Home / Animais / Doenças Mais Comuns do Husky Siberiano e Como Tratar

Doenças Mais Comuns do Husky Siberiano e Como Tratar

Husky siberiano é aquela raça canina que se relaciona com lobos, já que sua personalidade e aparência são parecidas. Assim, ele se tornou um pet bem comum nos últimos tempos.

Sem contar que seu visual, tal como conhecemos atualmente, é o resultado de seleções bem definidas. Tanto por isso, o husky se tornou robusto e forte. Entretanto, isso não quer dizer que estão imunes a doenças, principalmente, genéticas.

Estes são cachorros ativos e alegres, que requerem cuidados e atenção. Dessa forma, conseguem se manter saudáveis, tornando-se os fiéis companheiros dos humanos.

Um Pouco Sobre O Husky Siberiano

O husky siberiano é um cão de descendência nórdica. Antigamente, ele foi treinado para pastorear trenós em ambientes com neve. Dessa forma, desenvolveu a grande resistência perpetuando até hoje em sua carga genética.

A raça é caracterizada por possuir a personalidade divertida e alegre. Esses animais geralmente se dão bem com crianças e estranhos depois de treinados adequadamente. Assim, não se recomenda usá-los como animais de guarda.

Em contrapartida, são extremamente inteligentes, aprendendo facilmente e criando vínculos bem fortes com sua família. É por conta disso que seu instinto faz com que permaneçam fiéis aos tutores.

Tal como as raças que são puras, huskys siberianos tendem a sofrer com certas doenças. Podem ser hereditárias, mas também podem ser devido à suas características físicas e morfologia.

Por muito tempo, os criadores uniram forças para eliminar permanentemente essas doenças. Entretanto, embora não tenham tido sucesso total, acabaram por reduzir a incidência desses males.

Mesmo assim, ainda há determinadas condições que provavelmente afetam o pet. Estas podem ser divididas em: oculares e cutâneas.

Doenças Oculares Encontradas No Organismo Do Husky Siberiano

Muitas doenças oculares que afetam o lindo husky siberiano independem do sexo e da idade. Às vezes, causam perda total na visão. Elas afetam o pet, mesmo as cores da íris sendo azuis, marrons ou ambas.

Quatro são as doenças que ao qual o cão está mais predisposto:

  • Catarata bilateral;
  • Opacidades cristalinas da córnea;
  • Glaucoma;
  • Atrofias progressivas na retina.

A incidência é de 5%, mas elas são consideradas graves. Portanto, em caso de desconforto, o cão precisa ser levado imediatamente ao veterinário.

Catarata Bilateral

Essa doença hereditária é caracterizada pelo surgimento de opacidade ou turvação no cristalino do olho. Embora a condição possa operar, a visão não retorna completamente.

Em casos onde o diagnóstico é tardio, pode ocorrer a cegueira total. Por conta disso é recomendável realizar exames anuais, permitindo que esse problema seja detectado a tempo.

Husky Siberiano Com Catarata Bilateral
Husky Siberiano Com Catarata Bilateral

Mas, como esse mal se espalha nos olhos? A catarata atinge as lentes dos olhos, que são estruturas responsáveis pela formação da imagem dentro da retina por meio de raios luminosos.

Quando se torna opaca, a luz que acaba entrando diminui, portanto, a capacidade visual também. Ao passo em que tal problema piora, a opacidade aumenta de tamanho.

O tratamento pode não ser necessário até que um alto grau de visão seja perdido e a catarata se torne problemática. Muitas vezes, mesmo os cães cegos continuam se saindo bem em ambientes familiares, confiando em seus outros sentidos agudos. Quando uma causa subjacente pode ser identificada, ela é tratada, se possível. Por exemplo, corrigir a nutrição ou tratar a inflamação resultante de uma lesão no olho.

Opacidades Cristalinas Da Córnea

Também chamada de distrofia da córnea, a doença se origina da córnea, mas se espalha por todo o olho, obscurecendo e impedindo o pet de enxergar. Ela afeta ambos os olhos, mesmo não sendo de uma vez ou com gravidade igual.

A opacidade cristalina da córnea se desenvolve quando o animal começa com a produção de cristais na forma de cones. Estes cobrem as córneas até que elas se estendam até as superfícies dos olhos. A doença é hereditária e aparece em todas as idades.

Glaucoma

Isso ocorre se o canal regulador da pressão interna se estreita. Então, a pressão vai aumentando conforme o canal se bloqueia. Quando os huskys atingem um ano de idade, é preciso realizar exames para a detecção da presença do glaucoma. Assim, deve-se repetir esses exames anualmente, já que essa doença pode proporcionar cegueira.

Essa doença ocular, muitas vezes excruciante, precisa de sua atenção terapêutica imediata. E isso não apenas para aliviar a dor, mas, na melhor das hipóteses, para manter a visão no olho afetado. A intervenção precoce (médica ou cirúrgica) costuma ser a chave para manter a normotensão e o conforto do animal.

A terapia medicamentosa pode ajudar em curto ou longo prazo. Entre as substâncias mais usadas estão:

  • Bloqueadores beta;
  • Inibidores da anidrase carbônica;
  • Agentes osmóticos;
  • Análogos da prostaglandina;
  • Entre outras drogas.

Atrofias Progressivas Na Retina

Esse tipo de atrofia é uma patologia hereditária na retina onde o animal fica cego. Ela não afeta somente a retina, mas também os revestimentos internos, que são sensíveis às luzes que penetram nos globos oculares.

Essa doença, por seu efeito na visão, nem sempre requer terapia, embora alguns veterinários recomendem agentes anti-inflamatórios não esteróides tópicos.

Se houver deposição extensiva ou progressiva de minerais da córnea, o tratamento é diferente. Pode ser necessária a terapia tópica de quelação e desbridamento ou mesmo queratectomia.

Atrofias Progressivas Na Retina
Atrofias Progressivas Na Retina

Doenças Cutâneas Encontradas Na Raça

O husky siberiano exibe uma bela pelagem espessa, mas é preciso atentar para infecções que modificam a saúde e a aparência da derme. Quanto às doenças da pele, três são bem comuns: deficiências de zinco, dermatite nasal e hipotireoidismo.

Deficiências de Zinco

Essa deficiência no husky siberiano é de ordem genética e impede que ele absorva o zinco dos alimentos. Para diagnosticar essa condição, o veterinário faz uma biópsia com tecido retirado da pele.

Entre os incômodos sintomas de deficiência de zinco estão:

  • Comichão;
  • Perda de cabelo;
  • Lesão nas pernas, órgãos genitais e face.

É possível que os tratamentos prescritos com suplementos sejam administrados por toda a vida. Além disso, é importante mudar a dieta do pet, oferecendo alimentos ricos em zinco.

Dermatite Nasal

É causada por deficiência de zinco. É muito comum nessa raça, tendo como alguns dos sintomas:

  • Queda de cabelo pelo nariz;
  • Lesões nasais;
  • Vermelhidão;
  • Despigmentação.

O mesmo tratamento para a deficiência de zinco é aplicado para as dermatites nasais.

Hipotireoidismo

Surge quando a tireóide para de gerar o hormônio tireoidiano na quantidade que o corpo do animal precisa para que o metabolismo se estabilize.

Os sintomas de hipotiroidismo em cães são:

  • Espessamento da pele com anormalidades;
  • Queda de cabelo, especialmente na cauda.

Para tratar essa falha, o pet receberá medicamentos de reposição hormonal pelo resto da vida.

Em suma, quaisquer sintomas atípicos no husky siberiano devem ser levados em consideração. O tutor precisa encaminhar seu pet ao veterinário o mais rápido possível. A saúde dele com certeza vale ouro.

 

Veja também

Jumento Pêga: Características, Nome Cientifico e Fotos

O Brasil possui muitos itens que pertencem exclusivamente ao país, tais como flores e outros …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *