Home / Animais / Anfíbios em Extinção no Brasil

Anfíbios em Extinção no Brasil

Muitos sapos coloridos ainda vagam pela maior área úmida do mundo e ameaçadas de extinção, mas o avanço das fazendas e indústrias está destruindo a região do Pantanal brasileiro em um ritmo alarmante.

Pantanal sob Ameaça

A degradação do delta do rio sem acesso ao mar no alto rio Paraguai, que atravessa as fronteiras do Brasil com a Bolívia e o Paraguai, é um lembrete de como o progresso econômico pode causar danos ambientais em larga escala.

As exportações brasileiras de carne bovina, ferro e, em menor grau, da soja, os principais produtos do Pantanal, dispararam nos últimos anos, impulsionados em grande parte pela demanda global. Um caldeirão para vários ecossistemas, o Pantanal tem a maior concentração de fauna nas Américas.

Menos conhecido do que a floresta amazônica, o Pantanal é maior que a Inglaterra e abriga uma enorme reserva de água doce e vida selvagem extraordinária, variando de jaguares de 100 kg a ariranhas que se misturam em buracos de água cheios de jacarés de 3 metros. Das 650 espécies de aves do Pantanal, a maior tem uma envergadura de quase 3 metros e a menor pesa apenas 2 gramas.

Os visitantes do Pantanal se maravilham com a paisagem idílica e a proximidade e abundância de vida selvagem. Mas algumas espécies correm o risco de desaparecer, incluindo o tamanduá gigante de focinho comprido, que se agarra a formigueiros e agita sua língua de 60 cm até 160 vezes por minuto para devorar rapidamente as formigas. O tatu-canastra e o lobo-guará também estão na lista de espécies ameaçadas de extinção por causa de seus números decrescentes.

O impacto da agricultura moderna é óbvio, mesmo no resort turístico, no entanto, como um grande rebanho de gado vagueia através do pântano, esmagando lírios flutuantes.Os pecuaristas cortam árvores em altitudes mais elevadas e semeiam pastagens nas terras baixas, que são inundadas por meses. Muitos dizem que estão aqui há décadas e não se pode esperar que abandonem a terra e seu sustento.

As exportações brasileiras de carne bovina mais do que triplicaram, com a pastagem substituindo as florestas. Especialistas dizem que melhorar a produtividade, atualmente em torno de uma cabeça de gado por hectare (2,5 acres), poderia evitar muito desmatamento. Soma-se a isso a demanda por carvão vegetal de usinas de ferro gusa brasileiras acelerou o desmatamento, dizem os ambientalistas.

A erosão resultante do desmatamento criou grandes bancos de areia nos afluentes do rio Paraguai, como o Taquari e o Rio Negro, tornando-os parcialmente inavegáveis. “Os rios mudarão de curso, os lagos aparecerão ou desaparecerão – o tamanho e a forma do Pantanal mudarão”, disse Sandro Menezes, gerente do projeto Pantanal da Conservation International. “É muito provável que a flora e a fauna locais sejam extintas.”

Anfíbios no Brasil

É difícil saber quantas espécies foram extintas até agora porque é difícil provar que algo que não foi visto recentemente desapareceu para sempre. As rãs são particularmente preocupantes porque um fungo invasivo recentemente causou o colapso de muitas populações. Existe uma grande preocupação de que uma extinção em massa de anfíbios e répteis esteja em andamento.

Os dados são provenientes de uma combinação de bancos de dados de coleções de museus e pesquisas publicadas no site. O método calcula uma probabilidade de extinção para cada espécie considerando sua freqüência de observação e última data de observação. Não infere praticamente nenhuma extinção quando as datas de coleta são randomizadas e fornece subestimações quando eventos de extinção artificial são impostos. Com base nesses dados e nesse método conservador, a melhor estimativa do total geral global é de aproximadamente 200 extinções.

A perda e a doença do habitat são os principais impulsionadores dos declínios globais de anfíbios, mas a interação entre eles permanece em grande parte inexplorada.

Em uma escala espacial menor, mantendo altitude, latitude e macroclima constantes, também encontramos uma relação negativa entre a perda de habitat e ambos. Prevalência e intensidade de infecção em populações de rãs em duas paisagens pantaneiras. Nossos resultados indicam que os anfíbios serão desproporcionalmente afetados por doenças emergentes em ambientes intocados, e que, paradoxalmente, habitats perturbados podem atuar como abrigos contra doenças, mas apenas para as poucas espécies que podem tolerar o desmatamento.

Assim, as faunas de anfíbios tropicais estão ameaçadas tanto pela destruição de habitats naturais quanto pelo aumento da doença em florestas virgens. Para conter mais extinções e desenvolver programas eficazes de mitigação e restauração, devemos olhar para as interações entre a perda de habitat e a doença, os dois principais fatores que estão na raiz dos declínios globais de anfíbios.

Dificuldades Morfológicas

As rãs alcançam megadiversidade nos trópicos, mas essa extrema riqueza de espécies está sob forte pressão de distúrbios humanos, principalmente por meio da perda de habitat e degradação dos locais de reprodução. Contemporaneamente, está se tornando cada vez mais evidente que a diversidade de rãs tem sido severamente subestimada, e isso é verdade em muitos grupos diferentes de anuros.

Anfíbios no Brasil - Rãs
Anfíbios no Brasil – Rãs

Por exemplo, a riqueza de espécies no gênero Adenomera na subfamília Phyzelaphryninae Hedges e no gênero Osteocephalus aumentou em 116%, 100% e 37,5%, respectivamente. Além disso, a riqueza de espécies no gênero Engystomo e no complexo de espécies Hypsiboas calcaratus, Hypsiboas fasciatus aumentaram em pelo menos 150% e 200%, respectivamente. Finalmente, 11 linhagens distintas de rãs-folhas do complexo de espécies Rhinella margaritifera e seis linhagens de pererecas do complexo de espécies Scinax ruber foram identificadas como espécies potencialmente novas.

Estudos taxonômicos do gênero Scinax são muito desafiadores devido ao grande número de espécies morfologicamente similares, especialmente aquelas pertencentes aos mesmos complexos de espécies. Além das dificuldades no reconhecimento de espécies, o elevado número de espécies crípticas e a falta de informação sobre a distribuição geográfica de muitas espécies, exigem a introdução de métodos não morfológicos na pesquisa sobre a taxonomia do gênero. Esses estudos taxonômicos integrativos de rãs pantaneiras geralmente abordam dados morfológicos, moleculares, bioacústicos e de história natural. A integração de diferentes linhas de evidência é uma ferramenta poderosa para resolver problemas taxonômicos, e compreender as relações evolutivas entre taxa.

Espécies em Risco no Pantanal

Leptodactylus syphax é um tipo de anfíbio da família Leptodactylidae. Encontra-se no extremo leste da Bolívia, central no nordeste do Brasil e no Paraguai. Esta espécie pode ser comum em situações ideais de habitat, mas não de outra forma. O sobrepastejo, a intensificação agrícola e o fogo podem ser ameaças locais. Seu alcance se sobrepõe a várias áreas protegidas.

Leptodactylus Syphax
Leptodactylus Syphax

Physalaemus cuvieri, anfíbio da família Leptodactylidae. Provavelmente vive na Argentina, no Brasil, no Paraguai, porovavelmente na Bolívia , provavelmente na Guiana , e talvez no Uruguai bem como na Venezuela. Ameaça de extinção pela perda de habitat.

Physalaemus Cuvieri
Physalaemus Cuvieri

Physalaemus centralis é um tipo de anfíbio da família Leptodactylidae. É encontrado no Brasil e nos vizinhos Bolívia e Paraguai. Ameaça de extinção pela perda de habitat.

Physalaemus Centralis
Physalaemus Centralis

Physalaemus nattereri é um sapo fossorial e sazonal encontrado no Brasil, Bolívia e Parguai. Ela habita savanas e pastagens no bioma Cerrado e é encontrada no solo perto de corpos hídricos permanentes e temporários, como lagoas e pântanos. Pode ser localmente ameaçado pela disseminação da agricultura intensiva.

Physalaemus Nattereri
Physalaemus Nattereri

Pseudopaludicola mystacalis é um tipo de anfíbio da família Leptodactylidae. Pode ser encontrada na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e possivelmente no Uruguai. Ameaça de extinção pela perda de habitat.

Pseudopaludicola Mystacalis
Pseudopaludicola Mystacalis

Scinax acuminatus é uma espécie de anfíbio da família Hylidae. Pode ser encontrada na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e possivelmente no Uruguai. Está ameaçada pela eventual perda de habitat , mas a população atualmente está relativamente estável, já que se adapta razoavelmente bem à invasão e ao desenvolvimento humano.

Scinax Acuminatus
Scinax Acuminatus

Phyllomedusa boliviana é uma espécie de anfíbio da família Hylidae. É encontrado na Argentina, Bolívia e Brasil (oeste dos estados de Mato Grosso e Rondônia). Ameaça de extinção pela perda de habitat.

Phyllomedusa Boliviana
Phyllomedusa Boliviana

Lysapsus limellum é uma espécie de rã da família Hylidae encontrada no norte da Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. É localmente impactado pela perda de habitat.

Lysapsus Limellum
Lysapsus Limellum

Veja também

Animais Exóticos da Austrália

A Austrália é um país rico nos mais diversos âmbitos e sentidos da palavra. Nele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *