Home / Animais / Quais São os Predadores do Chimpanzé e Seus Inimigos Naturais?

Quais São os Predadores do Chimpanzé e Seus Inimigos Naturais?

Os chimpanzés são animais particularmente sociáveis ​​e inteligentes. Não é de admirar, portanto, que sua herança genética seja 98% da do homem.

Descrevendo os Chimpanzés

O corpo desses primatas é coberto por um pelo entre o marrom escuro e o preto. Somente o rosto, orelhas, palmas das mãos e solas dos pés são sem pelos. Os leopardos e os leões são os  principais inimigos naturais do chimpanzé. Os chimpanzés preferem ficar em grandes grupos. Eles vivem principalmente em comunidades de até 80 indivíduos e governados por um espécime masculino. Os chimpanzés aprenderam a se adaptar. Eles podem ser encontrados nas áreas arborizadas e gramadas da savana, mas também nas florestas tropicais e altitudes de 3000 metros. Os chimpanzés passam a maior parte do tempo em árvores.

Chipamzé Sorrindo Para a Câmera

Toda noite eles constroem um novo ninho no topo de uma árvore, que eles usam como cama. Sua dieta é variada: eles se alimentam de frutas, nozes, cascas, mel, mas também de cupins e pequenos vertebrados. No entanto, a sobrevivência dos chimpanzés está ameaçada justamente por causa de seus parentes mais próximos. De fato, é o homem que destrói o habitat natural desses animais. Grandes áreas de floresta tropical estão sendo desmatadas e os caçadores furtivos vendem a carne de espécimes mortos a comerciantes ilegais. O WWF está comprometido com esses primatas sensíveis e aborda a questão em nível político, global e localmente.

História Real

Um chimpanzé morto, e seus assassinos, outros chimpanzés do mesmo grupo social, que atacaram seu corpo magro e ensanguentado para canibalizá-lo para o sul: é a cena macabra das filmagens do grupo no Senegal até 2013. Desde 2005, Pruetz e colegas estudam meticulosamente os chimpanzés de Fongoli, entre os poucos na África Ocidental que se acostumaram totalmente à presença de pesquisadores. As observações revelam que sua vida cotidiana é muito condicionada por relacionamentos “políticos”, interações e jogos de poder. As comunidades de chimpanzés são governadas por “machos alfas”, assistidas por coalizões de outros machos e ladeadas por fêmeas e jovens. Uma vez atingida a maturidade sexual, as fêmeas se juntam a outros grupos, enquanto os machos permanecem em sua comunidade nativa e competem pelo poder exibindo suas próprias forças ao fazer e desfazer alianças. “É um pouco como uma novela”, diz Pruetz. No início de 2005, a estudiosa e sua equipe haviam estabelecido que Foudouko era o macho alfa: ele era o único a quem todos os outros se submetiam com uma submissão, o chamado grito ofegante. Por sua testa enrugada e seu ar imperioso, um dos pesquisadores o apelidou de Saddam.

Dois Chimpanzés Sentados Um do Lado do Outro

Mas em setembro de 2007, Foudoku sentiu falta de seu vice, Mamadou, que foi enfraquecido por uma grave lesão na perna. Privado de seu principal aliado, em março de 2008, ele foi expulso de Fongoli por um grupo de homens mais jovens que o expulsaram de Fongoli. Após seu desaparecimento, Pruetz e colegas pensaram que ele estava morto. Mas, para surpresa deles, Foudouko reapareceu nove meses depois, embora reduzido à sombra de si mesmo. Também intimidado pelos seres humanos, ele foi reduzido a se esconder atrás de árvores ou nos arbustos à beira da área. Por cinco longos anos, Foudouko viveu uma vida de exílio, tentando de tempos em tempos entrar nas graças do novo macho alfa, David, irmão de Mamadou. Mas enquanto esses dois o tratavam com amizade, os jovens do sexo masculino que haviam sofrido seu domínio eram muito menos compreensivos e o encaminhavam regularmente, abordando versos estranhos que os pesquisadores nunca ouviram.

A Cena do Crime

Em 15 de junho de 2013, antes do amanhecer, Pruetz e seu assistente Michel Sadiakho ouviram ruídos vindos de um ponto a menos de um quilômetro do campo: um grupo de chimpanzés se movendo rapidamente para o sul, gritando. Afligido por um ataque de malária, Pruetz não conseguiu se mover e apenas Sadiako correu na direção do tumulto. O que ele viu o deixou chocado. Foudouko, que tinha cerca de 17 anos, estava morto, com as mãos cobertas de marcas de mordidas e arranhões, um sinal de que dois outros chimpanzés o haviam segurado enquanto outro o atingia na cabeça e no tronco. Em um pé, ele tinha uma ferida aberta, talvez causada por uma mordida, o que o levou a perder muito sangue. Mas não foi suficiente: com o passar do tempo, Pruetz e seus colegas viram muitos dos chimpanzés de Fongoli (machos mas também fêmeas) que se reuniram para destruir o corpo de Foudouko, rasgando sua garganta, mordendo seus órgãos genitais e, em parte, devorando-o.

Nem todos os chimpanzés mostraram tanto ressentimento. Mamadou, por exemplo, aparentemente tentou “acordar” seu antigo aliado, arrastando-o e gritando em seu rosto. David mal tocou no cadáver. Mas para Pruetz, o mais surpreendente foi ver que, entre as mulheres, quem canibalizou o corpo com mais agressão foi Farafa, mãe de Mamadou e David. “Ela claramente não estava apaixonada por Foudouko”, diz o estudioso. “Mas eu não sei como explicar.”

Quase Humano?

O comportamento de nossos “primos” lança luz sobre a violência à qual nós humanos frequentemente nos abandonamos? Os cientistas não têm um ponto de vista unânime. “Hesito em me expressar sobre os seres humanos, porque eles são muito complexos”, diz ele. “Na verdade, fiquei muito impressionado com as diferenças entre nós e os chimpanzés. “Quando os chimpanzés finalmente se dispersaram, Pruetz e os outros pesquisadores enterraram o corpo de Foudouko sob a supervisão das autoridades senegalesas.

Os outros chimpanzés deram a impressão de confortarem um ao outro, mas também fizeram um grande esforço para entender o que havia acontecido. Durante a noite em Fongoli, foram ouvidos gritos dirigidos para o túmulo. “Eles ainda tinham medo do corpo”, explica Pruetz. “Eles não possuem o conceito de morte e sua finalidade”. Pruetz passou anos analisando o episódio e agora se sente aliviado por finalmente ver o estudo publicado. Mas a revolta dos jovens do sexo masculino continua; talvez ela e seus colegas em breve tenham outros exilados – e outras vítimas – para estudar: os ex-aliados de Foudouko. “Como ele, Mamadou também foi expulso do grupo”, diz o estudioso. “David ainda é o macho alfa, mas já foi atacado várias vezes. Às vezes acontece algo que me faz pensar que Mamadou ainda está por perto. Se é verdade, significa que é muito mais inteligente que Foudouko.

Veja também

Sagui-de-Bigode: Características, Nome Científico, Habitat e Fotos

O Sagui-de-bigode (Saguinus myxtax), conhecido também como sagui-da-boca-branca, é uma espécie de macaco do novo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *