Home / Animais / Tudo Sobre o Rato: Características, Nome Cientifico e Fotos

Tudo Sobre o Rato: Características, Nome Cientifico e Fotos

Um rato, também conhecido como camundongo, é um pequeno roedor com de focinho pontudo, pequenas orelhas arredondadas, uma cauda cheia de escamas no comprimento do corpo e uma alta taxa de reprodução. A espécie de camundongo mais conhecida é o camundongo comum (Mus musculus).

Características Gerais

Os ratos típicos são classificados no gênero Mus. Os ratos costumam ser tipicamente diferenciados entre uma espécie e outra por causa de seu tamanho. Normalmente, quando alguém percebe um roedor muroide menor, sua nomenclatura padrão inclui o termo camundongo. Por outro lado, se tiver um porte maior, a nomenclatura inclui o termo rato. Os termos comuns rato e camundongo não são taxonomicamente específicos. Cientificamente, o termo camundongo não se limita a membros da família Mus, mas inclui alguns deles como o camundongo Peromyscus.

Os ratos domésticos comercializados como animais de estimação geralmente possuem um tamanho diferente do rato comum. Isso é atribuído tanto à criação quanto a diferentes condições na natureza. O mais conhecido entre eles, o famoso rato branco de laboratório, possui características mais uniformes, adequadas a sua utilização em pesquisas.

Sabe-se que gatos, cães selvagens e outros animais como cobras e raposas e até mesmo alguns artrópodes atacam ferozmente os ratos. Entretanto, devido à sua notável adaptabilidade a praticamente qualquer ambiente, esse roedor faz parte de um dos gêneros de mamíferos que mais consegue se adaptar as adversidade do planeta Terra.

Os camundongos, em certos contextos, são vistos como animais nocivos, pois são uma das principais fontes de danos aos locais e aos alimentos, causando danos em certas estruturas e disseminando doenças através de seus parasitas e de suas fezes. Na América do Norte, a poeira da respiração que entrou em contato com os excrementos de ratos foi associada ao hantavírus. Essa situação é perigosa, pois pode causar a síndrome pulmonar por hantavírus (HPS).

Camundongo
Camundongo

Animais primariamente noturnos, os ratos compensam sua falta de visão com uma aguçada audição e confiam especialmente no olfato para encontrar alimentos e fugir dos predadores. Os ratos constroem tocas longas e complexas. Elas normalmente têm entradas longas e estão cheias de túneis e rotas de fuga. O projeto arquitetônico de uma toca faz parte da característica genética desse animal.

Linhagem dos Ratos

Ordem Dasyuromorphia

Camundongos marsupiais, espécies menores de Dasyuridae

Camundongos Marsupiais
Camundongos Marsupiais

Ordem Rodentia

Subordem Castorimorpha

Subordem Castorimorpha
Subordem Castorimorpha

Família Heteromyidae

Família Heteromyidae
Família Heteromyidae

Rato canguru, gênero Microdipodops

Rato Microdipodops
Rato Microdipodops

Rato de bolso, tribo Perognathinae

Rato de Bolso
Rato de Bolso

Rato de bolso espinhoso, gênero Heteromys

Rato de Bolso Espinhoso
Rato de Bolso Espinhoso

Subordem Anomaluromorpha

Subordem Anomaluromorpha
Subordem Anomaluromorpha

Família Anomaluridae

Família Anomaluridae
Família Anomaluridae

Rato voador

Rato Voador
Rato Voador

Subordem Myomorpha

Subordem Myomorpha
Subordem Myomorpha

Família Cricetidae

Família Cricetidae
Família Cricetidae

Escova de rato, Peromyscus boylii

Peromyscus Boylii
Peromyscus Boylii

Rato da Flórida

Rato da Flórida
Rato da Flórida

Rato dourado

Rato Dourado
Rato Dourado

Rato americano da colheita, gênero Reithrodontomys

Rato Reithrodontomys
Rato Reithrodontomys

Família Muridae

Família Muridae
Família Muridae

camundongos típicos, o gênero Mus

Camundongo Mus
Camundongo Mus

Camundongos de campo, gênero Apodemus

Camundongos de Campo
Camundongos de Campo

Rato-madeira, Apodemus sylvaticus

Apodemus Sylvaticus
Apodemus Sylvaticus

Rato de pescoço amarelo, Apodemus flavicollis

Apodemus Flavicollis
Apodemus Flavicollis

Rato grande da floresta de Mindoro

Rato Grande da Floresta de Mindoro
Rato Grande da Floresta de Mindoro

Rato com orelhas grandes

Rato com Orelhas Grandes
Rato com Orelhas Grandes

Rato da floresta montana de Luzon

Rato da Floresta Montana de Luzon
Rato da Floresta Montana de Luzon

O rato de Forrest

Rato de Forrest
Rato de Forrest

Rato de seixo

Rato de Seixo
Rato de Seixo

Rato de Bolam

Rato de Bolam
Rato de Bolam

Eurasian Harvest mouse, gênero Micromys

Eurasian Harvest Mouse
Eurasian Harvest Mouse

Experiências em Laboratório

Esses roedores animais experimentais comuns em pesquisas científicas nos campos da biologia e da psicologia. Isso acontece porque, assim como os seres humanos, são mamíferos. Além disso, eles compartilham um alto grau de homologia com a nossa espécie. O genoma do camundongo foi sequenciado e basicamente todos os genes desse animal possuem homólogos humanos. Ele possui aproximadamente 2,7 bilhões de pares de bases e 20 pares de cromossomos.

Costumam ser testados de um jeito que jamais seria permitido com um ser humano, apesar dos ativistas dos direitos dos animais frequentemente se oponham. Um camundongo knockout é um camundongo geneticamente modificado que teve um ou mais de seus genes tornados inoperantes por meio de um processo genético.

Os motivos para a seleção comum de camundongos são que eles são pequenos e baratos, têm uma dieta muito variada, conseguem ser mantidos facilmente e conseguem se multiplicar de forma rápida, ou seja, várias gerações de ratos são observadas em tempo reduzido. Normalmente, os ratos são muito dóceis se criados desde o nascimento e receberem contato humano suficiente. Contudo, sabe-se que certas espécies desse roedor são um pouco hostis. Ratos e camundongos têm os mesmos órgãos nos mesmos lugares, o que difere um do outro é o tamanho.

Dados detalhados sobre o uso de ratos de laboratório (e outras espécies) em pesquisas no Reino Unido são publicados a cada ano. No Reino Unido, em 2013, havia um total de 3.077.115 procedimentos regulamentados em camundongos em estabelecimentos de procedimentos científicos, licenciados sob a lei.

Leis para Pesquisa Científica

Reino Unido: No Reino Unido, como em todos os outros vertebrados e alguns invertebrados, qualquer procedimento científico que possa causar “dor, sofrimento, angústia ou dano duradouro” é regulamentado pelo Ministério do Interior sob a Lei de Animais (Procedimentos Científicos) de 1986. Os regulamentos do Reino Unido são considerados um dos mais abrangentes e rigorosos do mundo.

Estados Unidos: Nos EUA, os ratos de laboratório não são regulamentados pela Lei de Bem-Estar Animal, administrada pela APHIS (Serviço de Inspeção Sanitária de Animais e Vegetais) e ligada ao USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). No entanto, a Lei do Serviço de Saúde Pública (PHS, em inglês), administrada pelos Institutos Nacionais de Saúde, oferece um padrão para seus cuidados e uso. A conformidade com o PHS é necessária para que um projeto de pesquisa receba financiamento federal. A política de PHS é administrada pelo Escritório de Bem-Estar Animal de Laboratório.

Muitos institutos de pesquisa acadêmica buscam credenciamento voluntariamente, geralmente por meio da Associação para Avaliação e Acreditação de Cuidados com Animais de Laboratório, que mantém os padrões de cuidados encontrados no Guia para o Cuidado e Uso de Animais de Laboratório e a política de PHS. No entanto, esse credenciamento não é um pré-requisito para o financiamento federal.

Restrições

Embora os ratos sejam, de longe, os animais mais amplamente utilizados na pesquisa biomédica, estudos recentes destacaram suas limitações. Por exemplo, a utilidade de roedores em testes de sepse, queimaduras, inflamação, acidente vascular cerebral, ALS, doença de Alzheimer, diabetes, câncer, esclerose múltipla, doença de Parkinson e outras doenças foi posta em dúvida por vários pesquisadores.

Em relação aos experimentos com ratos, alguns pesquisadores se queixaram de que “anos e bilhões de dólares foram desperdiçados por causa de falsas evidências”. Isso teria sido o resultado de uma preocupação com o uso desses animais para estudos científicos.

Um artigo da revista norte-americana The Scientist observa: “As dificuldades associadas ao uso de modelos animais para doenças humanas resultam das diferenças metabólicas, anatômicas e celulares entre humanos e outras espécies, mas os problemas são ainda mais profundos do que isso”, incluindo problemas com o design e a execução dos próprios testes.

Camundongo em Laboratório
Camundongo em Laboratório

Por exemplo, os pesquisadores descobriram que muitos ratos de laboratórios são obesos devido ao excesso de comida e ao exercício mínimo, o que altera sua fisiologia e metabolismo. Muitos animais de laboratório, incluindo camundongos, são estressados cronicamente, o que também pode afetar negativamente os resultados da pesquisa e a capacidade de analisar com precisão os problemas relacionados com os seres humanos. Os pesquisadores também observaram que muitos estudos envolvendo ratos são mal projetados, levando a resultados questionáveis.

Um exemplo de problema nessas pesquisas inclui um estudo de 2014 da Universidade McGill, que sugere que os ratos manipulados por homens apresentaram níveis mais altos de estresse do que aqueles que foram cuidados por mulheres. Outro estudo em 2016 sugeriu que microbiomas intestinais em camundongos podem ter impacto nas pesquisas científicas.

Ratos na Biomedicina

Os ratos têm sido usados ​​em pesquisas biomédicas desde o século XVII, quando William Harvey os usou para seus estudos sobre reprodução e circulação sanguínea e Robert Hooke os usou para investigar as consequências biológicas de um aumento na pressão do ar. Durante o século XVIII, Joseph Priestley e Antoine Lavoisier usaram ratos para estudar a respiração. No século XIX, Gregor Mendel realizou suas primeiras investigações de herança na cor da pelagem de ratos, mas seu superior pediu que ele parasse de se reproduzir em seu laboratório “criaturas fedorentas que, além disso, copulavam e faziam sexo”.

Ele então mudou suas investigações para ervilhas, mas, como suas observações foram publicadas em um diário botânico um tanto obscuro, elas foram praticamente ignoradas por mais de 35 anos até serem redescobertas no início do século XX. Em 1902, Lucien Cuénot publicou os resultados de suas experiências com ratos, que mostraram que as leis de herança de Mendel também eram válidas para animais – resultados que logo foram confirmados e estendidos a outras espécies.

No início do século 20, Clarence Cook Little, estudante de Harvard, estava conduzindo estudos sobre genética de ratos no laboratório do Castelo William Ernest. Little e Castle colaboraram estreitamente com Abbie Lathrop, que era criadora de ratos e camundongos extravagantes que comercializava para criadores de animais de estimação exóticos, e depois começou a vender em grande número para pesquisadores científicos.

Juntos, eles geraram a linhagem de camundongos consanguíneos DBA (Dilute, Brown non-Agouti) e iniciaram a geração sistemática de linhagens consanguíneas. Desde então, o rato tem sido amplamente utilizado como organismo modelo e está associado a muitas descobertas biológicas importantes dos séculos 20 e 21.

O Jackson Laboratory, em Bar Harbor (EUA), é atualmente um dos maiores fornecedores mundiais de ratos de laboratório, com cerca de 3 milhões de ratos por ano. O laboratório também é a fonte mundial de mais de 8.000 linhagens de camundongos geneticamente definidos e é o lar do banco de dados Mouse Genome Informatics.

Multiplicação da Espécie

O início da reprodução ocorre com cerca de 50 dias de idade, tanto no sexo feminino quanto no masculino, embora as fêmeas possam ter seu primeiro filhote entre 25 e 40 dias. Os ratos se reproduzem o ano todo e sua ovulação é espontânea. A duração do ciclo estral é de 4 a 5 dias e dura aproximadamente 12 horas, ocorrendo à noite. O acasalamento pode ser confirmado pela presença de um tampão na vagina até 24 horas após a cópula. A presença de espermatozoides em um esfregaço vaginal também é um indicador confiável de acasalamento.

Camundongos Reprodutores
Camundongos Reprodutores

O período médio de gestação é de 20 dias. Um estro fértil no pós-parto ocorre de 14 a 24 horas após o parto, e a lactação e gestação simultâneas se prolongam entre três e 10 dias. Como regra geral, camundongos consanguíneos tendem a ter períodos de gestação mais longos e ninhadas menores que os camundongos consanguíneos e híbridos. Os filhotes pesam entre 0,5 e 1,5 gramas ao nascer, não possuem pelos e têm pálpebras e orelhas fechadas. Os filhotes são desmamados com três semanas de idade e, nesse período, pesam entre 10 e 12 g.

Os machos recém-nascidos são diferenciados das fêmeas recém-nascidas, observando a maior distância anogenital e maior papila genital no macho. Isso é mais bem conseguido levantando as caudas dos companheiros de ninhada e comparando a períneo.

Alimentação

Na natureza, esses animais possuem dieta herbívora, pois consumem qualquer tipo de fruta ou grão. Entretanto, os ratos conseguem se adaptar aos locais urbanos e são famosos por consumirem quase todos os tipos de restos de alimentos. Em cativeiro, os ratos são comumente alimentados com ração comercial de pelotas.

Rato Comendo
Rato Comendo

Do ponto de vista nutricional, essas dietas são completas, mas ainda necessitam de uma grande quantidade de vegetais.

Rato nas Refeições

Os ratos são um alimento básico no “cardápio” de muitos carnívoros de pequeno porte. Os seres humanos comem ratos desde os tempos pré-históricos e ainda os comem como uma iguaria no leste da Zâmbia e no norte do Malawi, onde representam uma fonte sazonal de proteínas. Os ratos não são mais consumidos rotineiramente por humanos em outros lugares. Entretanto, na Grã-Bretanha Vitoriana, ratos fritos ainda eram dados às crianças como medicamento popular para fazer xixi na cama.

As curas prescritas no Egito Antigo incluíam ratos como remédio. No Egito antigo, quando os bebês adoeciam, os ratos eram consumidos por suas mães como forma de ajudar no tratamento. Acreditava-se que comer ratos pela mãe ajudaria a livrar o bebê daquela enfermidade. Em várias nações, os ratos são usados ​​como alimento para animais de estimação, como cobras, lagartos, sapos, tarântulas e aves de rapina. Muitas lojas de animais trabalham com ratos justamente com a intenção de alimentar essas espécies.

Os termos usados ​​para nomear as diferentes idades e tamanhos de ratos quando vendidos para alimentos de animais de estimação são “dedinhos”, “felinos”, “rastreadores”, “tremonhas” e “adultos”. Os mindinhos são ratos recém-nascidos que ainda não possuem pelos; os felpudos têm pelo, mas não se movem com frequência; os funis têm uma camada completa de cabelo e se movem com facilidade, mas não tem o tamanho de um rato adulto. Ratos sem pelo facilitam o consumo do animal; entretanto, ratos com pelagem podem ser mais eficientes para alimentar os animais. Estas nomenclaturas também são usadas ​​para identificar os vários estágios de crescimento de ratos.

Musofobia

O medo de camundongos e ratos é uma das fobias específicas mais comuns. A fobia, como um medo irracional e desproporcional, é distinta da preocupação razoável com ratos e camundongos que contaminam os suprimentos de alimentos e também os lugares por onde eles passam.

Musofobia
Musofobia

Em muitos casos, o medo fóbico de camundongos é uma resposta condicionada socialmente induzida, combinada com a resposta surpreendente a estímulo inesperado comum em muitos animais, incluindo humanos, em vez de um distúrbio real. Ao mesmo tempo, como é comum em fobias específicas, um susto ocasional pode causar ansiedade anormal. Esse tipo de sintoma requer tratamento.

Tratamento da Fobia

O medo de camundongos pode ser tratado por qualquer tratamento padrão para fobias específicas. O tratamento padrão da fobia animal é a dessensibilização sistemática, e isso pode ser feito em consultório padrão.

Medo de Camundongos
Medo de Camundongos

Também é útil incentivar os pacientes a experimentar algumas associações positivas com os ratos: assim, o estímulo temido é emparelhado com o positivo, em vez de ser continuamente reforçado pelo negativo.

Fobia na Cultura Popular

Um medo exagerado e fóbico de camundongos e ratos tem sido tradicionalmente descrito como uma característica estereotipada das mulheres, com vários livros, desenhos animados, programas de televisão e filmes retratando mulheres gritando e pulando em cadeiras ou mesas ao verem um rato. Apesar desse retrato, a musofobia sempre foi vivenciada por indivíduos de ambos os sexos. No entanto, as mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a sofrer de fobias específicas.

Fobia de Ratos
Fobia de Ratos
  • No romance de George Orwell, 1984, o protagonista Winston Smith tem um medo fóbico de ratos.
  • Em Indiana Jones e a Última Cruzada, Henry Jones é descrito como “morrendo de medo” de ratos.
  • O personagem titular da série Doraemon tem medo de ratos, porque teve suas orelhas robóticas arrancadas por ratos como sua vingança.
  • A encarnação da princesa Zelda de The Legend of Zelda: Spirit Tracks congelará de medo se ela for encontrada por ratos.
  • Madame Medusa, a principal antagonista da Disney em Bernardo e Bianca (1977), uma adaptação dos romances infantis de Margery Sharp, sofre de extrema musofobia, ficando histérica ao encontrar os protagonistas do filme, um par de ratos amigáveis. Ao mesmo tempo em que se protege, ela pula em uma cadeira e dispara sua espingarda. Ironicamente, seus jacarés de estimação muito mais ameaçadores dificilmente a deixam desconfortável.
  • Injun Joe tem medo de ratos e camundongos no filme de anime de 1995, Huck e Tom’s Mississippi Adventure.
  • No videogame Donkey Kong Country III: Dixie Double Trouble, o elefante de montaria Ellie tem medo de ratos e deve atirar um cano neles.

Folclore Entre Ratos e Elefantes

Existe uma crença popular comum de que os elefantes têm medo dos ratos. A referência mais antiga a essa afirmação é provavelmente de Plínio, o Velho, em seu Naturalis Historia, livro VIII. Conforme traduzido por Philemon Holland (1601), “De todas as outras criaturas vivas, eles [elefantes] não podem aceitar um rato ou um camundongo”. Numerosos zoológicos e zoólogos mostraram que os elefantes podem ser condicionados a não reagir.

Folclore Entre Ratos e Elefantes
Folclore Entre Ratos e Elefantes

O programa MythBusters (Caçadores de Mitos no Brasil) realizou um experimento no qual, de fato, vários elefantes tentaram evitar um rato, mostrando que pode haver alguma base para essa crença. Não se sabe por que os elefantes devem reagir dessa maneira, embora existam várias teorias. Independentemente, a musofobia de elefantes continua sendo usada como base de várias piadas e metáforas. No clássico jogo de tabuleiro Dou Shou Qi, o rato mata um elefante. Como várias edições do livro de regras desse jogo dizia que o rato rastejava nos ouvidos do elefante para roer seu cérebro, isso passou a ser visto como um conto popular.

Conheça Algumas Espécies de Ratos

Rato-Canguru

Também conhecido como Microdipodops, é uma das duas espécies de ratos saltadores nativas dos desertos do sudoeste dos Estados Unidos, encontradas predominantemente no estado de Nevada. O nome “rato-canguru” refere-se à extraordinária capacidade de salto da espécie, bem como ao hábito de locomoção bípede. As duas espécies são o rato-canguru pálido (Microdipodops pallidus) e o rato-canguru escuro (Microdipodops megacephalus).

Ambas as espécies de camundongos cangurus vivem em ecossistemas arenosos do deserto e buscam sementes e vegetação entre as matas de seu habitat nativo. O rato canguru escuro também é conhecido por se alimentar ocasionalmente de insetos e carniça. O rato raramente bebe água, derivando-a metabolicamente dos alimentos que consome. O rato canguru coleta alimentos e mantém grandes esconderijos em suas tocas, que são escavadas a um comprimento que varia entre 1 m e 2,5 metros. A toca, esconderijo à qual o rato se protege durante o dia, também é usada para gerar ninhadas entre dois e sete filhotes.

O rato-canguru pálido toca apenas em areia fina, enquanto o rato canguru escuro prefere solos finos e gravilhados, mas também pode escavar areia ou solo arenoso. Os ratos-cangurus são noturnos e são mais ativos nas duas horas seguintes ao pôr do sol. Acredita-se que eles hibernem durante o tempo frio.

Os dados mitocondriais indiquem que os clados parecem estar em equilíbrio genético aproximado e não sofreram alterações extremas ao longo do tempo. Apesar disso, ainda existe uma preocupação pela sobrevivência de subpopulações de Microdipodops menores e mais vulneráveis ​​devido a ameaças iminentes ao seu habitat no Deserto da Grande Bacia. Os ratos-canguru pertencem à subfamília Dipodomyinae.

Subespécies do Rato-Canguru

Rato-Canguru Pale

Nomeado por causa de suas costas com pelos claros e longos membros, o rato-canguru pálido é um roedor de cabeça grande com bochechas forradas de pele. Esta espécie é bípede, o que significa que geralmente se move sobre suas patas traseiras. Esse roedor pula como um canguru.

O rato-canguru pálido é uma das duas espécies reconhecidas de rato-canguru e é considerado uma das espécies mais incomuns de roedores noturnos no deserto. A coloração do camundongo canguru pálido é uma cor de canela pálida no lado dorsal, com o ventre sendo coberto por uma pelagem de cor esbranquiçada pálida. O comprimento total das espécies varia em tamanho de 150 mm a 173 mm, com um comprimento de cauda que mede entre 74 mm e 99 mm. O pé traseiro mede de 25 a 27 mm de comprimento, e a faixa de peso está entre 10,3 e 16,8 g.

Rato-Canguru Pale
Rato-Canguru Pale

Enquanto as espécies de ratos cangurus escuros e pálidos são habitadas no deserto, cada espécie possui associações de habitat únicas na Grande Bacia do Deserto na América do Norte, onde são encontradas. O pálido rato-canguru é encontrado no centro de Nevada e possui um alcance limitado na região do deserto oriental da Califórnia.

O rato-canguru pálido é uma espécie obrigatória na areia e é conhecido por ser um indicador da saúde dos habitats de areia do deserto da Grande Bacia. Esses roedores são considerados especialistas em ecologia, no que diz respeito à sobrevivência em ambientes extremos do deserto. Isso permite que os cientistas avaliem a saúde do ecossistema estudando em quais locais os camundongos estão localizados e quais eles evitam habitar.

O rato-canguru pálido possui uma dieta baseada em grãos e é conhecida por suplementar sua dieta com insetos, onde eles extraem a maior parte de suas necessidades de água, pois não são conhecidos por consumir água livre.

O deserto é um ambiente extremo, com recursos alimentares imprevisíveis. O rato-canguru pálido desenvolveu algumas adaptações comportamentais como forma de utilizar alimentos nesse ambiente. Camundongos cangurus pálidos coletam sementes e as armazenam em locais específicos. Eles são conhecidos por terem vários desses locais, de modo a impedir que as espécies concorrentes roubem toda a sua fonte de alimento.

Além de seus comportamentos de armazenamento, os ratos-canguru têm outras adaptações comportamentais como espécies noturnas no deserto. Um estudo percebeu que os ratos-canguru tendem a evitar o luar. Embora as razões por trás desse comportamento não sejam totalmente conhecidas, acredita-se que seja para evitar a predação, já que a luz da lua deixa esse roedor exposto.

Rato-Canguru Escuro

Pertence à ordem Rodentia e Family Heteromyidae. Sua cabeça é grande em comparação com o tamanho do corpo devido a bolhas auditivas aumentadas. Tem um pescoço relativamente curto, orelhas grandes, olhos proeminentes, focinho longo, bigodes longos e cauda gorda de cabelos.

A pelagem do rato-canguru escuro é longa, sedosa e macia, com as costas sendo marrom a preto acinzentado, enquanto a barriga apresenta um tom acinzentado ou esbranquiçado. Sua cauda é inchada por causa de alguns depósitos de gordura. Esses depósitos variam em tamanho conforme a estação muda, pois são usados como fonte de energia durante a hibernação.

As caudas são mais grossas antes de entrar na hibernação do inverno e finas na primavera, quando saem da hibernação e assumem atividade normal. Isso é único entre os pequenos mamíferos norte-americanos.

Em termos práticos, não foi descoberta nenhuma forma de dimorfismo sexual no rato-canguru escuro. O comprimento do pé traseiro, a medida craniana e o comprimento mandibular apresentam pouca variação, enquanto o peso é altamente variável na população. O comprimento total varia de 138 mm a 177 mm, com uma média de 160 mm; o comprimento da cauda varia entre 68 mm e 103 mm; o comprimento do pé traseiro está entre 23 mm e 27 mm, o peso dos ratos adultos varia de 10 g a 16,9 g, com uma média de 13,1 gramas.

A criação de animais é considerada oportunista. Em cativeiro, a gestação dura cerca de 40 dias e nascem entre um e cinco jovens totalmente peludos. Os camundongos saltitantes vivem em pequenos grupos familiares de dois a quatro indivíduos. Durante o dia, eles se abrigam em tocas mais simples e rasas do que as do camundongo escuro que habita a areia. No entanto, esses animais podem cavar tocas de um metro de profundidade que podem ter entre uma e três entradas.

À noite, eles buscam centenas de metros em busca de sementes e também captam brotos e insetos verdes, se a oportunidade se apresentar. Tal como acontece com outros ratos pulando, eles não precisam beber, embora possam metabolizar água altamente salina, se estiver disponível.

O rato saltitante é classificado como vulnerável. As causas de seu declínio são desconhecidas, mas há quem afirme que tem a ver com a degradação do habitat, competição por alimentos com espécies semelhantes e a predação feita por gatos e raposas.

As espécies de ratos cangurus escuros são nativas do oeste dos Estados Unidos (sudeste do Oregon, nordeste e centro-leste da Califórnia, Nevada, ponta do sudoeste de Idaho e centro-oeste de Utah). Eles preferem viver em locais de areia e cascalho.

Ratos Cangurus Escuros
Ratos Cangurus Escuros

Esta espécie está listada como “Menos preocupante” na Lista Vermelha (animais em extinção) porque é relativamente difundida, embora tenha havido uma leve redução em sua população devido à perda de habitats causada pela agricultura moderna. Seus principais predadores são as corujas, raposas, texugos e cobras.

Dieta

Os ratos cangurus escuros comem principalmente pequenas sementes que são transportadas de volta para suas tocas nas bolsas de suas bochechas. Eles também se alimentam de alguns insetos durante o verão. Acredita-se que essa mudança na dieta seja causada pelo fato dos ratos-de-bolso estarem em atividade máxima e competirem por comida com os ratos cangurus escuros.

Rato Canguru Escuro Procurando Comida
Rato Canguru Escuro Procurando Comida

Camundongos cangurus não bebem água ativamente; em vez disso, utilizam água de sua fonte de alimento. Eles também têm mecanismos de adaptação para conservar ainda mais a água: ser ativo à noite (temperatura mais baixa para perder menos água), concentrar a urina e produzir fezes secas.

Comportamento

Os ratos cangurus escuros são principalmente bípedes, que se movem pulando nas duas patas traseiras. Sugere-se que o uso do bipedismo seja o resultado de comportamentos de forrageamento e o uso como modo de locomoção serve apenas como uma função lateral. Eles também foram vistos movendo-se em todos os quatro membros ao se mover em espaços contidos, como uma gaiola.

Ratos Canguru na Noite
Ratos Canguru na Noite

Estes ratos canguru são animais noturnos com pico de atividade nas primeiras 2 horas após o pôr do sol. Sua atividade é observada apenas entre março e outubro, enquanto eles entram em hibernação durante os meses de inverno. Esses animais também são sensíveis ao luar e à temperatura. Suas atividades diminuem quando a temperatura está fora da faixa ideal e na presença do luar.

Rato Saltitante (Notomys)

Um rato saltitante é um dos cerca de dez ratos nativos australianos diferentes no gênero Notomys. São roedores, não marsupiais, e acredita-se que seus ancestrais chegaram da Ásia há cerca de cinco milhões de anos.

Rato Saltitante
Rato Saltitante

Todos são castanhos, desbotando até o cinza pálido, têm caudas muito longas e, como o nome indica, têm patas traseiras bem desenvolvidas. Metade das espécies de ratos saltitantes foi extinta desde a colonização europeia. A causa principal é provavelmente a predação por raposas ou gatos introduzidos, juntamente com a competição por alimentos de coelhos e gado introduzidos. A dieta primária de um rato pulando é a semente. Um rato saltitante australiano pode concentrar a urina em um nível muito alto (10 a 20 vezes maior que o humano). Isso permite que ele sobreviva no deserto sem beber água.

Subespécies do Rato Saltitante

Rato Saltitante Spinifex

Também conhecido como tarkawara ou tarrkawarra, ele habita em todas as zonas áridas do centro e oeste da Austrália, ocupando planos de areia cobertos com uma planta chamada spinifex, dunas de areia estabilizadas e planos de uma planta conhecida como melaleuca. A população se move bastante: em anos normais, é escassamente distribuída e provavelmente confinada ao país arenoso; depois da chuva, a população explode e se espalha para outros tipos de habitat por um tempo.

Eles são vistos principalmente à noite, delimitando o terreno aberto com suas grandes patas traseiras, caudas estendidas e o corpo quase na horizontal. Como forrageiros semi-fossoriais (cava embaixo do solo) e escavadoras de superfície, os minúsculos ratos saltadores gastam uma grande quantidade de energia, não apenas em busca de comida, mas também ao transportá-la de volta para suas tocas. De fato, verificou-se que a energia total gasta no transporte de alimentos em relação ao investimento energético em tocas superou em muito qualquer outro tipo de espécie semelhante.

Rato Saltitante Spinifex
Rato Saltitante Spinifex

A aparência é muito semelhante ao camundongo saltador do norte: um pouco maior que um camundongo comum, ele mede entre 95 mm e 115 mm de comprimento do corpo da cabeça e peso 35 g em média. Como em todos os ratos que pulam, as pernas traseiras são muito alongadas, os membros anteriores pequenos e a cauda com ponta de pincel muito comprida – cerca de 140 mm. O pelo é castanho, pálido abaixo, com uma lavagem cinza ao redor do focinho e entre o olho e a orelha, e cabelos pretos mais compridos e grossos nas costas. A cauda é escassamente peluda e rosada, mais escura acima do que abaixo.

Os ratos saltadores spinifex vivem em pequenos grupos familiares de até 10 indivíduos em sistemas de escavação úmidos e profundos. Normalmente, há uma grande câmara de ninho forrada com pequenos gravetos e outro material vegetal a cerca de um metro abaixo da superfície, a partir do qual vários eixos verticais se conduzem para cima. As entradas do eixo não têm montes de deterioração.

A criação pode ocorrer em qualquer época do ano, dependendo das condições, sendo a primavera favorecida. A gravidez geralmente leva de 38 a 41 dias, mas pode ser estendida significativamente se a mãe ainda estiver amamentando a ninhada anterior. Ninhadas de três ou quatro são típicas, seis sendo o número máximo de filhotes.

Ninho de Rato
Ninho de Rato

Os filhotes permanecem no ninho enquanto a fêmea busca de recursos para alimentação; se eles fogem, adultos masculinos e femininos tentam recuperá-los. Eles atingem a maturidade sexual em cerca de dois meses e meio. Após o acasalamento, um tampão copulatório é formado no trato reprodutivo da fêmea. O rato saltador spinifex é generalizado e, embora a população flutue consideravelmente, não está em risco de extinção.

Antigamente, esses roedores podiam ser mantidos como animais de estimação em Victoria (Austrália), mas era necessária uma Licença Básica para a Vida Selvagem. Em 2013, os regulamentos vitorianos para a posse, uso e comércio de animais selvagens sofreram várias alterações e, como parte dessas reformas, os ratos saltadores foram incluídos em outro anexo da regulamentação, o que permite a sua criação em propriedade privada sem licença. A criação comercial ainda requer uma licença para impedir a remoção de ratos da natureza.

Rato Saltador do Norte

É uma espécie de roedor da família Muridae. É encontrado apenas no litoral norte da Austrália, desde a Terra de Arnhem até a Península de Cobourg. Este rato pesa entre 25 e 30 gramas e é marrom na parte de cima e branco na parte de baixo. Sua cauda longa mede 150% do comprimento do corpo e possui patas traseiras longas de até quatro centímetros.

Esta espécie vive em solos arenosos e em pastagens. É um animal noturno, consome sementes e, às vezes, outros materiais vegetais e invertebrados. O rato pula, o que deixa rastros bípedes. Vários indivíduos vivem em comunidade dentro das tocas. As ameaças a essa espécie incluem alteração de habitat e os efeitos do gado em seus locais de habitação. Gatos selvagens observam as tocas e podem consumir vários desses roedores em uma única noite.

Rato Saltitante Fawn

O camundongo saltitante (Notomys cervinus) é um roedor nativo do deserto australiano central. Como todos os ratos saltitantes, possui fortes dentes da frente, cauda longa, olhos escuros, orelhas grandes, coxas bem desenvolvidas e patas traseiras muito longas e estreitas. Pesa entre 30 e 50 g, bem mais pesado que o rato doméstico comum, que pesa entre 10 e 25 g.

A coloração do rato saltitante varia entre o cor-de-rosa pálido e o cinza nas partes superiores e o branco na parte de baixo. A cauda mede entre 120 e 160 mm de comprimento. As orelhas e os olhos escuros e redondos são particularmente grandes, e os bigodes ainda mais: 65 mm em uma criatura que mede entre 95 e 120 mm de comprimento.

O habitat preferido são as planícies áridas e as argilas com pouca vegetação da Bacia do Lago Eyre, incluindo partes do norte da Austrália do Sul, extremo sudoeste de Queensland e possivelmente o Território do Norte, embora este último seja incerto. Registros do final do século XIX mostram que sua faixa anterior era mais extensa, incluindo o oeste do estado australiano Nova Gales do Sul.

Veja também

Raça de Cavalo Danish Warmblood: Características, Fotos e História

O Danish Warmblood, também conhecido como “dinamarquês de sangue quente”, é uma raça moderna destinada …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *