Home / Animais / Ostra Portuguesa: Características, Nome Cientifico e Fotos

Ostra Portuguesa: Características, Nome Cientifico e Fotos

Existe um problema taxonômico em saber se a ostra portuguesa, cujo nome científico é Crassostrea angulata, é sinônimo de Crassostrea gigas (ostra do Pacífico). Aparentemente, eles produzem descendentes férteis, e isso foi tomado como prova de identidade específica, mas estudos moleculares posteriores mostraram que a ostra portuguesa é uma espécie separada, também de origem asiática.

A ostra do Pacífico é semelhante a ostra americana (Crassostrea virginica) da costa leste americana, mas a ostra do Pacífico possui costelas distintas e margens de conchas crenuladas enquanto ostra americana tem uma cicatriz do músculo adutor escuro e a margem anterior mais longa que a posterior.

Características da Ostra Portuguesa

A ostra do Pacífico geralmente tem uma cicatriz do músculo adutor muito levemente pigmentada, enquanto a cicatriz do músculo adutor da ostra portuguesa é bastante pigmentada. No entanto, essas duas espécies geralmente formam híbridos naturais pigmentados intermediários

A ostra ariakensis (Crassostrea rivularis)  é outra espécie que tem sido usada na cultura de ostras e foi recentemente proposta para introdução na costa leste dos EUA como um complemento para a população em declínio de ostras americanas.

As  ostras têm duas válvulas grossas e irregulares, mas uma delas (à esquerda) geralmente é fixada no substrato (ou em outra ostra). A altura das válvulas é geralmente maior que o comprimento. As válvulas não têm “asas” próximas à dobradiça e não têm nervuras radiais espaçadas regularmente.

Crassostrea Angulata

Válvula esquerda (inferior) profundamente em concha, seus lados às vezes quase na vertical, a válvula direita (superior) plana ou ligeiramente convexa, sentada à esquerda; inequilaterais, bicos e umbones freqüentemente cobertos de vegetação; tendendo a ter um contorno oblongo, mas muitas vezes distorcido e muito irregular.

Casca sólida, inequívoca, extremamente rugosa, estriada e laminada.  A forma da concha varia de acordo com o ambiente. Cor geralmente esbranquiçada, com muitas estrias e manchas roxas irradiando para longe do umbo. O interior da concha é branco, com uma única cicatriz muscular às vezes escura, mas nunca roxa ou preta. Ostras portuguesas crescem até 25 cm. de altura e possui babados conspícuos em suas válvulas.

Comportamento das Ostras Portuguesas

É uma espécie exótica introduzida nos estuários da costa oeste do Japão. Prefere fundos firmes e geralmente se prendem a rochas, detritos ou outras conchas de ostras a profundidades entre 5 e 40 m. No entanto, eles também podem ser encontrados em fundos de lama ou areia e lama.

As ostras portuguesas são hermafroditas protândricas. Eles mudam de sexo, mas seu tempo é irregular e sazonal.  Os sexos são separados, mas podem ocorrer mudanças de sexo, geralmente durante o inverno, e amostras hermafroditas são encontradas regularmente.  A desova depende do aumento da temperatura da água acima de dezoito graus Celsius. Quando a desova ocorre, ocorre 50 a 100 milhões de ovos são depositados em desova única e são distribuídos por toda a coluna de água estuarina.

A vida larval planctônica dura cerca de 3-4 semanas. As larvas precisam de uma temperatura de pelo menos 22 ° C para o desenvolvimento. As larvas em estágio posterior se depositam na coluna d’água e rastejam no fundo, procurando por um habitat adequado antes de se estabelecer. Juvenis e adultos são sedentários e são encontrados nas áreas entre marés mais baixas do estuário.

Ostras Portuguesas são um reprodutor de transmissão, ou seja, óvulos e espermatozoides são liberados na água e a fertilização ocorre na água. Ao contrário, a ostra-plana européia (Ostrea edulis) é uma cria de curto prazo, liberando os óvulos na cavidade do manto, onde são fertilizados por espermatozoides filtrados da água do mar pelas brânquias; os ovos são chocados por 8 a 10 dias.

História e Origem da Ostra Portuguesa

A pesca comercial para esta espécie cresceu rapidamente desde a sua introdução.  Os Estados Unidos agora consomem quase 60% da produção total de ostras do mundo. A ostra portuguesa é um molusco dominante em uma crescente indústria de aquicultura ao longo da costa do Pacífico. O total de capturas anuais relatadas para esta espécie ultrapassa a casa de 12.000 toneladas.   Os países com as maiores capturas são a Coréia  e os Estados Unidos.

O formato desta ostra é bastante variável. A espécie foi introduzida no Japão no início dos anos 1900, sendo a espécie aquícola mais importante na costa oeste dos EUA. O molusco japonês (Tapes japônica) e a ostra japonesa (Ceratostoma inornatum ), bem como o copépode parasita intestinal (Mytilicola orientalis) aparentemente foram introduzidos juntamente com esta espécie.

Influência no Ecossistema

Os predadores incluem os caracóis predadores (Achatina fulica), os caranguejos (Cancer magister , Cancer productus , Cancer oregonensis ,Hemigrapsus nudus e Hemigrapsus oregonensis), algumas estrelas do mar e o pássaro apanhador de ostras preto (Haematopus palliatus).

O camarão de lama azul (Upogebia pugettensis) é um problema em leitos comerciais desta ostra porque escava sedimentos de suas tocas e sufoca as ostras com sedimentos. A ostra normalmente se liga a substratos duros, como rochas ou conchas de outras ostras. As ostras são importadas como indivíduos muito pequenos e criadas em camas de ostras comerciais.

Achatina Fulica

As larvas desta espécie são muito sensíveis ao aumento do dióxido de carbono dissolvido na água. O pH mais baixo da água do mar desencadeia tamanho menor e redução da sobrevivência nas larvas, mas o aumento da temperatura da água do mar mitiga parcialmente esse efeito. No entanto, essa mitigação é acompanhada pelo aumento da produção de enzimas usadas para desintoxicar espécies reativas de oxigênio, sugerindo que as larvas ainda estão sob estresse metabólico aumentado quando em pH e temperatura mais baixos.

Função Ecológica da Aquicultura

À medida que a demanda por frutos do mar aumentou, a tecnologia tornou possível o cultivo de alimentos nas águas marinhas costeiras e no oceano aberto. A aquicultura é um método usado para produzir alimentos e outros produtos comerciais, restaurar o habitat e reabastecer os estoques silvestres e reconstruir populações de espécies ameaçadas.

A aquicultura marinha produz inúmeras espécies, incluindo ostras, amêijoas, mexilhões, camarões, algas e peixes como salmão, robalo negro, peixe sable, rabo de boi e pompano. Existem muitas maneiras de cultivar moluscos marinhos, incluindo “semear” pequenos moluscos no fundo do mar ou cultivando-os em gaiolas flutuantes ou no fundo.

Veja também

História da Harpia e Origem do Animal

Você já ouviu falar da harpia ? Pois bem, essa ave é o mesmo conhecido …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *