Home / Natureza / Como o Aquecimento Global Pode Afetar os Corais?

Como o Aquecimento Global Pode Afetar os Corais?

As intrincadas estruturas dos corais de recife são os centros de ecossistemas movimentados e ricos em biodiversidade. Mas em todo o mundo, a elevação dos níveis de temperaturas oceânicas e CO2 estão afastando ou matando as algas que mantem corais saudável e coloridos e às vezes até mesmo transformando recifes inteiros em branqueados, como cemitérios fantasmagóricos.  Num esforço de preservação em alguns lugares, naturalistas estão usando viveiros de corais para cultivar variedades resistentes ao clima – depois plantando essas novas variedades em recifes em dificuldades.

A mudança climática é a maior ameaça global aos ecossistemas de recifes de coral. Agora, as evidências científicas indicam claramente que a atmosfera e o oceano da Terra estão aquecendo e que essas mudanças são devidas principalmente aos gases de efeito estufa derivados das atividades humanas.

A Importância do Ecossistema Marítimo

Estima-se que 70% da superfície da Terra seja composta de oceanos, o habitat mais produtivo do planeta, compreendendo 75% de todas as espécies conhecidas. Esse ambiente único, que geralmente permanece inexplorado e oculto do mundo, desempenha um papel importante na regulação da temperatura global e é o principal produtor de oxigênio.

Os recifes de coral, que compreendem apenas cerca de 0,5% do fundo do oceano, são estruturas tridimensionais complexas construídas ao longo de milhares de anos como resultado da deposição de esqueletos de carbonato de cálcio das espécies de coral que constroem recifes. Estes recifes são frequentemente referidos como a “floresta tropical do mar”. Essa alegoria subestima a complexidade dos recifes de coral, que têm uma maior diversidade de vida animal e vegetal do que as florestas tropicais, onde circulam nutrientes através da intrincada cadeia alimentar e fornecem alimentos em todos os níveis da cadeia alimentar.

Ecossistema Marítimo

Historicamente, o mar serviu como uma importante rede de transporte, uma fonte de comida e uma área de lazer favorita. A maioria das grandes cidades foi desenvolvida ao longo da costa como áreas comerciais. Hoje, o crescimento dessas cidades se manifesta na porcentagem da população mundial (aproximadamente 80%) que vive dentro de um perímetro a 100 quilômetros da costa e depende do mar para sua subsistência (aproximadamente 3,5 bilhões de pessoas).

De fato, a sobrevivência das pessoas mais pobres do mundo depende de sua estreita relação com o mar. A importância econômica do mar é evidenciada nos serviços ecossistêmicos prestados por meio da pesca, turismo, proteção costeira e em seu papel como fonte de matéria-prima. Esta dependência do mar está agora ameaçada pelas condições ambientais provocadas pelas mudanças climáticas globais.

Causas do Aquecimento Global

Diversos debates sobre o clima tem apresentado fortes evidências de que o aquecimento global no último século foi em grande parte resultado da atividade humana, como a queima de combustíveis fósseis, o desmatamento e a conversão de terras para uso agrícola. Registros de temperatura de 1850 mostram que o globo aqueceu em média quase um grau Celsius, e análises posteriores mostraram que, desde os anos 1970, cada década é mais quente.

Concentrações globais de dióxido de carbono (CO2) também mostraram níveis aumentados de uma média de 280 partes por milhão (ppm) em meados do século XIX, no início da revolução industrial, para aproximadamente 388 ppm no início do século XXI. A tendência de aquecimento global deve continuar, já que estima-se que a temperatura média global será 2,5 a 4,7 graus Celsius mais alta em 2100 quando comparada aos níveis pré-industriais.

Para avaliar o impacto das mudanças climáticas nos recifes de coral e no ambiente marinho, precisamos examinar as mudanças ambientais previstas e avaliar a capacidade dos organismos marinhos de se adaptar a essas mudanças.  Os modelos climáticos indicam que a temperatura da superfície do mar deve aumentar de 1 a 3 graus Celsius, enquanto o nível do mar deve subir de 0,18 a 0,79 metros. É provável que os padrões climáticos regionais mudem, resultando em um aumento na gravidade e na frequência dos eventos de tempestades, principalmente ciclones. Além disso, espera-se que os padrões de circulação oceânica sejam modificados e o pH diminua como resultado da absorção de CO 2 .

Como o Aquecimento Global Pode Afetar os Corais?

As plantas marinhas, principalmente o fitoplâncton, são os principais produtores que formam a base da cadeia alimentar. Espera-se que haja uma diminuição gradual na quantidade dessas plantas em águas mais quentes, reduzindo efetivamente a quantidade de nutrientes disponíveis para os animais ao longo da cadeia alimentar. Além disso, a temperatura é um gatilho importante nos ciclos de vida de muitas plantas e animais marinhos, e geralmente o início da alimentação, o crescimento e a reprodução são sincronizados.

Prevê-se que o aumento antecipado da temperatura do oceano estimule a migração de organismos marinhos com base em sua tolerância à temperatura, com espécies tolerantes ao calor expandindo sua faixa para o norte e espécies menos tolerantes recuando. Essa mudança na dinâmica do oceano terá um efeito deletério em espécies que não conseguem migrar e podem levar ao seu desaparecimento.

A acidificação oceânica, ou o aumento dos níveis de CO2 , que resultam na redução do pH da água do mar, não apenas reduz a abundância de fitoplâncton, mas também diminui a calcificação em certos animais marinhos, como corais e mariscos, fazendo com que seus esqueletos fiquem mais fracos e o crescimento seja prejudicado .

Possivelmente, uma das maiores ameaças que os corais enfrentam é a do branqueamento como resultado do aumento da temperatura da superfície do mar. O branqueamento ocorre quando o aumento prolongado da temperatura do mar causa um colapso na relação entre os corais e suas zooxantelas simbióticas (algas). O coral expele subsequentemente as zooxantelas, perde sua cor (branqueamento) e fica fraco. Alguns corais são capazes de se recuperar, geralmente com sistemas imunológicos comprometidos, mas em muitos casos eles morrem.

Consequências do Aumento da Temperatura do Mar

Fatores contribuintes que aumentam os gases de efeito estufa na atmosfera incluem queima de combustíveis fósseis para aquecimento e energia, produção de alguns produtos industriais, criação de gado, fertilização de culturas e desmatamento. As mudanças climáticas levam a:

Um oceano em aquecimento provocando estresse térmico que contribui para o branqueamento de corais e doenças infecciosas;

Aumento do nível do mar que potencializam a sedimentação de recifes localizados perto de fontes terrestres de sedimentos. O escoamento da sedimentação pode levar à sufocação dos corais;

Aumento da Temperatura do Mar

Mudanças nos padrões de tempestades originam tempestades mais fortes e frequentes podendo causar a destruição de recifes de coral;

Mudanças na precipitação, ou seja, o aumento do escoamento de água doce, sedimentos e poluentes terrestres contribuem para a proliferação de algas e causa condições turvas da água reduzindo a luz;

Correntes oceânicas alteradas levam a mudanças nos regimes de conectividade e temperatura contribuindo para a falta de alimento para corais e dificultando a dispersão das larvas de coral;

Acidificação do oceano (resultado do aumento de CO2) causa uma redução nos níveis de pH,  diminuindo o crescimento dos corais e a integridade estrutural.

Veja também

Gastrodia Agnicellus

Qual a Flor Mais Feia que Existe?

Para os amantes de flores hoje vamos falar de um assunto bem delicado, será que …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.