Home / Animais / Lontra Anã Oriental: Características, Nome Cientifico e Fotos

Lontra Anã Oriental: Características, Nome Cientifico e Fotos

Quando você pensa em pés de animais, especialmente pequenos mamíferos como lontras e gatos, em que características você pensa? Você provavelmente imaginou-os como tendo garras, certo? Bem, uma espécie é conhecida por ter garras tão pequenas que elas são quase inexistentes. Esta é a lontra anã oriental (aonyx cinerea). As garras dessa lontra mal se estendem além do dedo do pé, e isso certamente as diferencia de outras espécies de lontras.

Lontra Anã Oriental: Características e Fotos

As lontras anãs orientais são as menores espécies de lontras. Elas têm um comprimento de corpo entre 45 e 61 cm, um comprimento de rabo entre 25 e 35 cm e elas pesam entre 1 e 5 kg. Elas têm peles curtas e densas, de cor marrom, com a parte de baixo sendo pálida. Elas têm áreas brancas variáveis ​​no peito, garganta e face inferior. Suas garras são muito curtas e não se estendem além da parte carnuda de seus dedos parcialmente palmados. Como os dedos dos pés são apenas parcialmente alados, ele permite maior destreza, especialmente ao manusear alimentos.

As lontras anãs orientais têm corpos longos e pernas curtas. Elas são nadadores ágeis e suas patas traseiras as impulsionam pela água. Elas são principalmente ativas durante o dia e têm excelente visão. Elas são animais muito sociais e costumam brincar nas margens e na água em torno de sua toca. Elas se comunicam usando uma grande variedade de vocalizações, postura e aparência.

Os pés são muito estreitos e só estão ligados à última articulação, uma característica que distingue a lontra oriental de todas as outras espécies de lontra. Estas patas parcialmente palmadas dão-lhes um excelente sentido de tato e coordenação, proporcionando-lhes mais destreza do que outras lontras. Ao contrário dessas outras, as anãs orientais pegam suas presas com suas patas, em vez de com a boca. O focinho tem vibrissas em ambos os lados. Estes são sensíveis ao toque e às vibrações subaquáticas, e são importantes na detecção dos movimentos das presas.

Lontra Anã Oriental: Dieta

A dieta das lontras anãs orientais consiste principalmente de caranguejos, outros crustáceos, moluscos e alguns peixes, embora ocasionalmente comam sapos, pequenos mamíferos, cobras e insetos. Elas usam suas patas sensíveis para procurar nas rochas e lama até encontrar suas presas e preferem caçar em águas rasas. Com seus grandes dentes de trás, a lontra anã oriental pode esmagar facilmente as conchas de caranguejos e moluscos, mas também é sabido que elas deixam esses caranguejos e moluscos ao sol para quebrar suas conchas.

Lontras Anã Oriental

Para manter seu corpo em uma temperatura constante, as lontras mantêm seu metabolismo comendo o equivalente a 25% do peso corporal todos os dias. Elas são vistas como uma forma valiosa de controle de pragas para os produtores de arroz, pois elas comem os lagostins e os caranguejos que danificam suas plantações. Elas também foram utilizados por pescadores e treinados para rebanho de peixes em direção às suas redes em troca de comida. No entanto, eles são vistos como uma praga pelos agricultores de camarão, pois eles regularmente atacam suas fazendas e comem seus estoques.

Lontra Anã Oriental: Estrutura Social e Comunicação

Lontras anãs orientais são animais muito sociáveis, geralmente formando grupos de 10 a 12 indivíduos em reuniões livres. Este grupo conterá um casal reprodutor adulto monogâmico, que ajudará a criar seus filhotes. A dupla terá duas ninhadas por ano, de até sete filhotes, mas geralmente apenas um ou dois. A fêmea vai construir um ninho feito de grama por volta de duas semanas antes do nascimento, onde seus filhotes nascem após uma gestação de 60 a 64 dias.

As jovens lontras não abrem os olhos até os 40 dias de idade, e levará de sete a nove semanas antes de darem o primeiro mergulho e comerem alimentos sólidos. A comunicação é importante; lontras são muito vocais com 12 chamadas distintas usadas para se comunicar com o grupo. Elas usam uma série de latidos, assobios e ruídos de vibração, incluindo saudação, acasalamento e chamadas de alarme. A marcação de cheiro também desempenha um papel importante, com glândulas odoríferas na base da cauda usadas para marcar territórios, assim como urina e excrementos.

Lontra Anã Oriental: Comportamento

Esta espécie de lontra naturalmente usa suas mãos para procurar alimento na água ou na folhagem, de modo que proporcionar uma oportunidade para esse comportamento natural é importante. Sua comida é freqüentemente colocada na água para elas encontrarem, ou então espalhando sua comida preferida pelo recinto e ficar escondidos observando elas procurarem. Lontras anãs orientais são anfíbias, gastando tanto tempo na terra quanto na água, se não mais. Elas são uma espécie diurna, o que significa que eles estão ativos durante o dia, por isso os visitantes podem vê-las.

Elas são geralmente encontrados em rios, estuários, córregos, pântanos, zonas costeiras de manguezais e campos de arroz, de modo que seu recinto tem uma mistura ou terreno e plantio para sua utilização. Embora sejam principalmente espécies tropicais, são muito resistentes e podem sobreviver em baixas temperaturas, e podem ser encontrados a até 2000 pés acima do nível do mar, mas para mantê-los a uma temperatura regulada durante a noite, seu ninho é mantido em torno de 10° C. Os produtores de arroz na Ásia costumam usá-las para limpar os campos de pragas como o lagostim, e sabe-se que os pescadores as treinam para levar os peixes a redes para eles!

Lontras são muito inteligentes, elas foram vistas deixando caranguejos capturados por elas expostos ao sol para ressecar a fim de facilitar ao quebrarem suas conchas abertas! Elas também são conhecidas como os mais vocais das espécies de lontras!

Lontra Anã Oriental: Status de Conservação

A destruição do habitat é a maior ameaça enfrentada pelas lontras anãs orientais. O desmatamento em toda a Ásia está resultando na perda de córregos nas colinas. Pântanos e manguezais estão sendo drenados e convertidos para agricultura e aquicultura. A aquicultura na forma de criação de peixes e camarões é um grande problema, com as lontras se aproximando da atividade humana e das fazendas, elas são frequentemente vistas como uma praga e mortas. O desenvolvimento da agricultura intensiva, incluindo plantações de chá e café, não apenas destrói seu habitat, mas também resulta em poluentes e rios sendo poluídos por pesticidas, prejudicando a abundância de presas.

Houve também uma redução em suas presas como resultado da superexploração por humanos. Elas também são caçados por suas peles e órgãos, que são usados ​​em medicamentos tradicionais. Eles estão listados no apêndice II da CITES, o que significa que o comércio e exportação desta espécie é fortemente regulamentada e controlada para protegê-los. Em algumas faixas de seu habitat, as lontras anãs orientais são protegidas, por exemplo, na Malásia e em Cingapura, mas não em todos os países de sua distribuição.

Uma das principais organizações envolvidas na conservação da lontra anã oriental é o Grupo de Especialistas em Lontras da IUCN, que desenvolveu uma rede de biólogos em toda a Ásia que estão realizando pesquisas de campo e popularizando a conservação desta espécie. No entanto, a proteção e conservação do habitat local é necessária para garantir a sobrevivência a longo prazo da lontra. Muitos zoológicos do mundo mantêm esta espécie, criando a oportunidade para os cientistas adquirirem mais conhecimento sobre elas, que podem então ser usados ​​para auxiliar sua conservação na natureza.

Veja também

História do Guepardo e Origem do Animal

Um dos felinos mais conhecidos do mundo, conhecido especialmente por sua velocidade, é o guepardo. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *