Home / Animais / Tudo Sobre Minhocas

Tudo Sobre Minhocas

As minhocas podem nos ajudar a salvar esse mundo em declínio! Uma população humilde mas indispensável para a sobrevivência humana! Vamos juntos conhecer os inúmeros benefícios das minhocas, essencial para a sobrevivência dos seres humanos e do meio ambiente. Sim, elas são um elo indispensável na cadeia alimentar ao garantir a fertilidade do solo que usamos para nos alimentar.

O Que São Minhocas?

Embora nativos da Europa, as minhocas, ou lumbricus terrestris, da família lumbricidae são encontradas em toda a América do Norte e na Ásia ocidental. Eles não vivem em desertos ou regiões gélidas. A média de tamanho das minhocas é de 7 ou 8 centímetros de comprimento, embora algumas espécies possam crescer até 35 centímetros. Podem viver até 6 anos e são basicamente herbívoras.

Os corpos das minhocas são constituídos por segmentos em forma de anel chamados anulares. Esses segmentos são cobertos por cerdas, ou pequenas cerdas, que o verme usa para se mover e escavar. As minhocas habitam tipicamente no solo e no lixo úmido das folhas. Seus corpos são caracterizados por uma construção de “tubo dentro de um tubo”, com uma parede externa do corpo muscular ao redor de um trato digestivo que começa com a boca no primeiro segmento. Ao cavar, consomem o solo, extraindo nutrientes da matéria orgânica em decomposição, como folhas e raízes.

As minhocas são vitais para a saúde do solo e para as plantas que crescem nela porque transportam nutrientes e minerais de baixo para a superfície através de seus resíduos. Uma minhoca pode comer até um terço do seu peso corporal em um dia.

Arando  e Fertilizando o Solo

A minhoca é uma espécie escavadora. Sua atividade de reestruturação de solos é significativo ao torná-los férteis,podendo tratar em seu processo digestivo de 20 a 30 toneladas de terra por hectare.

Pelo trabalho constante que realizam, as minhocas enterram nas camadas mais profundas do solo os itens orgânicos removidos na superfície e sobem terra fertilizada de profundidades para a superfície da Terra. Charles Darwin os chamou de “primeiros lavradores”. O título é bem merecido em vista do seu trabalho.

Um grupo de quatro minhocas pode produzir uma média de quarenta quilos de solo fertilizado por ano, e terra rica em nutrientes que ocorrem naturalmente como fósforo, potássio, cálcio, sódio, magnésio, ferro, zinco, manganês, cobre, alumínio … Portanto, não é necessário adicionar substâncias químicas nocivas ao solo.

Minhocas Trabalhando
Minhocas Trabalhando

A presença de minhocas mantém uma estrutura do solo, conhecida como grumosa, resultante da passagem da Terra no trato digestivo, das contribuições de diferentes secreções e da ação de bactérias e fungos. Esta estrutura é o movimento do ar e da água, promove a vida bacteriana e aumenta a fertilidade do solo. No entanto, esta estrutura irregular desaparece se as minhocas forem eliminadas por tratamentos químicos, aragens frequentes ou se o solo for compactado pela passagem de maquinaria pesada repetida.

As minhocas são a primeira biomassa do solo. E os cientistas avaliam seus excrementos, que trazem para centenas de toneladas por hectare, uma parte muito importante dos nutrientes (fósforo, cálcio, zinco, magnésio) necessários para o crescimento de suas plantas, flores, etc. tornando-os mais resistentes ao ataque de doenças e pragas. As plantas retiram seus alimentos do ar e do solo. Hoje, sabemos que para ter um crescimento saudável, não só os diferentes nutrientes e oligoelementos são essenciais para as nossas plantas, mas também a matéria orgânica; está presente apenas no húmus e é disponibilizado às plantas também pelas minhocas.

Combate a Poluição

Por consumirem quantidades consideráveis de solo e restos de plantas para alimentação, as minhocas concentram a poluição, numa espécie de fitorremediação de solos. Por exemplo, nas proximidades das estradas, concentrações de chumbo foram encontradas em minhocas várias dezenas de vezes mais altas que as do solo. Assim, as minhocas desempenham o mesmo papel no ambiente terrestre do que os concentradores de poluição observados em ambientes marinhos em moluscos. As minhocas, e mais especificamente as espécies eisenia andrei, ajudam os ecotoxicologistas a medir os níveis de poluição do solo.

Minhocas e a Poluição
Minhocas e a Poluição

A utilidade das minhocas na formação de húmus para a reestruturação do solo e fertilização de solos pobres está bem estabelecida, mas continua a ser generalizada. Na Índia, um experimento de teste de reintrodução de minhocas tornou possível, no primeiro ano, dobrar a produção de chá em um solo exausto pela agroquímica.

Ao colocar minhocas para trabalhar em uma lixeira, o lixo pode ser reduzido em 40% . As minhocas reciclam o lixo orgânico, digerindo-o. Eles, portanto, nos trazem a solução ideal para o problema crescente e preocupante de gerenciar nossos resíduos domésticos, promovendo a proteção do meio ambiente.

Minhocas em Lixeira
Minhocas em Lixeira

Dependendo da espécie, as minhocas atuam de maneira diferente na estrutura do solo. Eles cavam galerias mais ou menos profundas, o que acelera a infiltração de água no solo e limita o escoamento. Eles melhoram a aeração e a circulação de líquidos e gases que atingem as raízes das plantas com mais facilidade. As galerias escavadas também permitem que as raízes se expandam mais facilmente e aumentem a área de troca de alimentos entre o solo e as plantas.

A Minhoca na Economia Mundial

As minhocas podem purificar as águas residuais dos terrenos escassamente povoados. Existem até novos métodos de tratamento de águas residuais usando espécies de minhocas no processo. O princípio é simples: Um tanque da estação de tratamento opera no princípio clássico do filtro biológico, enquanto o outro é um composto de vermes de compostagem lombrifiltre que valorizam águas residuais de casca de árvore, em repouso sobre um leito de talhos da madeira e cascalho ao qual foram adicionadas minhocas específicas (eisenia andrei). As minhocas são “irrigadas” de forma intermitente com águas residuais. As minhocas degradam os efluentes consumindo-os sem o uso de grandes quantidades de água, como é o caso das estações convencionais. Não há lodo na saída, apenas torção de terra e quase água potável. As minhocas não agem sozinhas. Os quilômetros de galerias que elas escavam garantem a oxigenação das bactérias. Esta combinação permite uma alta eficiência de purificação, especialmente para sólidos suspensos e matéria orgânica.

Esta forma original de estação de tratamento viva é adequada para pequenas cidades de cerca de 1500 habitantes. Requer pouco espaço, permite poupanças de 20 a 30% em relação ao custo e manutenção de uma estação de tratamento convencional, consome muito pouca energia e produz pouca poluição olfativa e sonora. No entanto, este sistema, como todos os processos biológicos, é sensível aos picos de toxicidade das águas residuais: os vermes morrem quando são alimentados com água contendo mercúrio, cobre ou arsênico. São, portanto, bons indicadores de ecotoxicidade. O lombrifiltre é, portanto, adequado apenas para municípios sem indústria ou sem atividade poluidora conectada à rede doméstica.

Utilização semelhante é feito das minhocas nos setores agronômicos. O chorume e o esterco de suíno foram tratados com sucesso com um método natural inovador e bem sucedido também chamado de lombrifiltração. A criação de minhocas é depositada num suporte orgânico regado por um líquido carregado com matéria orgânica (águas residuais, esterco ou estrume dos animais). A rápida evacuação de resíduos animais por um sistema de “descarga” permite uma melhoria significativa da pecuária através da limitação de odores, emissões de amoníaco e gases com efeito de estufa. No entanto, para ser sustentável, o sistema deve reciclar a água, ser fácil de gerenciar para os agricultores e abrir novos caminhos para a recuperação de nutrientes excretados.

O processo com as minhocas possibilita a produção de fertilizantes orgânicos exportáveis, a fim de incorporar co-produtos agroflorestais, reduzir a necessidade de espalhar a superfície e emitir amônia, metano e odores do cultivo convencional de chorume. As minhocas são, portanto, um excelente bioindicador da estabilidade do sistema, fácil de controlar.

As minhocas também são utilizados na economia mundial, pela sua alta taxa de proteína (70%), em alimentos para animais (incluindo peixes e galinhas) e estudos científicos estão em andamento para a alimentação humana. As minhocas podem muito bem enfrentar o problema crucial da fome no mundo e particularmente nos países em desenvolvimento como próxima fonte de proteína
para os humanos nessa regiões.

Veja também

História do Guepardo e Origem do Animal

Um dos felinos mais conhecidos do mundo, conhecido especialmente por sua velocidade, é o guepardo. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *