propriedade da terra.

Composição da Floresta Tropical

Floresta Tropical
Floresta Tropical

Quando vista do céu, parece uma abóbada contínua formada por copas de 30 ou 40 metros de altura. Algumas árvores de 60 a 80 metros de altura emergem aqui e ali. Coroas abertas permitem que a luz passe.

Debaixo das árvores emergentes está o dossel que é protegido dos ventos e no qual coroas maiores e mais fechadas se desenvolvem. A floresta tropical primária é dividida verticalmente em pelo menos cinco camadas: a camada superior, a copa, a camada inferior, a camada arbustiva e o solo da floresta. Cada camada tem sua própria espécie de plantas e animais interagindo com o ecossistema ao seu redor.

Os Diferentes Ecossistemas da Floresta Amazônica

Floresta tropical sempre verde: a mais rica e diversa. Alta proporção de leguminosas. Floresta perene sazonal: no leste e noroeste, onde a precipitação é inferior a 2.000 mm / ano. A renovação das folhas ocorre durante a estação seca.

Floresta de Campina: Floresta sempre verde com folhagem de couro (caatinga amazônica). Árvores de 20 a 30 m de altura: A caatinga é uma floresta espinhosa, que consiste principalmente de pequenas árvores espinhosas que vivem apenas sazonalmente. Cactos, arbustos espinhosos e ervas adaptadas à aridez constituem o manto vegetal. Muitas plantas crescem, florescem e morrem apenas durante a breve estação chuvosa. Localizado no nordeste do Brasil.

Floresta de Carrasco: cobertura vegetal baixa, xerófila, arbustiva (7 a 8 m), desenvolve-se em solos de areia branca cobertos por uma fina camada de húmus negro (Bolívia).

Floresta de várzea: Na Amazônia, a Várzea é uma área de floresta inundada pela enchente, de 20 a 100 km do rio principal (Brasil).

Mata de igapó: é uma parte da floresta que permanece pantanosa após a remoção da água da enchente nas áreas baixas da várzea (várzea) ou por causa das protuberâncias ao longo das margens que impedem toda a água volte para o rio (Brasil).

Condições Climáticas Influentes

Essa enorme massa de nuvens formada acima da floresta amazônica tem um papel fundamental a desempenhar: a distribuição do calor solar no globo através do processo de refletividade da energia solar, o albedo. Se a densa floresta é destruída, perdemos o benefício do albedo e depois interrompemos a evapotranspiração.

O albedo é um dos indicadores de alerta da temperatura da superfície da Terra. É um “barômetro” de variações climáticas que influencia o conhecimento da magnitude do efeito estufa contrastando um feedback positivo sobre a temperatura da superfície e os oceanos, dependendo da variação no volume de gelo.

Separado dos ventos do oeste pela barreira dos Andes e dos alísios pelo maciço da Guiana, o Amazonas deveria conhecer um clima relativamente seco, na sombra continental, fora dos períodos de monções. De fato, parece que, dependendo da época do ano, os ventos alísios usam o corredor do Vale do Orinoco, onde os fluxos atmosféricos a montante da foz do rio garantem um fornecimento constante de ar úmido e causam distúrbios, chuvas no encontro de baixa pressão atmosférica, praticamente constante durante todo o ano na Amazônia. Além disso, a floresta libera grandes quantidades de vapor de água e calor que mantêm o mecanismo de chuvas diárias, especialmente no final do dia.

Um Patrimônio Mal Gerenciado

As florestas e rios da Amazônia, apesar de sua luxuria, são frágeis e ameaçadas de extinção. As atividades humanas (mineração, agricultura, energia e infraestrutura de transporte) e as mudanças climáticas são responsáveis ​​pela degradação e destruição dos ecossistemas da região.

As florestas amazônicas estão sofrendo enquanto a demanda global por produtos agrícolas e de produção intensivos, como soja e carne bovina, aumenta à medida que milhões de árvores são abatidas a cada ano para estabelecer as lavouras e pastagens necessárias para essas atividades altamente impactantes.

Novas pastagens ocupam 80% das áreas desmatadas na Amazônia, o equivalente a 14% do desmatamento global anual. Incêndios usados ​​para enriquecer solos e delinear campos freqüentemente crescem nas florestas próximas e a erosão por meio do escoamento de solos nus contamina os rios e seus ecossistemas aquáticos.

O desmatamento causado pela pecuária também contribui para a mudança climática, liberando cerca de 340 milhões de toneladas de carbono na atmosfera a cada ano.

O aumento da temperatura e a diminuição das chuvas estão causando uma seca de magnitude histórica (em 2005 e 2010, a Amazônia sofreu as piores secas dos últimos cem anos). Secas longas secam riachos, dizimam populações de peixes, murcham culturas e provocam incêndios florestais. Isso pode causar grandes mudanças na composição dos ecossistemas e acelerar a extinção das espécies.

Embora sejam essenciais para o desenvolvimento das atividades humanas, as infraestruturas de energia e transporte podem ter efeitos adversos quando são inadequadas. Este é o caso de algumas estradas que oferecem a possibilidade de explorar ilegalmente as florestas anteriormente inacessíveis e hidrelétricas que, além das florestas submersas, interrompendo a conectividade do rio, fracionar as muitas espécies aquáticas e interferir territórios com algumas pescarias comerciais e de subsistência.

A extração de ouro e outros recursos minerais valiosos, a exploração do petróleo, a exploração excessiva das florestas e a sobrepesca atestam a atratividade dos recursos naturais da região. Os processos de mineração levam ao desmatamento, à erosão do solo e à contaminação da água (matéria suspensa, mercúrio, resíduos). Em muitas partes da Amazônia, a exploração ilegal do ouro gera violência e poluição, em detrimento das comunidades locais.

Veja também

Desobstruir as Vias Aéreas

O Que é Desobstruir as Vias Aéreas?

Uma obstrução das vias aéreas é um bloqueio em qualquer parte das vias aéreas. As …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *