Home / Animais / Mulas Famosas: Nomes, Valores, Onde Ficam e Fotos

Mulas Famosas: Nomes, Valores, Onde Ficam e Fotos

Quando se fala em mulas famosas, talvez lhe venha a mente os filmes americanos da década de 1950, apresentando Francis, a mula falante. Mas, além disso, é inegável que a mula é considerada o “primo pobre” do cavalo. Durante a conquista do Ocidente, os pioneiros usaram os dois, mas nos filmes ocidentais, o personagem principal quase sempre chega em um belo cavalo.

Mulas na História da Antiguidade

Já na antiguidade, a mula foi criada na Ilíria. Até algumas décadas atrás, a mula era difundida no Mediterrâneo e na África, Ásia, Palestina e nas Américas. A origem exata da mula pode ser um pouco difícil de determinar, mas sua ascendência deve começar com a origem de seus pais: o burro selvagem (burro) e o cavalo. As mulas, portanto, devem ter sido criadas na natureza em áreas onde tanto o jumento quanto o cavalo ocupavam o mesmo território.

As mulas eram conhecidas no Egito desde antes de 3000 AC e por cerca de 600 anos, entre 2100 AC e 1500 AC, os faraós enviaram expedições ao Sinai para minar turquesa. Os mineiros marcaram sua rota com esculturas em rochas mostrando barcos e mulas (não camelos!).

As mulas eram, naquele tempo, o animal de carga preferido. Também no Egito antigo, enquanto os faraós eram transportados em ninhadas chiques por criados, o povo comum costumava usar carrinhos de mula. Um monumento egípcio de Tebas mostra mulas acopladas a uma carruagem. Restos de mulas são frequentes no registro arqueológico, sugerindo que as mulas haviam se tornado um animal “popular” desde o início, usado principalmente para puxar vagões ou transportar cargas.

Ao norte da Ásia Menor, os hititas eram os mais poderosos dos primeiros cavaleiros, mas consideravam a mula pelo menos três vezes mais valiosa em preço do que um bom cavalo de carruagem. Os textos sumérios do terceiro milênio AC afirmavam que o preço de uma mula era de 20 a 30 siclos, sete vezes o preço de um burro. Na Ebla, o preço médio de uma mula era de 60 shekels (em termos monetários atuais, esses eram valores significativos). Os povos da Etiópia antiga deram à mula o status mais alto de todos os animais.

Mulas nos Tempos Bíblicos e na Idade Média

As mulas são conhecidas na Terra Santa desde 1040 AC, época do rei Davi. Os hebreus não foram proibidos de usar mulas, mas tiveram que comprar e importar (dos egípcios ou do povo de Togarmah, Armênia), que trouxeram mulas do extremo norte para Tiro para venda ou troca.

Na coroação do rei Davi, a comida era transportada por mulas e o próprio David costumava andar de mula. Consideradas como um indicador de status social durante o tempo de Davi e Salomão, as mulas eram montadas apenas pela realeza. Uma mula que pertencia a Davi foi montado por Salomão em sua coroação. Consideradas extremamente valiosas, as mulas foram enviadas dos “reis da terra” como presentes para Salomão. Todos os filhos do rei receberam mulas como meio de transporte preferido.

Mulas na Idade Média
Mulas na Idade Média

Após sua tentativa frustrada de tomar o trono, Absalão foi capturado e morto enquanto escapava em uma mula. Quando os israelitas retornaram de seu cativeiro babilônico em 538 AC, trouxeram consigo prata, ouro e muitos animais, incluindo pelo menos 245 mulas.

Mulas eram comuns nas cidades europeias muito antes do Renascimento. Já em 1294, Marco Polo relatou e elogiou as mulas turcomanas que vira na Ásia Central. Na Europa medieval, quando cavalos maiores eram criados para transportar cavaleiros fortemente blindados, as mulas eram o animal preferido de cavalheiros e clérigos. Até o 18 º século, a criação de mulas havia se tornado uma indústria florescente na Espanha, Itália e França.

Por muitos anos, a província francesa de Poitou foi o principal centro de criação europeu, com cerca de 500.000 mulas criadas por ano. Foram exigidas mais mulas de tração mais pesadas para o trabalho agrícola e uma raça local de burro-prego tornou-se mais popular. Logo, a Espanha estava na vanguarda da indústria de criação de mulas, já que a Catalunha e a Andaluzia desenvolveram uma raça maior e mais forte de burro. Mulas não eram tão prevalente na Grã-Bretanha ou na América até o final do 18º século.

Mulas em Tempos Mais Modernos

Em 1495, Cristóvão Colombo trouxe diferentes espécies de equinos para o Novo Mundo, incluindo mulas e cavalos. Esses animais seriam instrumentais na produção de mulas para os conquistadores em sua exploração no continente americano. Dez anos após a conquista dos astecas, chegou de Cuba um carregamento de equinos para começar a criar mulas no México. Mulas fêmeas eram preferidas para andar, enquanto os machos eram preferidos como animais de carga em todo o Império Espanhol.

As mulas não eram usadas apenas nas minas de prata, mas eram muito importantes ao longo da fronteira espanhola. Cada posto avançado tinha que criar seu próprio suprimento e cada fazenda ou missão mantinha pelo menos um parafuso prisioneiro. George Washington desempenhou o papel principal no desenvolvimento da população de mulas na América. Ele reconheceu o valor da mula na agricultura e se tornou o primeiro criador de mulas americano.

Em 1808, os EUA estimavam 855.000 mulas no valor estimado de US $ 66 milhões. As mulas foram rejeitadas pelos agricultores do norte, que usavam uma combinação de cavalos e bois, mas eram populares no sul, onde eram o animal de tração preferido. Um fazendeiro com duas mulas poderia facilmente arar 16 acres por dia. As mulas não apenas araram os campos, mas também colheram e levaram as colheitas ao mercado.

Nas fazendas de tabaco, um plantador de mulas foi usado para colocar as plantas no chão. O tabaco colhido foi puxado em trenós de madeira dos campos para os celeiros. Em 1840, um macaco de qualidade usado para a criação de mulas poderia chegar a US $ 5.000 em Kentucky, então um dos principais estados de criação de mulas. Um grande número de burros foi subseqüentemente importado da Espanha e, na década entre 1850 e 1860, o número de mulas no país aumentou 100%.

Mais de 150.000 mulas foram potradas apenas no ano de 1889, e até então as mulas haviam substituído completamente os cavalos pelo trabalho agrícola. Em 1897, o número de mulas havia aumentado para 2,2 milhões, no valor de US $ 103 milhões. Com o boom do algodão, principalmente no Texas, o número de mulas aumentou para 4,1 milhões, no valor de US $ 120 cada. Um quarto de todas as mulas estava no Texas e nos currais de Fort. Worth se tornou o centro mundial de compra e venda de mulas.

No início do século 20, mulas foram usadas para estradas construção, ferrovias, linhas telegráficas e telefônicas, bem como a maioria das grandes barragens e canais. As mulas também foram instrumentais em um dos maiores feitos de engenharia do país: o Canal do Panamá. Elas puxaram barcos de canal ao longo do Canal Erie no início do século 19. Mulas ajudaram a construir o Rose Bowl em Pasadena.

Eles até ajudaram no início da “era espacial”. Equipes de mulas puxaram o primeiro motor a jato para o topo do Pike’s Peak a ser testado, um teste bem-sucedido que levou à criação do programa espacial dos EUA. As mulas tamb[em tiveram um papel importante na ação militar ao longo da história dos EUA. As mulas da matilha ofereciam mobilidade ilimitada às unidades de cavalaria, infantaria e artilharia. A mula é, obviamente, o símbolo do exército dos EUA.

Veja também

Cobra Boa Constrictor Sabogae Enrolada

Cobra Boa Constrictor Sabogae: Características, Habitat e Fotos

A jiboia (nome científico Boa constrictor) é um réptil que geralmente causa pavor em muitas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *