Home / Animais / Curiosidades da Morsa e Fatos Interessantes

Curiosidades da Morsa e Fatos Interessantes

Morsa é um grande mamífero marinho próximo aos leões marinhos, os caninos superiores transformados em defesa em ambos os sexos. O macho pode atingir 1200 kg e a fêmea 600. A pele é praticamente nua e enrugada; os membros têm a forma de barbatanas; as defesas do macho podem atingir quase um metro. Morsas vivem em grandes bandos, caçados pelos esquimós por gordura, carne, couro, presas, etc. A espécie é protegida tanto na Sibéria quanto no Canadá.

Curiosidades da Morsa e Fatos Interessantes

Único membro da família dos odobenídeos, a morsa é um entusiasta pacífico e sociável do molusco, subserviente aos mares gelados do Extremo Norte. Caracterizada por seus caninos transformados em grandes presas, tem um nome de gênero Odobenus, que significa literalmente “andar sobre os dentes”. As morsas estão entre as mais gregárias dos mamíferos: elas se reúnem às dezenas na água ou se reúnem em centenas ou milhares nas praias.

Analisando o comportamento de morsas em seu habitat, não será difícil de perceber muitas curiosidades interessantes, fatos que caracterizam a espécie de maneira surpreendente até. Vamos analisar pelo menos alguns em nosso artigo, a começar por exemplo por essa aglomeração costumeira nas praias gélidas do extremo norte:

Uma Hierarquia Respeitada

Como já dissemos, as morsas são gregárias e podem ser vistas reunidas as centenas ou aos milhares nas praias. No entanto, esta acumulação, longe de ser anárquica, segue regras precisas: a estrutura social varia dependendo da época do ano.

Durante grandes encontros de terra, a juventude sempre resolver na periferia do grupo, e, inversamente, os lugares centrais (os mais cobiçados) destinam-se, quando os grupos são misturados, a homens adultos robustos, com longas presas e estatura imponente, cuja autoridade é reconhecida por todos.

O ocupante desta posição privilegiada é, ao mesmo tempo, o objeto do respeito das outras morsas, e ninguém o disputa por este lugar. Mas esta preeminência é aleatória: é suficiente para um macho dominante perder uma defesa, após uma briga, por exemplo, para que sua superioridade seja contestada. Ele é imediatamente demitido, rebaixado a uma posição de subordinado e, portanto, removido do núcleo central.

Grande Bando de Morsas

Outro fato interessante e curioso nessa aglomeração envolve as fêmeas. Elas se aglomeram juntas, de todas as idades, incluindo as jovens. Aos 4 anos, os machos deixam este grupo para formar tropas adolescentes. Eles se juntarão a homens adultos aos 9 anos de idade. O animal dominante em cada grupo ocupa a posição central enquanto em terra, mas no mar, não há essa coisa de liderança.

Como as fêmeas, mas separadamente, as adolescentes migram para o norte no verão. No inverno, quando machos e fêmeas se encontram nos criadouros, eles se afastam de seus grupos sozinhos. É neste momento que o acasalamento ocorre, mas na água e não no gelo (será que ainda estão respeitando hierarquia?).

Vigilância e Solidariedade

As maiores concentrações de morsas costeiras ocorrem quando não há vento e a temperatura excede 15° C. Postado perto de seus congêneres, pontos estratégicos em terra e na água, algumas morsas vigiam acima de tudo, sentadas ou se movendo às vezes para ver melhor, constantemente acordando. No mínimo perigo, eles dão o alerta por um característico assobio. Nesse som, a reação é imediata e todas as morsas no chão correm para a água.

Dentro das espécies, a solidariedade é afirmada em todas as ocasiões: se uma delas é atacada por um urso polar, por exemplo, todos os adultos vêm em socorro com incrível velocidade, plantando suas presas no chão congelado para mover sua massa enorme para o assaltante, que, desconfiado, não se arrisca perto de grandes multidões e ataca apenas indivíduos mais ou menos isolados.

A solidão é rara, na verdade, porque a morsa gosta da vida em comunidade. Os animais doentes ou feridos, ou os velhos machos que não são muito sociáveis, parecem preferir uma vida em retirada de seus companheiros, mas nunca chegam ao interior do país, com algumas dezenas de metros no máximo. Essa ajuda instintiva é apenas uma ilustração dos elos que unem as morsas.

Independentemente da idade, todos se envolvem em contato com o corpo, como tocar as vibrissas para se reconhecerem. Além disso, seja tátil, olfativo ou sonoro, este animal não foi apelidado de “o cantor do Ártico” por seus gritos e latidos. A comunicação é de grande importância. Mas a atmosfera nem sempre é pacífica: a agressividade é latente, causada por promiscuidade ou conflitos de poder entre homens adultos. Onde tem multidão, sempre acontece confusão.

Bolsas Faríngeas

Falamos de vigilantes assoviando e lembramos de outra curiosidade interessante em morsas machos (mais raramente fêmeas). Ele têm na garganta um par de sacos, cujo orifício está ligado à faringe. Estas malas incham logo que o ar entra e funciona como uma caixa de som, permitindo que as morsas soem parecidas com os “jingles” de sinos. Estes sons tornam-se mais comuns durante a época de reprodução e durante o mergulho.

E em outras ocasiões também, quando necessário, como na posição de sentinela que mencionamos acima. Graças a essas bolsas de ar, a morsa também pode flutuar na superfície, mantendo a cabeça fora da água, ou dormindo imersa sem se afogar, apesar de sua corpulência.

E Aquelas Presas Heim?!

As presas das morsas, compostas do mais belo marfim, são uma arma muito dissuasora. Apanagens de ambos os sexos, esses caninos, que servem como faca de gelo como luta de espadas, são órgãos de reconhecimento social. O macho que ostenta os dentes mais longos e adota posturas para destacá-los está no topo da hierarquia, indiscutivelmente. Freqüentemente, as rivalidades sexuais desencadeiam a violência das quantias chorudas. Quem topa encarar um duelo de adagas de marfim?

Quando um ataque une dois adversários, eles se posicionam sobre os membros dianteiros, desafiam-se mutuamente, ameaçam, brandindo suas defesas como espadas: esse desfile geralmente conclui com a vitória daquele que exibiu a maior vantagem. Se houver equivalência, a briga irrompe.

No entanto, apesar do poder dessas armas formidáveis, o resultado de tais confrontos raramente é fatal: o primeiro golpe contra ele, o agressor mais fraco, desiste imediatamente e se submete. As lesões, muitas vezes benignas, no entanto, deixam cicatrizes muito visíveis nos corpos de machos idosos, lembranças de velhos duelos pela conquista de uma fêmea.

Veja também

Terrário para Jibóia Onde Encontrar? Qual o Tamanho Ideal?

A jibóia (nome científico Boa constritor) está entre os reptéis de estimação mais queridos. Mesmo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *